Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Governo anuncia nova fábrica de aviões em Évora

Zé LG, 26.09.20

copy_of_copy_of_copy_of_copy_of_cronistas_ta_14.pnO projeto apresentado, em Évora, com a presença da ministra da Coesão Social e o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, pretende criar 1200 empregos em cinco anos no Alentejo e vai instalar-se no Parque do Alentejo de Ciência e Tecnologia, em Évora e criar uma aeronave ligeira de nova geração para um mercado de curtas distâncias (a ATL-100).

E depois vêm alguns acusar a regionalização, que não existe, e os bejenses de tudo ir para Évora... FOI O GOVERNO E O PS que mais uma vez fizeram a opção e tomaram a decisão de construir mais uma fábrica de aviões em Évora (onde existe o aeroporto?) e criar 1200 empregos no Alentejo (ou em Évora?), em nome na "Coesão"!...

Nunca vamos poder provar isso, mas talvez se já tivesse sido concretizada a regionalização, que a Constituição determina, estas decisões não fossem sempre no sentido de centralizar tudo em Évora... Mas certamente que não será com a eleição do presidente e de um vice-presidente da CCDRA que isso se consegue...

"falta o essencial - investimento, valorização da profissão, dotação financeira e técnica dos organismo de saúde"

Zé LG, 25.09.20

“… Felizmente ainda nos resta (vamos ver durante quanto tempo) o estado social - esse chavão de Abril, que até já não parece significar grande coisa para o espectro político nacional!...
Tem faltado muita clarividência - como aliás se constata noutros sectores - ou por outras palavras, que saúde pública queremos para o País?… E nem sequer vale a pena particularizar, ou restringir as idiossincrasias do sistema à região do Baixo Alentejo, porque os problemas têm origem bem mais a montante!… Quem está atento ás críticas das instituições regionais do sector noutras geografias, percebe facilmente que até há quem esteja pior, não obstante a convergência das preocupações e limitações da Saúde em Portugal!… Os problemas do sector estão identificados há muito tempo (já se construíram teses de mestrado e de doutoramento sobre o assunto), falta o essencial - investimento, valorização da profissão, dotação financeira e técnica dos organismo de saúde, etc, etc...
Haverá sempre espaço para a utopia e para o optimismo (muito bem), mas é preciso muito mais!… E parece que os profissionais da Saúde continuam a não querer ver a realidade do sector de modo objectivo e clarividente!...”

Anónimo 24.09.2020, aqui.

“Estar calado, não será solução para coisa nenhuma”

Zé LG, 25.09.20

“A cidadania acarreta responsabilidades que não terminam nos gestos e nas discorrências, mas começam por aí!… A consciência crítica já é um reflexo positivo de não resignação, de inconformismo e de participação social!… Dá trabalho, e obriga a esforços pessoais em nome colectivo!… Estar calado, não será solução para coisa nenhuma, assim como não o será a acção errática e irracional!”

Anónimo 24.09.2020, aqui.

“O que importa é praticar a política de uma nova forma, deixando para trás a “clubite”.”

Zé LG, 25.09.20

70365791_10205606536479761_4613475439241854976_n MO que está em causa não é quem pode atirar pedras e quem tem telhados de vidro. O que neste momento imperiosamente importa é praticar a política de uma nova forma, deixando para trás a “clubite”. O que hoje em dia está em causa é a definição de uma estratégia para Portugal, e também para a região, em todos os sectores da economia e da vida social. É uma tarefa de grande envergadura, pois claro. Precisa, para ser enfrentada, que se reúnam os recursos mais amplos que consigamos reunir. Seguramente, não será a União Europeia a determinar as prioridades de desenvolvimento do nosso País. Também na Saúde, obviamente, o teremos de fazer. Teremos de imaginar como se deverá processar a evolução e reforço do Serviço Nacional de Saúde. O empenho de todos nós cidadãos, na cooperação para descoberta de soluções para os problemas que nos constrangem é fundamental. Por isso, concordo com o sentido das palavras da Dra. Matos Pires, definindo o modo honesto e solidário de trabalhar, com o fito de beneficiar o interesse público.

