Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Jerónimo Sousa substitui João Ferreira na sessão pública em Aljustrel

Zé LG, 09.01.21

202101081612591364.jpg

O PCP de Beja revela que João Ferreira não vai estar presente, como inicialmente previsto, na sessão pública agendada para hoje, em Aljustrel, no âmbito da campanha para as Presidenciais 2021, devido “ao preenchimento da agenda” do candidato às eleições para a Presidência da República.
Contudo, a sessão vai decorrer com a participação de Jerónimo de Sousa, Secretário Geral do Partido Comunista Português.

Despedi-me do PCP, há 10 anos

Zé LG, 01.01.21

Adeus Camaradas!

Depois de muita ponderação e de ter adiado esta decisão para não criar quaisquer polémicas no último ciclo eleitoral, decidi renunciar à condição de militante do PCP.

Podia, para tal, invocar as minhas conhecidas divergências nos planos da ideologia, da política, da prática e da organização, designadamente da democracia interna com a Direcção do PCP, que naturalmente também contaram para esta minha decisão. Mas, apesar dessas divergências de sempre, desde que fui admitido como militante, não foram elas que me determinaram a tomar esta decisão.

A “gota de água” foi o desincentivo à militância que fui sentindo desde o XVII Congresso (2004), em que dei a cara afirmando a minha discordância em relação ao funcionamento do Partido. Nessa altura logo, foi assumido por um alto dirigente do Partido que só não era expulso pelos danos que tal decisão provocaria ao Partido. Desde então, para além de convocatórias para reuniões destinadas a aprovar o que já está aprovado e de convites para iniciativas comemorativas do aniversário do Partido e outras, para mais nada tenho sido convocado.

Se o Partido não precisa da minha participação militante, eu também não tenho jeito para “verbo-de-encher”

“Mais interessante seria discutir a decadência do PCP concelhio e distrital”

Zé LG, 20.12.20

91609282_106538534344076_4413909985696677888_o.jpg“Mais interessante, na minha opinião, seria discutir a decadência do PCP concelhio e distrital, pois considero que apesar de tudo o PCP nacional tem conseguido minimamente progredir apesar do conservadorismo ignorante. Os deputados na Assembleia da República e no parlamento europeu são do melhor ou mesmo o melhor que existe em Portugal. Agora cá no Baixo Alentejo, valha-me São Heráclito, que a cegueira e preconceitos do chefe e seguidores descerebrados destruíram o PCP a médio prazo cortando qualquer laço com a juventude e com as ideias de liberdade e sonhos da mesma. Jogam para perder por poucos pois assim quem ocupa os cargos terá a garantia de permanecer mas a médio prazo é a morte. Estes senhores não se preocupam com o partido mas consigo mesmos. Ou confundem os seus interesses com os do partido. Ah, e não conquistarão o poder nas próximas autárquicas, cair-lhe-à de podre no colo porque a incompetência do PS local é galáctica ao ponto de envergonhar qualquer socialista não fanatizado. Enquanto tudo isto se dá povo sofre e a terra definha num coma catatónico.”

Anónimo 02.12.2020, aqui.

PCP promove Conferência de Imprensa, à porta do Hospital de Beja

Zé LG, 17.12.20

PCP-1-768x432.jpgA Comissão Concelhia de Beja do PCP promove, esta quinta-feira, pelas 14:30 horas, uma Conferência de Imprensa, à porta do Hospital de Beja, para abordar questões relacionadas com a saúde dos portugueses “que não pode ser um negócio”.

O PCP de Beja considera que “temos assistido ao encerramento de vários serviços e valências, com a consequente contratação de serviços ao privado”, assim como, “ao desinvestimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS), ao nível de recursos humanos, mas também ao nível financeiro, “prática comum dos governos PS e PSD-CDS”.

Jerónimo de Sousa afirma que “é possível um Alentejo mais próspero e desenvolvido”

Zé LG, 11.12.20

090520150040-67-JernimodeSousa.jpgO secretário-geral do PCP esteve em Moura na conferência “Alentejo tem futuro” e deixou claro que para o seu partido "é possível para este território ser “mais próspero e desenvolvido”.

