Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

IPBeja integra rede que desenvolveu protótipos de ventiladores

Zé LG, 25.03.20

IPBeja-1-768x512.jpgO IPBeja faz parte da rede de dez estabelecimentos de ensino que, num espaço de duas semanas, desenvolveu, dois protótipos de ventiladores, para dar resposta em caso de necessidade, face à pandemia do novo coronavírus.
Os dois protótipos de ventiladores de emergência: um baseado na operação de um motor elétrico e o outro que funciona com base em ar comprimido pneumático, aguardam certificação para poderem ser fabricados.

Miguel Bastos Araújo, investigador da Universidade de Évora, aponta relação entre clima e propagação da Covid-19

Zé LG, 17.03.20

imgLoader2.ashx.jpegO investigador Miguel Bastos Araújo, da Universidade de Évora, indicou uma relação entre o clima e características epidemiológicas do novo coronavírus, cuja maior parte dos casos aconteceu em áreas “secas e com temperatura fresca”. Em termos do número de pessoas infetadas no mundo, desde o início de janeiro e até à passada terça-feira, há “uma concentração de casos em áreas com uma temperatura fresca, ali por volta dos seis e dos nove a 10 graus”, indicou, em declarações à agência Lusa.

Segundo o investigador, Prémio Pessoa em 2018 e responsável pela Cátedra na área da Biodiversidade na Universidade de Évora (UÉ), “a maior parte dos casos” de pessoas com a doença Covid-19 verifica-se “em área secas” e “com uma precipitação baixa”, no período da infeção.

Esta relação “que parece haver entre as características epidémicas do vírus e o clima” é um dos resultados de um estudo de Miguel Bastos Araújo e do investigador iraniano Babak Naimi, da Universidade de Helsínquia (Finlândia). No caso de Portugal, exemplificou, “o que se prevê é que, agora, em março e abril, o vírus continue em expansão”, porque “terá condições para isso”, mas espera-se que, “a partir de maio ou junho decaia abruptamente”.

“O que não quer dizer que não continue a haver contágios porque, por exemplo dentro de casa, com ar condicionado, essas são condições ideais para a propagação do vírus. O que se prevê é que seja muito mais reduzida essa propagação, as condições do ecossistema são menos adequadas para o vírus”, completou.

EMAS Beja integra consórcio internacional de promoção da transição para a economia circular no sector das águas residuais

Zé LG, 04.03.20

202003030652501.jpgDe acordo com o administrador-executivo da EMAS, trata-se do projecto "TransForCE", que junta "20 entidades de todo o mundo, formando um consórcio internacional, que pretende agregar conhecimento científico, académico e de gestão, para o desenvolvimento de estratégias e soluções inovadoras para a transição da economia circular aplicada à gestão sustentável das águas residuais".

Segundo Rui Marreiros, "um dos principais pontos fortes do 'TransForCE' é a diversidade e experiência dos parceiros envolvidos e das práticas utilizadas no saneamento de águas residuais orientados para uma economia circular", sendo que os objectivos do consórcio "estão alinhados com as estratégias da Comissão Europeia para o desenvolvimento sustentável".

Daqui, daqui e daqui.

“Frutos Secos do Alentejo – o contributo da Transferência de Conhecimento e Tecnologia na Valorização Económica da Fileira”

Zé LG, 01.03.20

... é o tema do seminário que vai decorrer no dia 12 de março, em Ferreira do Alentejo.

191020171049-882-frutossecos.jpg“No âmbito da sua ação de disseminação do conhecimento e transferência de tecnologia no território de Ferreira do Alentejo”, a iniciativa é organizada pelo Centro de Transferência de Tecnologia (CTT) do CEBAL, em parceria com a autarquia ferreirense. 

A sessão é dirigida a produtores e empresários relacionados com a fileira; empreendedores, investigadores, estudantes e todos aqueles que tiverem interesse no tema. A participação é gratuita, mas é necessária inscrição através de formulário. 

Serviço de Psiquiatria da ULSBA integra projeto internacional LEAVES, que se destina a dar apoio ao luto nos idosos

Zé LG, 26.02.20

202002241631401225 psiquiatria.jpgO LEAVES “ajuda os idosos a processar a perda de um cônjuge num ambiente on-line empático e atencioso”. Ou seja, o objetivo “é impedir o luto prolongado, ou tratá-lo, para que as pessoas mais velhas, em luto, possam levar uma vida ativa, significativa e digna.”

Ana Matos Pires, diretora do Serviço de Psiquiatria da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA), esclarece que os países que integram o consórcio são a Holanda, a Suíça e Portugal e que a ULSBA é a única entidade clínica nacional a participar.

