Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

CEBAL iniciou projeto para promover o amendoal no Alentejo

Zé LG, 11.01.21

202101071530151997.jpgO Centro de Biotecnologia Agrícola e Agroalimentar do Alentejo aposta na fileira dos frutos secos, através da transferência de conhecimento e tecnologia para a promoção, diferenciação e competitividade do amendoal no Alentejo.

O CEBAL iniciou um novo projeto intitulado “Inov-Amendo-AL: Microenxertia in vitro de amendoeiras de valor acrescentado para a promoção do amendoal no Alentejo”, que procura potencializar a competitividade do setor dos frutos secos no Alentejo, nomeadamente de amêndoa, através da introdução no mercado de plantas de amendoeira sadias e de valor acrescentado, obtidas com o auxílio de ferramentas biotecnológicas inovadoras.

Dois projetos da Escola Secundária de Odemira premiados na 14ª Mostra Nacional de Ciência

Zé LG, 09.12.20

Odemira-768x576.jpgDois projetos da Escola Secundária Dr. Manuel Candeias Gonçalves, de Odemira, foram premiados na 14ª Mostra Nacional de Ciência, promovida pela Fundação da Juventude. Este ano, o evento decorreu no formato online, em função da atual situação de pandemia.

O projeto “Influência de um herbicida na fauna edáfica: ensaios de evitamento com Eisenia foetida”, dos alunos Raquel Pacheco Martins, Timo Cláudio Dieter Kolb e Tomás Fernandes Matos, recebeu dois prémios: o Prémio Porto Editora, no valor de 300 euros, e a participação na International Wildlife Research Week (Swiss Youth in Science), uma semana de investigação da vida selvagem nos Alpes (https://sjf.ch/studienwoche-iwrw/).

O projeto “Escaravelhos bosteiros – um auxiliar precioso”, realizado por Paulo Alfeirão e André Silva, recebeu uma menção honrosa.

Mais de 130 PME andaluzas e do Alentejo e do Algarve capacitadas e 45 novos produtos agroalimentares criados

Zé LG, 29.11.20

081020131207-372-empresas.jpgMais de 130 micro e pequenas agroalimentares da Andaluzia e de Portugal (regiões do Algarve e do Alentejo) receberam formação e assessoria na área de inovação e desenvolvimento de novos produtos agroalimentares. Foram desenvolvidos 45 novos protótipos de produtos agroalimentares e realizados 26 testes de mercado dos mesmos, em mercados e lojas da Andaluzia do Alentejo e do Algarve. No Alentejo, o projeto foi liderado pela ADRAL – Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo e envolveu, na sua totalidade, um conjunto de 37 empresas/entidades.

Estes são os resultados do Prototyping AAA +, um projeto transnacional desenvolvido ao longo dos 3 últimos anos, na Eurorregião AAA + (Andaluzia, Algarve e Alentejo), que pretendeu melhorar a competitividade e rentabilidade das PME agroalimentares nestes territórios. Para isso, desenvolveu um serviço de apoio às micro e pequenas empresas para a colocação de novos produtos no mercado, de forma rápida, barata e sem riscos.

Castrense Helena Alegre distinguida com prémio atribuído pela Associação Internacional da Água

Zé LG, 28.11.20

15134775_1184440501648094_6178976133761297969_n (1Helena Alegre, 59 anos, natural de Castro Verde, licenciada e doutorada em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico, tem dedicado a vida profissional à Engenharia Sanitária e Ambiental, no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), onde é investigadora. É atualmente diretora do Departamento de Hidráulica e Ambiente do LNEC, uma unidade de investigação aplicada que cobre desde a hidráulica marítima, costeira e estuarina até aos recursos hídricos, às obras hidráulicas e à engenharia sanitária.