Jerónimo de Sousa deixou claro que o PCP defende “a sustentabilidade demográfica do país, a redução das desigualdades sociais, a correção das assimetrias, o desenvolvimento das políticas produtivas, que o Estado assegure serviços públicos à altura das necessidades e que seja aumentado o nível do investimento público”, ou seja “políticas opostas às que PS, PSD e CDS querem, mas que são possíveis concretizar”. Neste sentido, apelou ao apoio “à candidatura de João Ferreira à presidência da República”, dizendo que é “a mais sólida para defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição”.

Jerónimo de Sousa atacou a solução eleitoral, recente, implementada nas CCDR'S e voltou a defender que falta “um poder regional com autonomia política, administrativa e financeira capaz de construir soluções que correspondam aos interesses e necessidades da região e do país”.

“antiga rivalidade deve ser substituída por uma saudável competição”

Zé LG, 07.12.20

91893112_106538667677396_7251835718455001088_o.jpg

Capturar.PNG«Desde a formação inicial da bem-dita "geringonça" que neste Baixo Alentejo continuou a baixa política: muita resistência a essa cooperação entre as esquerdas e o "centro-esquerda". Ainda não vimos sinais muito inequívocos de que os velhos preconceitos e sectarismos a nível da Federação local do PS e também dos comunistas estejam em vias de ser tornados obsoletos. A antiga rivalidade deve ser substituída por uma saudável competição, através do confronto de ideias que contribuam para arrancar o desenvolvimento da nossa região.»

Anónimo 04.12.2020, aqui.

António José Brito diz que “acordo parlamentar PS/PCP… não pode dar legitimidade e asas à livre acção do PCP”

Zé LG, 05.12.20

83042740_2978637818814585_4059015051321802752_o.jp“Sou eleito autárquico do PS e não ignoro que, desde 2016, há um acordo parlamentar PS/PCP que levou os dois partidos a serem generosamente tolerantes entre si. Esse clima permitiu avanços importantes para a maioria dos portugueses mas, creio francamente, não pode dar legitimidade e asas à livre acção do PCP.

Pessoalmente e com toda a frontalidade, manifesto aqui em voz alta que a realização deste Congresso do PCP é mais um rude e preocupante golpe na credibilidade dos partidos e da nossa democracia.

E não façamos de conta que ignoramos que, ao mesmo tempo, este é mais um generoso contributo para dar força ao crescente movimento populista que, por estes dias, parece não precisar de fazer nada para marcar posições e continuar a crescer. Desta vez, com a ajuda do PCP.”

Daqui.

“PCP conquistou pontos nos últimos dias, devido ao seu trabalho na discussão do Orçamento de Estado”

Zé LG, 03.12.20

1436236.jpg"Hoje, no Partido Socialista, ele continua a remar conta a maré, defendendo um entendimento político entre a esquerda e o centro-esquerda. Entre nós, no Baixo Alentejo, ex e atuais camaradas do doutor-mais-político-que-por-cá-temos, tentam evitar que suba a algum palco, mas a sua integridade e coerência resistem, e pouco a pouco as suas posições vão ganhando mais atenção do público. Lopes Guerreiro deve constatar que o PCP conquistou pontos nos últimos dias, devido ao seu trabalho na discussão do Orçamento do Estado. Como disse Jerónimo, o Governo (do PS) terá de contar com o PCP. Tornou-se parte da solução governativa. Na prática, está criada uma surpreendente ponte. Os renovadores (estejam dentro do PS, estejam fora ou dentro do PCP) estão de parabéns."

Anónimo 02.12.2020, aqui

.

Preferia não ter tido razão na antevisão da evolução do PCP...

Zé LG, 01.12.20

... que fiz no XVII Congresso, realizado há 16 anos, depois de defender as mesmas posições ao longo dos anos, principalmente a partir da queda do Muro de Berlim.

topo.jpg

Mas os números, apresentados pela Direcção do PCP no Congresso realizado no passado fim de semana, comprovam que se confirmou o que antevi:

- menos deputados, menos autarquias e menos eleitos autárquicos; 

- 50 000 militantes registados, o que traduz "uma redução ligada ao facto de o número de recrutamentos não ter compensado o número de camaradas que deixaram de contar como membros  do partido, principalmente em consequência de falecimentos";

- 49% dos militantes tem mais de 64 anos e só 11,4% tem menos de 40 anos.

