Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Hélder Guerreiro diz que será “o fim da ideia do Baixo Alentejo constituído pelos 18 concelhos”

Zé LG, 25.05.22

182131243_4140054922713742_2588091656553156507_n.jpg«Aquele que deveria ser um processo de construção estratégica para uma região onde as principais reflexões deveriam assentar nas ligações de profundidade desde o oceano atlântico (costa sudoeste) à zona raiana com Espanha e nas relações verticais com a área metropolitana de lisboa e/ou com a Região do Algarve. Em vez de tudo isso estamos a construir de forma separada, Alentejo Litoral para um lado e Baixo Alentejo para outro, a resposta que se nos impõe ao próximo período de programação de fundos comunitários.

Em vez de pensamento estratégico para e sobre uma região estamos entretidos, de forma cada vez mais separada e distante, a arrumar somatórios de projetos e de intenções de projetos que se encaixem nas grandes opções de política definidas pela comissão europeia.»

Hélder Guerreiro, Presidente da CM Odemira, aqui.

Governo quer atores locais a definirem estratégias para aplicar fundos em cada território

Zé LG, 23.05.22

202205211453264192.jpgIsabel Ferreira, a secretária de Estado do Desenvolvimento Regional, disse que vai convocar os diferentes atores locais para pensarem e definirem onde devem ser aplicados os fundos do comunitários em cada território, trabalho que já iniciou com as cinco comissões de coordenação e desenvolvimento regional (CCDR) do país e que pretende ouvir os diferentes níveis de poder e agentes locais para decidir como será aplicado o dinheiro.
“Não chega nós distribuirmos fundos comunitário aleatoriamente, é preciso que quem recebe esses fundos tenha uma estratégia, saiba o que quer, onde é que quer ir, é preciso convocar os atores todos”, salientou, afirmando que este é um trabalho de rede, que será feito “de baixo para cima”, que é preciso “pensar no país, nas regiões e depois dentro de cada região, dentro de cada comunidade intermunicipal, dentro de cada município, entre um município maior e as freguesias à volta”.
“Os atores, as lideranças locais são fundamentais e determinantes, nomeadamente os municípios. É tratar diferente o que é diferente, não podemos ter medidas iguais para todo o território e isso só se faz identificando região a região”, acrescentou, alertando que as estratégias locais devem articular-se com os três grandes desafios nacionais e europeus, que são o demográfico, a transição digital e a transição verde.

Jerónimo de Sousa critica Governo por recusar travar escalada de preços

Zé LG, 22.05.22

202205221433348290.jpgJerónimo de Sousa, líder do PCP, hoje em Baleizão, acusou o Governo do PS de fazer “uma política de meias-tintas” por se recusar a aumentar os salários e pensões e a travar a escalada de preços, recordando que o PS prometeu, na campanha eleitoral, valorizar salários e reformas, e que agora, “apanhado com a maioria absoluta que ambicionava e de mãos livres”, “esqueceu a promessa” e “está já a fazer o contrário do que anunciou”.
Jerónimo de Sousa frisou que o “deixar andar e fechar os olhos à especulação e à exploração está bem patente” na proposta de Orçamento do Estado para este ano, considerando que no documento “não se veem as soluções para estes e outros problemas” e que “O que aí está é um autêntico assalto ao bolso de quem trabalha da parte dos grupos económicos, com os seus aumentos especulativos dos bens essenciais, dos alimentares à energia, dos combustíveis aos transportes, à água e habitação”.

Hospital de Beja “desapareceu” do Orçamento do Estado, denuncia Catarina Martins

Zé LG, 18.05.22

Catarina-Martins-1-768x432.jpgCatarina Martins, a Coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), visitou, esta manhã, o Hospital de Beja e não poupou críticas ao Governo pelo desinvestimento, lamentando que o Orçamento de Estado não tenha atribuídas verbas para a ampliação daquela unidade de saúde. “O Hospital de Beja desapareceu do Orçamento do Estado, entre 2018 e agora”, disse, apontando ainda outros problemas: a contratação e a fixação de profissionais, recordando que o prometido aumento das “vagas carenciadas” ficou “aquém das necessidades” no Hospital de Beja.
A coordenadora do Bloco o Esquerda aproveitou a oportunidade para enaltecer a resposta de saúde mental criada em Beja.                               Leia e oiça aqui e aqui.