Helena Alegre, “cidadã do mundo que muito se orgulha de ser castrense”, foi distinguida, no passado mês de outubro, em Brisbane, na Austrália, com o prémio Contributo Extraordinário para a Gestão da Água e para a Ciência, atribuído pela Associação Internacional da Água (IWA). Esta distinção insere-se no IWA Recognition & Awards Programme, que bienalmente reconhece três membros da associação, um por cada categoria do programa, que tenham dado importantes contributos para a gestão da água a nível mundial.

"Libertem as crianças"

Zé LG, 14.11.20

IMG_3999.JPG"As crianças estão a ser impedidas de viver a infância de forma plena. Há um aprisionamento progressivo no contexto familiar, escolar e comunitário. O tempo de ser criança foi invadido por uma ditadura de agendas e actividades organizadas pelos adultos que não as deixam brincar livremente, em contacto com a natureza."

"Num estudointernacional da Unilever, demonstrou-se que os presos têm mais tempo livre fora das celas do que têm as crianças no seu dia a dia. É uma imagem fotíssima e preocupante. Deu origem a uma campanha cujo título era precisamente "Libertem as crianças". Como é possível as crianças não terem direito a brincar ao ar livre? Não é com brinquedos que têm de brincar, é com materiais que a Natureza oferece."

Carlos Neto, em entrevista à VISÃO, na edição da semana passada.

Aves marinhas fortemente afetadas por lixo da pesca, segundo investigação da Universidade de Aveiro

Zé LG, 01.11.20

A investigadora Rute Costa.jpgO lixo marinho, principalmente o material descartado ou perdido com origem em atividades piscatórias, tem consequências severas para a conservação das aves marinhas. O alerta é de um grupo de biólogos da Universidade de Aveiro (UA) que, durante dez anos, estudou as causas que levaram milhares de aves feridas ou mortas até ao centro de reabilitação de animais marinhos que atua na costa centro de Portugal.

Durante o período de estudo (2008-2018) foram analisadas as 2918 aves marinhas de 32 espécies que deram entrada no Centro de Reabilitação de Animais Marinhos do ECOMARE. Entre as causas de admissão das aves – entre elas, captura acidental, trauma, emaciação, doença ou intoxicação – quase 6,9 % (201 aves) traziam sinais de emaranhamento. Destas, 82 % dos casos referem-se a materiais relacionados com a pesca como anzóis, linhas e redes.

 

 

ACOS reforça capacidade do Laboratório de Química para responder ao aumento da procura

Zé LG, 07.10.20

202009291628312343.jpgA funcionar durante todo o ano, o Laboratório de Química da ACOS está agora a reforçar a equipa para dar resposta ao aumento da procura relacionado com o início da campanha da azeitona. As análises à azeitona são também um instrumento objectivo de apoio ao processo de decisão sobre o momento ideal para a colheita.
Este ano a ACOS adquiriu mais equipamentos para o Laboratório de Química e aumentou a oferta de análises de azeite ao encontro das necessidades dos produtores. Com mais estes equipamentos, passou a ser possível fazer no Laboratório da ACOS uma grande parte das determinações analíticas necessárias à classificação do azeite como virgem extra, virgem ou lampante, categorias definidas em regulamentos comunitários.
O laboratório de Química da ACOS tem actualmente disponíveis análises de rendimento e qualidade em azeitona, análises de bagaço de azeitona, de qualidade e de pureza do azeite e ainda análises ao óleo de bagaço de azeitona.

Novo sumo da Compal com sabor a Figo da Piteira do Alentejo

Zé LG, 07.09.20

figo_india.pngEra um segredo bem conhecido dos alentejanos que, desde sempre, foram muito apreciadores das qualidades e propriedades dos figos da Índia. Conhecido por vários nomes: piteira, tabaibo, figo do diabo etc. mas mais conhecido é mesmo por figo da Índia (Opuntia ficus-indica).

