Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Petição para revogação de Resolução que permite aumentar área de estufas até 40 % e de contentores no Perímetro de Rega do Mira

Zé LG Zé LG, 24.01.20

imgLoader2.ashx.jpg“Temos cerca de 11 por cento da agricultura intensiva coberta por plástico e aquilo que a resolução [do Conselho de Ministros] diz é que pode vir a aumentar até 40 por cento, além da autorização, a título excecional, de contentores dentro das explorações agrícolas” e da "contratação de milhares de trabalhadores asiáticos em condições pouco claras”, disse Fátima Teixeira, porta-voz do movimento que lançou a petição.

O movimento alerta para as consequências “nefastas” de práticas agrícolas “que apostam na utilização intensiva de água para rega, plásticos, fertilizantes e pesticidas sintéticos”, no “Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, uma zona de excelência, com recursos ambientais que é preciso proteger. Estamos a destruir um património ambiental que é único”, pelo que é urgente “resolver os problemas que já existem ao nível de estufas, de agricultura intensiva e da capacidade para acolher tantos imigrantes” antes de se avançar para a expansão da atividade agrícola.

É urgente travar este avanço e proteger as zonas sensíveis do ponto de vista ecológico, assim como as populações dos aglomerados urbanos, das contaminações desta agroindústria, sendo por isso imperativo a demarcação de uma faixa mínima de 1.000 metros a partir da linha de costa e de 500 metros dos perímetros urbanos, livres de agricultura intensiva”.

GNR de Beja transportou órgão, para transplante, para o Porto

Zé LG Zé LG, 23.01.20

GNR-4-768x432.jpgO Comando Territorial de Beja da GNR realizou, esta madrugada o transporte urgente de um órgão do Hospital José Joaquim Fernandes para o Centro Hospitalar e Universitário do Porto.
O transporte dos órgãos é, regra geral, “pedido à GNR pela Unidade de Saúde que detém o órgão a ser transportado”. A patrulha desloca-se ao local para levantar o órgão e, de seguida, procede ao seu transporte até ao destino.

Ministra da Saúde prometeu reunir-se com a Comissão de Utentes de Beja

Zé LG Zé LG, 22.01.20

202001211954331697.jpgOntem, no final da sessão “Hospitalização Domiciliária - Balanço e Desafios 2020”, em Beja, Marta Temido recebeu da Comissão de Utentes um documento com as necessidades na área da saúde e prometeu realizar uma reunião com a Comissão de Utentes, com participação da ULSBA e da ARSA.

Recorde-se que a Comissão de Utentes de Beja pede o início aos procedimentos com vista à ampliação do Hospital José Joaquim Fernandes em Beja, tal como ficou estipulado no Orçamento Estado para 2019. Exige, igualmente, a aplicação e investimento justo e necessário imediato por parte do Estado para a 2ª fase (ampliação e remodelação), permitindo este investimento dotar o Hospital José Joaquim Fernandes de um novo bloco operatório, outro de consultas externas e um novo módulo de urgências; a melhoria das instalações atuais, aquisição de equipamentos de diagnóstico (ressonância magnética e outros); construção de heliporto, manutenção, melhoria e ampliação de valências médicas e a contratação imediata de médicos, sobretudo para as especialidades onde estão em falta, assim como outros profissionais de saúde.

A Comissão de Utentes diz ter conhecimento do tempo de espera que os utentes aguardam, nas urgências do Hospital de Beja, em macas até serem transferidos para os quartos. Para Rui Eugénio, este é um “problema muito grave”.

Ministra da Saúde encerra sessão em Beja sobre “Hospitalização Domiciliária Balanço e Desafios 2020”

Zé LG Zé LG, 21.01.20

202001201456219382.jpgO Centro UNESCO, na cidade de Beja, recebe, a partir das 10.30 horas, a cerimónia de assinatura dos protocolos que visam a expansão da hospitalização domiciliária, que Ministério da Saúde pretende levar a efeito. A sessão da abertura conta com a presença do secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, o encerramento, às 17.30 horas, é feito por Marta Temido, ministra da Saúde.

As assinaturas decorrem no âmbito da sessão “Hospitalização Domiciliária Balanço e Desafios 2020” que pretende proporcionar a partilha de experiências das equipas, dificuldades, estratégias, mas também o compromisso de alargamento desta metodologia de trabalho, nos hospitais do SNS.

Durante a sessão são abordados temas como “Visão da Hospitalização Domiciliária na região da Galiza”, “Contratualização e Certificação de Unidades”, “Estratégias de integração de doentes na Hospitalização Domiciliária”, “Hospitalização domiciliária e área cirúrgica”, “Desempenho das equipas-Factores críticos de sucesso” e “Acreditação e  Indicadores de qualidade”.

"E pasmo-me de espanto ao ler aqui alguns comentários"

Zé LG Zé LG, 11.01.20

"Eu não acho nada bem a forma como os sucessivos governos têm vindo a tratar o hospital de Beja, mas não tenho poder algum de mudar o que quer que seja.
Limito-me apenas a observar o panorama da saúde e não só, do distrito e da cidade em particular.
E pasmo-me de espanto ao ler aqui alguns comentários, e a forma leviana como alguns colegas/camaradas de blog analisam as diversas realidades com que nos deparamos no distrito e na cidade, e no caso particular, da saúde na região.
Oxalá que tivéssemos capacidade de alterar a decrépita situação sócioeconómica da cidade e da região, por que atrás certamente teriam que vir investimentos e competencias para o hospital.
Só que estamos nas antipodas, e é bom que tenhamos os pés bem assentes no chão. Já que é a única forma de reagirmos e lutarmos com estes fatalismos que nos querem impor.

Anónimo 06.01.2020 20:02", aqui.

Urgências do Hospital Litoral Alentejano sem médicos de clínica geral

Zé LG Zé LG, 06.01.20

720015.pngAs urgências do Hospital Litoral Alentejano (HLA), em Santiago do Cacém, estiveram sem ninguém na escala entre as 20h de sábado e as 8h de ontem. A denúncia foi feita pelo Sindicato Independente dos Médicos, que explicou que o serviço está a ser assegurado por médicos especialistas e não por médicos de clínica geral como seria suposto.

Estas urgências servem as populações de Santiago do Cacém, Alcácer do Sal, Odemira, Grândola e Sines, o que representa um universo de quase 100 mil pessoas.

Jorge Roque da Cunha, secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos fez um apelo à ministra da Saúde, Marta Temido, para que esta “resolva o problema e não diga que está tudo bem”. 

ULSBA recebeu 21 médicos internos

Zé LG Zé LG, 03.01.20

Desses profissionais de saúde, nove vão receber formação específica, nas especialidades de Medicina Intensiva (1), Psiquiatria (1), Pediatria (1), Medicina Interna (2) e Medicina Geral e Familiar (4). A estes juntam-se ainda 12 Médicos Internos para formação geral.

Internos-2020-696x385.jpg

A sessão de boas-vindas, realizou-se esta quinta-feira, e contou com a presença de membros do Conselho de Administração, Direção do Internato Médico e Comissão de Internos da ULSBA e Diretores dos Serviços.

 

Que boa notícia, que nos enche de esperança! Que se concretize a expectativa da ULSBA de quea vinda dos Médicos Internos é um acontecimento muito importante, uma vez que estimula a dinamização dos Serviços Clínicos e cria a possibilidade de fixação de médicos na região”!