Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Apresentação pública em Cuba do livro de BD Fialho de Almeida – Um Homem Sem Medo

Zé LG, 03.12.21

apresentação banda desenhada fialho.jpg

Na sequência da apresentação da BD Fialho de Almeida – Um Homem Sem Medo, no Festival de BD da Amadora (1-11-2021; Paulo Monteiro e Francisca Bicho), bem como das 5 primeiras sessões já realizadas com Alunos (2ºs e 3ºs. Ciclos) do Agrupamento de Escolas de Cuba, foi agendada, entre a Associação e o Autor, Paulo Monteiro, a apresentação pública em Cuba.

Médica da ULSBA publica livro sobre “saúde mental para todos”

Zé LG, 27.11.21

Livro-Não-Há-Mal-que-sempre-dure-1-768x576.jpg“Não há mal que sempre dure” é o título do livro, recentemente, publicado da autoria de Mariana Duarte Mangas, médica interna da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA), e recém especialista em Psiquiatria, com o apoio do Programa Nacional para a Saúde Mental.
O livro “dirigido a pequenos e graúdos”, aborda a saúde mental de forma simples, “numa linguagem acessível a todas e a todos, ancorada num trabalho artístico de excelente qualidade estética” tal como destaca Ana Matos Pires, Diretora do Serviço de Psiquiatria da ULSBA, no prefácio do livro. O posfácio é de Júlio Machado Vaz, médico psiquiatra e sexólogo

Ser comunista

Zé LG, 21.11.21

Ser Comunista 001.jpgA cada um segundo o seu trabalho, de cada um segundo a sua capacidade, a cada um segundo as suas necessidades, parecem-me ideias justas, por que vale a pena lutar. Ter como objectivo acabar com a exploração do homem pelo homem, combatendo as desigualdades e pela inclusão parece-me um caminho correcto para alcançar a justiça social. Sei bem que são frases feitas, mas que consubstanciam todo um programa político profundamente humanista, porque visa a emancipação da pessoa humana. Idealista? Certamente que sim! Mas quando deixarmos de prosseguir os nossos ideais e nos acomodarmos ao estabelecido, ao “sempre foi assim e sempre assim será” desistimos de ter um sentido para a vida. Pelo menos, um sentido com sentido.

Prazo para entrega de originais para a 3ª edição do Prémio Literário Joaquim Mestre decorre até ao fim do ano

Zé LG, 02.11.21

202107021023209126.PNGDe acordo com o respectivo regulamento, podem concorrer maiores de 18 anos, portugueses ou estrangeiros a residir em Portugal, a modalidade a concurso é Romance, e o prazo para entrega de originais decorre até 31 de dezembro de 2021. O valor do prémio é de 3000 euros, ao qual acresce a publicação da obra numa editora de referência.

Este Prémio, com uma periodicidade bienal, é instituído pela ASSESTA - Associação de Escritores do Alentejo, em parceria com a Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCAlentejo) e com o apoio do Município Beja.

José Luís Peixoto apresenta "Almoço de Domingo" em Beja

Zé LG, 12.10.21

245049206_4038679696236816_2010143775059808649_n.jCom este novo romance acompanhamos, entre 1931 e 2021, a biografia de um homem famoso – Rui Nabeiro — em paralelo com história do país durante esses anos. No Alentejo da raia, o contrabando é a resistência perante a pobreza, tal como é a metáfora das múltiplas e imprecisas fronteiras que rodeiam a existência e a literatura. Através dessa entrada, chega-se muito longe, sem nunca esquecer as origens.
Num percurso de várias gerações, tocado pela Guerra Civil de Espanha, pelo 25 de abril, por figuras como Marcelo Caetano ou Mário Soares e Felipe González, este é também um romance sobre a idade, sobre a vida contra a morte, sobre o amor profundo e ancestral de uma família reunida, em torno do patriarca, no seu almoço de domingo.

"Foi esta besta que primeiro promoveu a grande desgraça negra"

Zé LG, 10.10.21

Valter.jpg«Enquanto não houver um reconhecimento da barbárie e do erro que a História comporta e nos mantivermos nessa arrogante celebração da figuras, estas vão propender para o erro. Todos sabemos quão valente e importante o Infante D. Henrique foi para a Nação; também podemos saber que ele terá sido o primeiro negreiro. Posso aceitar que uma estátua sua se mantenha erguida; o que não posso aceitar é que, no sopé onde se indicam os feitos, não se indiquem os horrores pelos quais foi responsável. Se a estátua estiver explicada na sua inteira verdade histórica, então pode também servir para fazer justiça para quem descende daqueles que padeceram do mal feito. O Infante D. Henrique estará erguido também como aquele que os povos negros poderão visitar e dizer: "Foi esta besta que primeiro promoveu a grande desgraça negra."» - Valter Hugo Mãe, in entrevista à VISÃO de 7/10/2021.

