Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Central fotovoltaica vai ser instalada em Sines

Zé LG, 26.06.22

202104011527223275.pngUma central fotovoltaica, com capacidade para mais de 91 mil painéis solares e uma potência de 49 megawatts, vai ser instalada no concelho de Sines, distrito de Setúbal, numa área de 100 hectares.

“Em conjunto com a Omexom vamos instalar mais de 91 mil módulos bifaciais que produzirão eletricidade verde suficiente para abastecer o equivalente a 42 mil lares portugueses”, revelou o presidente e diretor geral da RWE Renewables Iberia. A escolha de Sines para a construção deste parque solar está relacionada com as “cerca de três mil horas de sol por ano” e pela localização de “um dos dois vales do Hidrogénio Verde projetados para Portugal”.

Projetos estruturantes da região em debate entre autarcas da CIMBAL e ministra da Coesão

Zé LG, 25.06.22

202206241002127853.jpgA ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, e o secretário de Estado da Administração Local e Ordenamento do Território, Carlos Miguel reuniram-se, ontem, na sede da CIMBAL, com os autarcas do Baixo Alentejo, tendo sido abordada a questão das acessibilidades rodoviárias, com destaque para a necessidade de concretização do IP 8, a evolução do projeto de modernização/eletrificação da linha ferroviária Beja/Casa Branca com construção do ramal ao Aeroporto de Beja e a possibilidade de maior utilização desta infraestrutura.

Foi ainda efetuado um ponto de situação sobre a execução do Portugal 2020 e o próximo período de programação, o Portugal 2030 e quais os desafios para as comunidades intermunicipais e para os municípios que as constituem, bem como as atuais condições de mercado das obras públicas e a penalização que muitas operações sofrem, em virtude da desatualização dos designados “custos de referência”.

Câmara de Beja não cumpre competências básicas. Porquê?

Zé LG, 20.06.22

IMG_9198.JPG

IMG_9201.JPG

Como já aqui tenho alvitrado algumas vezes, o Penedo Gordo tem os arruamentos num péssimo estado de conservação. Os arruamentos dos bairros do Moinho e da Casa do Povo e os por onde circulam os transportes públicos há muito que reclamam manutenção. Como esta não foi feita, agora têm de ser reparados com custos muito mais elevados. A responsabilidade dos arruamentos é exclusiva da Câmara Municipal. Quando tanto se fala em desenvolvimento, é uma vergonha não satisfazer as necessidades básicas das populações. E é ainda mais vergonhoso o Executivo Camarário não querer indicar quando o fará.

Ministra da Agricultura anunciou que vai ser lançado o concurso público para requalificar o Aproveitamento Hidroagrícola do Mira

Zé LG, 15.06.22

202106221147102510.jpgA ministra da Agricultura e da Alimentação anunciou que vai ser lançado, “ainda neste ano”, o concurso público para requalificar o Aproveitamento Hidroagrícola do Mira, estando, neste momento, a ser concluídos “o estudo e o projeto técnico” relativos à empreitada, para depois ser lançado, o concurso público.

Maria do Céu Antunes frisou ainda que este é um “investimento que tem de ser feito para melhorar” a eficiência deste aproveitamento hidroagrícola, com o objectido de “reduzir as perdas” e fomentar “um uso cada vez mais sustentável da água”.

Nova incubadora em Évora é o “caminho” para desenvolver o interior

Zé LG, 11.05.22

A inauguração do Centro Infante Dom Henrique, o primeiro dos quatro novos edifícios da ampliação do PACT, aconteceu na passada segunda-feira. Ana Abrunhosa, ministra da Coesão Territorial, deu o novo edifício do Parque do Alentejo de Ciência e Tecnologia (PACT) em Évora como exemplo do “caminho” para desenvolver o interior, assente no conhecimento, na inovação e nas pessoas e sublinhou ainda que “a Europa também é isto”, investimento numa infraestrutura científica e tecnológica que, neste caso, englobou um investimento próximo dos 10 milhões de euros.
A inauguração do Centro Infante Dom Henrique, em que esteve também presente a comissária europeia para a Coesão e Reformas, Elisa Ferreira, esteve integrada nas comemorações do Dia da Europa. Elisa Ferreira considerou que “não havia melhor maneira de celebrar o Dia da Europa senão mostrando as potencialidades que cada território tem”.

Município de Alvito quer reparar todas as Estradas Municipais degradadas, até final do atual mandato

Zé LG, 22.03.22

EM523-768x432.jpgO município de Alvito quer até final do atual mandato reparar todas as Estradas Municipais degradadas num investimento estimado em mais de três milhões de euros e sem qualquer comparticipação comunitária, pois não existem fundos europeus disponíveis para estas intervenções.

Trata-se de um objectivo importante, tendo em conta a importância que as vias de comunicação têm para o desenvolvimento dos territórios e a qualidade de vida das populações. É um grande desafio da autarquia, tendo em conta o avultado investimento. Oxalá o concretize.

