Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

José Miguel Júdice disse o que eu penso

Zé LG, 07.04.20

Acabei de ouvir José Miguel Júdice, no seu comentário semanal na SIC, dizer algumas coisas, que eu penso e tenho dito às pessoas com quem lido, sobre a evolução da actual pandemia em Portugal, ou seja, para além de outras:

- As mortes devidas exclusivamente à Covid - 19 e mesmo as causadas pela conjugação desta com outras doenças, sempre a lamentar, não serão tantas quantas as causadas por outras doenças, incluindo a gripe vulgar;

- É preciso e urgente retomar a normalidade do tratamento de outras doenças graves, que estão a matar muita gente por falta de acompanhamento /assistência;

- O confinamento não deverá demorar muito tempo (para além deste mês) sob pena dos danos serem superiores às vantagens da medida, devendo manter-se apenas para os grupos de maiores riscos (idosos, doentes crónicos);

- As decisões devem ser tomadas pelo governo, ouvindo naturalmente os especialistas, ponderando as diversas implicações, lembrando a propósito o encerramento das escolas no dia seguinte aos especialistas terem dito que não deviam fechar.

Nada disto deve ser entendido como um convite ao abrandamento dos cuidados a ter. Antes pelo contrário, o que escrevi atrás só faz sentido no pressuposto de que a evolução do comportamento das pessoas e dos resultados da doença vão continuar como até aqui.

Jorge Seguro Sanches designado para a coordenação das medidas de combate à pandemia da covid-19 no Alentejo 

Zé LG, 07.04.20

O primeiro-ministro designou cinco dos seus secretários de Estado para a coordenação da execução aos níveis local e regional das medidas de combate à pandemia da covid-19 no âmbito da declaração de estado de emergência.

i046002 sanches.jpg

"Sem prejuízo das competências dos presidentes das câmaras municipais, como autoridades municipais da política de proteção civil, nos termos da Lei de Bases de Proteção Civil, considera-se imprescindível assegurar uma melhor coordenação dos serviços da administração central de nível regional ou distrital e a devida articulação supramunicipal", justifica-se no despacho assinado pelo primeiro-ministro.

Jorge Seguro Sanches, secretário de Estado Adjunto e da Defesa Nacional e que desempenhou as funções de presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano, S.A. de abril a novembro de 2015, foi designado para fazer aquela coordenação no Alentejo.

Gostei de ouvir António Saraiva

Zé LG, 07.04.20

images.jpgO líder da CIP defendeu, esta noite na SIC, algumas posições, como a necessidade de parte da dívida externa ser perdoada, que até há muito pouco tempo apenas era defendida pela "esquerda radical" e pouco mais. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades...

Apresentou uma proposta das empresas se comprometerem a não despedir nem a distribuir dividendos durante quatro anos, como contrapartida de financiamento necessário à manutenção da sua actividade. Parece uma proposta que vale a pena ser considerada e que pode ser parte da solução para a crise económico-social que está aí.

“Trabalhadores na linha da frente deviam receber subsídio de risco”

Zé LG, 04.04.20

naom_532389eecfd0e louçã.jpg"Uma das medidas de emergência que seria aconselhável, seria pagar um subsídio de risco aos médicos, enfermeiros, técnicos de diagnóstico, polícias, enfim, às pessoas que estão na linha da frente [na luta contra a covid-19]", defende o professor universitário.

Francisco Louçã considera, assim, errada a opção do Governo de, no âmbito do estado de emergência, ter restringido o direito à greve nalguns setores da função pública.

“O estado de emergência não precisava e não devia ter recorrido ao dispositivo sobre suspender o direito de greve sobre os trabalhadores da saúde e dos serviços públicos pela muito simples razão de que não há nenhuma greve na saúde e nos serviços públicos e, pelo contrário, essas pessoas são as pessoas que aguentam a resposta do país", defende o economista, considerando mesmo a medida como "totalmente disparatada" e reveladora de "autoritarismo" e "até de preconceito ideológico anti-sindical".

