Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Autarcas e empresários exigem construção do Bloco de Rega de Vidigueira

Zé LG, 19.07.21

218848057_4898128503536703_8623854746884159995_n.jOs presidentes dos Municípios de Vidigueira e de Cuba, acompanhados do presidente da Adega Cooperativa, reuniram com a EDIA para questionar sobre o atraso na construção do Bloco de Rega de Vidigueira, prevista para o ano de 2021, mas que ainda não arrancou, tendo sublinhado a importância e a urgência de avançar com o projeto, já que este irá abranger cerca de 2 200 hectares, com 1400 prédios rústicos, em ambos concelhos, contribuindo para um aumento na produtividade de diversas explorações agrícolas e, consequentemente, a uma maior dinamização da economia local.

Modernização do troço ferroviário entre Casa Branca e Beja só lá para 2028, se tudo correr bem….

Zé LG, 15.06.21

imgLoader2.ashx.jpgA Infraestruturas de Portugal (IP) prevê que a modernização do troço ferroviário entre Casa Branca e Beja, cuja elaboração dos estudos está em concurso público, fique concluída apenas em 2027... porque o período para o desenvolvimento de um projeto de investimento ferroviário “não pode durar menos de sete anos” e “metade desse tempo é para o projeto”.

O concurso público para a elaboração dos estudos e projetos necessários para a modernização do troço ferroviário entre Casa Branca e Beja da Linha do Alentejo e da execução de uma ligação ao Aeroporto de Beja foi publicado em maio passado em “Diário da República”.

Ou seja e “se tudo correr bem”, lá para 2028 (e não 2027, como tenho lido) talvez possamos ter a linha modernizada. E tão contentinhos que eles andam a anunciar o “amanhã prometido”, conseguido pela sua empenhada e intensa acção nos bastidores… Serão necessários, pelo menos, mais dois mandatos para concretizar a promessa.

Alvito retoma Projeto de Dinamização da Pequena Agricultura Local

Zé LG, 12.06.21

No seguimento da aprovação do Plano de Intervenção no Espaço Rústico do Trancoso e Fonte da Telha, a Câmara Municipal de Alvito, em colaboração com a ESDIME, retomou o projeto de dinamização da pequena agricultura local, que tinha sido suspenso devido à pandemia Covid-19.

196972830_1663288703870148_5502461256244398150_n.jPretende-se, com este projeto (ver aqui) incentivar a reabilitação das culturas hortícolas, numa zona particularmente representativa da economia tradicional das hortas, com o valor acrescido do regadio.

Projeto Outeiro do Circo no curso de verão do Centro de Estudos Ibéricos

Zé LG, 09.06.21

202106071535097463.jpgO Projeto Outeiro do Circo foi convidado a integrar o XXI Curso de Verão do Centro de Estudos Ibéricos, que se realiza entre 6 e 9 de julho, sob o tema “Novas fronteiras, outros diálogos: cooperação e desenvolvimento”, fazendo-se representar por Miguel Serra, coordenador do projeto, que revelou que a participação neste curso, que integra vários painéis, é dedicada àquilo que tem sido o destaque neste projeto, a educação patrimonial e o envolvimento das comunidades mais próximas ao sítio arqueológico.

BE defende a proteção da biodiversidade do Parque Natural do Sudoeste Alentejano

Zé LG, 06.06.21

202106021222478018.pngRicardo Vicente apresentou o projeto de resolução do Bloco de Esquerda para a recuperação da biodiversidade do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina e a transição ecológica da agricultura do perímetro de rega do Mira, saudando os milhares de signatários da petição “Juntos pelo Sudoeste”. O Bloco avançou que apoia as propostas dos milhares de subscritores da petição “O parque natural do sudoeste alentejano e a costa vicentina não aguenta mais agricultura intensiva”.

Câmara de Alcácer do Sal aprovou o projeto do Centro de Apoio à Divulgação e Fruição do Rio Sado

Zé LG, 30.05.21

202105281033514768.PNGO "Centro de Apoio à Divulgação e Fruição do Rio Sado vai ser implantado em terreno municipal situado perto do Parque dos Pescadores e da Parvoíce, ... como medida destinada a melhorar o ambiente e a revitalização urbana, através da implementação de um novo equipamento, que acrescentará dinâmica à zona onde assentará."

O conjunto edificado contemplará áreas diversas, entre as quais cais, aparcamento de embarcações, sala de atividades e praça, e destina-se à divulgação do património fluvial e das atividades ligadas ao rio, funcionando igualmente como base logística para atividades relacionadas com o Sado.

Roteiro Literário Levantado do Chão passa pelo Alentejo

Zé LG, 29.05.21

roteiro-saramago.pngA Fundação José Saramago apresentou um site e uma aplicação para telemóvel com um roteiro literário que propõe uma viagem pelos episódios mais marcantes do romance “Levantado do Chão”, do Nobel da Literatura.