Há 16 anos, fiz a minha primeira e última intervenção em congressos do PCP

Zé LG, 27.11.20

Camaradas

"As teorias de Marx, Engels e Lénine estão sujeitas às correcções, aos aprofundamentos e às actualizações que ao longo do tempo a evolução e as mudanças políticas, económicas e sociais, o progresso científico e a experiência revolucionária necessariamente impõem. Desde o "Manifesto Comunista" de Marx e Engels passou um século e meio. Desde "O imperialismo, estádio supremo do capitalismo" de Lenine passou mais de um século em que o capitalismo sofreu assinaláveis transformações. Em todo este longo período verificaram-se a nível mundial profundas e radicais transformações nas sociedades. As transformações da vida obrigaram à análise das novas realidades e no domínio da teoria a modificação e actualizações de conceitos e princípios."

Esta é apenas uma citação da resolução política, aprovada no XIII Congresso, em Maio de 1990, na ressaca da falência dos partidos comunistas de leste.

Se a recordo aqui é porque parece que a estamos a ignorar.

A preparação e a realização do último congresso agravaram ainda mais a que já era uma situação complexa que se vivia no Partido. Depois do congresso as coisas complicaram-se ainda mais. Nenhum dos grandes objectivos aprovados foi alcançado. Há responsabilidades externas que são apontadas. As responsabilidades internas ou não são reconhecidas ou são atribuídas aos militantes, principalmente aos que têm assumido posições críticas. Nunca aos dirigentes.

 

 

Mas afinal o que é que está mesmo em causa com a realização do Congresso do PCP?

Zé LG, 21.11.20

20201015_reuniao_regional_quadros_lisboa_xxi_congrTal como em relação à realização da Festa do Avante, também acho agora que o PCP fazia melhor em alterar a data da realização do seu Congresso. Apenas porque evitava expor-se e alimentar a polémica. Mas também acho que agora, tal como como aconteceu com Festa do Avante, o PCP vai organizar o Congresso com todas as precauções e não haverá acréscimo de contágios por esse motivo.

Agora ouvir e ler comentários de quem nada disse quando o Chega realizou o seu congresso e jantares sem quais precauções, pretender que o PCP seja impedido de realizar o seu congresso pelos contágios que daí podem surgir é querer gozar com a inteligência das pessoas, é anti-comunismo do mais básico, é, anticonstitucional, é, em última análise, querer regressar a tempos de má memória.

Sei que há gente bem-intencionada que critica a realização do Congresso do PCP por se ter lugar no “pico da onda” da pandemia e quando as pessoas estão tão condicionadas. Mas a questão que se deve colocar é se o que se pretende é ou não evitar contágios. E se estes não  vão acontecer com a realização do Congresso do PCP, tal como se verificou com a Festa do Avante, devido à organização e às medidas preventivas recomendadas, então porque deve ser impedida a sua realização? E porque se acusa o PR e o governo de não a impedirem? É por razões sanitárias ou políticas?   

PCP promove protesto, frente ao Hospital de Beja, para denunciar problemas no acesso à Saúde

Zé LG, 17.11.20

202011161526551255.jpgO PCP promove hoje, pelas 18horas, uma acção de protesto, em frente ao Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, para denunciar os problemas que a população está a viver no acesso à saúde, agravados pela Covid-19.

Bernardo Loff, médico e representante da DORBE de Beja PCP, diz “o que está em causa é o SNS, num contexto de uma pandemia, cujas consequências são imprevisíveis”, destacando que é necessário o “reforço das Unidades de Saúde Pública, assegurando os rácios de médicos, enfermeiros e técnicos de saúde ambiental por habitantes, que estão estabelecidos na legislação, ou a recuperação de consultas presenciais nos cuidados de saúde primários, que pode ser colmatada com o alargamento dos horários de funcionamento, a fixação de um incentivo excepcional, idêntico ao que é aplicado nos hospitais, bem como o investimento na modernização dos sistemas de comunicações e do equipamento informático”. Também aqui.