No Alentejo, são acompanhamento de várias comidas como o gaspacho ou a sopa de tomate. Pode comer-se de várias formas, fresco ou seco, mas também em sumos ou até bebidas alcoólicas e, apesar de sempre ter sido consumido em Portugal de forma esporádica e por pouca gente, em 2009, a cultura do Figo da Índia conheceu um enorme crescimento e foi até criada uma associação para os proteger, a AFROFIP.

Têm sido produzidas cerca de 80 toneladas de figos da Índia por ano, e a conhecida marca nacional de sumos, a Compal, lança agora um sumo com sabor Figo da Piteira do Alentejo, oriundo de Cortiçadas de Lavre, concelho de Montemor-o-Novo.

“Livro Novo dos Usos e Costumes da Freguesia de Santa Catharina de Pardaes” disponível na Câmara Municipal de Vila Viçosa

Zé LG, 06.09.20

Livro Novo dos Usos e Costumes da Freguesia de SanA Câmara Municipal e as Edições Vieira da Silva editaram o “LIVRO NOVO DOS USOS E COSTUMES DA FREGUESIA DE SANTA CATHARINA DE PARDAES”, uma análise, enquadramento e transcrição do manuscrito do Padre Joaquim Espanca, que contem informações detalhadas sobre esta freguesia de Vila Viçosa, nos séculos XVIII e XIX, que resultou de um projeto de investigação desenvolvido por Rute Pardal e Tiago Salgueiro, durante os últimos quatro anos, no Arquivo Histórico Municipal de Vila Viçosa, onde se encontra o documento original.

Ministério Público abre inquérito a mortes em Lar de Reguengos de Monsaraz

Zé LG, 11.08.20

imgLoader2.ashx.jpgO Ministério Público (MP) instaurou um inquérito sobre o surto de covid-19 num lar em Reguengos de Monsaraz, que já provocou 18 mortos, revelou a Procuradoria-Geral da República (PGR), revelando que o processo corre termos no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora.

Descoberta em Reguengos de Monsaraz estrutura “única na Pré-História da Península Ibérica”

Zé LG, 06.08.20

Um “Woodhenge”, uma versão em madeira de Stonehenge mas com data anterior, foi descoberto em escavações arqueológicas no complexo dos Perdigões, em Reguengos de Monsaraz.

escavacoes.pngO arqueólogo responsável, António Valera, revela que esta estrutura: é “única na Pré-História da Península Ibérica”;  “seria composta por vários círculos concêntricos de paliçadas e alinhamentos de grandes postes ou troncos de madeira, a qual foi já exposta em cerca de um terço da sua planta”; é “uma construção de carácter cerimonial”, conhecida apenas na Europa Central e nas Ilhas Britânicas com as designações de “Woodhenge”, “versões em madeira de Stonehenge”, ou “Timber Circles” (círculos de madeira); e, ainda, que “esta é a primeira a ser identificada na Península Ibérica, estando datada entre 2800-2600 antes de Cristo (a.C.), ou seja, será anterior à construção em pedra de Stonehenge [em Inglaterra], para a qual se tem avançado uma cronologia em torno a 2500 a.C.”.

Novadelta lidera ranking das empresas com mais invenções em 2019

Zé LG, 01.08.20

Delta.jpgA Novadelta, do Grupo Nabeiro, ocupa a primeira posição do ranking das empresas portuguesas com mais pedidos de registos de invenções em 2019. A tendência é para continuar, com foco na inovação e na proteção de propriedade industrial. Só este ano, a Novadelta registou cinco patentes nacionais e outras tantas internacionais.

Com o objetivo de continuar a aposta na área da inovação, a Novadelta constituiu o Diverge, o Centro de Inovação do Grupo Nabeiro, que já conta com 33 patentes internacionais. Este centro de inovação “trabalha transversalmente com todas as áreas do Grupo e unidades de negócio, garantindo o alinhamento e efetivando a sua estratégia de inovação”, explica Cláudia Figueira, head of innovation do Grupo Nabeiro.

