Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Cessar fogo” ou continuar a usar os ucranianos como “arma para canhão”?

Zé LG, 22.05.24

Sem nome (68).pngOs debates estão a aquecer e, no de ontem, na RTP, Sebastião Bugalho esteve mais calmo, embora interrompendo e interpelando frequentemente os seus opositores, com a conivência do moderador Carlos Daniel. Marta Temida esteve melhor preparada e mais aguerrida. João Oliveira, com consistência da qualidade, esteve muito activo e afirmativo. E Tânger Correa, apesar de avançar com algumas ideias pertinentes, manteve-se no seu estilo errático e desconcertante.
Num debate marcado pela Guerra na Ucrânia - e cujas derivações serviu para ataques de extremismo uns aos outros -, Marta Temido (PS), Sebastião Bugalho (AD), Tânger Correa (Chega), João Oliveira (CDU), debateram ainda: O que querem para a Europa?; Uma eventual vitória da extrema direita na Europa; Que comissões gostavam de integrar? Ver notícias aqui e aqui.

Debate aceso na SIC

Zé LG, 21.05.24

Sem nome (67).pngCotrim Figueiredo foi o eurocandidato que mais se destacou, num debate onde foi capaz de ir desmontando os argumentos dos concorrentes. No campo político oposto, João Oliveira manteve-se também firme a defender as ideias comunistas, mesmo debaixo do fogo de Cotrim. A experiência de debates está a beneficiar Pedro Fidalgo Marques que teve melhor prestação. Já Tânger Correa, deambulou entre as próprias convicções, as do seu líder e da família europeia a que pertence. Daqui.

O debate na SIC, com moderação de Clara de Sousa, foi aceso e teve como temas economia, desinformação e defesa. Pedro Fidalgo Marques (PAN) poderia ter atingido um melhor nível se não se tivesse encostado tanto a Cotrim de Figueiredo nem defendido tanto a indústria da guerra. Soou mal em fução do partido que representa. Cotrim de Figeiredo (IL) e João Oliveira (CDU) estiveram bem na defesa de posições dos seus partidos, quase sempre, antagónicas, evidenciando o tanto que os separa. Tânger Correa (Chega) esteve menos mal do que nos anteriores debates, embora mantendo o registo que já o identifica.

Maior escrutínio à política do BCE une esquerdas e afasta liberais no debate das europeias

Zé LG, 18.05.24

debates_europeias-03.jpgDepois de dois debates com enfoque na defesa, alargamento e imigração, os cabeças de lista da CDU, do Bloco e Esquerda, do Livre e da Iniciativa Liberal centraram-se nas questões económicas da União Europeia, naquele que foi terceiro “debate quadrangular” das eleições europeias, o mais aceso até agora. Salários, moeda única, e taxas de juro foram os temas principais do debate entre João Oliveira (que fez a sua estreia), Catarina Martins, João Cotrim de Figueiredo e Francisco Paupério.
Foi mais um debate interessante e esclarecedor, relacionando mais as questões internas com as da UE. Catarina Martins foi a que se mostrou mais segura, ponderada, assertiva e incisiva. João Cotrim de Figueiredo mostrou-se agastado e, com soberba, chegou a acusar de incompetência os parceiros de debate. Francisco Paupério mostrou-se mais afirmativo do que no anterior debate, confrontando Cotrim de Figueiredo com algumas contradições. João Oliveira foi o mais disruptivo por ousar imagine-se!... -, por em causa o politicamente correcto e defender que Portugal se deve preparar para poder sair do Euro e até a UE, por sua iniciativa, se considerar que tal é a melhor solução, ou se for empurrada, como já esteve para acontecer.

Deputados defendem que Aeroporto de Beja pode complementar o de Lisboa

Zé LG, 16.05.24

Os três deputados, eleitos pelo distrito, condideram que o aeroporto de Beja pode ser complementar ao de Lisboa, até o de Alcochete ficar pronto.

202403051338267385.jpg

O deputado do PS, Nelson Brito, sublinhou que "é a mobilidade terrestre e ferroviária que tem que potenciar Beja e no tempo ser complementar a Lisboa e Faro, em termos de passageiros", acrescentando que é preciso "manter para o aeroporto de Beja uma visão de fins múltiplos: resposta ao complexo de Sines, manutenção, mercadorias e passageiros, assentes na mobilidade".

2024030220051936.jpg

O deputado da AD, Gonçalo Valente, diz que existe "um espaço temporal para preencher até Alcochete ser resposta a Lisboa" e que "Beja é uma hipótese credível que tem que ganhar substância e impor-se como complementar ao Humberto Delgado".

 

202402281312413235.jpg

A deputada do Chega, Diva Ribeiro, clarificou que vai "continuar a defender que o aeroporto de Beja possa ser ser complementar a Lisboa e Faro", acentuando "a importância do aeroporto de Beja estar a funcionar sem esquecer que para o seu desenvolvimento é fundamental garantir a ligação ferroviária a esta infraestrutura, bem como terminar a A26".

Catarina Martins venceu o debate das Europeias, na RTP

Zé LG, 16.05.24

Sem nome (64).pngHouve pelo menos a tentativa de dois debates a decorrerem em paralelo. O de Catarina Martins, que queria discutir com Tânger Correia, e o do Livre com PAN, a mostrarem que não são farinha do mesmo saco. A cabeça de lista do BE foi mais eficaz, mas quase que ficou a falar sozinha. Já Francisco Paupério voltou a mostrar porque é um candidato a considerar nestas eleições europeias.