“Transferência de competências é um processo de sucesso”, segundo o secretário de Estado Carlos Miguel

Zé LG, 15.05.22

280218155_717349746068089_1360722201708026737_n-76Carlos Miguel, secretário de Estado da Administração Local e Ordenamento do Território, na Feira de Maio, em Moura, afirmou que, apesar da complexidade inerente e “ao contrário de que muitos querem fazer crer, o processo de descentralização de competências é um processo de sucesso para os territórios”, pois “aproxima as competências das pessoas” e logo, permite um maior escrutínio, embora admitindo que “não é um processo perfeito” e, por isso, precisará de “ser limado”.

“Isto não é perseguição ao comuna?... Não?... É democracia?...Ah!”

Zé LG, 11.05.22

image.png«Uma associação de ucranianos denunciou que em Setúbal (presidência CDU), Aveiro (PSD), Gondomar (PS) e Albufeira (PSD) os refugiados da guerra na Ucrânia estavam a ser recebidos por, cito as palavras que Pavlo Sadokha usou na RTP, a 29 de abril, "russos e ucranianos pro-Moscovo".

Este presidente da Associação dos Ucranianos em Portugal afirmou que avisou essas autarquias do facto e que, nessa data, apenas a algarvia alterara a situação.

Nessa manhã o jornal Expresso titulara, em manchete, "Ucranianos recebidos em Câmara CDU por russos Pró-Putin".

… Porque carga de água é que só o PCP e a CDU levam pancada, são investigados, são criticados, são acusados pelos processos de receção aos refugiados ucranianos? Porque é que as outras autarquias, com procedimentos similares ou também controversos, são poupadas a esse escrutínio? Porque é que as instituições nacionais com responsabilidades nesta operação são esquecidas?

Isto não é perseguição ao comuna?... Não?... É democracia?...Ah!»

Pedro Tadeu, Jornalista, aqui.

Governo tem dado a devida atenção aos investimentos para a região(?)

Zé LG, 23.04.22

Sem nome.pngA Ovibeja tem uma relevância incontornável no panorama nacional, a afirmação foi feita por João Torres, secretário geral adjunto do PS hoje de visita ao certame. João Torres destacou ainda o tema escolhido pela organização e afirmou que o governo e o 1º ministro têm dado a devida atenção aos investimentos tão necessários para o Alentejo dando como exemplo o anuncio feito pela ministra da Agricultura ontem na Ovibeja, referente ao regadio de Alqueva.          Leia e oiça também aqui.

Se o PCP só dissesse isto eu até estava de acordo...

Zé LG, 21.04.22

20220420_declaracao_paulsa_santos_conferencia_impr«Face à grave situação na Ucrânia e no Leste da Europa, que afecta de forma preocupante toda a situação mundial, o PCP reafirma a necessidade de serem realizados todos os esforços no sentido da paz e contra a escalada da guerra e que deve ser este objectivo que deve pautar o papel de Portugal e das suas instituições. Ao mesmo tempo, o PCP reafirma que não tem nada a ver com o governo russo e o seu presidente. A opção de classe do PCP é oposta à das forças políticas que governam a Rússia capitalista e dos seus grupos económicos

O problema é que, quando explica mais a sua posição, atribui todas as responsabilidades pela situação ao governo ucraniano e seus apoiantes e passa olimpicamente ao lado das responsabilidades de Putim e do governo russo, como se não tivesse sido a Rússia a invadir a Ucrânia e a iniciar a guerra. Para além de todas as razões e justificações que possam existir ou ser apresentadas, há um país agressor e um país invadido e a ser destruído, há milhões de ucranianos que tiveram de fugir das suas casas, das terras e do país onde viviam, deixando tudo para trás. Há milhares de mortos e muitos mais feridos. Todas as guerras têm essas consequências, em maior ou menor grau. Mas quem iniciou esta e quem invadiu a Ucrânia foi a Rússia. Putin e o governo russo não podem deixar de ser condenados por isso. Tal como todos os outros que tiveram responsabilidades semelhantes noutras situações. Mas agora é desta que se trata. O PCP não pode dizer que defende a Paz e não responsabilizar quem iniciou esta guerra e invadiu um país.