O portal e a app do Roteiro Literário Levantado do Chão foram apresentados, em Montemor-o-Novo, nas comemorações do 25 de Abril. A escolha daquela cidade para a apresentação inicial do projeto, deve-se ao facto de José Saramago ter vivido em Lavre, situada na fronteira do concelho de Montemor-o-Novo com o de Coruche, durante a escrita da obra. “Levantado do Chão” percorre uma zona do Alentejo caracterizada pelo latifúndio, desde o final do século XIX ao período pós-revolução de 25 de Abril de 1974.

O roteiro está disponível em www.roteirolevantadodochao.pt.

CDU quer recuperar a Câmara de Castro Verde

Zé LG, 26.05.21

202105251714251617.PNGA CDU de Castro Verde assume-se como força alternativa credível e com o objetivo de recuperar a autarquia castrense nas próximas eleições autárquicas, com Fátima Silva como cabeça de lista.

A CDU vai apresentar candidatura a todos os órgãos autárquicos com o objetivo de se reforçar como força política do poder autárquico no concelho de Castro Verde, nomeadamente: recuperar a Câmara Municipal de Castro Verde, afirmando-se como alternativa credível à atual gestão, recuperar a Freguesia da União de Freguesias de Castro Verde e Casével, manter a gestão das Juntas de Freguesia de Entradas, Santa Bárbara de Padrões e São Marcos da Atabueira e reforçar os eleitos na Assembleia Municipal de Castro Verde.”

CVP com obras do Lar Residencial paradas há quatro anos, em edifício alugado há mais de oito anos

Zé LG, 15.05.21

BEJA-CRUZ-VERMELHA-lar_800x800.jpgEm 2012, a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) assinou com a Infraestruturas de Portugal (IP) um contrato de arrendamento da antiga cantina da REFER, válido por 20 anos e renovável, para ali instalar a Casa de Repouso e o Serviço de Apoio Domiciliário, que funcionam num prédio antigo no Centro Histórico de Beja.

O que já devia ser um Lar Residencial em funcionamento há mais de quatro anos, é um edifício ao abandono, onde foram gastos cerca de meio milhão de euros e apesar das obras terem parado em fevereiro de 2017, a CVP continua a pagar a renda mensal, num total de 850.000 euros.

Após tomar posse do cargo de presidente da Direção Nacional da CVP, Francisco George esteve em Beja e anunciou que “vão ser investidos mais de um milhão de euros na construção da residência” e “que no próximo dia 2 de janeiro de 2018 as obras vão ser retomadas. Está garantido o financiamento de 600 mil euros para as concluir”. Passaram três anos e a situação está na mesma: obras paradas.

Mas a situação pode vir a ter contornos mais graves. É voz corrente no interior da instituição que a Cruz Vermelha vai encerrar a Casa de Repouso e o Serviço de Apoio Domiciliário, que passará para a Santa Casa da Misericórdia de Beja, que assumirá as obras e o aluguer do antigo edifício da Refer, mas a dívida do empréstimo de meio milhão continuará a ser da responsabilidade da CVP.

“Centro de Ciência da Água” apresentado em Beja

Zé LG, 12.05.21

202105120944141570.png

O projeto “Centro de Ciência da Água” foi, hoje, apresentado publicamente, em Beja, com a presença da secretária de Estado do Ambiente. Trata-se de uma unidade móvel que pretende dar uma resposta integrada na ação de deteção de fugas de água e, simultaneamente, permite dinamizar uma importante componente de educação e sensibilização ambiental.

A EMAS de Beja fica com a responsabilidade de execução e desenvolvimento do projeto, que resulta de um protocolo de cooperação estabelecido entre o Município de Beja e a APA - Agência Portuguesa do Ambiente (que financia a totalidade do projeto), em linha com os objetivos e políticas de sustentabilidade do Fundo Ambiental.

CCA3.jpg

A secretária de Estado do Ambiente destacou a importância deste projeto para região, designadamente a sua valência relacionada com a educação ambiental, associada, em particular, ao uso eficiente da água, bem como a “garantia de resiliência do sistema”, explicando que o novo equipamento será fundamental para combater alguns dos desafios mais importantes em termos de sistemas de saneamento e de abastecimento”.  

UNIDOS POR MÉRTOLA E PELAS PESSOAS apresentam manifesto

Zé LG, 03.05.21

202104301029299459.jpgUm grupo de cidadãos de Mértola (Jorge Pulido Valente, João Madeira, Júlio Silva, Rui Carvalho e Carlos Viegas) lança hoje, às 18h, em conferência de imprensa via zoom e Facebook, um manifesto intitulado Unidos por Mértola, com o principal objectivo de desafiar todos os partidos políticos com representação no concelho, todas as organizações e todos os munícipes a participarem na construção de uma estratégia e de um projecto de desenvolvimento para o concelho para a próxima década, com o foco nas pessoas e nas comunidades e no seu bem estar e felicidade. 
Na conferência de imprensa serão apresentados os 8 pilares do Manifesto, as propostas de parcerias e os compromissos 2021- 2030.