Neste segundo debate, na RTP, houve uma vencedora clara - Catarina Martins, do BE -, e um derrotado, que chegou a ser confrangedor - Tânger Correia, do Chega. Francisco Paupério, do Livre, esteve menos seguro do que no primeiro debate, e Pedro Fidalgo Marques, do PAN, surpreendeu pela positiva, neste seu primeiro debate, mostrando-se conhecedor dos temas e sereno e seguro na argumentação. 

Continuam as visitas de políticos à 40ª OVIBEJA

Zé LG, 01.05.24

OVIBEJA-visitas_800x800.jpgDepois da inauguração da 40ª OVIBEJA, pelo Primeiro-Ministro, acompanhado do Ministro da Agricultura e Pescas e da Ministra do Ambiente e da Energia, confirmaram já a sua presença na Grande Feira do Sul:
Dia 2 - Nuno Melo, Ministro da Defesa e presidente do CDS-PP, vai estar de manhã e a partir das 14,00 horas visita a Feira. Às 18,00 horas, é a vez de Paulo Raimundo, secretário-geral do PCP, visitar a Feira.
Dia 3 - Maria da Graça Carvalho, Ministra do Ambiente e Energia, abre, às 10,30 horas, o Seminário “O Desafio da Água para a Agricultura Nacional”, organizado pela FENAREG. A partir das 17 horas, está agendada a visita de  Pedro Nuno Santos, secretário-geral do PS, à Grande Feira do Sul.
Depois de ter informado que, provavelmente, não conseguiria vir, este ano, à Grande Feira do Sul, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, visita à 40ª edição da Ovibeja no próximo domingo, dia 5, a partir das 12 horas.

“com a fragmentação da AR é o fim da arrogância”

Zé LG, 28.03.24

Jose-Pedro-Aguiar-Branco.jpg«A sua eleição foi um bom exemplo do que temos pela frente em termos de legislatura.
Assim como a arrogância do PSD/AD se porventura tivesse a maioria dos deputados mesmo com a IL. Deixaríamos de ter um arrogante António Costa para termos uma nova versão do Cavaco Silva tão ou mais arrogante do que aquele.
O CHEGA, goste o PSD ou não, é um partido fundamental para a sua governação. E se quer mesmo governar tem que assumir, como fez com o PS para esta eleição de presidente da AR, que negoceia com ele. Aliás como fez o PSD Açores com o CHEGA Açores e o mesmo certamente irá acontecer na Madeira.
É verdade que se trata não só de legitimação do CHEGA como partido de poder e institucional, e sobretudo um feroz seu concorrente à direita. Mas não é o único, também por aí anda a IL.
Agora e felizmente, com a fragmentação do expecto político com representação na AR, e também à esquerda, é o fim da arrogância de Antónios Costa, Josés Sócrates e Cavacos e Silva de vez.» Anónimo, 28.03.2024, aqui.

“Foram independentes, pensavam pela sua própria cabeça, foram incómodos”

Zé LG, 23.03.24

5-3.jpg«O naipe de pessoas que cita pertence a gerações que mergulharam no estudo, adquirindo consistência para os seus ideais de justiça social. Hoje em dia, raramente os aparelhos partidários escolhem intelectuais para candidatar. Essa geração vai desaparecendo, uns pela lei da vida, outros por serem afastados da ribalta. Foram independentes, pensavam pela sua própria cabeça, foram incómodos dentro dos seus próprios partidos. Os carreiristas medíocres conseguem desvencilhar-se deles, pois individualidades como as que cita raramente têm apoio alargado. Nos partidos, até naqueles que pretendem ser considerados contra o “sistema”, são mais numerosos os arrivistas. Os partidos mais antigos foram criados em torno de ideais, mas foram sendo paulatinamente tomados por tachistas. Por isso, os cidadãos eleitores têm de fazer grande esforço para perceber no meio da gritaria mediática quem tem conhecimentos sólidos para desempenhar adequadamente cargos públicos. Para servir a sociedade, não para enriquecer depressa com pouco trabalho. Andamos como o filósofo grego Diógenes, de lanterna acesa…» Anónimo 01.03.2024, aqui.

Já foram eleitos todos os deputados. Saiba quem são.

Zé LG, 21.03.24

AR.pngOs votos dos emigrantes foram apurados esta madrugada, tendo elegido os quatro deputados em falta para preencher a totalidade dos 230 lugares da Assembleia da República: dois para o Chega, um para a AD e outro para o PS, o que perfaz um total de 80 deputados para a AD, 78 para os socialistas e 50 para o Chega. A Iniciativa Liberal fica com oito, o Bloco de Esquerda com cinco, a CDU com quatro, o Livre com quatro e o PAN com um. Veja aqui quem são os deputados eleitos.
Atribuídos os quatro mandatos dos círculos da emigração, a AD fica com 28,02% dos votos, o PS ficou em segundo lugar, com 28,00%, seguido pelo Chega, com 18,07%, pela Iniciativa Liberal (4,94%), Bloco de Esquerda (4,36%), CDU (3,17%), Livre (3,16%) e PAN (1,95%).