Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Praias versus grandes superfícies comerciais

Zé LG, 24.11.20

Ir à praia e apanhar Sol ajuda a reforçar o sistema imunitário. Nesta altura, há mais que espaço para as pessoas manterem a distância física recomendada. Em espaço livre o vírus propaga-se com maior dificuldade.

praia.JPG

Em espaços fechados o vírus propaga-se mais facilmente. Nas grandes superfícies comerciais é difícil, para não dizer impossível, manter a distância física recomendável. Em (quase) nenhuma há controlo do número de pessoas por área recomendado. 

Não seria de recomendar às pessoas que fossem às praias e que fosse feito um controlo às presenças de pessoas nas superfícies comerciais?

Uso obrigatório de máscaras no trabalho. Aulas suspensas antes dos feriados e proibição de circulação entre concelhos nas "pontes".

Zé LG, 21.11.20

fa62981ebcc6947ec36bc11933a442c5.jpgNovas medidas gerais:

  • Uso obrigatório da máscara no local de trabalho, exceto quando os postos de trabalho são isolados ou quando haja separação física entre diferentes postos.
  • Proibição de circulação entre concelhos:
    • entre as 23h de 27 de novembro e as 5h de 2 de dezembro;
    • entre as 23h de 4 de dezembro e as 5h de 9 de dezembro.
  • Nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro estão suspensas as atividades letivas em todos os níveis de ensino. Nas mesmas datas há tolerância de ponto e o apelo a entidades privadas para dispensa de trabalhadores.

Beja e mais quatro concelhos alentejanos saem da lista de risco elevado de contágio

Zé LG, 21.11.20

fa62981ebcc6947ec36bc11933a442c5 (1).jpgAljustrel, Beja, Borba, Ferreira do Alentejo, Sousel saem da lista de risco elevado, num conjunto de 17 a nível nacional.

Os concelhos serão divididos em diferentes níveis de risco de contágio, sendo "em função destes critérios de risco" que nos próximos meses serão "modeladas as medidas a adotar para que se ajustem o melhor possível à realidade efetiva em cada concelho":

 "Extremamente elevado": mais de 960 casos de doença por 100 mil habitantes;

"Muito elevado": mais de 480 novos casos por 100 mil habitantes;

"Elevado": mais de 240 e até 480 casos por 100 mil habitantes;

"Moderado": menos de 240 casos por 100 mil habitantes.

Neste momento existem 65 concelhos de risco moderado, 86 de risco elevado, 80 de risco muito elevado e 47 de risco extremamente elevado. As regras específicas para cada concelho podem ser vistas no site Estamos On.

Aeroporto de Beja pode ser a solução para distribuir vacinas para a covid-19

Zé LG, 20.11.20

aeroporto-beja_0.pngPaulo Soares, especialista em aviação, admitiu que o aeroporto de Beja pode ser a solução para fazer chegar as vacinas para a covid-19 ao resto do país, porque não há tempo para construir aviões especiais para o seu transporte, capazes de manter temperaturas extremamente negativas, porque “Só conheço uma arca frigorífica com disponibilidade de espaço: é a que está no Aeroporto de Beja” e porque este está “num sítio isolado, sem congestionamento” e, a partir de lá, as vacinas podiam ser distribuídas “de carro ou em pequenos aviões, também eles preparados, com arcas frigoríficas pequeninas e por pouquíssimo tempo”.

ULSBA criou áreas dedicadas ao atendimento de doentes respiratórios e Covid-19

Zé LG, 18.11.20

202011171650481487.jpgA ULSBA, no cumprimento do Plano da Saúde para o Outono-Inverno 2020-21 e dado o previsível aumento de afluência de utentes com queixas do foro respiratório, criou Áreas Dedicadas para Doentes Respiratórios e Covid-19 (ADR) nos Centros de Saúde de Beja, Castro Verde e Cuba, que já estão em funcionamento.

As ADR destinam-se à avaliação clínica dos doentes com suspeita de infeção respiratória aguda, incluindo os doentes suspeitos de infeção pelo novo coronavírus. O encaminhamento do doente suspeito para as Áreas Dedicadas para Doentes Respiratórios é feito mediante a avaliação da Linha SNS24 ou pelo Médico de Família do Centro de Saúde. Nestas áreas, serão realizados testes à Covid-19, caso seja necessário, e os pedidos pela Linha SNS24. O utente também poderá dirigir-se a estas Áreas de Atendimento Dedicado a Doenças Respiratórias e COVID-19 se apresentar os seguintes sintomas: tosse ou alteração da sua tosse habitual; tosse e dores de cabeça; tosse e dores musculares; febre (38ºC); dificuldade respiratória e diminuição súbita do olfato (cheiro) e/ou do paladar (gosto).

