Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

OBA apresentou propostas ao Plano de Recuperação e Resiliência

Zé LG, 27.02.21

observatório-baixo-alentejo-768x432.jpgO Observatório do Baixo Alentejo (OBA) apresentou um conjunto de propostas de valorização para o desenvolvimento da região e do Sudoeste Ibérico, no âmbito da consulta pública do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), que decorre até ao próximo dia 1 de março.

Entre as propostas apresentadas, Jorge Barnabé, presidente do OBA, destaca “a criação de um eixo ferroviário que ligue Sines ao Aeroporto de Beja, para que esse eixo, depois fortalecido com a requalificação do IP8, possa desenvolver um canal de comunicação entre o litoral do Porto de Sines e a fronteira com Espanha”.

A integração das comunidades migrantes e o repovoamento da região foram outras preocupações transmitidas pelo Observatório do Baixo Alentejo, tal como explica Jorge Barnabé.

O OBA sublinha, ainda, a ideia de que “é preciso aproveitar o PRR para ter uma nova mentalidade, na forma como se gerem os fundos comunitários, na forma como os mesmos devem estar disponíveis para a sociedade civil e não ficarem muitas vezes no papel”.

Ler e ouvir também aqui.

BE propõe aplicação de moratória à instalação de culturas intensivas e superintensivas

Zé LG, 15.02.21

IMG_6481.JPGO BE apresentou à Assembleia da República um projeto de resolução que recomenda “a instauração de uma moratória à instalação de novas explorações de abacate, olival, amendoal e outras culturas em regime intensivo e superintensivo”, no Alentejo e Algarve e que “sejam estabelecidas regras e que se impeça, suspendendo até às mesmas estarem definidas, a instalação de novas culturas em regime intensivo e superintensivo”.

Autarcas querem que populações decidam separação de freguesias

Zé LG, 26.01.21

BEJA-Juntas-de-Freguesia_800x800.jpgA Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) deu parecer desfavorável à proposta de lei do Governo que visa permitir reverter a fusão de freguesias, por considerar que a obrigatoriedade de vários critérios – como a oferta de serviços ou a área territorial – torna o modelo “limitador”, defendendo que a “vontade política” das populações deveria bastar para reverter a reforma de 2013. O tema vai ao Parlamento no dia 29.

Exigem-se medidas mais específicas e orientadas para a protecção dos mais vulneráveis

Zé LG, 17.01.21

AC.pngO primeiro-ministro, António Costa, convocou para esta segunda-feira um Conselho de Ministros eletrónico para fazer o ponto de situação do cumprimento das medidas.

Portugal é o segundo país com mais novos casos de infeção do mundo e o primeiro na Europa. Relativamente aos óbitos, Portugal surge em quarto lugar na taxa por milhão de habitantes (com 14,12), depois da República Checa (16,5), do Reino Unido (16,3) e da Eslováquia (15,2).

Quase todos os hospitais estão no limite – muitos já ultrapassaram -, da sua capacidade de internamento e consultas, cirurgias e outros tratamentos de outras doenças estão suspensas. Esperamos que o governo, em vez de tomar medias generalistas destinadas a todos mas que só poucos cumprem, seja capaz de tomar medidas específicas orientadas no sentido da protecção dos que mais são atingidos pelo novo coronavírus. É incompreensível e inaceitável que não seja possível travar os contágios e evitar a mortandade nos lares. Tal como se verifica relativamente a alguns outros grupos de maior risco, como os obesos. Porque não é passada baixa aos portadores de doenças mais vulneráveis à COVID-19, como se verificou no outro confinamento, por exemplo?

Presidente do PS Baixo Alentejo apresentou propostas à ministra da Saúde

Zé LG, 12.01.21

PS-768x576.jpgO presidente da Federação do Baixo Alentejo do PS reuniu-se com a ministra da Saúde, Marta Temido, a quem entregou um projeto de criação da Unidade de Cuidados Paliativos no Hospital de Beja, da autoria do médico Munhoz Frade e reafirmou a “defesa do Serviço Nacional de Saúde”.

Nelson Brito defendeu “a urgência de responder à carência de médicos de saúde pública no distrito”. Apresentou “as necessidades ao nível das infraestruturas de saúde, com enfoque na construção da 2ª fase do Hospital José Joaquim Fernandes, bem como garantir financiamento para a Unidade de Cuidados Intensivos, piso de consultas externas e projeto de instalação da ressonância magnética neste estabelecimento hospitalar”. Frisou ainda “a necessidade de cumprir com o compromisso de construção da CPI – Centro de Respostas Integradas (Antigo CAT)” e sugeriu à ministra “a constituição de novos instrumentos para contratação de médicos para o interior, quer por via legislativa, quer por via do reforço da tabela remuneratória dos médicos que decidam fixar-se no interior.” Daqui e daqui.