Ministra da Cultura diz que Futurama "vai potenciar uma nova dinâmica num território que tem um enorme potencial criativo"

Zé LG, 02.05.21

202104301724074237.jpgBeja recebeu hoje, a apresentação do projeto Futurama - Ecossistema Cultural e Artístico do Baixo Alentejo, numa sessão que decorreu no Museu Regional Rainha Dona Leonor. A ministra da Cultura Graça Fonseca marcou presenta nesta iniciativa e referiu que o projeto "vai potenciar uma nova dinâmica num território que tem um enorme potencial criativo".

Este projeto foi concebido por John Romão e tem como propósitos “dinamizar a região do Baixo Alentejo através de uma sinergia entre os municípios de Serpa, Mértola, Castro Verde e Beja, promovendo a oferta cultural e a integração da comunidade com práticas artísticas contemporâneas em articulação com instituições de ensino, entre outros."

ANA “dirige” Aeroporto de Beja para indústria aeronáutica e “reafirma o seu empenho no seu desenvolvimento”

Zé LG, 20.04.21

imgLoader2.ashx.jpgA ANA – Aeroportos de Portugal, responsável pela gestão do aeroporto de Beja, classifica o investimento da Mesa como um “bom exemplo do resultado da estratégia de desenvolvimento seguida e o reconhecimento das potencialidades” da infraestrutura do Baixo Alentejo “na vertente industrial, gerando postos de trabalho na região”.
A ANA afirma que “dirigiu o posicionamento” do aeroporto para a captação de outras atividades aeronáuticas, “com elevada relevância no setor, como as atividades de natureza industrial, nomeadamente a manutenção de aeronaves”, e também o estacionamento de média-longa duração.
Ao mesmo tempo, a ANA sublinha que “mantém o aeroporto de Beja preparado para receber o transporte de passageiros” e que está a trabalhar “ativamente para o desenvolvimento” desta vertente. “A ANA reafirma o seu empenho no desenvolvimento do aeroporto de Beja”, que “é, decididamente, um fator adicional de competitividade e deve ser encarado como uma oportunidade de desenvolvimento”.

Vinhos do Alentejo e Águas de Portugal cooperam para mitigar alterações climáticas

Zé LG, 12.04.21

202102102244252458.jpgA Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) assinou um protocolo com a empresa Águas de Portugal (AdP Valor) que visa mitigar as alterações climáticas, combater a desertificação do Alentejo e promover a economia circular, como “resposta” à crescente desertificação do Alentejo, com a agricultura a ser responsável pelo uso de “75%” da água gasta em Portugal.

Em março, arrancou o primeiro projeto desta parceria, denominado por “AQUA VINI”, e que tem como objetivos “fomentar a reutilização” de água na atividade vitivinícola. Financiado pelo Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente, está a decorrer na Herdade da Ravasqueira.

“O AQUA VINI é um projeto pioneiro que permitirá estudar a reutilização de água na atividade de regadio, os efeitos desta aplicação no desenvolvimento das culturas irrigadas e o impacto nos recetores ambientais solo e recursos hídricos, bem como nos sistemas de rega”, esclarece por sua vez a AdP VALOR no documento.

O protocolo celebrado entre as duas entidades pretende ainda “reforçar” as ações no âmbito da reutilização de águas residuais, “reaproveitamento” de lamas de estações de tratamento de águas residuais (ETAR), a sustentabilidade e economia circular e projetos de inovação, conforme o Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo (PSVA), lançado em 2015.

Devemos avaliar “quem é que se apresenta às próximas eleições com um projecto para o seu concelho digno desse nome”

Zé LG, 05.04.21

22090050_1519761501451971_2710875557418653958_n.jp«Aquando do 25 de abril de 1974, as infra-estruturas básicas nas povoações do Baixo Alentejo estavam quase todos por fazer. E daí e muito bem, que o objectivo de então dos responsáveis das autarquias foi a sua construção. E digamos, que embora uns concelhos melhor que outros, elas lá foram sendo feitas.
Só que desde então a região mudou radicalmente, sobretudo com o declínio populacional, correndo-se o risco a curto prazo de algumas dessas infraestruturas construídas, já não terem a utilização devida, por não já haver pessoas para tal.
Logo e perante o estado deprimente sob o ponto de vista social e económico em que nos encontramos, os atuais e futuros autarcas, deveriam agora ou já desde há algum tempo pôr em primeiríssimo lugar a construção de zonas industriais e comerciais assim como o estímulo a agentes económicos e empresas com vista à sua instalação local. Como é o caso e muito bem da autarquia de Cuba. E só depois e em segundo lugar, sim, a manutenção e construção de novos equipamentos.
Mas nem todos os atuais autarcas e futuros candidatos assim procedem, antes pelo contrário, como é o caso flagrante de Beja, como aqui tem sido referido.
De modo, que é nosso dever e responsabilidade não nos deixarmos ir na conversa da "obra feita ou por fazer" e verificarmos quem é que se apresenta às próximas eleições e tem e quem não tem um projecto para o seu concelho digno desse nome.»                 Anónimo 04.04.2021, aqui.

