Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alentejo com 11 concelhos em risco muito ou extremamente elevado

Zé LG, 22.12.20

fa62981ebcc6947ec36bc11933a442c5.jpgRisco Moderado – Aljustrel, Almodôvar, Alvito, Arraiolos, Arronches, Avis, Barrancos, Beja, Borba, Castro Verde, Coruche, Cuba, Estremoz, Ferreira do Alentejo, Fronteira, Mora, Moura, Ourique, Ponte de Sor, Portel, Redondo, Santiago do Cacém, Sines, Sousel, Viana do Alentejo, Vidigueira, Vila Viçosa

Risco Elevado – Alandroal, Alcácer do Sal, Campo Maior, Elvas, Odemira, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas

Risco Muito Elevado – Évora, Mértola, Montemor-o-Novo, Portalegre, Serpa

Risco Extremamente Elevado - Castelo de Vide, Crato, Gavião, Marvão, Monforte, Mourão

Em Portugal, há 109 concelhos com estes níveis de risco. Foi com base nestes dados que foram avaliadas e ajustadas as medidas de contenção da pandemia de covid-19 para o Natal e Ano Novo  Daqui.

"A lógica do combate à pandemia"

Zé LG, 18.12.20

EmygiGtW8AAk3pT.jpgAs autoridades de Saúde dizem que os contágios do novo coronavírus se verificam predominantemente em ambiente familiar, em casa.

O primeiro-ministro ao anunciar as medidas do actual estado de emergência alertou para que, se a evolução da contenção da pandemia não fosse a esperada, as medidas restritivas pelo Natal teriam de ir para além das anunciadas. 

Agora, ao anunciar as novas medidas para mais um estado de emergência, António Costa reconheceu que aquela evolução estava mais lenta e menos segura do que o previsto.

Face a isto, que medidas toma o governo? Tenta evitar que as famílias se reúnam para além do agregado base, como o seu alerta deixava antever? Não, nada disso! Apela à nossa responsabilidade individual pelo Natal e considerando que, mesmo assim, a situação se vai agravar, anula toda e qualquer possibilidade de comemoração do Ano Novo, para procurar remediar os estragos causados pelo Natal... É lógico, não é?...

E, se depois do Natal comemorado com responsabilidade individual e sem testar esta pela passagem do ano, a pandemia se descontrolar e aumentarem significativamente as mortes dos mais velhos e mais vulneráveis? Quem assume a responsabilidade? António Costa e o governo, com a cumplicidade do PR Marcelo Rebelo de Sousa ou passam-na para nós?

Câmara de Beja canalizou verbas de iniciativas canceladas para apoiar instituições e antecipar pagamentos a fornecedores e associações

Zé LG, 02.12.20

cm-beja.pngPaulo Arsénio, presidente da câmara, afirmou que o município cancelou várias iniciativas que poderiam provocar ajuntamentos de pessoas, onde o município deveria investir este ano cerca de 130 mil euros, mas, devido aos cancelamentos, os gastos – sem incluir o investimento em iluminação natalícia, que vai realizar-se e até aumentar – “não deverão superar 30 mil euros”.

Assim, o município tem “canalizado” a diferença para “apoios suplementares” ao desporto, à cultura, a instituições particulares de solidariedade social, aos bombeiros e às juntas de freguesia do concelho, para compra de equipamentos de proteção individual para o município e “adaptação de edifícios públicos municipais à nova realidade” provocada pela pandemia, e para a “antecipação de pagamentos aos fornecedores da Câmara de Beja e às associações locais”.

Paulo Arsénio refere ainda que, apesar da pandemia, este ano, o município vai investir 59600 euros em iluminação natalícia na cidade, mais 17 mil euros do que em 2019.

“Luz nesta altura é esperança”

Zé LG, 01.12.20

128598943_1091525257946383_7592952546733230120_o.j

"Se tudo correr como previsto, serão ligadas amanhã dia 1 de dezembro às 17.00 as "luzes de Natal" da cidade de Beja.

Manter-se-ão ligadas até dia 6 de janeiro de 2021.

A maioria entre as 17.00 horas e as 2.00 da madrugada e algumas em horário mais alargado (as que estão ligadas à rede sem quadro autónomo).

As "luzes de Natal" nunca foram polémicas em Beja.

Ou melhor... nunca tinham sido.
...

Enfim... deixem-nos ter um pouco mais de luz durante 37 noites.

Luz nesta altura é esperança.

As crianças adoram e nós adultos, na maioria, também gostamos.

E abdicámos de tudo este ano.

Mas de tudo.

E recorda-nos que apesar da pandemia é Natal que tal como a Democracia... não está suspenso.

Um feliz mês de dezembro para todos." 

É assim que Paulo Arsénio, na sua página do Facebook, começa e termina um longo texto em que justifica as iluminações de natal, nestes tempos de pandemia.

“E não havia comércio em Beja que vendesse uns queijos, umas linguiças, umas garrafas de azeite e de vinho?”

Zé LG, 26.11.20

cabazdenatal150euros-3.png"Meide In. Conhecem? É uma empresa de Castro Verde que foi formada há pouco tempo.

Com tanta sorte que a Câmara de Beja comprou-lhe logo 13 mil euros em cabazes de Natal.

Alguém sabe o que têm esses cabazes? E para quem são? E não havia comércio em Beja que vendesse uns queijos, umas linguiças, umas garrafas de azeite e de vinho?

Siga a festa."

Anónimo 25.11.2020, aqui.