CNA diz que "não está tudo bem com a agricultura" e defende medidas de apoio à agricultura familiar

Zé LG, 15.11.20

201910242220341415.jpg"O Governo tenta esconder a grave crise que milhares de pequenos e médios agricultores atravessam, e que tende a agravar-se, face à evolução da pandemia e das medidas insuficientes para a controlar", afirma a CNA, concluindo que, “de facto, não está tudo bem no sector, e por mais que a Ministra da Agricultura e o Governo torturem os números a realidade é bem diferente".

E é neste contexto que a CNA defende: "a concretização do Estatuto da Agricultura Familiar (EAF), que mais de dois anos depois continua sem medidas concretas", "uma outra PAC, mais justa, mais inclusiva, que apoie quem de facto produz e que incorpore os princípios da Soberania Alimentar", "um período de transição onde o Regime da Pequena Agricultura suba para 1250 euros por agricultor, e que novos agricultores possam aderir a este apoio já em 2021", "um Orçamento do Estado para 2021 que reconheça o papel da agricultura, concretamente da Agricultura Familiar, no desenvolvimento do País, o que a ctual proposta está muito longe de concretizar", "um sistema de seguros agrícolas que proteja de facto os Agricultores e as suas produções, e um regime fiscal e de Segurança Social adequado à Agricultura Familiar", "uma política florestal que promova uma floresta multifuncional, sustentável e ordenada, que tenha na base o rendimento dos pequenos e médios proprietários e produtores florestais, o que não é possível com uma política agro-florestal espartilhada e obedecendo apenas a uma lógica supostamente ambiental."

PCP propõe medidas de fixação de médicos e para o Hospital de Beja

Zé LG, 14.11.20

O PCP entregou um conjunto de 35 propostas dirigidas “ao reforço do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.

João-Dias-PCP--768x432.jpgO PCP apresentou um conjunto de propostas para a fixação de médicos nas zonas carenciadas como é o caso do distrito de Beja, revelou João Dias, deputado do PCP eleito por Beja, que frisou que foi, igualmente, proposto um plano de requalificação e construção de novas instalações para centros de saúde e hospitais, com uma proposta em particular para o Hospital em Beja com uma verba de um milhão e meio de euros para a revisão dos projetos técnicos de uma obra no valor de 30 milhões de euros.

Orçamento de Estado: tanta dramatização para quê?

Zé LG, 29.10.20

O Orçamento de Estado para 2021 foi aprovado na generalidade, com os votos favoráveis do PS, os votos contra de toda a direita e do BE e a abstenção do PCP, PAN, PEV e de duas deputadas, que entretando abandonaram os partidos por que foram eleitas. Depois do Orçamento limiano, esta é a proposta de OE que passou mais "à rasca". E quem se absteve não garantiu a mesma posição na votação global final...

Entretanto, o BE levou-as "a torto e a direito" da direita - imagine-se!, quando toda ela votou contra -, e do PS, cujos dirigentes e deputados fizeram afirmações, pelo menos precipitadas, porque "ainda a procissão vai no adro" e, não me parece, ter sido a postura mais correcta de quem continua a afirmar que pretende continuar a governar à esquerda.

Apenas mais duas notas que me parecem oportunas e pertinentes.

Este OE, mais do que um verdadeiro Orçamento, é um plano de intenções - e nem todas boas -, porque, tal como admitiu o ministro das Finanças, terá de haver, quase de certeza, um orçamento rectificativo, tal é o grau de incerteza com que ele foi elaborado. Por isso, não é fácil de entender nem de aceitar a dramatização feita, nem, ainda menos, o extremar de posições, que pode vir a dificultar convergências quando elas forem mais necessárias.

O PS está a assumir tiques autoritários, de falta de respeito e de entendimento demasiado largo (restito, talvez seja mais correcto) dos direitos, liberdades e garantias constitucionais. Não me parece ser o caminho mais adequado à situação crítica que vivemos a auto-satisfação, a auto-suficiência, as restrições de duvidosa legalidade constitucional que tem evidenciado. Nem tudo pode valer em nome do combate à pandemia...

António Costa cometeu um erro de consequências imprevisíveis

Zé LG, 17.10.20

img_900x508$2019_10_02_09_38_29_890057.jpgO primeiro-ministro, depois de ter afirmado e reafirmado várias vezes que o uso da aplicação StayAway Covid era voluntária, afirmou agora “que não gosta da solução de impor a utilização de máscara e da aplicação StayAway Covid, mas considerou que seria "irresponsável" assistir "impávido" ao aumento consistente dos casos de covid-19.”

