Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“parecem estar a surgir novas formas de censura, controle da liberdade de expressão e até outras formas de opressão social”

Zé LG, 18.05.20

«O problema da liberdade de expressão nos nossos tempos, ou seja aqueles que vivemos. Leva-nos a bastantes reflexões, mas sobretudo a que tenhamos sempre presente, que nunca será um ganho garantido.
...
Só que, e embora não seja apenas de hoje, passados que foram todos estes anos e mesmo com um regime democrático institucionalizado; ou é impressão minha, ou parecem estar a surgir novas formas de censura, controle da liberdade de expressão e até outras formas de opressão social.
E um dos argumentos que se usa para as justificar continua a ser o mesmo de sempre, “... um dos problemas do uso abusivo da liberdade de expressão ...., para além covardia abjecta posta a nu sob anonimato!" sic. Esquecendo-se que quase sempre, quem usa o anonimato, é porque acha que tem qualquer coisa a dizer e tem motivos para não confiar em nada e ninguém.»

Anónimo 17.05.2020, aqui.

«um dos problemas do uso abusivo da liberdade de expressão»

Zé LG, 17.05.20

«… Na generalidade dos assuntos que o LG tem colocado com pertinência neste espaço, têm-se gerado não raras vezes, discussões profícuas, saudáveis, transformando o blog Alvitrando num espaço de cidadania fundamental mas também é verdade que nesse espaço democrático posto à disposição de todos nós, há infelizmente lugar para manifestações de boçalidade, brejeirice e imbecilidades de toda a espécie que em nada contribuem para o objectivo de um blog!… Pois é um dos problemas do uso abusivo da liberdade de expressão que nestes casos serve para muito pouco, para além covardia abjecta posta a nu sob anonimato!… Muito pouco edificante diga-se em verdade.

Ecce homo». - Anónimo 14.05.2020, aqui.

Francisco Miguel, um lutador antifascista: Cinco prisões. Quatro fugas das cadeias fascistas. 21 anos de prisão.

Zé LG, 24.04.20

10426165_727398714036177_5910769885301481920_nFM.j"Homem franzino, discreto, pouco expansivo, de uma grande sensibilidade, era amado por todos no PCP. Um símbolo, pela sua vida de décadas (66 anos) ao serviço dos seus ideais e pelo comportamento exemplar que sempre tivera na polícia e nas cadeias. Homem de grande afabilidade, era muito acarinhado por quem privava com ele. Foi exemplar na sua dedicação à luta antifascita, na coragem com que enfrentou as mais duras provas a que foi submetido e pela modéstia com que falava da sua vida e do seu passado.
Cinco prisões: 1938, 1939, 1947, 1950 e 1960. Quatro fugas das cadeias fascistas.
Destacado dirigente do PCP, Francisco Miguel Duarte nasceu em Baleizão, a 18 de Dezembro de 1907 e morreu a 21 de Maio de 1988. Operário, filho de camponeses pobres, abraçou a causa da luta pela liberdade e justiça social quando era ainda muito jovem. Foi um dos dois presos políticos que mais tempo passaram na cadeia: um total de 21 anos, 10 dos quais no “Tarrafal". Julgado nos tribunais fascistas, evade-se por 4 vezes, durante o cumprimento das penas, e regressa sempre à luta."  Leia o resto aqui.

«Retirem-nos a liberdade - o abominável consenso»

Zé LG, 20.04.20

65028485_10157431962677430_6594661359449800704_n I«Tenho medo da dormência em relação à restrição das nossas liberdades. É fundamental que lutemos pelos direitos sociais, mas uma sociedade que reage com alívio à restrição da sua liberdade, uma sociedade que normaliza o sobrevoo de dromes, uma sociedade que não debate a restrição das suas liberdades, não anda bem.»

Isabel Moreira, in VISÃO, de 16-04-2020.

"Eutanásia é dar uma última escolha a alguém que chegou ao fim da linha..."

Zé LG, 19.02.20

86229103_3363635653653126_996108868490625024_o tia"...

Gosto de ver as pessoas que não têm males nem doenças a fazer manifestações a favor da vida...
Como podem vocês representar-me se nunca passaram pelo que tenho de passar diariamente?
Como podem vocês saber o que é passar dias, semanas, meses presos a uma cama onde a única coisa que se mantém a connosco é o sofrimento e a dor??

