Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

João Ferreira acusou as entidades privadas de saúde de “desertarem” nos momentos difíceis, como é o combate à pandemia de covid-19

Zé LG, 13.01.21

imgLoader2.ashx.jpgO candidato à Presidência da República João Ferreira afirmou, em Santiago do Cacém, que: “Percebemos hoje que aquele negócio que cresceu à sombra do desinvestimento no Serviço Nacional de Saúde, porque foi quando se começou a desinvestir no SNS que começou a nascer e a proliferar o negócio privado da doença, percebermos hoje que na hora do aperto, esses, os grupos económicos que fazem esse negócio, põem-se ao fresco”.

Durante a sua intervenção, João Ferreira sublinhou que as entidades privadas de saúde “desertaram do combate no momento mais difícil”, assim “como desertam de tudo aquilo que não lhes assegure perspetivas de lucro”. Por outro lado, elogiou o Serviço Nacional de Saúde, “que mesmo com o desinvestimento de que foi sendo alvo, está a revelar-se essencial para, numa altura tão difícil e tão exigente, proteger a saúde dos portugueses”.

Presidente do PS Baixo Alentejo apresentou propostas à ministra da Saúde

Zé LG, 12.01.21

PS-768x576.jpgO presidente da Federação do Baixo Alentejo do PS reuniu-se com a ministra da Saúde, Marta Temido, a quem entregou um projeto de criação da Unidade de Cuidados Paliativos no Hospital de Beja, da autoria do médico Munhoz Frade e reafirmou a “defesa do Serviço Nacional de Saúde”.

Nelson Brito defendeu “a urgência de responder à carência de médicos de saúde pública no distrito”. Apresentou “as necessidades ao nível das infraestruturas de saúde, com enfoque na construção da 2ª fase do Hospital José Joaquim Fernandes, bem como garantir financiamento para a Unidade de Cuidados Intensivos, piso de consultas externas e projeto de instalação da ressonância magnética neste estabelecimento hospitalar”. Frisou ainda “a necessidade de cumprir com o compromisso de construção da CPI – Centro de Respostas Integradas (Antigo CAT)” e sugeriu à ministra “a constituição de novos instrumentos para contratação de médicos para o interior, quer por via legislativa, quer por via do reforço da tabela remuneratória dos médicos que decidam fixar-se no interior.” Daqui e daqui.

23 Municípios alentejanos vão erradicar amianto de 38 escolas

Zé LG, 10.01.21

Amianto.jpgatravés das candidaturas por Programa Operacional Regional do Alentejo.

No distrito de Beja estão contempladas a Escola Mário Beirão e a Escola de Santiago Maior, em Beja; a Escola Secundária de Aljustrel e a Escola Básica e Secundária Dr. João Brito Camacho, em Almodôvar, bem como as Escolas Básica e Secundária de Ferreira do Alentejo; a Básica e Secundária de S. Sebastião, em Mértola; a Escola Básica de São Teotónio, no concelho de Odemira e, ainda, a Abade Coreia da Serra e nº1 de Vila Nova de S. Bento, no município de Serpa.

Isto é verdade?! E o que aconteceu à "pessoa (já com sintomas) a qual tem altas funções na saúde desta cidade?”

Zé LG, 08.01.21

202003021242426463.jpg“É triste que muita gente tenha perdido o sentido de responsabilidade e não siga as regras mais básicas da luta anti-covid. Ainda na noite da passagem de ano, num jantar num restaurante desta cidade, foram infectadas mais de 20 pessoas, desde crianças, a grávidas, por pura estupidez de pessoa (já com sintomas) a qual tem altas funções na saúde desta cidade.” Anónimo 06.01.2021, aqui.

Todos devemos ser responsáveis, mas há quem, pelas funções que exerce, tem de ser mais responsabilizado pelas irresponsabilidades que pratica. Neste caso, a confirmar-se a sua veracidade, devia ser divulgado, até para exemplo dos outros "responsáveis" e de todos nós, o que aconteceu a esta pessoa com "altas funções na saúde desta cidade".

E agora, quem assume a responsabilidade pelo descontrolo da pandemia?

