Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Concurso Queijos de Portugal distinguem queijos alentejanos

Zé LG, 15.11.21

Mais de 200 queijos foram a concurso para determinar quais os melhores de Portugal. No final, a “prova cega” levou ao pódio 23 categorias, entre outras, queijos de vaca, cabra, mistura, amanteigado, flamengo. Do Alentejo, apenas foram distinguidos:

REQUEIJAO.jpg

Queijo fresco de ovelha: Queijaria Sapata,

Requeijão de ovelha: Queijaria Sapata;

Requeijão de cabra: Queijos Bilores;

Novos sabores frescos: Herdade da Maia;

Pão de São Miguel (re)conquista Medalha de Ouro de “Melhor Pão de Portugal”

Zé LG, 26.10.21

MERTOLA-Pao-Sao-Miguel_800x800.jpgO Pão de São Miguel fabricado pela padaria Seara de Pão, uma empresa familiar sediada em São Miguel do Pinheiro, concelho de Mértola, ganhou pelo segundo consecutivo a Medalha de Ouro do 10º Concurso Nacional de Pão Tradicional Português.

Depois das Medalhas de Prata de 2016 e 2017 e da Medalha de Ouro de 2020, o pão fabricado na aldeia que as gentes da terra definem como ficando no “fundo do Alentejo e não no Alentejo profundo”, voltou em Santarém a ser reconhecido como o melhor de Portugal.

Na União de Freguesias que aglutina São Miguel do Pinheiro, São Pedro de Sólis e São Sebastião dos Carros, estão localizadas as 13 padarias existentes no concelho de Mértola, que continuam a fabricar um pão alentejano genuíno e especifico e, definido como: “um pão rijo e duradoiro, um pão à moda antiga”.

Montaraz investe 1,5 milhões de euros na ampliação da fábrica em Garvão

Zé LG, 10.09.21

2021-OURIQUE-Montaraz_800x800.jpgA empresa Montaraz está a realizar um investimento de 1,5 milhões de euros para ampliar, pela terceira vez, as instalações da sua fábrica de transformação artesanal de porco preto em Garvão, no concelho de Ourique. As obras, já em curso, deverão estar concluídas “até final deste ano” e visam dar resposta ao “aumento da procura” dos produtos da Montaraz, disse Rui Fialho, sócio-gerente da empresa alentejana, acrescentando que irão permitir “duplicar” a área de fatiagem e de embalagem de enchidos e presuntos da fábrica, além de ser criada “uma nova zona de preparação e produção de presuntos”.
O mesmo responsável anunciou ainda que a empresa já tem no horizonte mais dois projetos de investimento e ampliação, um dos quais conta “lançar ainda antes do término” das atuais obras. “Vamos alargar as nossas áreas de armazenagem, pois, fabricamos muitas referências e temos de ter sempre um ‘stock’ de todas para as encomendas semanais. Isso ocupa-nos muito espaço e temos de o aumentar”.

Primeira fábrica de processamento de nozes em Portugal inaugurada em Évora

Zé LG, 17.06.21

nozes_0.pngA primeira fábrica de processamento de nozes em Portugal, da empresa agroindustrial Sogepoc, vai ser inaugurada pelos ministros da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, e da Agricultura, Maria do Céu Antunes, na próxima sexta-feira, no concelho de Évora. A fábrica, um investimento de 6,2 milhões de euros que cria de cerca de 80 empregos diretos e indiretos, tem capacidade para processar 4.000 toneladas, “não só a produção do Grupo Sogepoc, mas também a de terceiros”, que passam “a ter soluções de processamento e para o crescimento do setor no país”. A linha de processamento vai permitir, entre outros, o “descasque de nozes e a produção de produtos derivados inovadores, como o óleo de noz ou leite de noz”.

CEBAL com projeto para tratamento das águas residuais e reutilização e valorização dos subprodutos do sector dos lacticínios

Zé LG, 07.03.21

“LactoMTeC” é o novo projeto, para o setor dos laticínios, do Centro de Biotecnologia Agrícola Agroalimentar do Alentejo (Cebal). Quais os objetivos deste projeto?

imgLoader2.jpg

O projeto tem como principal objetivo dinamizar a fileira do queijo pelo valor das suas águas residuais. Esta dinamização será feita através da transferência do conhecimento científico e tecnológico sobre processos de separação por membranas e a sua aplicabilidade nos efluentes de queijarias. Estes processos assemelham-se a uma filtração e podem contribuir para uma gestão mais eficiente das águas residuais produzidas neste setor. Essas águas apresentam grande impacte ambiental devida à acumulação de resíduos do fabrico do queijo, sendo eles proteínas, açucares, vitaminas e minerais. E se por um lado, esses resíduos (subprodutos) são os maiores responsáveis pelo impacto ambiental do efluente, são, por outro lado, compostos de elevado valor nutricional. Desta forma, pretendemos disponibilizar soluções integradas que permitam não só o tratamento das águas residuais, mas também a sua reutilização e a valorização dos seus subprodutos.

Cooperativa de Moura e Barrancos lança edição limitada do melhor blend de azeite

Zé LG, 07.03.21

202103051129254390.jpgA Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos acaba de lançar uma edição limitada de Lote Seleção, um blend de azeite virgem extra que resulta das primeiras e melhores azeitonas colhidas em Moura e em Barrancos na campanha 2020/2021. Este “Lote Seleção” terá apenas 5000 garrafas e é extraído de azeitonas selecionadas.

A cooperativa realça ainda que, este azeite de seleção é perfeito para finalizar pratos sem molhos e de aromas simples, como massas e arroz, ou para enriquecer grelhados, é igualmente ideal também para provar com pão fresco ou torrado. A melhor forma de conservar este azeite é num local fresco e ao abrigo da luz.

Reguengos de Monsaraz vai ter "a maior e mais moderna unidade industrial de processamento de carne de porco" do País

Zé LG, 31.12.20

131988026_3685473218181204_6048078142541631644_o.jO investimento global desta nova unidade industrial, a criar em 28 mil m² de terreno industrial, que vai ter co-financiamento comunitário através do programa COMPETE2020,  ronda os 20 milhões de euros, vai gerar duas centenas de postos de trabalho, dos quais cerca de três dezenas altamente qualificados, prevendo-se que esteja pronta para ser inaugurada dentro de cinco meses.
O presidente do Município, José Calixto, diz sentir "um orgulho redobrado porque também estivemos presentes e colaboramos no processo de abertura do principal mercado externo que permitirá a viabilidade desta empresa e concretamente deste investimento: o mercado da República Popular da China".