Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Que impactos está a ter a COVID-19 no clima?

Zé LG, 10.05.20

As medidas de combate à pandemia da COVID-19 levaram à redução da poluição devido à redução da circulação, do consumo, dos resíduos, etc. Este será seguramente o impacto mais positivo da desta pandemia. 

P1080061.JPGSerá que esse impacto já se está a fazer sentir no clima? Em Portugal nos últimos meses, designadamente Abril - águas mil -, o tempo parece ter regressado ao que era antigamente. Será que é já uma realidade ou não passa de uma mera sugestão?

Ministério da Agricultura oferece “sopas depois de almoço” aos agricultores

Zé LG, 18.04.20

Tendo em conta o atual Estado de Emergência e os impactos negativos no exercício da atividade agrícola, o Ministério da Agricultura revela que “os produtores podem agora praticar o pastoreio nas áreas de pousio e não são obrigados à diversificação de culturas nas explorações cerealíferas”. Para a FAABA - Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo, a medida, agora, anunciada já tinha sido solicitada e, neste momento, não é tão importante, devido à chuva que caiu. 

201904071903316325 pousio.jpgRui Garrido, presidente da FAABA, recorda que a medida foi solicitada antes das chuvas que ocorreram nos últimos tempos, porque nessa altura, antes de chover, esta tomada de decisão teria sido relevante, uma vez que as pastagens e as forragens “estavam-se a perder”. Atualmente, “não é uma medida tão importante”, mas poderá ter relevância “nalguns casos que tenham esgotado as suas reservas”.

Minha querida prima Vera

Zé LG, 06.04.20

À medida que os anos passam, vai-me custando, cada vez mais, suportar as tuas ausências.

Quando não estás comigo parece que nunca mais chega a altura de regressares, o que acontece, todos os anos, no dia do teu aniversário.

Não é nada fácil viver sem ti, sem a tua luz, sem o teu brilho, sem as tuas cores, sem o ter calor morno, sem a tua força criadora.

Mas, com o teu regresso, tudo muda, tudo se renova e inova, é com o se fosse o nosso renascer.

Contigo tudo desabrocha, a vida apetece ser mais vivida.

IMG_2868.JPGContigo sabe bem aproveitar os dias, cada vez maiores, reluzentes, cheios de sol, a aquecerem-nos cada vez mais.

Contigo apetece passear pelos campos floridos, cuja paleta de cores nos deixa inebriados.

Contigo a paixão e o desejo tornam-se mais intensos e incontidos. Fazes-me sentir o que não consigo sentir com nenhuma outra.

Clique aqui, se quiser ler o resto deste texto, de Alvito, 18 de Março de 2006, publicado na edição nº 71 da revista Mais Alentejo.

À 1 hora dá duas

Zé LG, 28.03.20

Miguel Bastos Araújo, investigador da Universidade de Évora, aponta relação entre clima e propagação da Covid-19

Zé LG, 17.03.20

imgLoader2.ashx.jpegO investigador Miguel Bastos Araújo, da Universidade de Évora, indicou uma relação entre o clima e características epidemiológicas do novo coronavírus, cuja maior parte dos casos aconteceu em áreas “secas e com temperatura fresca”. Em termos do número de pessoas infetadas no mundo, desde o início de janeiro e até à passada terça-feira, há “uma concentração de casos em áreas com uma temperatura fresca, ali por volta dos seis e dos nove a 10 graus”, indicou, em declarações à agência Lusa.

Segundo o investigador, Prémio Pessoa em 2018 e responsável pela Cátedra na área da Biodiversidade na Universidade de Évora (UÉ), “a maior parte dos casos” de pessoas com a doença Covid-19 verifica-se “em área secas” e “com uma precipitação baixa”, no período da infeção.

Esta relação “que parece haver entre as características epidémicas do vírus e o clima” é um dos resultados de um estudo de Miguel Bastos Araújo e do investigador iraniano Babak Naimi, da Universidade de Helsínquia (Finlândia). No caso de Portugal, exemplificou, “o que se prevê é que, agora, em março e abril, o vírus continue em expansão”, porque “terá condições para isso”, mas espera-se que, “a partir de maio ou junho decaia abruptamente”.

“O que não quer dizer que não continue a haver contágios porque, por exemplo dentro de casa, com ar condicionado, essas são condições ideais para a propagação do vírus. O que se prevê é que seja muito mais reduzida essa propagação, as condições do ecossistema são menos adequadas para o vírus”, completou.