Zé LG, 07.01.21

202003021242426463.jpgNo dia 18 de Dezembro, escrevi aqui um texto intitulado "A lógica do combate à pandemia", terminando assim:

"E, se depois do Natal comemorado com responsabilidade individual e sem testar esta pela passagem do ano, a pandemia se descontrolar e aumentarem significativamente as mortes dos mais velhos e mais vulneráveis? Quem assume a responsabilidade? António Costa e o governo, com a cumplicidade do PR Marcelo Rebelo de Sousa ou passam-na para nós?"

E agora, que, tal como era fácil de prever, a pandemia parece estar descontrolada ou, pelo menos, com muitas mais dificuldades de ser controlada, quem assume a responsabilidade e as respectivas consequências? O Zé, como acontece sempre?

Portel foi o primeiro município a assinar transferência de competências na saúde

Zé LG, 04.01.21

Saude-5-768x512.jpgA Câmara de Portel tornou-se no primeiro município do país a assinar o protocolo com o Governo para a descentralização de competências na área da saúde.

Durante uma cerimónia virtual para a assinatura do auto de transferência de competências entre as partes, o secretário de Estado da Saúde, Diogo Serras Lopes, sublinhou que a descentralização de competências “está no programa de Governo e acreditamos que é possível servir melhor as pessoas num contexto de proximidade e aumentando o contexto de proximidade”.

“O Filho do Sapateiro Valentino”, obra autobiográfica de Agostinho Moleiro

Zé LG, 03.01.21

imgLoader2.ashx.jpg… foi recentemente apresentado ao público, na Biblioteca Municipal de Beja. Uma obra em que o autor homenageia “todos os ‘sapateiros’ e ‘camponesas’ que, nas mais adversas condições de vida, fizeram tudo pelo bem-estar dos seus filhos”.

“Foi gratificante escrever mais um livro, foi um delicioso exercício de memória. Pedi ajuda, à minha irmã mais velha, na certificação dos dados mais antigos. Um sonho partilhado – com a minha família, os amigos, a minha terra e outras mais – e um pedacinho da história do meu país. Bem ou mal, nunca perfeito e sempre real. Os “sonhos” não terminaram e antes que o Sol se ponha vamos a outro!”, assim termina Agostinho Moleiro a sua entrevista ao Diário do Alentejo, que pode ler aqui.

Covid-19 encerrou Serviço de Urgência Básica de Moura

Zé LG, 03.01.21

MOURA-Centro-de-saude_800x800-160x160.jpgO Serviço de Urgência Básica (SUB) de Moura, que acolhe também o Centro de Saúde foi ontem encerrado por decisão da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA), em virtude de ter sido detetado um surto de covid-19 que regista 10 infetados.

O SUB de Moura reabre hoje, pelas 16,00 horas, funcionando todos os dias, entre as 08,00 e as 24,00 horas, com consultas de recurso, um serviço que será assegurado por 4 profissionais: médico, enfermeiro, assistente técnico e assistente operacional, o que “permitirá assegurar à população a prestação básica de cuidados de urgência, até data a definir”.

“São os novos lobos liberais atacando o rebanho...”

Zé LG, 24.12.20

«A MINISTRA DA SAÚDE

ms.jpgA ministra assim, a ministra assado. Devia demitir-se, já se devia ter demitido. As vacinas não vão dar para todos, pois já se sabia. Dias a fio disto, semanas a fio. A minha área política não é, claramente, a da ministra Marta Temido. Mas, muitas vezes tenho pensado, durante estes meses, quantas pessoas aguentariam, com aquela serenidade consciente (consciente porque conhecedora, não por indiferença), a pressão de todas as dificuldades. Seria possível ter feito melhor? Com os meios que há? Tenho, enquanto cidadão (não sou técnico nem comentador televisivo), as maiores dúvidas.

Ganhei, ao longo dos meses, respeito à ministra Marta Temido. Ao mesmo tempo que se me firmou a convicção que sem o papel do Estado, que sem o Serviço Nacional de Saúde, sem os trabalhadores que têm dado o seu melhor, e até mais que isso, teríamos fracassado.

Ouvir um candidato à Presidência da República, chamado Tiago Mayan, dizer que a ministra é responsável por 10.000 mortes causa uma tristeza sem limites. E revolta, ante a infâmia. São os novos lobos liberais atacando o rebanho…” - Santiago Macias, aqui.