António Sebastião apresentou o seu livro “Da Esquerda ao Partido Social Democrata e Almodôvar 12 anos”

Zé LG, 04.09.21

AS.jpgSegundo o autor, “o conteúdo de todo o livro é um relato vivo da forma como tudo decorreu, a minha filosofia de estar na vida, o meu entendimento sobre a sociedade e o mundo em que vivemos. A Transferência desta maneira de ser e de estar na vida para o exercício de um cargo público de tamanha responsabilidade como foram os três mandatos à frente da Câmara Municipal. Os meus sonhos, esperanças e de certo modo, ilusões, de que poderia fazer tudo e transformar rapidamente a minha terra numa terra líndíssima, moderna e justa, com desenvolvimento e qualidade de vida para todos os que cá vivessem".

Poeta alentejano Fernando Fitas venceu Prémio Internacional com o livro “Elegia dos pássaros”

Zé LG, 15.08.21

fernando-fitas-Poeta-Campo-Maior-300x200.jpgO livro de poemas “Elegia dos pássaros”, do campomaiorense Fernando Fitas, foi editado em português e castelhano e deu-lhe a vitória do Prémio Internacional de Poesia António Salvado, em que participaram mais de 1200 autores de língua portuguesa e castelhana, oriundos da Europa e da América do Sul.

O poeta explica que, “no fundo é uma metáfora”, em que utilizou os pássaros “para recordar e sublinhar uma série de pessoas da minha família e amigos de Campo Maior, e não só, sendo o livro dedicado ao meu irmão, que já faleceu”.

“Saber mais…Cuidados Paliativos” em livro do IPBeja

Zé LG, 05.07.21

202106281723064943.jpgO Instituto Politécnico de Beja, num exercício de responsabilidade social, concebeu e editou o livro “Saber mais…Cuidados Paliativos”, que surge de uma parceria com a Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP). O livro encontra-se disponível na loja Cubo e na APCP.

O IPBeja, que juntamente com a APCP, desenvolveu uma Pós-Graduação em Cuidados Paliativos, cujas candidaturas estão a decorrer, revela que, o objetivo do livro é ajudar ao esclarecimento de dúvidas em torno do que são e como funcionam os Cuidados Paliativos, ao mesmo tempo que é feita uma visita às instalações do Instituto Politécnico de Beja.

3ª edição do Prémio Literário Joaquim Mestre lançada na “Feira do Livro – Solstício das Palavras”

Zé LG, 27.06.21

Passados dois anos desde o lançamento da primeira edição do Prémio Literário Joaquim Mestre, uma iniciativa promovida pela ASSESTA, em parceria com a Câmara Municipal de Beja e a Direção Regional de Cultura do Alentejo, Luís Miguel Ricardo afirma que “o balanço é francamente positivo”.
O presidente da ASSESTA recorda que, em 2017, quando surgiu a iniciativa, “não havia nenhum prémio literário na região” e “hoje existem três”.  Acrescenta que “ter um Prémio Literário no Alentejo de dimensão nacional”, foi um dos objetivos cumpridos.
Nesta terceira edição, o período de entrega dos trabalhos vai ser estendido até ao último dia deste ano.
Tal como nas edições anteriores, o prémio irá atribuir ao vencedor um valor de 3 mil euros, além de apoio à publicação da obra, numa editora prestigiada.

José Lúcio

Zé LG, 25.06.21

67cd996a1c631c742fe11d61e2eb0bb4.jpg.crdownloadJosé Lúcio é Juiz Desembargador no Tribunal da Relação de Évora. Exerceu funções de Juiz de Direito em Portalegre, Moita, Mogadouro, Torres Novas, Porto e Évora. Foi Juiz Presidente do Tribunal Judicial da Comarca de Beja entre Junho de 2014 e Dezembro de 2020.

Publicou um livro, intitulado "Crónicas do Lidador", em que "reuniu diversos textos relacionados com o exercício dessas funções  de Juiz Presidente", escrito "segundo a norma ortográfica que aprendeu, ignorando o AO90."

Agradeceu-me no mesmo dia em que alvitrei aqui a publicação do seu livro. Mas a sua generosidade não ficou por aqui. Hoje mesmo, veio ter comigo ao meu local de trabalho, para me agradecer presencialmente aquele alvitre e oferecer-me um exemplar do seu livro.

Nos tempos que vivemos, é muito gratificante e devemos reconhecer estas atitudes, porque caracterizam bem a personalidade de quem as pratica. É um bom motivo para não desmorecermos e continuarmos a acreditar que a natureza humana não tem de ser como muitas vezes se evidencia, pelos piores motivos.

Bem haja, Dr. José Lúcio!

José Lúcio, Juiz Desembargador, publica “Crónicas do Lidador”

Zé LG, 12.06.21

Cronicas-do-Lidador_800x800.jpegNo prefácio José Lúcio destaca que “o livro nasce do exercício das funções de juiz e só nesse contexto deve ser compreendido, tendo a pretensão de conter ideias com alcance mais geral”.

O magistrado que exerceu funções de Juiz Presidente do Tribunal Judicial da Comarca de Beja (TJCB) desde junho de 2014 e 31 de dezembro de 2020, considera que “foi uma importante parcela da minha vida e queria dela guardar algum documento”, justificando que as crónicas publicadas no Lidador Notícias “tinham a preocupação de comunicar, nomeadamente com o exterior, de modo a que as realidades da justiça, estivessem também acessíveis aos olhares do cidadão comum”.