Depressão Elsa provocou vítimas mortais e desalojados, estradas cortadas e inundações

Zé LG, 20.12.19

Pelo menos duas pessoas morreram na sequência do mau tempo. A queda de árvore fez uma vítima mortal no Montijo e um desabamento de terras em Castro Daire provocou uma segunda vítima mortal. Veja aqui as previsões do tempo, os alertas da Proteção Civil e as indicações para as diferentes localidades.

transferir.jpgNova depressão chega sábado. A agitação marítima associada ao Fabien irá também fazer-se sentir na costa ocidental, em especial no litoral norte”. Contudo, prevê-se que os efeitos da depressão Fabien não apresentem em Portugal continental a mesma intensidade do que os da tempestade Elsa, “em particular em termos de vento e com mais significado em termos de precipitação”.

TEMPO

Zé LG, 08.12.19

20180206_141940.jpg... que para uns abunda ao ponto de não saberem o que fazer-lhe e a outros que tanta falta faz para fazerem tudo o que precisam e querem.
... que não volta para trás e que nem sempre é aproveitado da melhor forma e quando damos por isso já não temos.
... de sair daqui agora, porque me faz falta para outros usos que não podem esperar.

Plano Municipal de Defesa da Floresta contra Incêndios de Alvito em consulta pública

Zé LG, 11.11.19

Fogo-PL-copy-768x432.jpg

Segundo a Câmara Municipal, a “necessidade de mudança para uma atitude defensiva da floresta contra os incêndios veio agitar consciências e promover alterações, de forma a permitir uma maior eficiência da prevenção, da vigilância, da deteção e da fiscalização do espaço florestal”.

O Município refere que o “objetivo do Plano de Ação é a apresentação de propostas que visam estruturar o modelo florestal do concelho de Alvito com vista à redução da eclosão de incêndios florestais, proteção das atividades humanas, valorização da floresta e ordenamento florestal”.

As sugestões, bem como a apresentação de informações ou observações, deverão ser apresentadas por escrito e enviadas à Câmara Municipal para: geral@cm-alvito.pt, com a identificação completa do seu auto, ou autores, e contacto respetivo.

Esta noite, podemos dormir mais uma hora

Zé LG, 26.10.19

hora.jpg

Na madrugada de domingo (27 de outubro) em Portugal continental e na Região Autónoma da Madeira, às 02h00 os relógios devem ser atrasados 60 minutos, passando para a 01h00. Na Região Autónoma dos Açores, a mudança será feita à 01h00 da madrugada de domingo, passando para a meia-noite (00h00).

A hora legal voltará depois a mudar a 29 de março de 2020, marcando a mudança para o regime de verão.

ACOS solidária com Cimeira de Ação Climática

Zé LG, 24.09.19

A ACOS - Associação de Agricultores do Sul solidariza-se com todas as ações em defesa de um planeta mais limpo e sustentável, designadamente a Cimeira de Ação Climática, que decorre em Nova Iorque pela mão da ONU, e a ação climática global observada esta semana por parte de diversos sectores de atividade no nosso País, designadamente escolas.

acos.jpgA defesa da sustentabilidade é um imperativo da ACOS que procura unir esforços com todas as áreas do saber e setores de atividade de modo a que se consigam obter resultados mais consistentes.

Prova disso é o grande contributo que a ACOS está a preparar para mais uma edição da Ovibeja. “Agricultura Con(s)CIÊNCIA” é o mote da 37ª Ovibeja, a realizar de 29 de Abril a 3 de Maio de 2020, e para a qual já estão a ser desenvolvidas ações que abordem a questão da eficiência que remete para a sustentabilidade e para o conhecimento com base na ciência.

Leia aqui todo o texto com a posição da ACOS. Leia e oiça mais aqui e aqui.

Baixo Alentejo entrou em seca severa

Zé LG, 11.06.19

O IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera classificou o mês de Maio como “muito quente em relação à temperatura do ar e extremamente seco em relação à precipitação”.

“O valor médio da temperatura máxima do ar, 25,09 °C, foi muito superior ao valor normal +4.13 °C, sendo o 2º valor mais alto desde 1931”.

O IPMA registou no final de Maio um aumento da área em seca meteorológica e da sua intensidade. O Baixo Alentejo passou de uma situação de seca moderada em Abril para seca severa em Maio.