Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

SOMINCOR PROMOVE “ENCONTROS COM AS COMUNIDADES”

SOMINCOR-768x512.jpg

A empresa concessionária da Mina de Neves-Corvo realizou esta tarde o primeiro “Encontro” com a Comunidades de Castro Verde e tem agendados encontros com as populações de Almodôvar, amanhã; Aljustrel, na quarta-feira; Ourique, na quinta-feira e Mértola, na sexta-feira.

Desta forma a SOMINCOR pretende “contribuir para que todas as pessoas, empresas, associações ou outras entidades conheçam melhor” a sua actividade bem como as “perspectivas e projectos futuros”.

Segundo a empresa, esta aposta “assenta numa política de proximidade com as comunidades onde se encontra inserida, estabelecendo um relacionamento aberto e próximo”.

DISTRITO DE BEJA VAI TER MAIS CINCO CENTRAIS FOTOVOLTAICAS

201805041533011.jpg

Das 29 centrais fotovoltaicas sem tarifa subsidiada aprovadas pelo actual Governo, cinco localizam-se no distrito de Beja, num investimento avaliado em cerca de 121 milhões de euros.

Segundo fonte da Secretaria de Estado da Energia, estas cinco centrais solares representam uma potência instalada de 201 megawatts (MW), um quarto da potência total aprovada em termos nacionais.
A maior central (49 MW) fica no concelho de Ourique, que conta ainda com uma segunda central com a potência de 46 MW. Moura recebe mais duas centrais (uma de 48 MW e outra de 16 MW) e Ferreira do Alentejo uma (com 42 MW).

GREVE CANCELADA NA MINA DE NEVES-CORVO

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM) desconvocou a greve de três dias que estava prevista para a próxima semana, porque a paralisação não ir ter o "impacto pretendido", em virtude de a Somincor já ter superado "os objectivos de extracção e produção para o primeiro trimestre deste ano".
O conflito entre o STIM e a administração da empresa prolonga-se desde 2017, tendo mesmo motivado três greves no último trimestre do ano passado. Os trabalhadores continuam a reivindicar o fim do regime de laboração contínua no fundo da mina, a "humanização" dos horários de trabalho e a antecipação da idade da reforma para os funcionários das lavarias, entre outras exigências.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Penso que é facial perceber quem falta a verdade. ...

  • Anónimo

    Bons tempos.

  • Anónimo

    Tem toda a razão, às vezes parecem miúdos que pela...

  • Anónimo

    Como estão as contas afinal?

  • Luis Palminha

    Se não me engano, a resposta a essa pergunta foi p...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.