Munhoz Frade 23.09.2020, aqui.

“democratização das CCDR's” é um “logro” diz DRA do PCP

Zé LG, 25.09.20

A Direção Regional do Alentejo do PCP (DRA) considera que “o prosseguimento do processo de eleição do presidente e vice-presidente da CCDR decorrente do acordo entre PS e PSD em 2018 mistificando conceitos, constitui um logro”.

202005052011122977 PCP.jpg

Dias Coelho, da DRA do PCP, refere que, “independentemente dos putativos candidatos a presidente e vice presidente”, o processo em curso ilude o facto da CCDR, se manter como uma estrutura de poder desconcentrada do Estado, sob o comando, as orientações e as opções do governo central e que não é, nem pode ser uma autarquia, porquanto constitui uma mera estrutura da Administração Central”, acrescentando que nesse sentido a “DRA do PCP considera que constitui uma ilusão - propositadamente construída por PS e PSD – a ideia que a “eleição” para uma parte da direção alteraria a natureza e conferiria legitimidade democrática a esta estrutura”.

Rui Rio quer “conseguir muitos mais eleitos, particularmente vereadores”

Zé LG, 24.09.20

rui-rio-768x411.jpgIndependentemente de tentar ganhar câmaras no distrito de Beja, “aquilo que é fundamental é o partido conseguir reforçar a sua implantação (na região)”, afirmou Rui Rio, antes da reunião de trabalho com a Comissão Política Distrital do PSD, ontem à noite, em Beja.
O presidente do PSD admitiu que Beja é um distrito particularmente difícil para o PSD, no entanto, será importante “conseguir muitos mais eleitos, particularmente vereadores, do que aquilo que se conseguiu nas duas últimas eleições”, porque “as autárquicas é que ditam em primeiro lugar aquilo que é a implantação de um partido no terreno”.

“telhados de vidro e responsabilidades directas têm ambos os partidos, no que à saúde no Distrito e ao HJJF respeita”

Zé LG, 24.09.20

“Este comentário só falha quando refere o ano de 2013 como aquele em que o hospital de Beja capitulou, com o mandato de Margarida Rebelo em Presidente do Conselho de Administração no governo PSD. Ora, não foi a partir dessa data como muito bem sabe o comentador Dr. Munhoz Frade. Basta reler os seus comentários e posts, neste blog, relativos aos dois mandatos anteriores, quando eram presidentes do conselho de administração dois dos seus camaradas de partido, um deles já falecido e outro reformado. Quem não se lembra dos feitos e estragos na instituição hospitalar, quando de governos PS, do célebre duplo Mestre, por aqui amplamente postados e comentados que levaram o blog Alvitrando aos vários top’s… conjuntamente com artigos de jornais e processo disciplinar a uma administradora da casa que nessa altura começou a dizer as verdades e a “levantar cabelo” a tão autoritários e incompetentes gestores, boys do PS?

Infelizmente esse autoritarismo continuou no mandato seguinte do PSD, onde os também célebres boys do PSD, Gaspar e Guerreiro, continuaram na mesma senda dos anteriores dois mandatos do PS.

 

“PSD fez o mal e agora faz a caramunha”

Zé LG, 24.09.20

70365791_10205606536479761_4613475439241854976_n M“Que o Hospital está em crise não é coisa nova. Em 2013, o então CA da ULSBA, nomeado pelo governo de Passos Coelho, capitulou perante interesses externos, suprimindo as camas de oncologia, iniciando a descaracterização do nosso Hospital. O clima interno era de terror, impondo o silêncio aos funcionários. A denúncia pública da grave perda foi tratada pela Administração do PSD com calúnias sobre o profissional que a fez. Outras alterações se sucederam, designadamente nos serviços cirúrgicos, matando a sua diferenciação, apontando aos especialistas um futuro desmotivador. Não tenho dúvidas de que era uma estratégia destinada a facilitar a centralização regional, e/ou interesses privados. Em novembro desse mesmo ano, conforme então noticiado no Alvitrando, o PSD emitiu um comunicado, falando em nome do CA da ULSBA, tomando-lhe as “dores” provocadas pelas críticas de um deputado. Implicitamente, o PSD assumia como boa essa estratégia de definhamento. Os impactos das malfeitorias então feitas foram tais que duram até aos dias de hoje.”
Munhoz Frade 23.09.2020, aqui.

