Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Neste mandato é Vodka com Laranja. No anterior foi Rosa com Laranja.

Zé LG, 17.10.21

pcp-psd1.jpg"Anda por aí um grande alvoroço por o PSD/Beja ter dado a mão ao PCP na Junta da União de Freguesias de SJB e Santiago Maior. O elenco ficará 3(PCP) e 2 (PSD).
Não percebo este alvoroço. Aqui por Beja o PSD sempre gostou de fazer alianças com o PCP. É conhecida a minha posição – frontalmente contra – pois nunca foi dado nada em troca, mais parecendo que os eleitos do PSD queriam ir, de qualquer forma, ao pote dos cargos remunerados. Nunca percebi o que é que o PSD andou a fazer e quais foram as propostas e posições dos seus eleitos nos executivos dos quais fez parte.
Também há 4 anos o PSD integrou o executivo da mesma Junta, desta vez dando a mão ao PS. Não me recordo de ter lido grandes opiniões sobre o assunto.
Passaram 4 anos, o PS foi o que se viu, perdão, o que não se viu, e o PSD continuou desaparecido. Os socialistas governaram como quiseram e desconheço se houve algum tipo de oposição nos diversos órgãos." … João Espinho, na sua Praça da República.

Sines continuará “a atrair novos investimentos”, garante o primeiro-ministro

Zé LG, 15.10.21

imgLoader2.ashx.jpgO primeiro-ministro disse em Sines que o investimento da Repsol vai permitir já em outubro ultrapassar o recorde de investimento direto estrangeiro alcançado em 2019. António Costa falava em Sines após a assinatura do contrato de investimento entre a Repsol e o Governo que prevê incentivos fiscais de até 63 milhões de euros a um projeto de 657 milhões de euros, apontado como “o maior investimento industrial” da última década.

Para o primeiro-ministro, este “é um sinal importante para a confiança no futuro da economia portuguesa” e da “capacidade de recuperação, mas também de transformação” da economia nacional. Isto, indicou, deve-se a um conjunto de “fatores-chave” que o país soube “preservar”, como a valorização da posição geoestratégica, os índices de segurança de Portugal e a estabilidade financeira nacional.

“O reforço da capacidade do Porto de Sines, a ligação ferroviária de Sines à fronteira com Espanha, o desenvolvimento em perfil de autoestrada da ligação de Sines à autoestrada do Sul, valorizarão muito esta posição geoestratégica”, reforçou António Costa, acresentando que Sines, continuará “a atrair novos investimentos”, não só na economia tradicional, mas também “na nova economia de dados”, dando o exemplo do primeiro cabo de fibra ótica que liga a Europa à América do Sul e África.

Ceia da Silva optimista em relação à capacidade do Alentejo de investir os fundos comunitários

Zé LG, 13.10.21

202110121733486215.jpg“Não há perigo de devolução de verbas. Há é o perigo de não haver verbas suficientes e alguns projetos terem que transitar para o [próximo quadro comunitário] 2030”, afirmou o presidente da CCDR do Alentejo, António Ceia da Silva.

Além do objetivo de atingir, no final deste ano, “uma taxa de 60%”, Ceia da Silva adiantou que terá de haver um incremento de 20 pontos percentuais na execução do programa operacional em 2022 e de outros tantos em 2023, para se atingir então o pleno.

Sobre o próximo quadro comunitário, Ceia da Silva revelou que está “praticamente concluído” e que “as diversas opções políticas serão discutidas, ainda em outubro, com a Comissão Europeia”

“Teremos os primeiros avisos em janeiro” de 2022, indicou, remetendo para a “altura própria” a divulgação de mais detalhes.

EDIA e NERBE/AEBAL promovem missão empresarial a “Alqueva, uma nova terra de oportunidades”

Zé LG, 13.10.21

P1100009.JPGEsta Missão é composta por cerca de 25 empresários, na sua maioria da Andaluzia espanhola, que serão recebidos, hoje à tarde, na sede da EDIA em Beja, enquadrada no projeto da EDIA e do NERBE/AEBAL para promoção e internacionalização denominado “Alqueva, uma nova terra de oportunidades”, objeto de candidatura ao Sistema de Apoio a Ações Coletivas e financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional/Alentejo 2020. Do programa desta visita fazem parte deslocações a infraestruturas do projeto de Alqueva, unidades de agro-indústria e explorações agrícolas, de amanhã a Sexta-Feira.