ACOS quer que a ministra da Agricultura “oiça os agricultores”

Zé LG, 14.04.22

201904181115241563.jpgA situação de seca “melhorou um pouco” no distrito de Beja com as chuvas registadas no início da primavera, mas os prejuízos provocados antes são “irrecuperáveis”, segundo o presidente da ACOS - Associação de Agricultores do Sul.

Rui Garrido disse que os agricultores e a ACOS querem que a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, que foi reconduzida no cargo e transitou do anterior para o atual Governo PS, “oiça e trabalhe com a lavoura, porque torna tudo mais fácil para ela e também para nós e há mais possibilidade de chegarmos a consensos”.

“Assédio de um doente mental para vender notícias-mercadoria”

Zé LG, 12.04.22

36355169_10212151214150667_804690800402235392_n.jp«Lembram-se do jovem terrorista apanhado pelo FBI, que deu indicações para a polícia cá, e que foi condenado em directo interminável por todas as TVs em Portugal? Está em tratamento psiquiátrico. Conhecemos a sua foto, casa, família. Foi assim que foi tratado um doente mental. Há 20 anos ensinava-se as crianças que não se maltratam doentes, velhos e animais. Hoje pode-se espezinhar um doente mental porque os “directos assim o exigem”. Quando tudo na sociedade ganha a forma mercadoria - vendável - não há sociedade. Nem humanidade possível.» Raquel Varela, aqui.

"Isto não é “brincar com quem trabalha”, mas é desrespeitar os concursos e os concorrentes."

Zé LG, 08.04.22

14064192_881178031987953_8602441491684678966_n.jpg«A autarquia, durante este período de mais de 2 anos, não deu qualquer explicação aos candidatos, somos mesmo compassivos! E ainda acresce à tentativa de explicação, a citação da Lei 2/2004, de 15 de janeiro, para explicar que a mesma foi aplicada e “atendeu a critérios de transparência, eficiência, economia de custos e celeridade que devem presidir à atividade administrativa.” Pelo exposto, verifica-se a inaplicabilidade da legislação focada.
Como se pode constatar, pelas datas referidas, este foi um assunto que passou do mandato anterior da autarquia para o atual, mantendo-se o presidente da mesma; podemos assim avaliar o peso que foi e é dado ao assunto e consequentemente à Educação, ao Desporto e à Juventude do concelho de Beja.
Tendo a situação chegado a este ponto, esperemos que a sua resolução seja mais precisa e que o futuro traga melhores práticas.»

Domingas Velez. Daqui.

“Por que não experimentar novos Governos?”

Zé LG, 07.04.22

images.jpg«Por que não experimentar novos Governos que não recebam o "direito divino" do Capital, enquanto explorador do Trabalho?

É simplesmente isto que desejo e pelo que luto.

E se não der certo? O caminho nunca será voltar atrás que já vimos que não é bom o suficiente, mas procurar novos caminhos a partir do lugar onde paramos.»

Zé Onofre, Anónimo 07.04.2022, aqui.

A Terra está a ficar pouco recomendada para vivermos

Zé LG, 31.03.22

Ainda não saímos de uma pandemia a que se apressaram a chamar "guerra" e já temos uma guerra a sério, mandada fazer por um aspirante a imperador, cujo fim ainda não se vislumbra.

briga-e-discussao-imagem-animada-0010.gifTalvez sejam estas razões mais que suficientes para todo o tipo de excessos, de que refiro apenas dois exemplos recentes: O Presidente dos EUA chama "carniceiro" e outros "mimos" ao Presidente da Federação Russa (refiro os cargos que desempenham, para que se perceba que não são dois amigos desavindos depois de uns copos...); Na entrega dos Óscares, um comediante deu uma chapada no seu colega que fez a apresentação, porque não gostou da piada que este fez à sua esposa e foi aplaudido!... A exasperação que se nota nos relacionamentos entre as pessoas é bem evidente. Com exemplos destes...