Como é que se luta pela Saúde de uma região

Zé LG, 23.09.20

amp.jpg“Com decência, seriedade e honestidade. Com propostas realistas de soluções e sem populismo. Com conhecimento de causa e, sobretudo, sem escamotear a situação pandémica que se vive a nível mundial.
Outras alturas houve em que as dificuldades tb comprometeram as soluções e, outras ainda, em que foi a falta de vontade política - e as opções políticas feitas em relação ao SNS - do poder central que determinaram desinvestimento.

Em rigor e honestamente alguém consegue afirmar que a situação da Saúde na região é um problema novo? Onde estava o PSD qdo foi governo e qdo tinha uma deputada eleita pelo distrito de Beja? Sugiro que vá procurar declarações da Nilza de Sena feitas sobre a Saúde na região, e sobre a ULSBA em particular, na altura em que era deputada e que as compare com o que agora é dito pelo partido que a elegeu.
Estou particularmente à vontade, tenho lutado pela melhoria da Saúde na região com todas as minhas forças, vim para Beja na vigência do anterior CA - que sempre me deu o apoio que pôde - e sou testemunha do esforço do atual CA - que me apoia na luta pela melhoria da Saúde Mental na região como pode -, em particular da sua Presidente.
Injustiça, maldicência e populismo barato não são o caminho em política.”

Ana Matos Pires 23.09.2020, aqui.

PSD acusa CA da ULSBA de subserviência ao Governo do PS, que se manifesta na redução e na degradação de serviços

Zé LG, 23.09.20

201903141456035856 PSD.jpgO PSD defende que “enquanto o Conselho de Administração da ULSBA, não assumir que há um gritante desinvestimento, que há problemas graves e uma notável subserviência ao Governo Socialista, que se manifesta na redução e na degradação de serviços, muito dificilmente a situação débil em que se encontra pode ser invertida, acelerando o caos que muito previsivelmente vai chegar a curto prazo”.

“Fruto do desinvestimento, da ausência de políticas de contratação e de ideias arrojadas, à imagem do que outros Conselhos de Administração têm conseguido fazer, o Hospital de Beja sofre uma grave crise que, pode ser acentuada se não houver um planeamento e um trabalho complementar entre o Hospital de Beja e o há muito anunciado Hospital central de Évora”, defende a distrital laranja. 

Daqui e daqui.

“É preciso muito mais, na acção política e no exercício da cidadania individual e colectiva!”

Zé LG, 22.09.20

“Pois. Mas quem é que pretende fazer, e quem é que atrapalha quem quer fazer?
Um lugar comum, que pode encerrar uma visão clarividente de que não é possível questionar os métodos, os agentes ou as políticas levadas a cabo!...Era só o que nos faltava, que ninguém pudesse pôr em causa o modo de fazer!...
Se é verdade que "periódica e esporadicamente vamos assistindo a alguma coisa de positivo que, felizmente, vai acontecendo por cá". Ser "profeta da desgraça" não ajuda, antes favorece a tristeza espiritual dos bejenses. Não demos ouvidos a estes "velhos do Restelo"! "Os bejenses acreditam nas suas capacidades! Não atrapalhem quem quer fazer!”...O problema não está na capacidade (ou falta dela) do povo alentejano, que me parece que já deu provas históricas suficientes de resiliência em momentos delicados da sua história, mas na forma como os arautos da verdade pretendem conduzir a região em nome colectivo, sem contar com a participação de todos!...E já agora, os alentejanos não são profetas da desgraça nem têm problemas de natureza espiritual ( fosse esse o mal maior); antes conhecem, profundamente os problemas da região como ninguém! ...E tendo durante anos a fio, confiado responsabilidades nos seus representantes, se vêm pessimistas, pelos parcos resultados alcançados!...O Povo alentejano também é resistente nas suas aspirações, mas infelizmente quem nos representa não se tem mostrado à altura desse desafio!...E aqui o problema será transversal, numa relação de impotência por um lado, e de falta de assertividade no plano da representatividade dos dirigentes!...É preciso muito mais, na acção política e no exercício da cidadania individual e colectiva!...Mas também não será menos importante colocar de lado as diferenças ou conflitos de natureza partidária (com as suas proporções provincianas), em nome do superior interesse de defesa da maior região do País!”