Valverde Martins morreu

Zé LG, 15.11.20

2020111512133563.nb.pngAntónio Pedro Valverde Martins, com 85 anos, natural de Beja, morreu ontem no Hospital de Beja. O funeral realizou-se, esta manhã, das Casas Mortuárias para o Cemitério de Beja.

Valverde Martins era bancário reformado. Foi sindicalista, fundador e dirigente da Cooperativa Proletário Alentejano, dirigente do MURPI, para além de outras actividades comunitárias. Foi militante e dirigente distrital do PCP e autarca da CDU.

Valverde Martins era uma um homem bom, humilde, cordato, sempre na procura de consensos, de fortes convicções e de uma dedicação e empenhamento totais às causas em que se envolvia. Foi uma figura marcante de Beja, do simdicalisto e do movimento cooperativo.

À família apresento os meus sentidos pêsames.

PCP propõe medidas de fixação de médicos e para o Hospital de Beja

Zé LG, 14.11.20

O PCP entregou um conjunto de 35 propostas dirigidas “ao reforço do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.

João-Dias-PCP--768x432.jpgO PCP apresentou um conjunto de propostas para a fixação de médicos nas zonas carenciadas como é o caso do distrito de Beja, revelou João Dias, deputado do PCP eleito por Beja, que frisou que foi, igualmente, proposto um plano de requalificação e construção de novas instalações para centros de saúde e hospitais, com uma proposta em particular para o Hospital em Beja com uma verba de um milhão e meio de euros para a revisão dos projetos técnicos de uma obra no valor de 30 milhões de euros.

PCP considera “desproporcionais” as novas medidas de combate à COVID-19

Zé LG, 01.11.20

DOC.20200906.29528193._COT9227-1 pcp.jpg“Esta epidemia, como o PCP sempre tem reiterado ao longo dos meses, coloca problemas sanitários, económicos e sociais, que não são resolvidos pela limitação de direitos e pela criação de climas de medo”, disse Jerónimo de Sousa.

“Para o PCP, a prioridade do combate à covid-19 é o reforço do Serviço Nacional de Saúde, com o reforço urgente de profissionais em falta, o aumento do número de camas hospitalares, nomeadamente camas de cuidados intensivos” e “normalizar o funcionamento de cuidados de saúde primários através do recrutamento de meios e enfermeiros de família e o alargamento da estrutura de saúde pública, instrumento fundamental para a deteção dos surtos e interrupção das cadeias de contágio”.

Jerónimo de Sousa criticou o que se passou ontem, afirmando que :“A imposição de barreiras à hora de regresso a casa, ..., é inaceitável”, não passando de “uma ação gratuita e desproporcionada, sem qualquer efeito prático relativamente ao combate à epidemia, mas profundamente penalizadora da vida das populações”.

PCP debate “Saúde, educação e as questões das culturas intensivas”, PS preocupado com “impactos da pandemia na fileira do Porco Alentejano”

Zé LG, 27.10.20

João Dias com atenções centradas nas questões da saúde

202010262020448384 pcp.jpgA Direção da Organização de Beja (DORBE) do PCP promoveu contactos com entidades e com a população nos concelhos de Beja e Aljustrel sobre problemas locais, que contaram com a participação do deputado, eleita pelo distrito, João Dias. Saúde, educação e as questões das culturas intensivas foram os temas em que as atenções estiveram centradas.

Pedro do Carmo preocupado com impactos da pandemia na fileira do Porco Alentejano

202003061132066849 ps.jpgA pandemia está a provocar “relevantes impactos negativos no escoamento da produção da fileira do Porco Alentejano, em especial, nas vendas para o mercado espanhol tradicionalmente comprometido com a aquisição dos produtos de excelência da produção regional em regime de montanheira”, refere o deputado do PS, eleito por Beja. Pedro do Carmo está preocupado com o futuro da fileira do Porco Alentejano.