José Luís Peixoto apresenta "Almoço de Domingo" em Beja

Zé LG, 12.10.21

245049206_4038679696236816_2010143775059808649_n.jCom este novo romance acompanhamos, entre 1931 e 2021, a biografia de um homem famoso – Rui Nabeiro — em paralelo com história do país durante esses anos. No Alentejo da raia, o contrabando é a resistência perante a pobreza, tal como é a metáfora das múltiplas e imprecisas fronteiras que rodeiam a existência e a literatura. Através dessa entrada, chega-se muito longe, sem nunca esquecer as origens.
Num percurso de várias gerações, tocado pela Guerra Civil de Espanha, pelo 25 de abril, por figuras como Marcelo Caetano ou Mário Soares e Felipe González, este é também um romance sobre a idade, sobre a vida contra a morte, sobre o amor profundo e ancestral de uma família reunida, em torno do patriarca, no seu almoço de domingo.

Pedro do Carmo eleito para o Secretariado Nacional do PS

Zé LG, 11.10.21

Pedro-do-Carmo-768x512.jpgPedro do Carmo foi eleito para o Secretariado Nacional do PS, com o pelouro da organização, e Nelson Brito, presidente da Federação do Baixo Alentejo do PS, salienta que “este é o reconhecimento da mais-valia dos socialistas do Baixo Alentejo e a demonstração de confiança do Secretário-geral do PS, António Costa, nas competências e nos contributos que temos para dar para o progresso da região e do país”.

“Sinais de mudança” ou “Perfume e bafio”?

Zé LG, 05.10.21

“Vai-se sentindo um sentimento contra a arrogância do PS que, mais do que gerar simpatias para com o PSD, gera rejeição ao PS. Se a simpatia em política se conquista com o tempo, a rejeição não é facilmente ultrapassável. … A rejeição que o PS já cria num conjunto alargado de cidadãos ainda não chega para ganhar claramente umas eleições, mas é assim que, em primeiro lugar, se criam condições para fazer um caminho” - Pedro Marques Lopes

210929_DOC.20210922.34381089.TP__9778-1600x1067.jp

“Já para o futuro do PSD e do CDS, o desfecho eleitoral (e a vitória de Moedas em Lisboa) pode, na verdade ser um presente envenenado a médio prazo. Adia as soluções e mascara os problemas notórios de liderança e posicionamento estratégico com que ambos os partidos se deparam. Disfarça o odor no ar com perfume atrás das orelhas, mas não resolve o travo a bafio das roupas desconchavadas e démodé com as quais não é nada sensato apresentar-se a votos em 2003.” - Mafalda Anjos

In: VISÃO, de 30/09/2021

Comentário do MAIS BEJA sobre os resultados eleitorais

Zé LG, 03.10.21

Camara-de-Beja2-1-768x512.jpg«Paulo Arsénio (PS) - O incumbente ganhou, mas o resultado foi mau: .... Só não foi muito mau porque manteve a presidência na Câmara e tem agora 7 Juntas de freguesia (em 2017 tinha 5).

Nuno Palma Ferro (PSD/CDS/PPM/IL/A) - Mereceu a eleição como vereador, lutando contra um incumbente, num concelho de esquerda.

Vítor Picado (CDU) - O PCP, local, regional e nacional tem de repensar tudo. Dúvido é que mude. ... A escolha do candidato não foi a melhor, uma vez que havia, até dentro do partido, quem não o apoiasse, o que é estranho no PCP. …

Chega - Foi a segunda grande surpresa. ..., como alguém que não compareceu em grande parte dos debates, sem ideias, programa eleitoral ou conhecimento da cidade tem tantos votos.

Bloco de Esquerda - Candidato fraquinho, deu um resultado fraquinho. ... Ainda assim, era mais competente que o candidato do Chega.

Abstenção - No concelho de Beja, foi 43%, igualando o valor em 2017.»

Leia aqui o comentário na íntegra.