Anónimo 21.09.2020, aqui.

“O que falta é TUDO O RESTO!”

Zé LG, 21.09.20

105913804_967840566981520_4336672682235452250_o PI“Desculpe o tom talvez indelicado deste comentário, mas o senhor está com esse tipo de discurso a tentar branquear a incompetência que é REAL na gestão pública. Não se trata de avaliar com base em estatísticas nem em obras feita. Até porque se o desenvolvimento se medisse em infraestruturas de lazer, desporto e afins, Beja até não estaria mal classificada. O que falta é TUDO O RESTO! É preciso estratégia para o apoio ao investimento e para a fixação de jovens e de profissionais qualificados de qualquer idade. É preciso profissionalismo, coragem e verdadeiro empenhamento por parte dos responsáveis autárquicos (mesmo que isso venha a ser pouco reconhecido nas urnas) para canalizar os fundos que existem para a qualificação das pessoas, para a criação de massa crítica e atração de investimento que, por sua vez tenha efeitos favoráveis e sustentados ao nível do dinamismo económico e da criação de emprego. Isto é, sem dúvida, intangível, mas não quer dizer que não possa ser comunicado aos munícipes - não está é a ser feito, ponto. É preciso ainda lutar ferozmente pelos investimentos estratégicos que há demasiado tempo são adiados na ferrovia, no aproveitamento do aeroporto, entre outros. Custe o que custar! É para isso que estas pessoas são eleitas, mas não é nada disso que têm para mostrar quando deixam os cargos. Aquilo que uns e outros vão deixando sempre é, isso sim, um rasto de novos tachos do respectivo partido, que vão aumentando eternamente as hostes de funcionários mais ou menos inúteis, com competências e perfis profissionais muito desajustados às funções que exercem nas autarquias e outras organizações públicas e privadas de relevância local e regional.”

Anónimo 20.09.2020, aqui.

ANAFRE exige aprovação de nova lei de freguesias a tempo de produzir efeitos nas próximas eleições autárquicas

Zé LG, 21.09.20

imgLoader2.ashx.jpg“Queremos que o Governo aprove em Conselho de Ministros ainda este mês a proposta de lei de criação, modificação e extinção de freguesias, que a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública tem, para que possa seguir para a Assembleia da República para ser apreciada, discutida e aprovada até dia 31 de março" do próximo ano, disse o presidente da ANAFRE, Jorge Veloso, no final da reunião ordinária mensal, descentralizada e estatutária do conselho diretivo da ANAFRE que decorreu em Beringel.

Na reunião, entre outros assuntos, o conselho diretivo discutiu as negociações do novo protocolo que vai ser assinado entre os CTT e a ANAFRE e que deverá conter um novo modelo de pagamento às juntas de freguesia pela prestação do serviço postal. Este "assunto não foi resolvido a 100%, falta limar umas pequenas arestas", as quais "serão resolvidas na comissão permanente", que foi mandatada para tal pelo conselho diretivo da ANAFRE, acrescentou Jorge Veloso.

