Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

"e eu não sei se ainda estou viva"

Zé LG Zé LG, 24.12.19

breviário.jpg“A mesa está posta. Os pratos brancos com flores azuis à volta e ao centro um cavalinho sobre uma ponte. Os garfos, as facas, os guardanapos e os copos. A toalha é aquela, de linho bordado a azul, com flores e pássaros que levam nos bicos cerejas vermelhas. As cadeiras são quatro: a minha, a do meu irmão, a do meu pai e a da minha mãe.

  Todos os anos, na noite de Natal, faço a ceia, ponho a mesa e espero a chegada deles.

  Levei todo o dia a cozinhar: carne de porco com amêijoas, uma galinha acerejada, arroz-doce e filhós, para a sobremesa. Comprei aquele vinho abafado que o meu pai e o meu irmão tanto gostam. Sempre fiz assim.

 Estou velha e cansada de viver.

 Esperei até tarde, porque o meu irmão vinha da vila. Depois, sentei-me ao lume e adormeci. Quando acordei, era de madrugada, já as pessoas tinham vindo da Missa do Galo, já o sino badalara, já em todas as casas se tinham aberto os presentes. Espreitei a rua, mas só vi silêncio e sombras. Tudo parado. Tudo morto como as casas. Levantei os pratos, os garfos, as facas, os guardanapos, os copos, a toalha de linho. Depois, pus umas coisas no guarda-louça e outras na arca. A comida, dei-a aos cães porque o meu pai já morreu, a minha mãe já morreu, o meu irmão já morreu, e eu não sei se ainda estou viva.”

 

 

Conto de Joaquim Mestre, retirado do seu livro Breviário das Almas – colectânea de contos com que ganhou o Prémio Manuel da Fonseca 2008 -, editado pela Oficina do Livro, que publiquei aqui há 10 anos.

Bejense Elsa Bicho lança “O Porteiro do Elefante Branco”

Zé LG Zé LG, 23.11.19

Elsa-Bicho-768x432.jpgNa sua obra, já está à venda nas livrarias, a jornalista bejense conta as histórias de Manuel Ribeiro, o “guardião” de uma das casas da noite de Lisboa, mais falada do país.
Nas cerca de 160 páginas, Elsa Bicho descreve as peripécias, e desmistifica o “ícone”, que “nos finais dos anos 80, princípio dos anos 90 foi ponto de passagem obrigatório de empresários, políticos e futebolistas”.
A autora espera que os leitores “encontrem momentos de descompressão”.

Saber mais aqui.

Paulo Monteiro apresenta “Mariana”

Zé LG Zé LG, 15.11.19

mariana.jpgMariana é o nome do livro de Paulo Monteiro que irá ser apresentado no dia 15, sexta-feira, às 16:30 horas, no Museu Regional de Beja, no âmbito das comemorações dos 350 anos das Cartas Portuguesas, de Mariana Alcoforado. Feito a pensar “nos miúdos do 1.º e 2.º ciclos”, conta, “de uma forma muito simples”, a história do amor entre a freira bejense e Chamilly. As 19 pranchas de banda desenhada que constituem o livro poderão já ser apreciadas no museu, onde permanecerão até meados do próximo mês de dezembro.