Baixo Alentejo (Distrito de Beja - Odemira) com 202 casos activos de COVID-19

Zé LG, 17.11.20

Covid-BA-768x576.png

Compare-se esta situação, conjunta ou concelho a concelho, com a existente em grandes centros urbanos  e reflitamos até que ponto é que se justifica a aplicação de medidas mais restritivas a concelhos da nossa região. Nós temos fartura de espaço, não andamos aos encontrões uns com os outros... Não considerar a densidade demográfica parece-me um erro.

PCP promove protesto, frente ao Hospital de Beja, para denunciar problemas no acesso à Saúde

Zé LG, 17.11.20

202011161526551255.jpgO PCP promove hoje, pelas 18horas, uma acção de protesto, em frente ao Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, para denunciar os problemas que a população está a viver no acesso à saúde, agravados pela Covid-19.

Bernardo Loff, médico e representante da DORBE de Beja PCP, diz “o que está em causa é o SNS, num contexto de uma pandemia, cujas consequências são imprevisíveis”, destacando que é necessário o “reforço das Unidades de Saúde Pública, assegurando os rácios de médicos, enfermeiros e técnicos de saúde ambiental por habitantes, que estão estabelecidos na legislação, ou a recuperação de consultas presenciais nos cuidados de saúde primários, que pode ser colmatada com o alargamento dos horários de funcionamento, a fixação de um incentivo excepcional, idêntico ao que é aplicado nos hospitais, bem como o investimento na modernização dos sistemas de comunicações e do equipamento informático”. Também aqui.

"Uma porra de discurso!"

Zé LG, 09.11.20

mitos-coronavirus.jpg"E ainda há quem irresponsavelmente considere que as medidas restritivas impostas pelo Governo visem a limitação da liberdade individual, quando o que está em causa é a saúde pública acima de tudo!...Claro que as liberdades dos cidadãos estão limitadas em nome do interesse colectivo, porque assim tem de ser!...Caso contrário, vivemos com despreocupação, como se nada acontecesse, numa espiral de contágios sem fim, porque a malta tem é de olhar para o seu umbigo, mesmo que se ponha em causa a vida dos outros!...Uma porra de discurso!"

Anónimo 09.11.2020, aqui.

O combate a esta pndemia não é uma tarefa de cientistas e técnicos apenas, é uma tarefa que a todos deve envolver

Zé LG, 08.11.20

IMG_5641.JPGTrago aqui esta afirmação, publicada na Visão desta semana, porque sintetiza bem o que tenho considerado desde o início da pandemia. No início, falou-se muito da necessidade de combater um "inimigo invisível", de que muito pouco se sabia. Depois passámos a ser bombardeados com pareceres, opiniões e previsões de cientistas, técnicos, comentadores, que muitos foram desmentidos logo a seguir pelas evidências.

Acho que, em vez de tantos conselhos, alguns o tempo veio mostrar que não passavam de "palpites", se a mensagem se centrasse no essencial - limitar os contactos -, talvez tivesse sido melhor acolhida e evitado medidas desproporcionais. 

Ao contrário do que alguns amigos me acusam, não desvalorizo a gravidade do novo coronavírus, não só para a saúde como para todos os apectos da nossa vida pessoal e colectiva. Por isso mesmo é que insisto tanto na necessidade das medidas tomadas para o controlar serem as mais adequadas e claras, de forma a ganhar-nos a todos para o seu estriro cumprimento.

Virús mata velhos

Zé LG, 03.11.20

Covid-19.png

Desculpem a minha insistência, mas alguém pode dizer que, perante estes números, a estratégia de combate ao novocoronavirus de tratar todos da mesma forma é a melhor, quando estes gráficos ilustram bem como o vírus, por mais que infecte as pessoas até aos 50 anos, mata mais quanto mais velhos somos. E a "culpa" não deve ser atribuída aos moços, como alguns gostam de fazer. Tal como o primeiro ministro não pode relativizar o que passa nos lares, como fez, quando todos os dias há mais lares infectados e morrem mais pessoas neles. Não morrem só nos lares, mas morrem muitos nos lares. E até algumas pessoas mais novas têm morrido "nos" lares. Insisto mais uma vez, definam estratégias para combater o vírus onde ele faz mais estragos, apertem as medidas de prevenção de forma mais cirúrgica, comuniquem melhor. Qual é o moço que se inibe de fazer seja o que for com receio do que o vírus lhe possa lhe possa causar? Aos jovens deve apelar-se ao seu espírito solidário, pedindo-lhes que não contribuam para contagiar os mais velhos.