Prioridades na gestão da água e do solo para a sustentabilidade da agricultura no Alentejo

Zé LG, 28.07.20

A sustentabilidade e a equidade no acesso à água e a coesão territorial na região do Alentejo estão em risco devido ao aumento da área de agricultura intensiva no Alentejo por contraponto à escassez de água que se vive na região. Há necessidade de os decisores reverem as prioridades na gestão da água e nas funções do solo, para que haja uma distribuição mais equitativa e racional e com apoios aos diversos agentes económicos.

P1080351.JPGNo Alentejo, o território gerido pelos sistemas agrícolas e florestais é de cerca de 2,6 milhões de hectares (ha). A área regável nesta região (incluindo a extensão do projeto de Alqueva atualmente em fase de conclusão) é de cerca de 372 mil ha, dos quais 217 mil são perímetros de rega públicos e 155 mil pequenos regadios de iniciativa privada. Ou seja, o regadio serve menos de 15% da área do Alentejo. Forçoso se torna concluir que as funções atribuídas à gestão do território e ao fornecimento de bens e serviços públicos terão de ser principalmente desempenhadas pela agricultura de sequeiro e pela silvicultura. Dadas as características da região no que se refere ao clima e aos solos, torna-se necessário reconhecer que os sistemas capazes de sobreviver em condições de sequeiro são os sistemas agro-silvo-pastoris, de que o montado é um exemplo emblemático.

Leia aqui o texto completo, subscrito por um grupo de universitários.

CEBAL com financiamento para novos projetos de Transferência de Conhecimento e Tecnologia

Zé LG, 26.07.20

logo.pngO CEBAL recebeu, recentemente, a aprovação de quatro novos projetos na área da Transferência de Conhecimento e Tecnologia, financiados pelo Programa Operacional Regional do Alentejo – Alentejo 2020 no Sistema de Apoio a Ações Coletivas “Transferência do Conhecimento Científico e Tecnológico”. Os quatro projetos, e respetivas entidades parceiras, são:

- “CynaraTeC – Transferência de TeCnologia para Valorização do Cardo”, CEBAL, IPBeja e UÉvora;

- “LActoMTeC – Tecnologia de Membranas na Valorização Sustentável de Efluentes do Sector dos Lacticínios”, CEBAL;

- “Val+Alentejo - Valorização dos produtos de pequenos ruminantes do Alentejo”, CEBAL e INIAV;

- “Inov-Amendo-AL - Microenxertia in vitro de amendoeiras selecionadas para a promoção do amendoal no Alentejo”, CEBAL.

Com um investimento global superior a 624 mil euros, durante os próximos dois anos, o CEBAL, conjuntamente com as entidades parceiras de cada projeto, irá reforçar o trabalho que tem vindo a desenvolver para o sector Agroalimentar, em matéria de transferência de conhecimento e tecnologia, decorrente das atividades de I&D (Investigação e Desenvolvimento).

Investigadores do CEBAL apresentam projetos de negócio

Zé LG, 22.06.20

bfk rise.pngOs investigadores do CEBAL terminaram a sua participação num programa (Born from Knowledge (BfK) Rise) de aceleração de negócios, concluindo que “foram três meses de capacitação intensiva com a participação de mentores especialistas em diversas áreas, para que projetos nascidos de investigação académica, mas com potencial de negócio, se possam apresentar ao mercado de forma estruturada e convincente”.

 Os resultados são dados a conhecer amanhã, via online a partir das 17h30 para a Edição Alentejo.

Na Edição Alentejo foram selecionados para participar no Programa dois projetos de equipas do CEBAL, ReWhey e HiCass, num total de sete projetos, que terão agora a oportunidade de apresentar as suas ideias de negócio a representantes de entidades institucionais, agentes académicos, investidores e comunidade empreendedora.

Leia mais aqui.

Ossos de grandes dimensões foram encontrados em praia de Sines

Zé LG, 03.05.20

Após terem sido encontrados na Praia da Costa do Norte, os ossos de grandes dimensões, possivelmente de baleia, foram colocados num espaço público, junto ao Laboratório de Ciências do Mar da Universidade de Évora, em Sines, onde podem ser observados pela população.