Se a obrigatoriedade de utilização da máscara em espaços públicos com muita gente parece ser uma medida razoável, já o anúncio de pretender tornar obrigatório o uso da aplicação StayAway Covid é um erro grave, que poderá provocar mais danos do que vantagens no combate à epidemia.

No momento em que, mais do que nunca, é necessário tomar medidas bem fundamentadas, que sejam compreendidas, tenham a adesão generalizada da população e mantenham as pessoas empenhadas no combate à pandemia, António Costa anuncia uma medida geradora de grande contestação, porque o seu contributo para aquele combate poderá não ser muito e gera suspeitas de poder ser utilizada para outros fins bem menos “saudáveis", aumentando as dúvidas sobre a Covid-19 e, principalmente, sobre o que motiva a aplicação algumas medidas...

Unanimidade da AM de Aljustrel sobre “culturas intensivas”, “reposição de freguesias extintas” e “suplemento de insalubridade”

Zé LG, 02.10.20

201803061730278395.jpgNa última sessão da Assembleia Municipal (AM) de Aljustrel foram aprovadas, por unanimidade, três moções apresentadas pelos eleitos da CDU. Uma sobre “Proximidade das culturas intensivas e superintensivas aos perímetros urbanos”, outra sobre “Repor as freguesias extintas – um imperativo democrático” e ainda uma terceira “Pela aplicação do suplemento de insalubridade, penosidade e risco”.

“Beja pode ser a capital ibérica contra a desertificação”

Zé LG, 17.09.20

Costa_e_Silva_3.jpgOutra das medidas defendidas pelo professor e consultor (António Costa Silva ) prende-se com a criação de geoeconomias favoráveis à inovação ao longo da fronteira com Espanha, em regiões progressivamente isoladas e envelhecidas. “Beja pode ser a capital ibérica contra a desertificação”, exemplificou o professor, que imagina para a cidade polos semelhantes aos desenvolvido no Fundão.

Conselho Regional da CCDR Alentejo aprovou “Estratégia Regional 2030”

Zé LG, 16.09.20

2020091517484358 ccdra.jpgO Conselho Regional da CCDR Alentejo aprovou, em reunião extraordinária, o documento de orientação estratégica no horizonte 2030: “A Estratégia Regional do Alentejo 2030”, que, de acordo com Roberto Grilo, vai permitir ao Alentejo ser “mais competitivo e coeso, mas mantendo elevados padrões ambientais, assim como recuperar emprego e atrair investimento”.

O presidente da CCDR Alentejo, referiu que a Estratégia Regional Alentejo 2030 é o resultado de um trabalho de colaboração entre os diversos agentes do território, que através dos seus contributos permitiram chegar a um documento que “procura contribuir para a construção de respostas a um conjunto de desafios que persistem, com intensidades distintas”. Satisfeito com a aprovação deste documento, Roberto Grilo identificou algumas das linhas de orientação transversais às propostas que contam do mesmo, entre elas a “bioeconomia” e as “industrias culturais e criativas”.

“Estratégia Regional Alentejo 2030” em debate pelo Conselho Regional da CCDRA

Zé LG, 14.09.20

201809121137057035.pngO Conselho Regional da CCDRA realiza hoje de manhã, às 10.30 horas, nas suas instalações, em Évora, uma reunião para apreciar e aprovar a “Estratégia Regional Alentejo 2030”, na sua versão preliminar.

Além dos membros do Conselho Regional, marca presença neste encontro a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, e o secretário de Estado Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Carlos Miguel.

Porra que é demais! Este é o programa político da direita?!…

Zé LG, 29.08.20

transferir FA.jpgHá, pelo menos dois meses, que a direita adoptou a guerra contra a Festa do Avante como seu programa político.

Não me enganei ao escrever “guerra contra a Festa do Avante”, porque o que está em causa, para a direita, não é a sua realização este ano por causa da Covid-19, porque todos os anos tem estado contra a sua realização por qualquer motivo…

Não me enganei ao escrever “programa político”, porque, à falta de condições próprias para fazer oposição, a direita vai escolhendo “alvos” para atirar os seus tiros de pólvora seca. Ainda intercalou, durante algumas semanas, a “guerra à Festa do Avante” com as denúncias ao que se passou no Lar de Reguengos de Monsaraz, a reboque do Bastonário da OM ou utilizando-o para esse fim. Quanto ao resto, designadamente o Orçamento de Estado, o PSD está à espera que o entendimento à esquerda falhe para que possa ter a sua acção patriótica de deixar passá-lo…

Já aqui escrevi a minha opinião sobre a realização da Festa do Avante este ano – acho que o PCP tinha mais a ganhar em não realizá-la do que em realizá-la pelos riscos que comporta, mas se nada de legal ou de força maior houver a impedi-la, a decisão cabe por inteiro ao PCP, bem como as responsabilidades pelas consequências que daí resultarem. Não será certamente a vontade política da direita nem a ladainha de falsos argumentos que tão abundantemente tem usado que impedirá a realização da Festa.

