Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

CEBAL iniciou projeto para promover o amendoal no Alentejo

Zé LG, 11.01.21

202101071530151997.jpgO Centro de Biotecnologia Agrícola e Agroalimentar do Alentejo aposta na fileira dos frutos secos, através da transferência de conhecimento e tecnologia para a promoção, diferenciação e competitividade do amendoal no Alentejo.

O CEBAL iniciou um novo projeto intitulado “Inov-Amendo-AL: Microenxertia in vitro de amendoeiras de valor acrescentado para a promoção do amendoal no Alentejo”, que procura potencializar a competitividade do setor dos frutos secos no Alentejo, nomeadamente de amêndoa, através da introdução no mercado de plantas de amendoeira sadias e de valor acrescentado, obtidas com o auxílio de ferramentas biotecnológicas inovadoras.

Pax Jovem vai criar um Espaço Jovem e aumentar a participação cívica dos jovens

Zé LG, 09.01.21

cooperação-768x524.jpgA Pax Jovem – Associação Juvenil de Beja – que celebrou na passada quinta-feira o 1º aniversário –, viu aprovada a candidatura ao Programa +CO3SO Emprego – Empreendedorismo Social, integrado no Programa Operacional Regional do Alentejo 2020 e a AlentejoXXI
Este projeto tem como principais objetivos a criação de um Espaço Jovem e aumentar a participação cívica dos jovens em atividades de cariz social, cultural, político e artístico, incutindo valores de partilha, voluntariado, participação, solidariedade e cooperação intergeracional, bem como levar a cabo “a dinamização de atividades de formação, seminários e workshops que incutam ou despertem o espírito empreendedor dos jovens da região”.

Promotores e mecenas de Vila Viçosa recuperam casa e espólio de Florbela Espanca

Zé LG, 31.12.20

ta_-_2020-12-30t063446.066.pngNeste ano em que se assinalam os 90 anos sobre a morte de Florbela Espanca, encontra-se em franco desenvolvimento o projeto da CASA FLORBELA ESPANCA ® em Vila Viçosa, uma iniciativa concebida por um conjunto de promotores e de mecenas, que tem como objetivo valorizar, estudar e divulgar a vida e a obra da Poetisa.
O projeto tem por base a requalificação do imóvel onde Florbela Espanca residiu durante a infância e adolescência, precisamente no nº 59 da antiga Rua da Corredoura (actual Rua Florbela Espanca), em pleno centro histórico de Vila Viçosa.
Para além da aquisição do edifício "florbeliano", foi possível reunir um vasto espólio original da Poetisa, em parte inédito, que conjuga textos manuscritos, cartas, postais, fotografias e objectos pessoais e que irá ser o núcleo estruturante do projeto museológico que está a ser desenvolvido e que muito em breve será uma realidade.

Brigada do Mar recolheu três toneladas de lixo na Lagoa da Sancha

Zé LG, 21.12.20

202012191558541649.jpgNuma ação viabilizada pelo projeto TransforMAR, a Brigada do Mar desenvolveu uma limpeza na Lagoa da Sancha, entre os dias 5 e 8 de dezembro. Oito voluntários limparam a área fora do domínio público marítimo na Lagoa da Sancha, enchendo mais de 150 sacos com diversos resíduos, maioritariamente de plástico, e cerca de 30 sacos só com vidros, mas também diversos materiais provenientes da atividade piscatória, num total de 3090 quilos , sendo 420 quilos de vidro e 2670 quilos de outros resíduos, como plástico.

(Des)construir para a Economia Circular

Zé LG, 05.12.20

202012041136552294.png… é a designação do projeto da CIMBAL, que resulta de uma candidatura no âmbito do Programa “Ambiente, Alterações Climáticas e Economia de Baixo Carbono”, financiado pelo EEA Grants, que tem como principal objetivo “promover uma estratégia regional para a reutilização de produtos e componentes de construção, bem como a reciclagem de resíduos de construção e demolição (RCD), reduzindo assim o impacto ambiental da construção e promovendo a sua circularidade.”

#MódeDoBicho é o nome da campanha de angariação de fundos lançada pelo CPC de Beja

Zé LG, 19.11.20

Para colmatar o défice da sua capacidade de investimento, o Centro de Paralisia Cerebral de Beja (CPCB) avançou com uma campanha de angariação de “fundos que suportem a aquisição de uma plataforma fundamental para a instituição no que se refere à intervenção terapêutica”, denominada “MódeDoBicho, cujo lançamento oficial está programado para amanhã, nas redes sociais e é acompanhada por um tema feito pelos músicos de Beja Jorge Benvinda e Paulo Colaço.

