Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

PS recusa-se a defender, na AR, todas as valências do aeroporto de Beja

Zé LG, 29.01.23

aerop (1).png

A DRA do PCP saúda a aprovação, na Assembleia da República, da resolução, que apresentou, defendendo o aproveitamento de todas as valências do aeroporto de Beja, revelando que “o PSD absteve-se na votação desta resolução” e que a “maioria absoluta do PS impôs alterações ao texto inicial que o deixam amputado em matérias fundamentais para o desenvolvimento do aeroporto de Beja”: "mobilização dos recursos financeiros necessários, aproveitando o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), o novo Quadro Financeiro Plurianual, ou ainda pela utilização de verbas do Orçamento de Estado, impedindo a referência à garantia dos meios financeiros para a sua conclusão”; “interligação do aeroporto com o transporte ferroviário, aceitando a eletrificação de toda a Linha do Alentejo, mas remetendo para «estudo» a variante de ligação ao aeroporto”; “conclusão do IP8 em toda a sua extensão (entre Sines e Vila Verde de Ficalho) com duas vias de trânsito em cada sentido e sem portagens, impondo uma formulação que apenas contempla esse perfil sem portagens entre Sines e a A2 e remete para uma requalificação dividida em duas fases o restante troço”.
“Posições que não deixam dar resposta às questões essenciais para se dar o passo necessário no aproveitamento pleno desta infraestrutura e que tentam sempre esconder os responsáveis por o aeroporto de Beja ainda não ser usufruído na sua plenitude e aproveitado para o desenvolvimento da região Alentejo e do País”, assegura o PCP.

PCP quer "aproveitamento de todas as potencialidades do aeroporto de Beja”

Zé LG, 27.01.23

aerop.pngO projeto de resolução do PCP, aprovado na generalidade, propõe o “aproveitamento de todas as potencialidades do aeroporto de Beja, no estacionamento, transporte de passageiros, carga e aparcamento de aeronaves” e “resultou, também, do encontro realizado com as entidades responsáveis, entre elas a ANA - Aeroportos e a Vinci”.
O que é “determinante para o pleno desenvolvimento do aeroporto de Beja são as acessibilidades e o consequente investimento público de que precisa para a sua concretização", frisou o deputado João Dias, avançando que é “por isso mesmo, que o PCP nas jornadas parlamentares que vai realizar no distrito, nos dias 30 e 31 deste mês, centra atenções nas acessibilidades rodoviária e ferroviária, defendendo a criação de uma passante ao aeroporto, ou seja uma variante, que o sirva”.
Sobre o facto de Beja estar em cima da mesa como alternativa ao novo aeroporto de Lisboa, João Dias deixa claro que “o PCP defende que pode aliviar os aeroportos da capital do País e de Faro, mas sem esquecer todas as outras potencialidades”.

PCP realiza Jornadas Parlamentares em Beja

Zé LG, 22.01.23

image_2022-11-06_00-00-49.jpgO PCP realiza as Jornadas Parlamentares, em Beja, nos dias 30 e 31 de janeiro, que incluem reuniões dos deputados comunistas com várias instituições, empresas e sindicatos.

A Sessão de Abertura das Jornadas terá lugar no BejaParque Hotel, pelas 11h30, do dia 30 de janeiro, com a presença do Secretário-Geral do PCP, Paulo Raimundo. A Sessão de Encerramento com a apresentação das conclusões das Jornadas Parlamentares será no mesmo local, no dia 31 de janeiro, pelas 14h30.

PCP responde ao PSD e acusa-o de “iludir o povo alentejano”

Zé LG, 15.12.22

PCP-768x432.jpgO PCP reafirma que “o PSD, o CDS e o PS são os responsáveis pela definição e execução de políticas de direita que estão na origem dos fenómenos identificados nos Censos, que agravam as condições de vida dos trabalhadores e do Povo e que há décadas negam à região as necessárias e justas medidas de investimento para o seu desenvolvimento”.
O PCP acusa o PSD de pretender “iludir o povo alentejano” e elenca várias medidas tomadas pelo governo de Passos Coelho que prejudicaram a região. Cita como exemplos, o desinvestimento na saúde e na educação, o encerramento de centros e extensões de Saúde, de Escolas, de Postos dos CTT, de serviços regionais e a extinção de Freguesias.

“o desenvolvimento do Aeroporto de Beja não é contraditório antes compatível com a construção faseada do novo Aeroporto de Lisboa”

Zé LG, 01.12.22

838721 (2).jpgO PCP propõe que o Governo valorize o Aeroporto de Beja no âmbito do sistema aeroportuário nacional, “aproveitando todos os seus recursos e potencialidades” e que mobilize os recursos financeiros necessários, como o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), o novo Quadro Financeiro Plurianual, ou ainda verbas do Orçamento de Estado.