"A participação cívica não pode esgotar-se na circunstância eleitoral sob pena de não passarmos desta conjuntura acomodada e populista"

Zé LG, 11.09.21

«A participação cívica é fundamental numa democracia moderna!...Os cidadãos como destinatários gerais das políticas sociais, culturais, da saúde, etc., deveriam estar capacitados a intervir individual ou colectivamente, na vida política, questionando as instâncias do poder sobre a metodologia, o alcance e os custos da acção governativa, porque isso se reflecte objectivamente nos seus impostos e contribuições, no rendimento do trabalho, no quadro das leis laborais, em suma, no seu contributo para a construção de uma sociedade melhor e mais justa! Só através da Cultura e da Educação será possível alargar essa participação colectiva, de modo amplo, objectivo e esclarecido!

“Uma porra de democracia!”

Zé LG, 02.09.21

«Quando se propaga aos quatro ventos a participação cívica e se apela recorrentemente à participação dos cidadãos na vida política quotidiana é necessário e imperativo, que se esteja disponível para ouvir toda a gente, estando previamente preparados para o contraditório, a interpelação e o questionamento sobre aquilo que a toda comunidade diz respeito, quer nas opções, ou nas políticas levadas a cabo!...Quando existem em pleno século XXI manifestações de censura (hélas) em que se promove a bajulação, a anuência e a aprovação de toda a espécie, estamos verdadeiramente conversados em matéria de exercício democrático!...É bem mais fácil assimilar a concordância do que a problematização, a crítica construtiva, a participação sã da comunidade em prol do interesse colectivo, estabelecendo-se barreiras a qualquer cidadão que faça as perguntas, levante dúvidas ou apresente sugestões de natureza diversa do sistema instituído! Parece vago, mas não é. Quantas vezes já alguém tentou questionar as estruturas do poder perante situações que são susceptíveis de discussão e de esclarecimento, tendo esbarrado numa verdadeira fortaleza, que impede e repele qualquer tipo de questionamento, numa espécie de bolha hermética, impenetrável e impiedosa! Vivemos em democracia? Não haverá dúvidas para o comum dos mortais, mas sempre que se pretende aproveitar o espaço criado pela democracia, para manifestar descontentamento, dúvida ou expressar opinião, fica-se com a forte ideia de que a democracia não passa de uma chavão político que ganha significado em momentos eleitorais, porque os eleitos dependem inexoravelmente dos eleitores! Uma porra de democracia!» Anónimo 31.08.2021, aqui.

“Despovoamento do Alentejo deveria envergonhar governantes”, afirma João Pauzinho, responsável da DORBE do PCP

Zé LG, 30.08.21

Pauzinho.jpgO responsável da Direção da Organização Regional de Beja (DORBE) do PCP considera que o distrito apresenta “uma assustadora falta de estratégia e de planeamento”, advertindo ser necessário construir políticas para que se consiga inverter a “desastrosa tendência” de perda de população no território. João Pauzinho acusa os responsáveis pelos municípios socialistas, na região, de atuarem de forma demagógica, sendo incapazes de reivindicar, junto do Governo, os “interesses reais das populações e da região”.
Os indicadores são, na verdade, transversais a todo o interior e, naturalmente, ao distrito, existindo um País completamente desordenado e desequilibrado, com prejuízo para todo o território nacional e para as suas populações. As pessoas precisam de soluções, emprego e qualidade de vida para se manterem ou regressarem às suas terras. Alguém, de bom senso e responsável, vislumbra políticas que alterem tal situação? Nós, infelizmente, não vemos! Efetivamente, os principais indicadores destes Censos 2021 deveriam envergonhar políticos, a nível nacional e com responsabilidades governativas nos últimos anos, no que se refere a um País a muitas velocidades.

Leia aqui, toda a entrevista.

“Esta é a receita dos governos do PS e do PSD, com ou sem CDS, para matar o interior.”

Zé LG, 29.08.21

240623176_10220516947619772_4399503501156806629_n.«Ao Sol posto os campos ficam mais sós.

Tirita uma ou outra esquila.

Os homens, poucos, regressam a casa após a ordenha.

As mulheres já haviam recolhido para tratar da janta.

As crianças, muito poucas, apenas uma ou duas ainda se assomavam à rua.