202011181440533558.jpgA campanha “MódeDoBicho” traduz-se “na venda de máscaras de proteção pessoal, certificadas, personalizadas com expressões alentejanas e reutilizáveis, cuja receita reverterá integralmente para a plataforma de avaliação e reabilitação neuro-motora”. Numa primeira fase “as máscaras encontram-se à venda nas instalações do CPCB e no site da instituição: www.cpcbeja.org”, assim como nos pontos de venda identificados por Ana Baptista, presidente da Direção do CPCB.

Câmara de Beja está a “elaborar a estratégia local de habitação”. Bairro das Pedreiras pode ser “uma bomba às portas de Beja”.

Zé LG, 16.11.20

 Em Beja, a Câmara Municipal está a “elaborar, desde o início do ano, a estratégia local de habitação, que se encontra, ainda numa fase preliminar”, explica Paulo Arsénio, presidente da autarquia. Através dessa “estratégia vai ser possível apontar quais são as necessidades de habitação no concelho e nas freguesias e qual deve ser a intervenção do município para conseguir ultrapassar essas insuficiências habitacionais que existem”. Na cidade vai permitir, segundo o presidente da Câmara “recuperar 170 casas que carecem de recuperação, mas que já são destinadas a habitação social; vai permitir apoiar financeiramente 75 casas de famílias vulneráveis e permitirá também a aquisição e reabilitação de focos para habitação municipal que podem ser em regime de arrendamento apoiado ou em regime de arrendamento acessível”. Nesta última ajuda podem ser abrangidas nestas condições, entre “100 a 200 casas”.

Pedreiras-768x576.jpgPrudêncio Canhoto, presidente da Associação de Mediadores Ciganos de Portugal (AMEC) disse à Rádio Pax que o “problema da habitação tem-se agravado ano após ano.  Em seu entender, “as condições em que as famílias vivem no Bairro das Pedreiras são desumanas e trata-se de um problema de saúde pública: o Bairro tem mais gente que certas freguesias do concelho. Se existir algum caso de covid-19 estamos perante uma bomba às portas de Beja”.

Aeronaves ATL-100 vão ser projectadas em Évora e produzidas em Ponte de Sor . E Beja?

Zé LG, 23.10.20

imgLoader2.ashx.jpgO Aeródromo Municipal de Ponte de Sor (Portalegre) vai acolher a produção da primeira aeronave ligeira integralmente feita em Portugal, cujo primeiro protótipo deverá estar concluído em 2023, disse o presidente do município, Hugo Hilário, após o encerramento do primeiro dia da cimeira aeronáutica “Portugal Air Summit”, que decorre até sexta-feira naquela cidade alentejana.

A fábrica está integrada no Programa ATL-100, o primeiro programa aeronáutico completo de Portugal e que envolve o CEiiA - Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto e a empresa brasileira DESAER, fundada por antigos quadros da construtora aeronáutica Embraer, também do Brasil.

“Este projeto vai criar 1.200 postos de trabalho, não todos em Ponte de Sor. O centro de engenharia vai ser em Évora, prevê-se também alguma atividade em Beja no âmbito deste triangulo aeronáutico Ponte de Sor, Évora e Beja, mas desses postos de trabalho, aquilo que eu penso, é que a maior parte vai ser em Ponte de Sor, mas não vou quantificar”, disse o autarca.

“se temos problemas (no aeroporto de Beja) vamos à luta para os ultrapassar”

Zé LG, 12.10.20

imgLoader2.ashx Aeroporto.jpg“Temos um Consórcio, que refere o aeroporto de Beja, como uma hipótese, para o fabrico de uma aeronave ligeira, avião ATL-100, mas também temos um autarca que refere que o "nosso" aeroporto tem alguns "constrangimentos", será um novo romance como o da "Embraer", se temos problemas vamos à luta para os ultrapassar, se o problema é o espaço junto ao aeroporto, vamos expropriar a bem do interesse público, não podemos perder todas as oportunidades de industrialização, e desenvolvimento." A.Mestre - Anónimo 11.10.2020,” aqui.