Maior plantação de cannabis medicinal da Europa está no Alentejo

Zé LG, 24.12.20

cannabis_0.pngA maior plantação de Cannabis medicinal da Europa localiza-se no Alentejo, mais concretamente em Aljustrel, e foi destaque na consagrada revista National Geographic, que enfatiza o carácter inovador do projeto de plantação de canábis medicinal de Aljustrel.
Prevê-se que a plantação – que é já a maior do género da Europa - possa atingir, em 2021, e após 45 milhões de euros de investimento, os 40 hectares, sendo que a empresa responsável, a RPK BioPharma prevê criar mais 65 postos de trabalho, ficando com um total de 200 colaboradores logo que o projeto esteja em pleno funcionamento. A sua produção anual pode vir a atingir a produção anual de 500 toneladas.

Será que está a ser feito tudo para evitar que tantos velhos morram?

Zé LG, 23.12.20

100564761_2802640163182185_2963252152606130176_o.j«O factor idade parece ser o mais forte a empurrar alguém para a doença grave, ser hospitalizado, ir parar à UCI e morrer. Se compararmos um jovem de 20 ou 30 anos que tem uma insuficiência cardíaca com um idoso saudável de 75 ou 80 anos, o idoso continua a estar em maior risco do que o jovem» - Manuel Carmo Gomes, professor de Epidemiologia da FC da Universidade de Lisboa, in VISÃO de 17/12.

Sabendo-se isto, porque é que continuam a morrer tantos velhos, designadamente nos lares, onde estão confinados? Porque não são tomadas medidas mais rigorosas de forma a travar a entrada do vírus nos lares? Se há (deve haver) controlo das pessoas - funcionários, técnicos de Saúde, fornecedores, familiares -, que entram nos lares e se já há testes rápidos, porque não se fazem de forma obrigatória a todas elas?

Desculpem, mas não consigo entender que se façam tantos testes e que não se façam todos os que forem necessários para poupar vidas dos mais velhos, por mais curtas que sejam as suas esperanças de vida...

Os médicos de saúde pública da ULSBA sempre se foram embora, contrariando o que disse o secretário de Estado Adjunto da Saúde

Zé LG, 17.12.20

260920130939-912-3019_HospitalBeja2000.jpgOs médicos de saúde pública da ULSBA já saíram. Embora o secretário de Estado Adjunto da Saúde tenha dito, em Beja, no final do passado mês, que iriam ser mobilizados para ficarem isso não se concretizou.

Os médicos de saúde pública são os responsáveis pelos processos de investigação na área da Covid-19, pelas decisões de isolamento e pela realização de testes e a ULSBA tinha três que desempenhavam estas funções fundamentais neste contexto de pandemia.

PCP promove Conferência de Imprensa, à porta do Hospital de Beja

Zé LG, 17.12.20

PCP-1-768x432.jpgA Comissão Concelhia de Beja do PCP promove, esta quinta-feira, pelas 14:30 horas, uma Conferência de Imprensa, à porta do Hospital de Beja, para abordar questões relacionadas com a saúde dos portugueses “que não pode ser um negócio”.

O PCP de Beja considera que “temos assistido ao encerramento de vários serviços e valências, com a consequente contratação de serviços ao privado”, assim como, “ao desinvestimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS), ao nível de recursos humanos, mas também ao nível financeiro, “prática comum dos governos PS e PSD-CDS”.

“Ministério da Saúde sem critérios para uma liderança clínica forte que permita a adequada gestão em tempos de pandemia”, diz FNAM

Zé LG, 15.12.20

logo (1).pngA FNAM refere que “a adequada governação clínica melhora os cuidados de saúde prestados aos doentes ao promover uma liderança forte associada à qualificação técnico-científica dos médicos, em detrimento de uma visão puramente gestionária das instituições de saúde, sujeita a clientelismos, que se iniciou no ano de 2007 com o «Estatuto do Gestor Público», implementado pelo Ministro da Saúde António Correia de Campos. Este Estatuto revelou-se, ao longo dos anos, uma falácia, ao abrir a porta a nomeações políticas duvidosas para cargos dos Conselhos de Administração hospitalares e dos órgãos de gestão dos ACES.”