Câmara de Beja gasta 59 mil euros com iluminação de Natal

Zé LG, 25.11.20

Natal-768x432.jpgA partir de dia 1 de dezembro, as principais artérias da cidade vão estar iluminadas. Este ano, a iluminação de Natal foi alargada até ao Castelo, à Biblioteca, parte da Avenida Fialho de Almeida, à Rua Sousa Porto e a rotunda da Força Aérea, na entrada norte da cidade.

Devido às contingências provocadas pela pandemia da Covid-19, a autarquia decidiu não realizar o mercadinho de Natal, o Bolo-rei Gigante, o Almoço da Comunidade sénior do concelho, a passagem de ano e o espetáculo de fogo-de-artifício.

De 1 de dezembro a 6 de janeiro, os bejenses poderão usufruir de três horas de estacionamento gratuito no Parque Subterrâneo da Avenida Miguel Fernandes e de uma hora no Parque de Estacionamento Subterrâneo da Casa da Cultura.

 

Se a não realização dos eventos e a isenção de pagamento de estacionamento subterrâneo merecem o apoio consensual, já os gastos com a iluminação de Natal têm gerado alguma polémica, face à crise que estamos a viver.

"e eu não sei se ainda estou viva"

Zé LG, 24.12.19

breviário.jpg“A mesa está posta. Os pratos brancos com flores azuis à volta e ao centro um cavalinho sobre uma ponte. Os garfos, as facas, os guardanapos e os copos. A toalha é aquela, de linho bordado a azul, com flores e pássaros que levam nos bicos cerejas vermelhas. As cadeiras são quatro: a minha, a do meu irmão, a do meu pai e a da minha mãe.

  Todos os anos, na noite de Natal, faço a ceia, ponho a mesa e espero a chegada deles.

  Levei todo o dia a cozinhar: carne de porco com amêijoas, uma galinha acerejada, arroz-doce e filhós, para a sobremesa. Comprei aquele vinho abafado que o meu pai e o meu irmão tanto gostam. Sempre fiz assim.

 Estou velha e cansada de viver.

 Esperei até tarde, porque o meu irmão vinha da vila. Depois, sentei-me ao lume e adormeci. Quando acordei, era de madrugada, já as pessoas tinham vindo da Missa do Galo, já o sino badalara, já em todas as casas se tinham aberto os presentes. Espreitei a rua, mas só vi silêncio e sombras. Tudo parado. Tudo morto como as casas. Levantei os pratos, os garfos, as facas, os guardanapos, os copos, a toalha de linho. Depois, pus umas coisas no guarda-louça e outras na arca. A comida, dei-a aos cães porque o meu pai já morreu, a minha mãe já morreu, o meu irmão já morreu, e eu não sei se ainda estou viva.”

 

 

Conto de Joaquim Mestre, retirado do seu livro Breviário das Almas – colectânea de contos com que ganhou o Prémio Manuel da Fonseca 2008 -, editado pela Oficina do Livro, que publiquei aqui há 10 anos.

Mercado de Natal anima a baixa da Cidade de Beja

Zé LG, 06.12.19

Mercado-de-Natal-768x432.jpgDesde o Jardim do Bacalhau até ao início do Terreiro dos Valentes, passando pelas Rua Capitão João Francisco de Sousa e Rua de Mértola, decorre, entre hoje e domingo, mais um Mercado de Natal, que este ano conta com mais de 60 expositores. No Museu Regional decorre a IV Feira de Doçaria Conventual.

O Pai Natal chega no sábado, percorrendo as ruas do centro da cidade, onde não faltará animação.

No âmbito da iniciativa "É Natal em Beja", a Câmara de Beja volta a proporcionar vantagens no estacionamento subterrâneo da cidade durante todo o mês de dezembro e até 6 de janeiro.

MERCADO DE NATAL ESTE FIM-DE-SEMANA EM BEJA

Zé LG, 08.12.17

primage_21459.png

Este ano, Beja volta a receber, de 8 a 10 de dezembro, o Mercado de Natal. São esperados mais de 50 expositores nas mais diversas áreas que, por estes dias, estarão em exposição e venda entre a Praça Diogo Fernandes (Jardim do Bacalhau) e a rua Capitão João Francisco de Sousa.

A animação de rua, música e teatro acontecem ao mesmo tempo nas ruas da cidade e, enquanto os pais se entretêm nas compras e provas gastronómicas, os mais pequenos podem divertir-se nos insufláveis que estão disponíveis durante a campanha de Natal!

Na casa do Pai Natal (Rua Capitão João Francisco de Sousa) teremos provas de vinho, oficinas de cozinha e outras atividades.

O NATAL NÃO FOI BOM PARA TODOS...

Zé LG, 25.12.14

16959570_feh19.jpeg... que o digam os trabalhadores do Museu Regional de Beja, a quem não foi paga a totalidade dos salários, apesar das promessas de que tal não voltaria a acontecer, feita pelos autarcas, designadamente os de Beja e das boas palavras em defesa dos trabalhadores (http://alvitrando.blogs.sapo.pt/cdu-afirma-que-sempre-defendeu-a-2773239)...

Serviços mínimos natalícios

Zé LG, 19.12.10

Não acredito nem gosto do Natal.

Deste período do ano tenho mais más recordações do que boas.

Apesar disso, por força das circunstâncias e do meio envolvente, têm existido anos em que acabei por me deixar envolver de certo modo no espírito que enquadra a quadra, designadamente o que mais o marca na actualidade, o consumismo.

Este ano, decidi que não ia assim proceder. Não vou participar nas actividades natalícias a não ser as estritamente obrigatórias, ou seja, nas que é mais difícil explicar a ausência do que nelas participar.

Assim, limitar-me-ei a cumprir os serviços mínimos.