Fabrico do avião ATL-100 também vai passar por Beja, mas…

Zé LG, 10.10.20

Um projeto luso-brasileiro que visa desenvolver e fabricar uma aeronave ligeira no Alentejo pode passar por Beja. O responsável pelo consórcio referiu o aeroporto como uma possibilidade para a instalação da fábrica.

imgLoader2.ashx Aeroporto.jpgPaulo Arsénio, o presidente da Câmara de Beja, confirma que o projeto está pensado para ser desenvolvido em Beja, Ponte de Sor e Évora, mas refere que o aeroporto tem “alguns constrangimentos”, desde logo a existência de apenas um lote vago destinado a atividades industriais, mas que não tem dimensão para a instalação da fábrica. Refere ainda que “a placa de estacionamento apenas tem capacidade para 12 aeronaves, e quando a MESA começar a operar – o que estará para breve – quatro ou cinco estarão sempre ocupadas”.
Ao contrário de Beja, que não teve nenhum contacto com os promotores, o município de Ponte de Sor já realizou algumas reuniões com o consórcio e, o presidente daquela autarquia refere que “a avaliação que foi feita reconhece que o aeródromo municipal reúne as condições exigidas para a aeronave operar”, dizendo ainda saber que “este investimento está previsto ser tripartido entre Beja, Ponte de Sor e Évora”.

Ceia da Silva quer “Uma nova CCDR Alentejo com os olhos no futuro”

Zé LG, 10.10.20

copy_of_copy_of_copy_of_copy_of_cronistas_ta_70.pn

«... acredito numa CCDR Alentejo mais enérgica e liderante, que mobilize efetivamente o território, fazendo convergir no momento adequado os parceiros certos, não só para a implementação dos projetos estruturais, mas também de todas as iniciativas de fomento e de coesão social de que a Região necessita. Uma CCDR atuante em todo o território deve abrir caminho e potenciar a descoberta de iniciativas dos pequenos e micro empresários e dos jovens empreendedores que querem criar riqueza e emprego, apontando-lhes o caminhos e as janelas do financiamento do futuro PO Regional e das várias linha de apoio associadas.

Em resumo, defendo uma CCDR: • Mais ativa e com redobrada capacidade de intervenção política; • Empenhada na condução de um novo modelo de governação participativa, que valorize o papel dos autarcas, mas também o da sociedade civil; • Imaginativa e inteligente que reforce a sua ligação à Academia e que não abdique da sua função de planeamento e de prospetiva; • Focada na internacionalização da economia e na promoção de projetos estruturais e mobilizadores; • Ambiciosa em galgar lugares no ranking europeu das regiões inovadoras, fazendo disso uma prioridade clara no discurso regional e mobilizando os atores certos para o efeito; • Voluntariosa que ajude efectivamente a resolver os problemas concretos que a Região apresenta, desenvolvendo agendas próprias em áreas como a demografia e migrações, habitação, ambiente, sustentabilidade e gestão da água, áreas de intervenção que muito me preocupam.»

Ceia da Silva, candidato a presidente da CCDRAlentejo, aqui.

Beja quer “Promover a integração dos imigrantes através de uma estratégia concertada”

Zé LG, 06.10.20

Sem nome.pngA Câmara Municipal de Beja tem aprovada uma candidatura para conceção e implementação de um Plano Municipal para a Integração de Migrantes, com o objetivo de “fomentar processos de integração, incentivando políticas de acolhimento mais efetivas, através de um trabalho conjunto e devidamente articulado entre as diferentes entidades que atuam nesta área, enquanto estratégia fundamental para uma mais adequada gestão dos fluxos migratórios e contributo para o desenvolvimento local”.

O município de Moura assinou contrato de financiamento para a Estação Náutica

Zé LG, 30.09.20

O presidente da Câmara Municipal de Moura, Álvaro Azedo, assinou, ontem, o contrato referente ao Plano de Desenvolvimento da Oferta Turística da Estação Náutica de Moura – Alqueva.

10181_big Moura.jpgO desenvolvimento de experiências turísticas, a produção e instalação do plano de sinalética, bem como a monitorização da criação e implementação da Estação Náutica de Moura são algumas das actividades inseridas no Plano".

"Integração de Aeroportos na Rede Ferroviária - Caso de Estudo do Aeroporto de Beja"

Zé LG, 30.09.20

é o tema de tese de uma estudante de Engenharia do Ambiente na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Sem nome.png

Ana Catarina Oliveira, a autora do estudo pretende conhecer as vantagens de uma ligação ferroviária de alta prestação a Beja, a possível funcionalidade do aeroporto de Beja e o que pensa a população de Beja acerca desta temática e elaborou para o efeito um formulário a que se pode aceder em https://forms.gle/T2hg2ENKeJRfXdkV7 .