Município de Alvito avança com requalificação da Estrada Municipal da “Fonte da Telha”

Zé LG, 17.03.22

202203171740443510.PNGFoi hoje assinado o auto de consignação da empreitada de requalificação da Estrada Municipal 523, na freguesia de Alvito, com um custo de cerca de 257 mil euros, um prazo de execução de seis meses e início previsto para o dia 4 de abril.

A obra vai obrigar ao encerramento do trânsito naquela via, pelo que a autarquia de Alvito pede compreensão aos utilizadores daquela via, vai colocar sinalização no local a dar conta de alternativas para circulação automóvel.

Reparação da Estrada Nacional 391 está quase concluída

Zé LG, 15.03.22

275720690_1390731738025732_6359050259554024702_n.jA reparação da Estrada Nacional 391, da Ribeira da Cardeira até à intercepção com a EN 122 (Cruzamento da Matosa), numa extensão de 19,4 kms e um valor de intervenção de € 2.000.000,00, está quase concluída, faltando apenas algumas marcações e arranjos de bermas. A obra da responsabilidade das Infraestruturas de Portugal, foi executada por duas empresas.

“É urgente a reparação de arruamentos em betuminoso no Penedo Gordo”

Zé LG, 14.03.22

Penedo-Gordo-768x454.jpg“A urgente necessidade de reparação de arruamentos em betuminoso no Penedo Gordo” foi uma das questões colocadas pela União de Freguesias de Beja de Santiago Maior e São João Baptista numa reunião com o executivo da Câmara Municipal.
Miguel Ramalho, presidente daquela União de Freguesias, afirma que o Penedo Gordo “é das áreas da freguesia mais complicadas, em termos de arruamentos em betuminoso”, considera que se trata de uma intervenção prioritária, porque as ruas por ondem circulam os autocarros (urbanas) têm “buracos enormes” e “nalguns casos, os moradores já estão a colocar entulho nesses buracos”.

Estação Náutica de Moura apresentada na Nauticampo

Zé LG, 20.02.22

e-alqueva-690x450.jpgA Estação Náutica de Moura (E.N.M) tem marcado presença na Nauticampo, em Lisboa, onde num dos dias do evento, o Presidente da Câmara de Moura, Álvaro Azedo e o coordenador do projecto, Nélson Bartolo, assim como alguns operadores da E.N.M., deixaram o testemunho num debate com o tema “O crescimento integrado das regiões: Estações Náuticas, um caso de sucesso”.

IP vai lançar empreitadas para melhorar as condições de circulação do IP8, incluindo as variantes a Beringel e Figueira dos Cavaleiros

Zé LG, 10.02.22

202102161631532211.jpgDe acordo com a Infraestruturas de Portugal (IP) estão em curso os Projetos de Execução, no IP 8, identificados como: LD STB/BJA /Ferreira do Alentejo, incluindo a construção da variante a Figueira de Cavaleiros e Ferreira do Alentejo / Beja, incluindo a construção da variante a Beringel, com lançamento de empreitadas previsto para o 2º semestre de 2022.

Reabilitação do troço entre Beja e a fronteira (Vila Verde de Ficalho) - estão previstas três empreitadas cujos projetos de execução se encontram em diferentes fases, estando o lançamento das empreitadas previsto para 2024: Beja / Serpa -Projeto a lançar; Serpa / Vila Nova de São Bento - Projeto em fase de conclusão; Vila Nova de São Bento / Vila Verde de Ficalho - Projeto a lançar em 2022.

Ainda segundo a IP atendendo à evolução dos pavimentos ao longo do corredor do IP8 e no intuito de acorrer às intervenções identificadas com maior prioridade, está em execução uma empreitada de conservação corretiva do pavimento, já se encontrando em execução trabalhos de correção de pavimento no troço da EN259, sendo que seguidamente se seguirá a EN121 e por sua vez a EN260.

Requalificação de caminhos municipais é prioridade para Câmara de Serpa

Zé LG, 22.01.22

Requalificação-caminhos-Serpa-768x449.jpgA Câmara Municipal de Serpa requalificou, em 2021, cerca de 75 quilómetros de caminhos agrícolas e, nas últimas duas semanas, cerca de três quilómetros no Caminho Municipal 1050 que liga Belmeque ao limite do concelho.

Francisco Godinho, vereador da Câmara de Serpa, revela que esta intervenção faz parte de um trabalho contínuo que o município desenvolve, no âmbito da requalificação, quer de caminhos municipais, quer de caminhos agrícolas. Garantir as melhores condições possíveis dos caminhos municipais é uma prioridade para a autarquia serpense, com vista à melhoria da qualidade de vida das populações, em particular, daquelas que vivem isoladas.