Já não há mercearias nem tabernas nos montes.

Ouve-se um silêncio profundo, cortado de vez em quando pelo latido de um ou outro cão.

Um ou outro gato atravessa-se no caminho, olha-nos de lado, desconfiado.

As poucas pessoas que por ali permanecem, lamentam-se de tudo o que lhes falta, os médicos que não têm, o transporte para as actividades das crianças, que o município não disponibiliza, o mau estado dos arruamentos, o mau sinal de internet e redes móveis, a deficiente rede de transportes públicos, o mau estado dos acessos...

Tem uma riqueza, o sossego, que é tão sossegado que se torna tédio.

É assim a vida nos montes de Mértola. Vai sendo assim também na minha aldeia, que começou com o fim da estação de Correios, depois o fim dos comboios com o encerramento do ramal de Moura, em seguida destruiram a Reforma Agrária (UCPA-Pioneiros da Reforma Agrária, que havia criado centenas de postos de trabalho) depois encerraram a escola, depois foi o posto médico, seguiu-se Junta de de Freguesia e há uns dias encerrou a ultima mercearia.

Esta é a receita dos governos do PS e do PSD, com ou sem CDS, para matar o interior.

O maltês» (Carlos Cascalheira), aqui.

“Futuro de confiança” é o que a CDU está “a construir no trabalho das autarquias”, disse Jerónimo de Sousa em Beja

Zé LG, 22.08.21

20210821182049252.jpgA pouco mais de um mês das eleições autárquicas, o secretário-geral do PCP veio a Beja dizer que a CDU respeita os seus compromissos e que não entra em “leilão de promessas”. Jerónimo de Sousa afirmou que a diferença entre os candidatos da CDU e os outros candidatos é o projeto autárquico da CDU.

Jerónimo de Sousa disse PCP que os "homens e mulheres da Coligação no poder local democrático exercem os seus mandatos servindo as populações sem se servirem do poder" e que por isso, os candidatos "não são todos iguais".

Vítor Picado, o candidato à Câmara de Beja, frisou que a CDU é "a alternativa política que o concelho precisa" e a que assume o "compromisso de melhorar as condições de vida das populações e trabalhadores, pensando o território em termos de desenvolvimento, prosperidade e justiça social".

Jerónimo de Sousa prometeu que a CDU vai continuar a responder à atual pandemia “com toda a atenção, mas não perdendo de vista que há vida para lá da covid-19” e que é esse futuro que a coligação que junta o PCP e o PEV saberá “construir no plano local exercendo as competências que cabem às autarquias”, mas que também “exige que se construa a partir de uma outra política nacional”.

Daqui e daqui.

“É necessário esbater fronteiras e criar dinâmicas regionais, deixar de pensar os territórios na sua dimensão paroquial”

Zé LG, 21.08.21

imgLoader2.ashx.jpg«Há vários problemas e cada um tem soluções diferentes, mas acreditamos que a solução principal passa por conciliar interesses e criar uma perspetiva comum a todos que valorize uma estratégia regional assente em várias soluções e dinâmicas. Estamos a viver um tempo de oportunidades através do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), que deve ser aproveitado pelos municípios, não só numa perspetiva local mas sobretudo intermunicipal e que a partir daí se crie uma dinâmica regional.

É a mais importante oportunidade para os problemas estruturais da região. Não teremos nas próximas décadas outra oportunidade igual e esta tem uma condição importante: o que não for feito por esta via até 2026 já não será feito. Portanto, não só é preciso ter projetos de aproveitamento do PRR como é necessário ter capacidade de os executar até 2016. E quando falamos em executar não é no modelo que temos usado de fazer por fazer, as coisas têm que estar interligadas, Têm que fazer parte de uma estratégia de planeamento comum a toda a região. O PRR é decisivo para promover a coesão e através da coesão criar equilíbrios e sustentabilidade. Preocupa-nos que a visão possa ser muito redutora e que na maioria dos casos as autarquias não estejam a olhar para esta oportunidade como um modelo de desenvolvimento regional. É necessário esbater fronteiras e criar dinâmicas regionais, deixar de pensar os territórios na sua dimensão paroquial. É para isso que serve o PRR, para resolver os problemas estruturais e não para as soluções pequenas. Esta é uma revolução para as próximas décadas e não para os ciclos eleitorais imediatos.»