Eutanásia não é matar velhinhos só porque sim...
Eutanásia é dar uma última escolha a alguém que chegou ao fim da linha...
É deixar alguém partir com uma última gota de dignidade...

Quando chegar ao fim da minha linha, gostava de poder escolher ir embora deste mundo, rodeado de família e amigos no meio de sorrisos e de uma conversa animada e não no fim de meses e meses preso a uma cama sendo apenas um inútil que só dá trabalho.

Só vos peço isso, deixem-me ter essa escolha..."

 

“Capacidade de nos colocarmos no sapatos de outros”

Zé LG, 12.11.19

"Uma das características que valorizo é a capacidade de nos colocarmos no sapatos de outros, e sim, já aqui li comentários bastante ofensivos à honra e honestidade de diferentes pessoas.
O grau de ofensa é subjectivo, já vi que o sr , sendo assim , é mais tolerante à ofensa ou palavreado do que outros. ... se estas situações para o sr já se vão vulgarizando ao ponto de achar normal, o mesmo já não dirão os visados, pode ser que um dia o feitiço se vire contra o feiticeiro e então lhe doam os calos.
Anónimo 09.11.2019 15:58", aqui.

“Uma mentira mil vezes repetida torna-se verdade”?

Zé LG, 28.09.19

Camilo

Quartel.jpg

… outro aspeto que aparece não poucas vezes nas citadas redes sociais: a associação da prática antifascista de Camilo Mortágua (avaliando-a de modo depreciativo) à atividade política das suas filhas, o que não deixa de ser uma atitude, no mínimo desonesta. O que, de facto, os que o fazem não conseguem aceitar é ver a Mariana e a Joana prosseguirem, não uma “carreira política” baseada em amiguismos e outros esquemas mas, a exemplo do pai, a defesa dos ideais e das causas em que acreditam, através da luta política. E, numa altura, em que se apela a que mais jovens e mais mulheres participem na vida política, não deixa de ser um paradoxo que essas duas jovens mulheres sejam criticadas apenas por serem filhas do antifascista e revolucionário Camilo.

José Filipe Murteira

Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto promove conferência sobre Sofia Pomba Guerra

Zé LG, 28.11.18

Cartaz CEAUP.jpgEsta sexta-feira, 30 de Novembro de 2018, irá realizar-se uma conferência sobre “Sofia Pomba Guerra: uma anti-fascista portuguesa na lutaanti-colonial”, promovida pelo Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto. Os oradores convidados são os investigadores Carlos Lopes Pereira e Luís Carvalho. Terá lugar no Anfiteatro Nobre da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, às 17 horas.

Farmacêutica e professora, a alentejana Sofia Pomba Guerra foi uma destacada intelectual, feminista e resistente anti-fascista em Moçambique e na Guiné. O seu apoio à luta contra o colonialismo seria enaltecido por Amílcar Cabral e pelos primeiros presidentes de Cabo Verde e Guiné Bissau, Aristides Pereira e Luís Cabral. Foi presa política sob a ditadura de Salazar em Moçambique e em Portugal (no forte de Caxias).

Nascida em 1906, em Elvas, veio a falecer em 1976, em Lisboa (não em Cascais, como anteriormente divulgado). Foi homenageada pela Casa do Alentejo no passado mês de Outubro.

Homenagem a Sofia Pomba Guerra: destacada feminista e anti-fascista alentejana

Zé LG, 13.10.18

Cartaz para Sofia.jpg

 

Sofia Pomba Guerra.jpg

 

 

 

 

Sofia Pomba Guerra (Elvas, 1906 – Cascais, 1976)farmacêutica e professora, foi uma destacada feminista e resistente anti-fascista em Moçambique e na Guiné.

O seu apoio à luta contra o colonialismo foi enaltecido por Amílcar Cabral e pelos primeiros presidentes de Cabo Verde e Guiné Bissau, Aristides Pereira e Luís Cabral.

Foi presa política em Moçambique e em Caxias (1949/50).

