Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Afinal o que diz Gavino Paixão da sua "espantosa aventura"?

Zé LG, 07.08.22

gavino-paixao-rotated-e1657182333494.jpg

Há um mês, vi a referência, no Praça da República, a este texto de Paulo Barriga, publicado na revista Sábado. Vi aqui, no Alvitrando, algumas referências ao texto, que, inclusivamente, me fizeram chegar por mensagem pessoal. Como achei graves algumas das "aventuras" atribuídas a Gavino Paixão, por quem tenho simpatia pessoal, não me quis referir aqui ao assunto sem antes conhecer o contraditório, designadamente por parte dele. Como até hoje, não tive conhecimento de qualquer esclarecimento por parte de Gavino Paixão ou de qualquer outra fonte e porque considero o assunto de interesse público, decidi alvitrar sobre ele.

Ver e ler o artigo aqui e aqui.

“Aeroporto de Beja: juntem-se, porra!” com grande impacto nas redes sociais

Zé LG, 04.08.22

O artigo de opinião de Fernando Caeiros e Lopes Guerreiro, intitulado “Aeroporto de Beja: juntem-se, porra!”, publicado n’ O Público on line terá já alcançado umas 20.000 pessoas. No site d’ O Público foi o artigo com mais partilhas (3.511) na segunda quinzena de Julho, apesar de ter sido publicado no dia 29. No Alvitrando /FB teve, até ontem, um alcance de 13.675 pessoas, 1.323 interações e 118 partilhas.

296437495_3218764275028436_8727712164046163942_n.j

O apelo nele contido de união na acção em defesa do aproveitamento do Aeroporto de Beja como complemento dos de Lisboa e Faro, que se encontram com enormes e crescentes constrangimentos, paraece ter sido bem acolhida. Esperemos que os diversos actores locais e regionais a saibam assumir a sua “responsabilidade de desencadearem uma ação concertada que cumpra o objetivo de a região se fazer ouvir quanto à pertinência que tem a utilização do aeroporto de Beja para, com custos comportáveis e num prazo aceitável, contribuir para a mitigação dos constrangimentos” daqueles aeroportos. Saiba e queira também o governo colocar o interesse nacional e a coesão territorial à frente de todos os outros interesses.

A visão do “único jornalista português que cobre a guerra do lado russo”

Zé LG, 20.07.22

Sem nome.png«Eu sou jornalista e estou deste lado [na região de Donbass, a cobrir o conflito a partir de zonas controladas pelas forças russas e separatistas], pelo que a única coisa que posso reportar é aquilo que vejo a partir daqui. Da mesma forma que os jornalistas que estão em território sob controlo ucraniano a única coisa que podem fazer é reportar o que vêm desse lado.

... qual o motivo para não existirem mais jornalistas portugueses aqui? Sou o único. A resposta a isso ajudaria a explicar se existe ou não uma campanha para que não venham para cá outros repórteres, para cobrir o outro lado da guerra. Era importante que existisse uma cobertura mais alargada deste lado da guerra, feita por diferentes órgãos de comunicação social. Ficaríamos todos a ganhar se houvesse outras vozes, além da minha, a reportar o que se passa aqui.»

Declarações de Bruno Amaral de Carvalho, em entrevista a José Pedro Lobato, aqui.

“Ucrânia é um dos principais produtores de aço mundial”?

Zé LG, 05.07.22

download-2020-05-12T145656.241-1200x675.png«Vi/ouvi, há dias, uma peça na RTP 1, onde se afirmava, com convicção, que a Ucrânia é um dos principais produtores de aço mundial. À luz dessa afirmação, a condenável destruição de siderurgias ganhou outra leitura. Vejamos os números:

Top 10 de produtores de aço — milhões de tons (Mt) em 2021: China — 1,032.8 (53% do total); Índia — 118.1; Japão — 96.3; Estados Unidos — 86.0; Rússia — 76.0 (estimativa); Coreia do Sul — 70.6; Turquia — 40.4; Alemanha — 40.1; Brasil — 36.0; Irão — 28.5 (estimated).

Depois, Itália, Taiwan e Vietname.

Ucrânia - 14º., produz 1,09% do aço mundial... China, Índia e Japão produzem 64%.»

Santiago Macias, aqui.

"não seria melhor activar e melhorar o aeroporto de Beja"?

Zé LG, 02.07.22

Sem nome.png«Um grande amigo disse-me, ao almoço: então, não seria melhor activar e melhorar o aeroporto de Beja que fica a uma hora e meia de Lisboa? Para os lisboetas isto seria um susto, claro. Egoisticamente, dá jeito ter o aeroporto mesmo à mão, sendo que o risco de um acidente que envolva a cidade é olimpicamente ignorado. Mas a verdade é que Beja fica a uma hora e meia. As estradas são boas, era terminar alguns quilómetros de auto estrada e nenhum estrangeiro iria refilar. Era assumir que vamos a outras cidades e demoramos uma hora, duas horas, a chegar ao centro das mesmas e nem nos lembramos de apresentar queixas. Pois, isto no estrangeiro é tudo melhor.» Opinião de Patrícia Reis, aqui.

Sindicato dos Jornalistas e PCP preocupados com a cobertura jornalística do alegado homicídio de uma criança em Setúbal

Zé LG, 28.06.22

SJ.pngO Conselho Deontológico (CD) do Sindicato dos Jornalistas anunciou que "viu com perplexidade" algumas coberturas jornalísticas do caso da menina de três anos que morreu no dia 20, vítima de maus tratos e de violência, em Setúbal.

"Das várias questões deontológicas envolvidas", destaca, em comunicado, "o desrespeito do ponto 8 do Código Deontológico, onde se afirma que “o jornalista não deve identificar, direta ou indiretamente, menores, sejam fontes, sejam testemunhas de factos noticiosos, sejam vítimas ou autores de atos que a lei qualifica como crime”.

Também o PCP, em requerimento endereçado à ERC, através da Assembleia da República, "requer à Entidade Reguladora para a Comunicação Social que esclareça se está previsto pronunciar-se" sobre a cobertura noticiosa do alegado homicídio de uma criança de três anos, em Setúbal, no dia 20 de junho.

O regulador informou que "quando a ERC produzir uma pronúncia, procederá à sua divulgação, como é habitual, no sítio eletrónico da entidade".