Os novos escravos do Alentejo

Zé LG, 10.02.20

Na última década, a criminalidade associada ao tráfico de pessoas disparou no Alentejo graças à implantação do olival intensivo e da necessidade de mão de obra.

img_797x448$2020_01_31_16_44_38_617544.jpg

Não foi apenas a paisagem agrícola que mudou com o incremento da plantação intensiva de olivais no Alqueva, foi também a humana. Hoje, qualquer aldeia da região, por mais ínfima que seja, está transformada numa verdadeira Babel. Nos últimos 70 anos, o distrito de Beja, onde se situa o grosso da área regada pela grande barragem, perdeu sensivelmente metade da sua população, numa curva demográfica negativa que parece estar a estancar devido ao fluxo de trabalhadores estrangeiros indiferenciados que hoje acorre aos campos do Sul. Onde a criminalidade associada ao tráfico de seres humanos disparou na devida proporção do recente fenómeno migratório.

Este é o terceiro e último capítulo de uma reportagem realizada ao abrigo de uma bolsa de investigação jornalística da Fundação Calouste Gulbenkian. 

03.02.2020 07:00 por Paulo Barriga

Évora acolhe supercomputador ligado ao projecto do maior radiotelescópio do mundo

Zé LG, 01.02.20

1435144.jpgO supercomputador Oblivion, com desempenho equivalente à combinação de mais de mil computadores, vai funcionar em Évora, associado ao projecto do futuro maior radiotelescópio do mundo e disponível também para a comunidade científica e empresas, foi revelado esta quinta-feira. Esse radiotelescópio é o SKA (Square Kilometre Array).

“É uma máquina potente, com nós de computação, de gestão e de armazenamento. E podemos dizer que tem uma performance equivalente a 1200 computadores pessoais a funcionarem em conjunto”, destacou o astrofísico Miguel Avillez, coordenador do Oblivion.

A máquina, instalada no Data Center da DECSIS, no Parque Industrial e Tecnológico da cidade, vai ser inaugurada pela Universidade de Évora a 4 de Fevereiro.

O supercomputador em Évora vai “apoiar no processamento de volumes em massa de dados resultantes de actividades de investigação e inovação desenvolvidas em Portugal e enquadradas no design, prototipagem e operação” do radiotelescópio SKA e dos “seus eventuais precursores”.

Laboratório de Ciências do Mar vai ter novas instalações em Sines

Zé LG, 25.01.20

A Universidade de Évora (UÉ) e a Administração dos Portos de Sines e do Algarve assinaram um contrato de concessão de uso privativo de uma parcela de terreno do domínio público, localizada a norte do cabo de Sines, onde serão construídas as novas instalações do Laboratório de Ciências do Mar da UÉ (CIEMAR).

P1060415.JPGEste laboratório tem funcionado em Sines desde 1990, em instalações provisórias cedidas pela autarquia, e que são atualmente insuficientes para desenvolver os diversos projetos de investigação científica em curso e as atividades de ensino superior e formação especializada, bem como alargar o âmbito da sua ação em áreas de ponta da Universidade como a Biodiversidade, a Geofísica, as Geociências, as Ciências do Património e a Inteligência Artificial.

Os novos donos do Alentejo com mais de 65% dos olivais da região

Zé LG, 17.01.20

img_797x448$2020_01_16_09_55_33_615825.jpg

Cerca de 70% do território agrícola da região de Alqueva mudou de mãos nos últimos dez anos - e o Alentejo passou de celeiro a olival da nação. O antigo terratenente seareiro cedeu lugar a um novo megalatifúndio assente em fundos  internacionais, com seis grandes grupos a deter ou a gerir mais de 65% dos olivais da região. São eles os grandes beneficiários do maior investimento público alguma vez realizado na agricultura portuguesa: 2,5 mil milhões de euros. Ao mesmo tempo que escasseia, a terra irrigada por Alqueva está a sofrer uma pressão sem precedentes, com o preço do hectare a crescer seis vezes em 15 anos. Neste período, graças aos novos olivais alentejanos, Portugal passou de importador crónico a quinto maior exportador mundial de azeite. E, segundo a Comissão Europeia, o olival português poderá aumentar 88% até 2030. Mas isso teve consequências sociais e ambientais. Este é o primeiro de três capítulos de uma reportagem realizada ao abrigo de uma bolsa de investigação jornalística da Fundação Calouste Gulbenkian

Governo atribui Medalha de Mérito Cultural a Cláudio Torres

Zé LG, 09.01.20

safe_image.jpg

“Em reconhecimento do inestimável trabalho de uma vida dedicada ao estudo e à investigação histórica e às causas do património cultural e da arqueologia peninsular, tendo ajudado a preservar e a compreender, com a sua obra, uma parcela fundamental da nossa memória colectiva, entende o Governo português prestar pública homenagem a Cláudio Torres, concedendo-lhe a Medalha de Mérito Cultural”, que vai ser entregue por Graça Fonseca, numa cerimónia na vila alentejana de Mértola, distrito de Beja, no sábado, 11, dia em que Cláudio Torres, faz 81 anos, refere o gabinete da ministra da Cultura, Graça Fonseca.