PS do Baixo Alentejo exorta o governo a recorrer à requisição civil, se for necessário, para garantir médicos de saúde pública

Zé LG, 15.12.20

201805071818025023.jpg“O PS Baixo Alentejo exorta o governo para uma resolução urgente deste problema (falta efetiva de médicos de saúde pública), nem que para tal recorra a requisição civil, e a desenvolver uma ação afirmativa que garanta, no futuro imediato, o preenchimento das vagas, consideradas de extrema importância.”

Enfermeira do Baixo Alentejo eleita para liderar a Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos

Zé LG, 13.12.20

Projeto-Over-13.pngA Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) elegeu no passado dia 5 de dezembro, os novos corpos gerentes (Triénio 2021-2023), tendo sido eleita a lista presidida por Catarina Pazes sob o lema “Juntos pelos Cuidados Paliativos”. Da lista eleita fazem ainda parte, Guida Ascenção, psicóloga, Lúcia Gonçalves, enfermeira, e Cristina Galvão, médica, todas profissionais da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo.

Catarina Pazes é enfermeira coordenadora da Equipa Comunitária de Suporte em Cuidados Paliativos Beja+ da ULSBA. Licenciada em Enfermagem, mestre em Cuidados Paliativos, especialista em Enfermagem Comunitária e em Enfermagem Médico-Cirúrgica – Pessoa em Situação Paliativa.

Recordamos que a Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos é uma associação multiprofissional empenhada na divulgação, promoção e defesa dos cuidados paliativos em Portugal.

CDS-PP exige demissão das direções do Hospital de Évora e da ARS do Alentejo

Zé LG, 02.12.20

cds_distrital_evora-360x300.pngA Distrital de Évora do CDS-PP exige a demissão do conselho de administração do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) e do conselho diretivo da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, na sequência de alertas feitos pelo Sindicato Independente dos Médicos sobre alegadas dificuldades no Serviço do Gastroenterologia do HESE.

Para a Distrital de Évora do CDS-PP, “a direção da ARS do Alentejo e o conselho de administração do HESE têm sido manifestamente incapazes ou incompetentes para resolver os enormes desafios que a nossa região tem pela frente na área da saúde, ainda mais agora num momento excecional de pandemia”, pelo que exige “que estas direções se demitam elas próprias dos seus cargos, numa derradeira demonstração de dignidade e respeito por aqueles que deveriam defender e cuidar no cumprimento das suas funções”.

PCP promove protesto, frente ao Hospital de Beja, para denunciar problemas no acesso à Saúde

Zé LG, 17.11.20

202011161526551255.jpgO PCP promove hoje, pelas 18horas, uma acção de protesto, em frente ao Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, para denunciar os problemas que a população está a viver no acesso à saúde, agravados pela Covid-19.

Bernardo Loff, médico e representante da DORBE de Beja PCP, diz “o que está em causa é o SNS, num contexto de uma pandemia, cujas consequências são imprevisíveis”, destacando que é necessário o “reforço das Unidades de Saúde Pública, assegurando os rácios de médicos, enfermeiros e técnicos de saúde ambiental por habitantes, que estão estabelecidos na legislação, ou a recuperação de consultas presenciais nos cuidados de saúde primários, que pode ser colmatada com o alargamento dos horários de funcionamento, a fixação de um incentivo excepcional, idêntico ao que é aplicado nos hospitais, bem como o investimento na modernização dos sistemas de comunicações e do equipamento informático”. Também aqui.

“Mortes, sequelas e morbilidades. Conhece a gravidade de uma pneumonia?”

Zé LG, 15.11.20

20201113113958464.jpgNo Dia Mundial da Pneumonia, o MOVA – Movimento Doentes Pela Vacinação lembra que a “pneumonia pode deixar sequelas irreversíveis ou mesmo levar à morte, sobretudo entre os grupos de risco.”

“Segundo o Instituto Nacional de Estatística, a Pneumonia mata uma média de 16 pessoas por dia, uma pessoa a cada 90 minutos. Em 2018, foi responsável por 43.4% das mortes por doenças do aparelho respiratório, 5.1% do total de óbitos no nosso país. A maioria poderia ter sido evitada através de imunização”, recorda o MOVA.