Trecho da entrevista de Jorge Barnabé, do Observatório do Baixo Alentejo, ao Diário do Alentejo.

“Negacionistas” fizeram espera ao vice-almirante Gouveia e Melo, para lhe chamarem “ASSASSINO”

Zé LG, 16.08.21

237608267_10220871390955354_3558515033266495886_n.«Já pacificado com a idiossincrasia da farda e cimentada a minha admiração pelo trabalho que o vice-almirante Gouveia e Melo tem vindo a fazer no “campo minado” que é a vacinação em Portugal… “minado” por figuras ávidas de protagonismo, com o descontrolado Marcelo à cabeça…… ainda vivi o suficiente para “ouver” bandos de energúmenos fazer uma espera ao homem, para lhe chamarem “ASSASSINO”.

São os mesmo que vomitam alarvidades sobre a “ditadura socialista” em que vivemos, o “marxismo cultural”, a “ditadura das máscaras”, a “ditadura das vacinas”…

 

 

Poeta alentejano Fernando Fitas venceu Prémio Internacional com o livro “Elegia dos pássaros”

Zé LG, 15.08.21

fernando-fitas-Poeta-Campo-Maior-300x200.jpgO livro de poemas “Elegia dos pássaros”, do campomaiorense Fernando Fitas, foi editado em português e castelhano e deu-lhe a vitória do Prémio Internacional de Poesia António Salvado, em que participaram mais de 1200 autores de língua portuguesa e castelhana, oriundos da Europa e da América do Sul.

O poeta explica que, “no fundo é uma metáfora”, em que utilizou os pássaros “para recordar e sublinhar uma série de pessoas da minha família e amigos de Campo Maior, e não só, sendo o livro dedicado ao meu irmão, que já faleceu”.

Afinal o "pior cenário possível" admitido pela DGS concretizou-se

Zé LG, 15.08.21

DGS.pngNo último dia de fevereiro de 2020, em entrevista ao jornal Expresso, Graça Freitas admitia que, no pior cenário possível, seriam infetados com covid-19 um milhão de portugueses, sendo que na semana mais crítica poderia haver 21.000 casos. Em janeiro deste ano só num dia foram contabilizados mais de 16.000 infeções.

A previsão suscitou na altura polémica e apreensão. Graça Freitas convocou uma conferência de imprensa para dizer que afastava “completamente” a hipótese de um milhão de infetados. Daqui.

Festival do Baixo Alentejo envolto em polémicas

Zé LG, 14.08.21

05ed16a7-b689-49ab-97b6-ce52f68f87b8.jpgO FESTIVAL BA surgiu no âmbito da candidatura “Programação Cultural em Rede no Baixo Alentejo”, submetida pela CIMBAL ao ALENTEJO 2020, financiado pelo FEDER a 100%, numa parceria que integra os 13 Municípios.

Paulo Barriga, na Revista Sábado, escreveu:

“O bolo é do programa Alentejo 2020 e metade foi sem concurso para duas empresas. Que até surgem como contratantes e contratadas ao mesmo tempo.

Ainda não “estalou” a bazuca e já os foguetes vão no ar. ... os municípios que compõem a Cimbal repartiram entre si 600 mil euros a fundo perdido, ..., para supostamente “ajudar” os agentes da cultura e os artistas locais que foram atingidos nos seus rendimentos pela crise sanitária. No entanto, apenas cerca de um terço dessa verba comunitária chegou ao seu legítimo destino. O grosso do bolo perdeu-se pelo caminho em artifícios contratuais e contabilísticos.” Leia aqui o texto de PB na íntegra.

Ministro da Educação assiste em Beja à apresentação da “Agenda Jovem revolucionária” e dos “Objetivos da Juventude Portuguesa”

Zé LG, 09.08.21

image.jpgA cidade de Beja recebe, amanhã, a apresentação da Agenda para a Inovação das Políticas de Juventude, numa iniciativa que conta na organização com a assinatura da Federação Nacional das Associações Juvenis (FNAJ). O evento, que conta com a presença do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, decorre no Jardim Público, a partir das 18.00 horas.