Marcelo e as suas “necessidades”

Zé LG, 30.03.22

Sem nome.pngO Presidente da República deu posse, esta tarde, ao novo governo, depois de ter marcado eleições legislativas antecipadas, há quase cinco meses, para 22 de Janeiro, na sequência do chumbo do Orçamento de Estado para 2022 na Assembleia da República.

Uns meses antes da marcação das eleições, já Marcelo Rebelo de Sousa ameaçava com eleições antecipadas. Depois do chumbo do Orçamento de Estado na Assembleia da República, apressou-se a afirmar que era urgente a realização de eleições antecipadas face à necessidade de ultrapassar “a mais grave crise política dos últimos anos” e pôr fim à instabilidade.

A urgência era tanta, que o novo governo tomou posse quase cinco meses depois de marcadas as eleições, batendo todos os recordes temporais!… A necessidade de estabilidade política era tanta que, logo na tomada de posse do novo governo, Marcelo Rebelo de Sousa ameaçou novamente com eleições antecipadas se António Costa, por qualquer razão, deixar o governo!…

“deverá ser estimulada a recuperação dos imóveis no centro histórico”

Zé LG, 26.03.22

57209146_2147160238653491_188981494486663168_n.jpg«Em primeiro lugar, deverá ser estimulada a recuperação dos imóveis no centro histórico, através de mecanismos claros e consequentes, que não se restrinjam a benefícios fiscais ou isenções de taxas de licenciamento camarário! Os processos de intervenção em edifícios localizados no centro histórico, desde a fase do projecto à concretização das obras, têm de ser objecto de enorme simplificação e desburocratização, que não arraste os proprietários para um calvário de largos meses ou anos à espera de uma mera aprovação da CMB e da Direcção Regional de Cultura! É preciso reforçar os mecanismos municipais e regionais que estimulem a fixação de residentes e de investidores no centro histórico, de modo claro e objectivo, com a adopção de medidas transparentes e funcionais! Caso contrário, fica-se num plano demagógico e intencional que não passa disso mesmo, assistindo-se em simultâneo ao gradual abandono desses territórios em detrimento de outras áreas!» Anónimo 24.03.2022, aqui. Foto copiada daqui.

“Uma autêntica pobreza de espírito, de que afinal todos nós acabamos por ser coniventes”

Zé LG, 25.03.22

images.jpg«A pequenez da política local está aqui bem patente, não só neste post como nos anteriores.

Ou seja, nem uma única palavra sobre desenvolvimento, ou ideias sobre o que quer que seja, em prol da cidade e da sua região.

O assunto, são os boys e a girls, os seus respectivos tachos, o seu doce fare niente e a suas guerras privadas em prol de este ou esta tem mais um pequeno poderzinho do que o outro ou a outra ou mesmo até sobre quem se posiciona melhor ou pior na hierarquia local. Não vá para aí vir a regionalização, e não estarem atentos ou dentro da situação.

Uma autêntica pobreza de espírito, de que afinal todos nós acabamos por ser coniventes.»

Anónimo 24.03.2022, aqui.

Terminadas as eleições, quando avançam as alterações à legislação?

Zé LG, 23.03.22

202112151824142218.jpgA organização das eleições mantém-se praticamente inalterada desde as primeiras eleições para a Assembleia Constituinte, realizadas em Abril de 1995, há 47 anos!!!

Com tudo o que mudou, designadamente com a evolução técnica e tecnológica, não se percebe porque tal acontece. Para se perceber como alguns aspectos desse processo estão obsoletos basta recordar o que se passou com a votação dos emigrantes, que a todos os responsáveis devia envergonhar e que teve como resultado acentuar o desinteresse dos eleitores pelo voto (11,42% de votantes).

Não vou apresentar propostas, mas não deixo de colocar duas questões para reflexão. Hoje, quando podemos tratar de quase tudo através da Internet, porque não podemos votar por esse meio?! Porque se mantêm os cadernos eleitorais em papel e não são informatizados e ligados a outras bases de dados, que lhe permitam ser automaticamente actualizados, como por exemplo quando morre alguém ser abatido imediatamente como eleitor?!