20200501180355277 ossos.jpg

É possível que “um dos ossos, o mais comprido, seja do maxilar inferior de uma baleia e, o outro, do crânio de um mamífero marinho deste tipo” explicou o investigador João Castro. Com a sua colocação num espaço público, acompanhados de informação científica, poderão ser úteis para “aumentar o conhecimento da vida marinha e a sensibilização das pessoas para a necessidade de proteção dos mamíferos marinhos e dos ecossistemas em que vivem” acrescentou o investigador.

Fundos Comunitários flexibilizados e redireccionados face à Covid-19

Zé LG, 30.04.20

alentejo-2020-1-768x432.jpgRealizou-se uma reunião de trabalho da Autoridade de Gestão do ALENTEJO 2020 com a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa e o secretário de Estado Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Carlos Miguel, de onde saiu a indicação de que “a Comissão Europeia, no âmbito do conjunto de iniciativas de resposta ao combate à Pandemia COVID 19, em especial a Iniciativa de Investimento de Resposta à Crise do Coronavírus (CRII), flexibilizou as regras de acessos aos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI).” Estas medidas permitem agora uma abordagem “muito flexível na resposta” que se pode dar “por via dos Programa Operacional Regional (POR) às necessidades de investimento face aos efeitos da epidemia COVID 19, em particular na área do emprego e da saúde.

No âmbito do combate à Covid-19, o Programa Operacional Regional ALENTEJO 2020 lançou dois concursos para apoiar empresas e instituições científicas e tecnológicas, que mobilizam 2 milhões de euros, através do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, “vão financiar projetos que respondam às necessidades imediatas e a médio prazo do Serviço Nacional de Saúde, bem como a concretização de projetos que permitam fazer face ao aumento exponencial da necessidade de determinados produtos e serviços para o combate ao COVID-19”.

São elegíveis projetos de investigação e desenvolvimento em todas as áreas de atividade associada ao novo Coronavírus. O prazo para apresentação de candidaturas termina a 29 de Maio.

Isolamento, densidade populacional e mobilidade são os trunfos do Alentejo a evitar a COVID-19

Zé LG, 23.04.20

image nuno sousa.jpg"Na origem disto, acho que há três fatores: o isolamento social, a baixa densidade populacional e a menor mobilidade. É uma região do país onde a pirâmide etária é composta por pessoas mais idosas, há menos mobilidade e contacto social e de facto as cadeias de transmissão não tiveram um impacto tão grande", explica Nuno Sousa, presidente da faculdade de Medicina da Universidade do Minho. "Sendo que o rácio de infetados é menor quando comparado com a quantidade de pessoas que vivem no Alentejo. No entanto, não haver mortos é algo que nos deve deixar muitíssimo felizes, mas provavelmente reflete estes três fatores", acrescenta.

Rui Raposo, presidente da Câmara de Vidigueira, acredita que "a menor densidade populacional e o distanciamento social podem ser as razões [para ainda não haver nenhum caso de covid-19 na Vidigueira]. Depois também há o acatar das normas e o trabalho de prevenção que os municípios têm feito junto da população, mas sabemos que de um momento para o outro tudo pode mudar", refere. Por isso, promete não baixar os braços.

IPBeja integra rede que desenvolveu protótipos de ventiladores

Zé LG, 25.03.20

IPBeja-1-768x512.jpgO IPBeja faz parte da rede de dez estabelecimentos de ensino que, num espaço de duas semanas, desenvolveu, dois protótipos de ventiladores, para dar resposta em caso de necessidade, face à pandemia do novo coronavírus.
Os dois protótipos de ventiladores de emergência: um baseado na operação de um motor elétrico e o outro que funciona com base em ar comprimido pneumático, aguardam certificação para poderem ser fabricados.