Comissão de Utentes de Beja pede “a reabertura imediata das extensões de saúde”

Zé LG, 20.08.20

A Comissão de Utentes de Beja faz o ponto de situação, revelando que “há freguesias do concelho de Beja onde não vai um médico há mais de três meses” e, preocupada com “o agravamento das situações de saúde destas pessoas”, uma vez que “consultas por telefone não são, nem podem ser, alternativa às presenciais”, pede “a reabertura imediata das extensões de saúde”.

76615076_2369031209980176_1107038605206880256_o.jpPara a Comissão de Utentes de Beja “é preciso que seja feita a reabertura imediata das extensões de saúde, de forma a permitir a continuidade dos cuidados de saúde de proximidade, assim como fomentar os cuidados domiciliários”. “Mas sem esquecer”, que “são necessários mais investimentos no SNS - contratando mais profissionais e equipamentos para hospitais e centros de saúde - e que esta é uma responsabilidade do Governo”.

Beja Merece+ afirma que “a prioridade é antecipar candidaturas”

Zé LG, 20.08.20

beja.jpgO Beja Merece+ reuniu-se e nesse encontro - que marcou “a retoma da atividade do movimento neste período pós-quarentena, devido à pandemia - foram analisadas diversas temáticas de importância acrescida para o Baixo Alentejo.” A afirmação é de Bruno Ferreira, do Beja Merece+”, que avançou, ainda, que “antecipar candidaturas, no que se refere a infraestruturas rodoviárias e ferroviárias da região, é a prioridade”.

O movimento, segundo Bruno Ferreira, promete “novidades para breve, garante que está ativo” e que “não vai baixar os braços”.

 

ACOS apresentou contributos para a Visão Estratégica do Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030

Zé LG, 20.08.20

202008181716248026 acos.jpgA ACOS apresentou propostas estratégicas nas áreas da floresta, regadio, agropecuária, ambiente e alterações climáticas, designadamente:

- definição de estratégias específicas na área do ecossistema montado que revertam o declínio a ele associado;

- criação de um grande cluster agroalimentar do Sul, abrangendo as “culturas do regadio do Alqueva, as culturas hortofrutícolas do Litoral Alentejano e do Algarve e a grande diversidade de produtos de origem animal, de elevada qualidade”, incluindo “o aproveitamento e a viabilização de acessibilidades e infraestruturas de transporte;

- investimentos em mais estruturas de captação/retenção de água, aumento do volume de alguns reservatórios do sistema e abordar a construção de nova/novas barragens para fins ecológicos, designadamente para garantir o caudal do Rio Guadiana;

- a construção de reservatórios de água geograficamente distribuídos por toda a região Sul do País, que evitem o desperdício para o mar e funcionem não só como garante de abastecimento às populações, mas também para a agricultura e pecuária.

Munhoz Frade apresentou projeto de criação de Unidade de Cuidados Paliativos no Hospital de Beja

Zé LG, 27.07.20

111499245_10206917466572194_4323091150535120281_n O Dr. Munhoz Frade, para além da persistente atitude crítica que tem manifestado ao longo dos tempos, principalmente neste blog nos últimos anos, também trabalha com espírito cooperativo, apresentando propostas organizativas. Nesse sentido, apresentou, em Março, uma proposta de criação de uma Unidade de Cuidados Paliativos no Hospital de Beja, que aponta para a abertura de camas para Internamento Hospitalar, através da reconversão de espaços existentes nas instalações do Hospital, por considerar ser a mais adequada à finalidade pretendida – capacitar a nossa unidade de saúde para melhor tratar situações que necessitam de cuidados paliativos de elevada complexidade. Propõe ainda como modelo gestionário para a UCP a criação de uma Unidade Autónoma de Gestão (vulgo CRI), sem prejuízo de outros modelos. 

Apresentada candidatura de “Vila Viçosa, Vila Ducal Renascentista” a Património Mundial

Zé LG, 27.07.20

dossier cnu banner.pngA Câmara Municipal de Vila Viçosa, enquanto entidade promotora e responsável pela candidatura, procedeu à entrega do documento oficial, constituído peloa Proposta de Inscrição na Lista do Património Mundial, pelo Plano de Gestão do Património e pelos Estudos Históricos, na Comissão Nacional da UNESCO. De igual modo, o referido documento foi também entregue aos Parceiros Institucionais da candidatura.