João Ferreira, candidato à PR, está de visita ao Distrito de Beja

Zé LG, 23.10.20

joao_ferreira.pngJoão Ferreira, candidato do PCP às Eleições Presidenciais 2021 visita, nesta sexta-feira, o distrito de Beja. A visita surge no âmbito de assuntos relacionados com a defesa do património neste território.

A visita arranca, às 10.00 horas, no concelho de Cuba, nomeadamente, na Ponte Romana sobre a Ribeira de Odivelas, conhecida como Ponte de Vila Ruiva.

Segue-se, às 11.15 horas, a visita ao campo arqueológico, Salvada 10, localizado junto à aldeia da Salvada.

Às 15 horas, realiza-se no Centro UNESCO, em Beja, uma conferência de imprensa.

Daqui e daqui.

PCP refere que “pobreza alastrou na região Alentejo”

Zé LG, 22.10.20

imgLoader2.ashx.jpg"A situação de pandemia em que se vive tem tido impactos significativos na região Alentejo, entre eles o aumento do desemprego, a diminuição de rendimentos e o agudizar da situação dos profissionais da cultura, questões que conduziram ao alastrar da pobreza neste território, onde a campanha do medo também se acentua”, refere Dias Coelho da DRA do PCP, acrescentando que as dificuldades não se ficam por aqui, pois tem tido manifestações bastante negativas, igualmente, nas questões da saúde e da educação.

PCP questiona governo sobre a situação dos trabalhadores do refeitório e a suspensão do fornecimento de refeições no IPBeja

Zé LG, 15.10.20

201812241225153249 dias.pngEm causa está o término da prestação de serviços da empresa que até então assegurava as refeições no refeitório do IPBeja.

A empresa terá deixado de prestar serviços a 31 de julho. Nessa altura, enviou uma carta aos trabalhadores a informar que manteriam o contrato de trabalho, com todos os direitos e obrigações, sendo a sua nova entidade patronal o Instituto Politécnico de Beja, que “não assume qualquer obrigação com os trabalhadores alegando que os mesmos são da responsabilidade da empresa” em questão.

“Com este impasse os trabalhadores estão em casa, sem vencimento e sem direito, no mínimo, ao respetivo subsídio de desemprego”.

 O PCP quer saber “que conhecimento tem o Governo relativamente à situação em que se encontram os trabalhadores do refeitório do SAS- IPBeja” e “que medidas urgentes vai o Governo tomar para que sejam respeitadas todas as obrigações e os direitos para com estes trablhadores”; se o “Governo não entende que o Instituto Politécnico de Beja está a faltar ao apoio que deverá garantir aos estudantes”, uma vez que “atualmente não é assegurado o fornecimento de refeições no refeitório do SAS- IPBeja; e que “medidas que vai tomar para que seja recuperado o fornecimento de refeições”.

Leia também aqui.

“O voto num ou noutro candidato à CCDR é credibilizar o logro”, considera o PCP

Zé LG, 13.10.20

imgLoader2.ashx.jpgA frase está inscrita nesta entrevista: “Sem prejuízo do exercício do direito de voto”. Será, pois, “sem prejuízo do exercício do direito de voto”, ou seja, exercendo o direito de voto, que os autarcas eleitos pelo PCP irão ter um papel decisivo na escolha do futuro presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Alentejo.

As eleições realizam-se hoje. E, no caso do Alentejo, com dois candidatos à presidência: Ceia da Silva, cuja candidatura foi apresentada com o apoio dos presidentes das federações socialistas de Portalegre, Évora e do Baixo Alentejo. E Roberto Grilo, atual presidente da CCDR Alentejo, que se apresenta a votos como independente, embora sendo militante do PSD. A opção de Ceia da Silva “é um problema e uma opção de Ceia da Silva e do PS”, diz em entrevista ao “Diário do Alentejo” o responsável pela Organização Regional do Alentejo do PCP, João Dias Coelho, sublinhando que, independentemente do voto, os comunistas estão contra um modelo que irá “manter” as CCDR “como uma estrutura desconcentrada sobre a tutela do governo e dependente das suas decisões”.