Município de Alvito quer reduzir o “impacto da solidão e do isolamento”

Zé LG, 29.09.20

202009281237468894 alvito.jpg“Tendo em conta a realidade” do concelho de Alvito e considerar que “é importante que haja uma intervenção junto da população em situação de isolamento” o Município de Alvito decidiu avançar com um projeto que “passa pela criação de um serviço de proximidade, adaptado às necessidades de cada munícipe, diminuindo o impacto da solidão e do isolamento; promover o bem-estar físico, psicológico e emocional e promover a inclusão social.”

Ceia da Silva revelou as linhas de orientação do seu manifesto de candidatura à presidência da CCDR Alentejo

Zé LG, 18.09.20

120120172147-957-ceiadasilva.jpgCeia da Silva, actual presidente da ERT Alentejo/Ribatejo, diz ambicionar “uma CCDR mais inteligente, capaz de, no plano interno, produzir reflexão e programação sobre a região” e afirma que a mesma “precisa de descer ao terreno, indo ao encontro dos cidadãos.” “A afirmação do Alentejo e da sua economia no plano internacional” é outra das suas prioridades.

Quer “uma CCDR Alentejo mais forte e liderante, que puxe efetivamente pelo desenvolvimento de todo o território e capaz de potenciar a descoberta de iniciativas dos pequenos e micro empresários e dos jovens empreendedores que querem criar riqueza e emprego”, para o que se propõe organizar, anualmente, “os Roteiros da Descoberta Empresarial do Alentejo”.

Pretende implementar “novas figuras de coordenação e governação, bem como imprimir um novo ritmo e energia às existentes” e “Revalorizar a figura do Conselho de Coordenação Intersectorial da CCDR Alentejo, que deverá a passar a reunir trimestralmente”. “Para além da figura estatutária do Conselho Regional”, propõe-se “instituir com os municípios e comunidades intermunicipais, o Pacto dos Autarcas Alentejanos – plataforma informal para troca de experiências nas áreas da economia verde, reabilitação e regeneração urbana, cultura e programação artística, smart cities, mobilidade e gestão costeira, entre outras áreas”.

Câmara de Moura licenciou Projeto de Arquitetura (de reconversão) do Convento do Carmo num empreendimento turístico de 5 estrelas

Zé LG, 13.09.20

Convento-do-Carmo-768x512.jpgEstá previsto um investimento na ordem dos 11 milhões de euros, da SPPTH –Sociedade de Promoção de Projetos Turísticos e Hoteleiros, entidade que é também proprietária do Convento de Espinheiro, em Évora. O novo empreendimento tem abertura prevista para 2022, no âmbito de uma concessão de 50 anos para fins turísticos.

O imóvel está localizado no centro histórico de Moura, próximo do castelo, sendo que o conjunto que engloba a igreja e o claustro do convento está classificado como imóvel de interesse público desde 1944.

Recordamos que o Convento do Carmo foi um dos imóveis inscritos no Programa REVIVE, um programa conjunto dos ministérios da Economia, Cultura e Finanças com a colaboração das autarquias locais.

Município de Alvito prepara próximo ano letivo com estratégia sobre como a comunidade escolar deve conviver com o vírus

Zé LG, 25.08.20

mitos-coronavirus.jpgO Município de Alvito aderiu ao Programa de Adaptação Educativo do Baixo Alentejo à COVID-19, uma parceria da CIMBAL com o Algarve Biomedical Center, definindo uma estratégia sobre como a Comunidade Escolar deve conviver com o vírus.

Este apoio médico e científico tem como objetivo a adaptação da comunidade escolar a um ano letivo em convivência com a pandemia Covid-19 com a máxima segurança em termos de saúde pública, adotando medidas que minimizem a possibilidade de transmissão do vírus SARS COV2, realizando testes de diagnóstico da COVID ao pessoal docente e não docente e  criadando uma Linha de Apoio para a comunidade educativa, acessível também aos pais e encarregados de educação.

Serão realizadas ações de sensibilização, de informação e de formação dirigidas aos mais diversos grupos que integram a comunidade escolar e a comunidade educativa e divulgados, ao longo do processo, documentos, tutoriais e cursos sobre temáticas consideradas pertinentes para grupos específicos.