Recomenda igualmente a criação de “uma intermodalidade de serviços e transportes, conjugando as valências rodoviária, ferroviária e aérea”, uma exigência que obriga à “modernização e eletrificação de toda a Linha do Alentejo, na ligação entre casa Branca – Ourique/Funcheira, incluindo a ligação ao aeroporto de Beja”, bem como à “conclusão do IP8 na sua totalidade, entre Sines e Vila Verde de Ficalho, conforme definido no Plano Rodoviário Nacional, com duas vias de trânsito em cada sentido e sem portagens”.

Família do novo secretário-geraldo PCP é natural de Castro Verde e Beja

Zé LG, 12.11.22

MOMBEJA-Mario-Raimundo-1_800x800.jpgA família do novo secretário-geral do PCP) residente na aldeia de Mombeja, no concelho de Beja, foi apanhada de surpresa com a nomeação de Paulo Raimundo para secretário-geral do partido.

Mário Narciso Raimundo, de 69 anos, tio e padrinho de batismo de Paulo Raimundo, de seu nome completo Paulo Alexandre Raimundo Cantigas Narciso, contou ao Lidador Notícias que “quando o vi na televisão chorei. Além de sobrinho é meu afilhado e é um orgulho. O Paulo foi batizado aqui em Mombeja”, lembrando que na juventude era “um jovem pacato e inteligente e muito aguerrido pela política e pelo partido”.

O pai de Paulo Raimundo é originário de uma família numerosa, constituída por nove irmãos, 5 homens e 4 mulheres, uma das quais já falecida e oriunda de Entradas, onde José Raimundo Narciso, progenitor do novo líder do PCP, nasceu. “Naquela zona a agricultura era muito débil e os meus pais e dois irmãos, “procuraram os barros de Beja que eram mais ricos”, lembra Mário.

A vida difícil levou José a rumar para a zona de Cascais e foi morar para o Bairro da Mina, em Sassoeiros, onde se estabeleceu como sapateiro. Depois conseguiu um emprego como roupeiro do Grupo Desportivo Estoril-Praia. “Morava com a minha cunhada Teresa numa casa do próprio campo, até à altura em que o Paulo nasceu, só depois foram viver para a área de Setúbal”, recorda Mário.

“Projetos estruturantes fora do OE2023 adiam desenvolvimento da região”, diz PCP

Zé LG, 08.11.22

pcp.pngA DORBE do PCP analisou o Orçamento do Estado para 2023 (OE2023) e sublinha que "o documento deixa de fora os projetos estruturantes para o território", frisa que "as acessibilidades - ferrovia, IP8, aeroporto - não estão contempladas, bem como o reforço do Serviço Nacional de Saúde (SNS)” e diz que “se continua a adiar o desenvolvimento da região” e que “se fazem promessas que no concreto não são consideradas”.

O "PCP vai insistir em incluir neste orçamento projetos que possam dar resposta a todas estas necessidades”. Na área da saúde deixou como exemplo “a 2.ª fase de construção do Hospital de Beja que não está neste documento”, frisando tratar-se de "opções políticas". Daqui e daqui.

Um desafio para o novo secretário-geral do PCP

Zé LG, 06.11.22

paulo-raimundo-foto-dr68518910defaultlarge_1024.png«... precisamos de um partido adaptado ao nosso tempo, respeitando o passado e com os olhos no futuro. Um partido sem trauma, sem tabús nem preconceitos, ligado à vida, atento às novas realidades, firme nos princípios, sem exclusão de ninguém. Precisamos de um partido com mais democracia e menos centralismo, mais capacidade de direcção e menos imposição, mais controlo de execução, ou seja, mais correcto acompanhamento dos quadros, incentivador do seu envolvimento e responsabilização; com mais trabalho político e menos ocupação administrativa, mais trabalho ideológico e mais rigor e capacidade de aperfeiçoar o trabalho colectivo, responsabilizando e respeitando mais o indivíduo.

Somos comunistas porque temos uma ideologia própria, porque temos primcípios que nos diferenciam de outros, porque temos um projecto de transformação da sociedade em que vivemos. Uma sociedade que respeita mais o homem e seja mais justa, mais fraterna e mais solidária.»

Fiz esta declaração numa assembleia do PCP, em 02/12/1990. Porque não foi isto que aconteceu, entre outras coisas, uns anos mais tarde decidi sair do partido. Apesar disso e do estado do partido se ter vindo a agravar, gostava de o ver seguindo as linhas que então apontei. Este será também um desafio para o novo secretário-geral.