Novos regadios de Alqueva vão ser lançados no princípio do ano

Zé LG, 31.12.21

O presidente da EDIA destacou que as obras que estão planeadas para apresentar são: “A 2ª fase do Bloco de Reguengos, do Bloco da Vidigueira, o Bloco da Messejana com ligação ao Monte da Rocha e o Bloco de Moura/Póvoa/Amareleja. Está anunciado que o aviso virá no próximo dia 10 de Janeiro e vai apresentar estas quatro candidaturas”.

bloco-de-rega.jpgApesar da “boa nova”, é preciso prevenir alguns aspectos, como referiu José Pedro Salema: “Houve uma subida muito dramática no custo das obras. As coisas estão muito mais caras, subiram mais de 20% e vamos ter de acomodar essa subida com um orçamento limitado”. Nesse sentido, o Bloco de Rega Moura/Póvoa/Amareleja “vai sofrer alguns cortes e vai ter áreas que não vão ser beneficiadas agora, assim como o Bloco de Rega de Reguengos. São cerca de 8.000 hectares o de Moura/Póvoa/Amareleja”, afirmou Salema, já que inicialmente estava previsto abranger os 10.000 hectares.

Investimento 20 milhões de euros do PRR na construção e requalificação de Áreas de Acolhimento Empresarial de Beja

Zé LG, 22.12.21

Zona-Empresarial-Beja-768x576.jpgFoi aprovada a primeira candidatura da Câmara de Beja no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), num valor superior a 20 milhões de euros, que vai permitir a construção de Áreas de Acolhimento Empresarial de Nova Geração, bem como, a requalificação da Zona de Acolhimento Empresarial Norte, cuja conclusão está prevista até dezembro de 2026.

Paulo Arsénio, presidente da Câmara de Beja, refere que “este investimento, quando concretizado, reduzirá, substancialmente, a fatura energética das empresas aderentes”, o que tornará “a médio prazo, as empresas beneficiárias/aderentes bastante mais competitivas”.

Portugal tem que investir em segurança nas barragens, segundo a EDIA e ministra da Agricultura anunciou 127 milhões para concluir Programa Nacional de Regadios

Zé LG, 11.12.21

20211210122306972.png

José Pedro Salema, presidente da EDIA, disse que há perímetros de rega e barragens “com 80 anos” e que “não estão de acordo com os padrões atuais” de segurança e eficiência, pelo que “Vai ser imperativo o país gastar muitos milhões em segurança de barragens para garantir que essas estruturas estão de acordo com as exigências atuais”, sublinhou, na sessão de apresentação de um estudo sobre regadio no país elaborado pela EDIA.

Segundo a ministra da Agricultura “as conclusões deste estudo suportarão a definição da estratégia 20|30 do Programa Nacional de Regadios”. Tendo em vista o futuro, anunciou diversos instrumentos que serão fundamentais à concretização dos objetivos estabelecidos. “Damos hoje um importante passo ao anunciarmos 197 milhões de euros para o reforço do investimento no regadio e temos uma estratégia suportada em factos”, afirmou Maria do Céu Antunes.

Cabeça Gorda exige à Câmara de Beja reparação urgente da EM 511

Zé LG, 08.12.21

202112071707307924.jpgA Assembleia de Freguesia de Cabeça Gorda aprovou uma moção a exigir à Câmara de Beja, a reparação urgente e total da Estrada Municipal 511, assim como a marcação do pavimento, tendo em conta “o mau estado, de enorme e constante degradação da Estrada que liga a Cabeça Gorda a Beja, com troços cheios de buracos e praticamente intransitáveis”, assim como “o tráfego, quer de veículos ligeiros e pesados, quer de máquinas agrícolas, cada vez mais intenso” e os “buracos, as fissuras e a falta de asfalto nalguns locais, dificultam a condução pondo em perigo os passageiros e danificando as viaturas”. E tudo se agrava com a “aproximação do inverno” é referido também. Neste documento é considerado, igualmente, “o perigo real e medo que esta estrada coloca a todos os utilizadores residentes” nesta “freguesia e visitantes”.

“Não podemos levar o tempo todo a descurar aquilo que são as infraestruturas de cada local”, afirma Santiago Macias

Zé LG, 25.11.21

SM.png«A descentralização implica capacidade operativa, não é afogar as câmaras em matérias cada vez mais burocráticas, com o presidente a desempenhar uma função que não chega ao ponto de ser decorativa, mas que tem uma capacidade de atuação cada vez mais diminuída. ... entre as despesas anuais, que eram substanciais, e os compromissos que tinham de ser assumidos, a margem para inovar ou para fazer qualquer coisa de mais ousado era curta. E há uma coisa que temos de pensar de forma muito firme, que é a infraestruturação. ... Não podemos levar o tempo todo a descurar aquilo que são as infraestruturas de cada local - e não pode ser só maquiagem, é preciso ir ao fundo. Nem sempre o que é visível é o mais importante. Tivemos como marco a reabilitação urbana, pegar em edifícios abandonados ou sem função definida e dar-lhes uma nova vida. Polvilhar as localidade de novos equipamentos sem ter decidido o que fazer com os antigos tem um interesse muito relativo, porque estamos a multiplicar despesa e custos futuros. Isto vai ser um problema.»