MORREU JOSÉ MANUEL TENGARRINHA

Zé LG, 30.06.18

José Manuel Tengarrinha, fundador do MDP/CDE, morreu ontem, aos 86 anos.

tengarrinha.jpg

Professor catedrático jubilado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, jornalista, escritor, investigador, político, cofundador do MDP/CDE, José Manuel Tengarrinha foi deputado à Assembleia Constituinte, em 1975-76, e nas quatro primeiras legislaturas, até 1987.

Antes do 25 de Abril, participou e liderou a constituição da Comissão Democrática Eleitoral (CDE), nascida em Lisboa, que se estendeu a mais distritos do país, para disputar as eleições de 1969, em plena ditadura do Estado Novo.

Detido várias vezes pela PIDE, a polícia política do fascismo, Tengarrinha esteve preso na Cadeia do Aljube, em Lisboa, e no Forte de Caxias, de onde foi libertado nos dias que se seguiram à queda do anterior regime.

O corpo vai no domingo, às 18:00, para a Basílica da Estrela, em Lisboa, de onde sairá na segunda-feira para cremação, numa cerimónia reservada à família.

MORREU VARELA GOMES, O OPERACIONAL DA REVOLTA DE BEJA

Zé LG, 27.02.18

c53ae42b274a569a9a1f55833b6a82dd.jpg

Morreu esta segunda-feira João Varela Gomes. O coronel foi, durante a guerra colonial, o primeiro a pegar em armas contra a ditadura de Salazar; e foi, no 25 de Novembro de 1975, o último a depor as armas quando chegava ao fim a "Revolução dos cravos".

Na madrugada de 1 de Janeiro de 1962, o então capitão Varela Gomes dirigiu com Manuel Serra a operação de tomada do quartel do Regimento de Infantaria 3, em Beja.
Varela Gomes afirma que não foi o "autor do golpe de Beja", e atribui o mérito da autoria a Manuel Serra. No que lhe diz respeito, assume-se simplesmente como dirigente operacional da revolta. E nessa qualidade, admite, não deveria ter sido ele a empreender a prisão do segundo comandante do quartel, major Calapez Martins. Daí resultou ser ferido com gravidade e ser derrotada a revolta logo na sua fase inicial.

MORREU UM COMBATENTE! ATÉ SEMPRE ALÍPIO DE FREITAS!

Zé LG, 13.06.17

e9b5ef767d72cff8cb6edadf8aca0e2c.jpg

Foi padre português, revolucionário brasileiro, cooperante em Moçambique. Privou com os grandes do mundo em Moscovo e partilhou a sorte dos camponeses no sertão nordestino. Preso, torturado, libertado, voltou a Portugal e foi jornalista da RTP. Natural de Trás-os-Montes, morreu hoje, aos 88 anos de idade.

Embora tivesse perdido completamente a visão nos últimos anos, Alípio de Freitas continuava a ser uma presença constante, sempre guiado pela sua companheira Guadalupe, em movimentos de solidariedade internacional ou de protesto cívico. Ainda há poucos dias, recém-saído de um internamento hospitalar, interveio de forma marcante numa cerimónia realizada no Museu do Aljube.

O velório de Alípio de Freitas tem lugar hoje, terça feira, a partir das 18 horas, na Basílica da Estrela. O funeral realiza-se amanhã, quarta-feira, (12 horas) para o cemitério do Alvito, Alentejo, onde viveu uma parte dos seus últimos anos.

PARQUE INFANTIL DO BAIRRO RESIDENCIAL DA BA11 ABERTO A TODA A POPULAÇÃO

Zé LG, 10.06.17

04_1065.JPG

Encarrega-me o Exmo. Senhor Comandante de informar os militares e funcionários civis da Unidade do seguinte:
A instalação do Parque Infantil no Bairro Residencial da BA11 resulta de um Protocolo estabelecido com o Município de Beja, onde a Força Aérea disponibiliza um terreno sob a sua administração e a Câmara Municipal de Beja constroi e assegura a manutenção do equipamento.
Apesar do espaço ocupado pelo Parque Infantil se encontrar dentro de um complexo residencial militar, os cidadãos que residem na cidade de Beja, onde se inserem também os militares da Força Aérea, terão livre acesso ao Parque, apenas com as limitações inerentes à normal e prudente utilização do espaço.
Durante o horário de verão o referido complexo estará disponível entre as 09H00 e as 21H00.