CEBAL vai finalmente ter instalações próprias

Zé LG, 01.04.21

202103311011177989.jpgForam cinco as candidaturas apresentadas tendo em vista a construção do edifício para o Centro de Biotecnologia Agrícola e Agro-Alimentar do Alentejo (CEBAL) em Beja.

Este projeto resultou de uma candidatura apresentada pela autarquia bejense, em parceria com o CEBAL e com o Instituto Politécnico de Beja, ao Programa Operacional Regional Alentejo 2020, que congregou uma visão disruptiva e estratégica da Ciência para o Território. Uma Ciência com “impacto social, económico, cultural e ambiental, que contribui para potenciar a atratividade de novos investimentos, baseados no conhecimento, valorizando uma economia assente nos recursos endógenos e nas atividades emergentes de elevado índice tecnológico.”

Depois do novo edifício construído vai ser possível o CEBAL “ampliar os laboratórios e salas de experimentação para o desenvolvimento da sua atividade, reforçando a estratégia de transferência de conhecimento e tecnologia iniciada pelo Centro em 2015”.

EDIA coordena estudo para continuidade do PNRegadios em curso

Zé LG, 11.03.21

O Ministério da Agricultura revela que pretende dar continuidade ao Programa Nacional de Regadios (PNRegadios) em curso e que a elaboração deste estudo, de âmbito nacional, tem como propósito fazer o levantamento das necessidades de investimento e do potencial de desenvolvimento do regadio coletivo eficiente, num período de investimento até 2030.

O estudo é coordenado pela EDIA e os trabalhos consideram: a disponibilidade de água, a aptidão dos solos, a viabilidade técnica, económica e ambiental das soluções encontradas e a vontade e motivação dos agricultores envolvidos.

IMG_6628.JPGO Ministério da Agricultura recorda que “no âmbito do PNRegadios já foram aprovadas 59 candidaturas, beneficiando mais de 67.000 ha, a que corresponde um investimento público de 392 milhões de euros.”

Aeroporto de Beja ainda pode ganhar centralidade?

Zé LG, 08.03.21

Opção Beja com alta velocidade volta a ser pedida em nome da coesão

image.jpg

Chumbo ao Montijo reaviva defensores de projeto que permita aproveitar infraestrutura alentejana e captar pessoas para a região. Com ligação ferroviária à Europa.

Se o Montijo não andar, as soluções para o novo aeroporto de Lisboa vão além de Alcochete. Beja é uma hipótese que encontra defensores, aliando a infraestrutura já existente ao potencial de ligação e captação de atividade e pessoas para uma zona do país que sofre brutalmente os efeitos da desertificação.

O projeto passaria pela linha de alta velocidade com hub em Beja e ligação direta às principais regiões - Lisboa (40 m), Porto (80 m), Faro e Badajoz (20 m) e Madrid (125 m). Além da conclusão da A26 Sines para a ligação do Porto ao Aeroporto e à ferrovia nacional, espanhola e europeia.

CEBAL com projeto para tratamento das águas residuais e reutilização e valorização dos subprodutos do sector dos lacticínios

Zé LG, 07.03.21

“LactoMTeC” é o novo projeto, para o setor dos laticínios, do Centro de Biotecnologia Agrícola Agroalimentar do Alentejo (Cebal). Quais os objetivos deste projeto?

imgLoader2.jpg

O projeto tem como principal objetivo dinamizar a fileira do queijo pelo valor das suas águas residuais. Esta dinamização será feita através da transferência do conhecimento científico e tecnológico sobre processos de separação por membranas e a sua aplicabilidade nos efluentes de queijarias. Estes processos assemelham-se a uma filtração e podem contribuir para uma gestão mais eficiente das águas residuais produzidas neste setor. Essas águas apresentam grande impacte ambiental devida à acumulação de resíduos do fabrico do queijo, sendo eles proteínas, açucares, vitaminas e minerais. E se por um lado, esses resíduos (subprodutos) são os maiores responsáveis pelo impacto ambiental do efluente, são, por outro lado, compostos de elevado valor nutricional. Desta forma, pretendemos disponibilizar soluções integradas que permitam não só o tratamento das águas residuais, mas também a sua reutilização e a valorização dos seus subprodutos.