“A extrema-direita é miserável”

Zé LG, 04.04.20

“Como reação a estas críticas, o chega acusa aqueles que as fazem de pertencerem à «esquerda radical». Ou de atentarem contra a democracia por quererem «calar o chega». Como diz um amigo meu, e muito bem, a extrema-direita manda as pessoas para a sua terra. A «esquerda-radical» como lhe chama o ventura, não manda ninguém para lado nenhum. A extrema-direita quer decidir quem ama quem e o que é uma família. A «esquerda-radical» acha que cada um ama quem quer e que a família só diz respeito a quem a ela pertence. A extrema-direita quer acabar com o Estado Social. A «esquerda-radical» quer mais Estado Social. Existe uma diferença entre querer nacionalizar os CTT e querer «mandar os pretos para a sua terra». A extrema-direita, que chama «monhé» ao nosso Primeiro-ministro, acha que existem pessoas melhores do que outras por causa do seu tom de pele, da religião que professam e do local onde nasceram. A «esquerda-radical» não. A extrema-direita é miserável. Tolerar a sua presença é uma fragilidade da democracia: xenofobia, homofobia e racismo não são opiniões. São crime.”

Trecho do texto “Dos vírus que nos assolam…”, de Paulo Monteiro, publicado aqui.

Edmundo Entradas morreu

Zé LG, 02.04.20

entradas.jpgEdmundo José Ferro Entradas, 65 anos, natural de Nossa Senhora das Neves, Técnico das Finanças, faleceu, no Hospital de Beja, vítima de doença prolongada, tendo sido enterrado ontem no Cemitério de Beja.

O Edmundo era meu contemporâneo e amigo. Conhecíamo-nos desde moços e mantivemos uma relação mais próxima nalguns períodos em que as circunstâncias da vida nos aproximaram. Nos últimos anos víamo-nos pouco. Vi-o pela última vez no princípio de Fevereiro, quando se realizou a Cimeira dos Amigos da Coesão em Beja. Há muito que não o via e tinha sabido há pouco tempo da doença com que se debatia. Mostrou-se animado, mas fiquei com a ideia de que a situação não estava controlada e se apresentava perigosa. Infelizmente, o tempo veio confirmá-la.

À Custódia e demais família apresento os meus sentidos pêsames.

Há quatro anos que Manuel de Castro e Brito nos deixou

Zé LG, 29.03.20

2013-04-24 038.jpgNestes tempos de preparação, primeiro, e de cancelamento, depois, da OVIBEJA várias foram as vezes que nos lembrámos de Manuel de Castro e Brito e da sua forma de conduzir a organização da Grande Feira do Sul, que tem reunido, ano após ano, Todo o Alentejo deste Mundo.

Deixou-nos cedo, com 65 anos. Nestes tempos conturbados que vivemos, certamente que a sua visão e e o seu gosto pela intervenção, marcados por uma ideossincrasia muito própria, que o mantinham em permanente desassossego, não deixariam de agitar algumas águas, que se mantém demasiado calmas...

"normalmente os mais visivelmente defensores são os primeiros a trair, cá estamos para ver"

Zé LG, 28.03.20

"No esgoto também há vírus ou não? A defesa da nossa área politica não se faz só com o abanar de cabeça a dizer sim a tudo, também se faz com confrontação politica e discordância de métodos, não tempos que ter todos com o mesmo pensamento, assim não existia democracia, normalmente os mais visivelmente defensores são os primeiros a trair, cá estamos para ver."
Anónimo 22.03.2020, aqui.

Morreu António Felizardo

Zé LG, 27.03.20

2020032715420743.nb.pngAntónio Francisco Felizardo, de 79 anos, natural de Quintos, faleceu no Hospital de Beja. Electricista de profissão e empresário de serviços eléctricos e de panificação, foi presidente da Junta de Freguesia de Quintos, eleito pelo PS.

Conheci-o Há muitos anos, nas lides autárquicas e, embora de partidos diferentes, sempre mantivemos uma relação cordial e respeitosa. Era um homem muito dinâmico e interventivo.

O funeral realiza-se amanhã, às 11:15, da Casa Mortuária para o Cemitério de Quintos.

À família e ao PS apresento os meus sentidos pêsames.