Vamos todos cumprir as medidas decididas e deixemos análises críticas para depois, defende Francisco George

Zé LG, 02.11.20

mw-860.jpg"Estamos num tempo em que a solidariedade e a união de todos são princípios agora inquestionáveis. É preciso assegurar o cumprimento das medidas decididas, uma vez que, se forem cumpridas por todos, como se pretende, irão reduzir a propagação da atividade do coronavírus", defendeu o ex-diretor da Direção-Geral da Saúde (DGS).
"Mais tarde, olharemos para trás, em análises, não só na dimensão política, como nas decisões tomadas baseadas em provas científicas. Mais tarde, sim, é absolutamente aceitável colocar questões e divergências, mas não agora. Agora é preciso estarmos juntos neste processo".
Francisco George considerou ainda que "é preciso insistir num sexto elemento que muitas vezes não é citado, que é a ventilação", e, neste sentido, disse que é necessário "ventilar as casas, os escritórios, as fábricas e privilegiar o ar livre", porque "Todos reconhecem que é uma medida de prevenção muito eficaz. O risco de se adquirir a infeção em ambiente fechado é muito superior quando comparado com espaços abertos".

Trabalhadores da Administração Local em Luta, marcham até à AR

Zé LG, 23.10.20

202010221943242922 stal.jpgO STAL afirma que o Orçamento do Estado “gora as expetativas dos trabalhadores” e que não “dá resposta às exigências centrais dos trabalhadores da Administração Local”. A marcha nacional que o STAL realiza hoje, tem início às 10.30 horas, na Rua Braamcamp, com destino à Assembleia da República.

Beja mostrou capacidade de resposta ao maior foco de COVID-19 do Distrito

Zé LG, 20.10.20

2020101510104364 mansão.jpg“Confrontados com a situação de maior expressão numérica em termos distritais de COVID-19 registada desde o início da pandemia até hoje conseguimos, no espaço de 48 horas, em articulação e parceria com muitas outras instituições montar a resposta que vai ao encontro das determinações da autoridade de saúde pública da ULSBA que foram conhecidas ao final da tarde de ontem depois de feita avaliação ao estado de saúde de todos os utentes da Mansão….” , escreveu o presidente da Câmara Municipal de Beja.

Tal como critiquei a falta de estratégias mais eficazes na prevenção da COVID-19 nos lares, também devo realçar a capacidade de resposta da Câmara Municipal de Beja , da ULSBA e de todas as entidades da Protecção Civil e que com ela cooperaram ao foco surgido no Lar da Mansão de São José. Podemos não ter aprendido nada a prevenir a COVID-19 nos lares, com o que se passou no Lar de Reguengos de Monsaraz, mas Beja mostrou ter aprendido bem como evitar falhas graves na resposta ao foco surgido no Lar da Mansão de São José. E certamente fará o mesmo relativamente a outros focos.

António Costa cometeu um erro de consequências imprevisíveis

Zé LG, 17.10.20

img_900x508$2019_10_02_09_38_29_890057.jpgO primeiro-ministro, depois de ter afirmado e reafirmado várias vezes que o uso da aplicação StayAway Covid era voluntária, afirmou agora “que não gosta da solução de impor a utilização de máscara e da aplicação StayAway Covid, mas considerou que seria "irresponsável" assistir "impávido" ao aumento consistente dos casos de covid-19.”

Se a obrigatoriedade de utilização da máscara em espaços públicos com muita gente parece ser uma medida razoável, já o anúncio de pretender tornar obrigatório o uso da aplicação StayAway Covid é um erro grave, que poderá provocar mais danos do que vantagens no combate à epidemia.

No momento em que, mais do que nunca, é necessário tomar medidas bem fundamentadas, que sejam compreendidas, tenham a adesão generalizada da população e mantenham as pessoas empenhadas no combate à pandemia, António Costa anuncia uma medida geradora de grande contestação, porque o seu contributo para aquele combate poderá não ser muito e gera suspeitas de poder ser utilizada para outros fins bem menos “saudáveis", aumentando as dúvidas sobre a Covid-19 e, principalmente, sobre o que motiva a aplicação algumas medidas...

AMAlentejo defende “urgência da criação das regiões administrativas”

Zé LG, 06.10.20

20180611215644638.jpgO AMAlentejo recorda que “a descentralização da Administração Pública tem sido adiada com reconhecidos prejuízos para os territórios e para os cidadãos” e que “constituirá o terceiro pilar em falta no triângulo do Poder Local institucional, o pilar intermédio de ligação entre os dois níveis de administração pública já existentes”.