“O que falta nesta ideologia dominante não habita as consciências”

Zé LG, 20.09.20

105913804_967840566981520_4336672682235452250_o PI“Na vida pública, é habitual não se dar conta do que produzem os mais variados serviços indispensáveis para o normal funcionamento da sociedade. Por falta de visibilidade material e perene, não se considera que fazem parte da vida económica, do desenvolvimento. O que é valorizado como significativo são as infraestruturas bem visíveis, como auto-estradas, aeroportos, edifícios fabris, etc. Apenas o que modifique a percepção do horizonte à volta. O trabalho diário e invisível de professores, profissionais de saúde, administrativos e funcionários, etc. não modifica a ideia de que nada fazem mexer. Nos dias de hoje, a certeza de desenvolvimento que se constrói nas mentes baseia-se no número de viaturas pessoais, na intensidade do tráfego rodoviário, na confusão urbana. O que falta nesta ideologia dominante não habita as consciências. É pois difícil exercer o contraditório, fazer ouvir alguma crítica. Onde o sentido do progresso civilizacional é medido pelas toneladas de combustíveis consumidas é árduo ter uma narrativa contra-corrente. Globalmente, a consciência da Humanidade parece andar desprovida de realidade, especialmente da sua parte intangível. E localmente? Aqui, em Beja, também. Também se diz que não há nada, que falta tudo. É certo que boa parte dos insaciáveis procuram outras distantes paragens, outras satisfações. E se perguntássemos aos que vão ficando, às famílias que aqui crescem? Se lhes perguntássemos o que conseguiram erigir, e como? Se soubéssemos olhar para outros indicadores que não os estatísticos? Se valorizássemos os casos exemplares? Se déssemos outro significado ao conceito de sucesso?”

Munhoz Frade 20.09.2020, aqui.

Afinal que impacto teve a Festa do Avante no aumento de contágios da COVID-19?

Zé LG, 20.09.20

Muito se falou sobre a irresponsabilidade do PCP realizar a Festa do Avante, este ano, em plena pandemia, pelo impacto que teria no agravamento da situação. Desde comentadores até comerciantes da Amora, passando pelo líderes do PSD e do CDS até ao envolvimento, como nunca antes se tinha visto, do PR e às maiores limitações colocadas pela DGS, tudo foi feito no sentido de travar ou impedir a realização da Festa.

20200906comiciofestaavante09.jpgEntretanto a Festa do Avante realizou-se - com repetição de alguns elogios à capacidade de organização e cumprimento de regras do PCP - e passadas duas semanas ainda não ouvi ninguém atribuir à realização da Festa a responsabilidade pelo significativo aumento de "casos" a que temos vindo a assistir.  

E, entretanto também e mais grave do que isso, não ouvi nenhum responsável, a começar pelo PR, atribuir aquelas responsabilidades ao PCP ou a autocriticar-se pelo exagero e incorrecção das posições que assumiu. 

Que o "Zé" diga o que lhe lhe dá na real gana e faça afirmações gratuitas e irresponsáveis é uma coisa. Que o PR e líderes partidários e outros responsáveis de outras entidades procedam da mesma forma já não se admite. No combate político não deve valer tudo, principalmente quando se usa a Saúde e o medo como armas de arremeço.

“Beja está ficando perigosa e pouco recomendável”?

Zé LG, 19.09.20

105913804_967840566981520_4336672682235452250_o PI“Beja está ficando perigosa e pouco recomendável. E com um ambiente desagradável, cada vez mais desagradável ... O visível e crescente processo de desertificação, o completo abandono e visível degradação quer dos espaços públicos quer do parque habitacional da cidade, o comércio decadente e nada atrativo, a inexistência de indústria, a notória falta de educação e de respeito de cada um por si próprio e pelos outros, o esvaziamento de funções dos principais serviços públicos, a falta de empregos qualificados para os mais jovens, ... E a culpa não é do COVID. Isto já vem de trás. muito de trás! O COVID só veio acentuar tudo isto. Não, não estamos todos bem nem vamos ficar todos bem!

Periódica e esporadicamente vamos assistindo a alguma coisa de positivo que, felizmente, vai acontecendo por cá mas nada que, no curto prazo, altere o estado a que isto chegou!