É tempo de ultrapassar esta situação! Não há tempo a perder, antes que se realizem novas eleições nas mesmas tristes condições. O poder político deve assumir este desiderato como uma das prioridades da sua acção.

Crise nas lideranças dos partidos da extrema esquerda portuguesa(?)

Zé LG, 20.03.22

esq.png«… com exceção do Livre, os outros dois têm mesmo um problema grave de lideranças. O PCP não consegue encontrar um substituto há altura de Jerónimo de Sousa, e assim vai protelando a sua substituição. A tal ponto, que já começa a ser manifesto o embaraço e bem visivel a ausência completa de soluções.
Por último, o Bloco, trata-se de um problema ainda mais grave, que é, após ter atingido um almejado pico de populariedade, os seus lideres e responsáveis só o que têm feito é cometer erros crassos ou asneiras até dizer basta.

Louçã, que embora retirado dos holofotes, ainda é quem mexe os cordelinhos do poder no seu partido, depois de ter cometido o tremendo erro de chumbar o PEC IV e derrubar o governo minoritário do PS de José Sócrates, e ter aberto o caminho para uma maioria de direita de Passos Coelho. Esteve por trás agora do trambolhão em termos eleitorais que deu Catarina Martins nas últimas eleições ao derrubar o governo de António Costa, e ao mesmo tempo acabar-lhe de vez com a sua carreira politica.
Isto, sem que haja ninguém que se posicione com credibilidade suficiente para a substituir, já que a sua delfim Mortágua acaba de dar um tiro em cada pé por causa de uns dinheiritos a mais de forma indevida.
Enfim, esperemos que melhores dias venham, já que a extrema esquerda é absolutamente necessária neste país, até para contrapor o evidente crescimento em curso da extrema direita.» Anónimo, aqui.

Afinal onde está a crise política e a urgência da sua superação?!...

Zé LG, 18.03.22

doc2018122025312733miguelalopes_7286047634defaultlCom o chumbo do OE, o que é que aconteceu? Marcelo rapidamente tratou de todos os procedimentos constitucionais para dissolver a AR e anunciou a sua dissolução... para daí a mais de um mês e eleições para o final de Janeiro, mais de três meses depois daquele anúncio... Com a realização destas e a trapalhada / trapaça dos votos dos emigrantes da Europa, tudo continuou, mais ou menos como dantes. Ou seja, António Costa e o governo mantêm-se em plenas funções e a AR mantém-se em funcionamento, em modo de serviços mínimos... Ou seja, a tal “crise política” que devia ser rapidamente debelada, na opinião do PR, ainda não o foi, o OE continua a ser gerido por duodécimos e parece que nada de dramático aconteceu...

Em estórias da carochina só acredita quem quer. E parece que há muita gente que quer...

Autarcas eleitos pelo Chega na Moita desfiliaram-se e continuam nos cargos

Zé LG, 12.03.22

Sem nome.pngOs seis autarcas eleitos pelo Chega para os órgãos municipais da Moita, no distrito de Setúbal, desfiliaram-se e vão continuar nos cargos como independentes, anunciou hoje o núcleo concelhio do partido. Segundo os autarcas, uma das questões que os levou a tomar esta decisão “prende-se com a tentativa de influência do voto favorável do vereador, perante interesses pessoais e financeiros de um membro da distrital de Setúbal e de um investidor por ele apresentado”. Esta tentativa, adiantam os autarcas, foi ignorada, mas chocou o grupo.

Com a saída de Ivo Pedaço do Chega, o partido deixa de ter vereadores eleitos no distrito de Setúbal, depois de os vereadores das autarquias do Seixal e de Sesimbra, Henrique Freire e Márcio Sousa, respetivamente, também terem saído do Chega. Em novembro, o Chega perdeu também a vereação na Câmara Municipal de Moura, no distrito de Beja, após a representante eleita pelo partido, Cidália Figueira, ter passado a independente invocando “divergências políticas”.