Para o AMAlentejo “a eleição indireta do presidente e de um dos vice-presidentes” não passa de uma “nova forma de nomeação/designação dos dirigentes das CCDRs” e defende a concretização de “um Poder Regional Democrático, Plural, Transparente e Representativo assente na proposta de criação da Comunidade Regional do Alentejo, cujos órgãos devem emergir, exclusivamente, dos eleitos municipais dos 47 concelhos do Alentejo e cuja tutela administrativa se deve conformar à verificação do cumprimento da Lei, sendo exercida nos casos e segundo as formas legalmente previstas.”

“Amigos das Fortes” pedem na AR para serem “salvos da poluição”

Zé LG, 29.09.20

O PCP convidou a Associação Ambiental Amigos das Fortes a caracterizar o problema que estão a viver perante a Comissão Parlamentar de Ambiente. E os Amigos das Fortes pediram para serem “salvos da poluição”, com a qual convivem “há anos”, provocada pela “fábrica de bagaço de azeitona da ZPO”. O PCP chamou, também, a esta Comissão as entidades responsáveis. São ouvidas na quarta-feira, com o objetivo” de “construir um quadro legal que permita o convívio equilibrado nos territórios da produção industrial e do ambiente, assim como chamar as entidades competentes a cumprirem o seu papel”, segundo João Dias, deputado do PCP eleito por Beja e responsável por esta iniciativa.

20180924174604245 Fortes.jpgFátima Mourão referiu que “foi a terceira vez que a Associação esteve na Assembleia da República (AR)” e que “voltou a pedir ajuda porque a população precisa de ser salva”. Recordou que “a fábrica labora 11 meses no ano quando não o devia fazer” e que “a vida nesta aldeia do concelho de Ferreira não é possível nos termos em que a fábrica continua a atuar”.

“Por um modelo de Desenvolvimento Rural Transversalmente Sustentável”

Zé LG, 29.09.20

20200925183634952 rural.jpgO GAIA Alentejo, o Movimento Alentejo Vivo e a Associação Ambiental Amigos das Fortes realizou, em Beja, uma ação pelo mundo rural no dia da Greve Global pelo Clima”. Neste evento foi aprovada uma “Carta Aberta- Por um modelo de Desenvolvimento Rural Transversalmente Sustentável”.
Esta carta aberta, em que solicitam “ações urgentes por parte de quem consideram ter responsabilidades neste processo”, refere, entre outros aspetos que “é essencial corrigir o curso no sentido de um modelo de desenvolvimento efetivamente sustentável, terminando com a poluição na aldeia das Fortes, revogando o perímetro de rega do Mira, criando corredores ecológicos e ilhas de biodiversidade em redor das povoações, habitações, espaços públicos e massas de água, assim como implementar zonas estratégicas para os próximos três anos.”

Como é que se luta pela Saúde de uma região

Zé LG, 23.09.20

amp.jpg“Com decência, seriedade e honestidade. Com propostas realistas de soluções e sem populismo. Com conhecimento de causa e, sobretudo, sem escamotear a situação pandémica que se vive a nível mundial.
Outras alturas houve em que as dificuldades tb comprometeram as soluções e, outras ainda, em que foi a falta de vontade política - e as opções políticas feitas em relação ao SNS - do poder central que determinaram desinvestimento.

Em rigor e honestamente alguém consegue afirmar que a situação da Saúde na região é um problema novo? Onde estava o PSD qdo foi governo e qdo tinha uma deputada eleita pelo distrito de Beja? Sugiro que vá procurar declarações da Nilza de Sena feitas sobre a Saúde na região, e sobre a ULSBA em particular, na altura em que era deputada e que as compare com o que agora é dito pelo partido que a elegeu.
Estou particularmente à vontade, tenho lutado pela melhoria da Saúde na região com todas as minhas forças, vim para Beja na vigência do anterior CA - que sempre me deu o apoio que pôde - e sou testemunha do esforço do atual CA - que me apoia na luta pela melhoria da Saúde Mental na região como pode -, em particular da sua Presidente.
Injustiça, maldicência e populismo barato não são o caminho em política.”

Ana Matos Pires 23.09.2020, aqui.

“Beja pode ser a capital ibérica contra a desertificação”

Zé LG, 17.09.20

Costa_e_Silva_3.jpgOutra das medidas defendidas pelo professor e consultor (António Costa Silva ) prende-se com a criação de geoeconomias favoráveis à inovação ao longo da fronteira com Espanha, em regiões progressivamente isoladas e envelhecidas. “Beja pode ser a capital ibérica contra a desertificação”, exemplificou o professor, que imagina para a cidade polos semelhantes aos desenvolvido no Fundão.