Oxalá estivesse enganado mas isto entrou num processo de declínio sem retorno a curto prazo!”

 

“Ser "profeta da desgraça" não ajuda, antes favorece a tristeza espiritual dos bejenses. Não demos ouvidos a estes "velhos do Restelo"! Os bejenses acreditam nas suas capacidades! Não atrapalhem quem quer fazer!”

 

Anónimos 19.09.2020, aqui.

Câmara de Beja pretende “ir diretamente ao terreno e aos campos” para “para responder às necessidades sentidas” pelos imigrantes

Zé LG, 19.09.20

Paulo Arsénio, presidente da Câmara de Beja, referiu que, “em termos de relatos da PSP, não têm chegado [à Câmara Municipal] queixas de maior” relativas à população imigrante, que tem “aparecido em número expressivo em alguns pontos da cidade”.

P1090980.jpgPorque “é preciso criar condições para que estas pessoas se possam integrar o quanto possível na comunidade”, a Câmara de Beja tem estado a trabalhar em parceria com a Cáritas Diocesana no projecto “Rostos com Futuro”, “para ajudar e responder às necessidades sentidas” pelos imigrantes e apresentou uma candidatura no âmbito da integração da comunidade migrante para muito em breve “ter recursos humanos que possam ir diretamente ao terreno e aos campos de trabalho destas pessoas”, para as ajudar.

Luís Filipe Vieira fez o que já devia ter feito e outros não fizeram

Zé LG, 17.09.20

image.jpg«Reforçando ainda que é altura dos responsáveis políticos se preocuparem mais em "combater a tendência de transformar em sentença transitada a notícia de uma suspeita ou de uma acusação judicial", Vieira agradece a todos os benfiquistas pelos apoios que tem recebido, mas afirma que não pode permitir que "instrumentalizem o Sport Lisboa e Benfica e a minha comissão de honra em lutas políticas que nada têm que ver com o Clube a que presido e a cuja presidência serei recandidato".

Desta forma, Luís Filipe Vieira tomou a decisão de retirar da sua Comissão de Honra "todos – todos – os titulares de cargos públicos, sejam autarcas, deputados ou membros do Governo", lamentando que  "nos depois do 25 de Abril, se tenha de censurar quem livremente decidiu manifestar-me o seu apoio, mas o populismo e a demagogia dos dias de hoje obrigam-me a fazê-lo de forma a terminar com uma polémica injustificada e profundamente hipócrita".»

Vamos ver se agora o FCP e outros clubes na mesma situação afastam dos seus órgãos sociais "todos – todos – os titulares de cargos públicos, sejam autarcas, deputados ou membros do Governo", que os integram e se os partidos políticos deixam de integrar dirigentes de clubes e outras associações nas listas de apoio às suas candidaturas...

Quando vai o 1º ministro explicar mais esta remodelação do governo?

Zé LG, 17.09.20

1493246.jpgA ex-secretária de Estado adjunta e da saúde, Jamila Madeira, mostrou-se «muito surpreendida» com a recente remodelação do Governo de António Costa, que a colocou fora do Executivo na quarta-feira, dizendo que não pediu para abandonar o cargo, referindo que vai voltar ao Parlamento para cumprir o mandato de deputada.
O primeiro-ministro propôs ontem a substituição de cinco secretários de Estado do seu Governo ao Presidente da República, que aceitou essas mudanças que abrangem os ministérios da Educação, Saúde, Infraestruturas e Habitação, e Mar.
Os novos secretários de estado tomam posse esta quinta-feira, às 17h45, numa cerimónia restrita.
A substituição da secretária de Estado Adjunta e da Saúde e da secretária de Estado da Educação, designadamente, verificam-se numa altura pouco oportuna, tendo em conta o estado da evolução da pandemia e da abertura do ano lectivo. Não tendo sido pedida, pelo menos, pela primeira, a que se deveram? O que motivou as substituições? Será que o primeiro-ministro vai esclarecer?