Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

"e eu não sei se ainda estou viva"

Zé LG, 24.12.19

breviário.jpg“A mesa está posta. Os pratos brancos com flores azuis à volta e ao centro um cavalinho sobre uma ponte. Os garfos, as facas, os guardanapos e os copos. A toalha é aquela, de linho bordado a azul, com flores e pássaros que levam nos bicos cerejas vermelhas. As cadeiras são quatro: a minha, a do meu irmão, a do meu pai e a da minha mãe.

  Todos os anos, na noite de Natal, faço a ceia, ponho a mesa e espero a chegada deles.

  Levei todo o dia a cozinhar: carne de porco com amêijoas, uma galinha acerejada, arroz-doce e filhós, para a sobremesa. Comprei aquele vinho abafado que o meu pai e o meu irmão tanto gostam. Sempre fiz assim.

 Estou velha e cansada de viver.

 Esperei até tarde, porque o meu irmão vinha da vila. Depois, sentei-me ao lume e adormeci. Quando acordei, era de madrugada, já as pessoas tinham vindo da Missa do Galo, já o sino badalara, já em todas as casas se tinham aberto os presentes. Espreitei a rua, mas só vi silêncio e sombras. Tudo parado. Tudo morto como as casas. Levantei os pratos, os garfos, as facas, os guardanapos, os copos, a toalha de linho. Depois, pus umas coisas no guarda-louça e outras na arca. A comida, dei-a aos cães porque o meu pai já morreu, a minha mãe já morreu, o meu irmão já morreu, e eu não sei se ainda estou viva.”

 

 

Conto de Joaquim Mestre, retirado do seu livro Breviário das Almas – colectânea de contos com que ganhou o Prémio Manuel da Fonseca 2008 -, editado pela Oficina do Livro, que publiquei aqui há 10 anos.

Mercado de Natal anima a baixa da Cidade de Beja

Zé LG, 06.12.19

Mercado-de-Natal-768x432.jpgDesde o Jardim do Bacalhau até ao início do Terreiro dos Valentes, passando pelas Rua Capitão João Francisco de Sousa e Rua de Mértola, decorre, entre hoje e domingo, mais um Mercado de Natal, que este ano conta com mais de 60 expositores. No Museu Regional decorre a IV Feira de Doçaria Conventual.

O Pai Natal chega no sábado, percorrendo as ruas do centro da cidade, onde não faltará animação.

No âmbito da iniciativa "É Natal em Beja", a Câmara de Beja volta a proporcionar vantagens no estacionamento subterrâneo da cidade durante todo o mês de dezembro e até 6 de janeiro.

MERCADO DE NATAL ESTE FIM-DE-SEMANA EM BEJA

Zé LG, 08.12.17

primage_21459.png

Este ano, Beja volta a receber, de 8 a 10 de dezembro, o Mercado de Natal. São esperados mais de 50 expositores nas mais diversas áreas que, por estes dias, estarão em exposição e venda entre a Praça Diogo Fernandes (Jardim do Bacalhau) e a rua Capitão João Francisco de Sousa.

A animação de rua, música e teatro acontecem ao mesmo tempo nas ruas da cidade e, enquanto os pais se entretêm nas compras e provas gastronómicas, os mais pequenos podem divertir-se nos insufláveis que estão disponíveis durante a campanha de Natal!

Na casa do Pai Natal (Rua Capitão João Francisco de Sousa) teremos provas de vinho, oficinas de cozinha e outras atividades.

O NATAL NÃO FOI BOM PARA TODOS...

Zé LG, 25.12.14

16959570_feh19.jpeg... que o digam os trabalhadores do Museu Regional de Beja, a quem não foi paga a totalidade dos salários, apesar das promessas de que tal não voltaria a acontecer, feita pelos autarcas, designadamente os de Beja e das boas palavras em defesa dos trabalhadores (http://alvitrando.blogs.sapo.pt/cdu-afirma-que-sempre-defendeu-a-2773239)...

Serviços mínimos natalícios

Zé LG, 19.12.10

Não acredito nem gosto do Natal.

Deste período do ano tenho mais más recordações do que boas.

Apesar disso, por força das circunstâncias e do meio envolvente, têm existido anos em que acabei por me deixar envolver de certo modo no espírito que enquadra a quadra, designadamente o que mais o marca na actualidade, o consumismo.

Este ano, decidi que não ia assim proceder. Não vou participar nas actividades natalícias a não ser as estritamente obrigatórias, ou seja, nas que é mais difícil explicar a ausência do que nelas participar.

Assim, limitar-me-ei a cumprir os serviços mínimos.

CE alerta para os perigos que as luzes de Natal apresentam

Zé LG, 07.12.09

Em época de Natal,

um relatório da Comissão Europeia (CE),

divulgado recentemente,

revela que 30,4% das grinaldas luminosas, utilizadas nas decorações natalícias,

apresentam “um risco óbvio e directo de incêndio e de choque eléctrico”

e 40% têm problemas de segurança,

ou seja, mais de 70% não cumprem as normas exigidas.

Neste documento, os consumidores são aconselhados a estar atentos e a tomar precauções básicas, a fim de minimizar os riscos.

As recomendações efectuadas passam pela compra das luzes em comerciantes que possam garantir o cumprimento das normas, a não deixar as luzes acesas quando sair de casa ou estiver a dormir, e a não ligar estes adornos no caso de desconfiar de algum problema eléctrico.