Antenciosamente,
CAP Tomás

Anónimo a 9 de Junho de 2017 às 22:26, AQUI.

MORREU MIGUEL URBANO RODRIGUES

Zé LG, 27.05.17

O jornalista, escritor e pensador Miguel Urbano Rodrigues faleceu, aos 91 anos. Natural de Moura, era filho de Urbano Rodrigues e irmão de Urbano Tavares Rodrigues.

transferir.jpg

O antigo jornalista do Diário de Notícias entre 1949 e 1956 e chefe de redacção do Diário Ilustrado (1956 e 1957) exilou-se no Brasil durante a ditadura, onde foi editorialista de O Estado de S. Paulo (entre 1957 e 1974) regressou a Portugal após o 25 de Abril. Foi director do jornal O Diário, chefe de redacção do Avante, militante do PCP e um dos maiores pensadores da esquerda portuguesa.

Publicou em Portugal e no Brasil mais de uma dezena de livros, desde textos políticos a obras de ficção.

Foi deputado à Assembleia da República pelo PCP entre 1990 e 1995 e deputado às Assembleias Parlamentares do Conselho da Europa e da União da Europa Ocidental.

Numa entrevista a Ana Lourenço na SIC Notícias, em 2008, Miguel Urbano Rodrigues dizia que o «século XXI vai ser um século de novas revoluções», aludindo a poderes que “promovem a desigualdade social”.

 

O corpo estará em câmara ardente a partir das 14h00 de domingo, 28 de Maio, no Centro Funerário da Lapa (junto à igreja da Lapa, R. de São Brás, nº1, 4000-494 Porto). O funeral será segunda-feira, 29 de Maio, às 16h00. 

 

À família e ao PCP apresento os meus sentidos pêsames.

“OS QUE TÊM MEDO DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO GOSTARIAM DE VÊ-LOS SILENCIADOS”

Zé LG, 17.02.17

“Baixo nível é o daqueles lambe botas ou lambe cús que bajulam autarcas, chefes, conselhos de administração e que usam os poucos blogues que ainda restam como símbolo da liberdade de expressão, para vomitar os seus ódios de estimação, as suas frustrações pessoais e os insultos anónimos a quem dão palmadinhas nas costas no outro dia.
Continuem, autores do Alvitrando e do Praça da República. Os bejenses e a democracia agradecem. Os que têm medo da liberdade de expressão gostariam de vê-los silenciados, mas não têm essa sorte e ainda bem.

Anónimo a 16 de Fevereiro de 2017 às 23:48”, AQUI.

"NESTES SÍTIOS NÃO SE PODE TUDO"

Zé LG, 16.11.16

Já aqui escrevi um dia que o mundo virtual, como o real, tem regras, algumas até são coincidentes - como a possibilidade de defender o bom nome e de não nos apetecer contemporizar com delitos de injúria, difamação ou ameaça. 

...
Estes sítios são locais de conversa, tertúlia, discussão, são até locais de graçolas, picardias (algumas acesas) e insultos, mas não se pode tudo e, sobretudo, tem que se assumir as consequências do que dizemos ou escrevemos, sempre. Eu assumo, sempre. 

Sim, fiz queixa ao Ministério Público.

PS: nada tenho contra o anonimato, como também já referi por aqui, acho legítimo e despoluidor de discussão, é conversa de "cabeça contra cabeça", só dá mais responsabilidade ainda.

Ana Matos Pires

 

Puxa! Se eu fui infeliz (vou enviar o teu post aos Amigos do PNR aqui em beja, vão-te fazer a folha "dra”) você está a ser precipitada, não foi mais que uma saida infeliz, irrefletida, apenas para a " provocar" se imaginasse que poderia levar a coisa tão a sério não o teria feito garantidamente, desculpe a parvoice.

Anónimo

 

Espero sinceramente que a destinatária da ameaça tenha feito queixa à polícia. É muito fácil descobrir a identidade do autor do comentário através do IP (e todos os blogs guardam o IP dos comentadores). A maioria das pessoas tende a esquecer que o quadro legislativo português - e uma ameaça destas é um crime - também se aplica online.

Anónimo

 

AQUI