Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Santos Arranha, secretário-geral da CGT, e a solidariedade desta com os mineiros de Aljustrel

Zé LG, 18.03.22

Arranha.png«Nascido em 1891, em Caldas da Rainha, Santos Arranha foi secretário-geral da CGT em 1922/23. E foi director do diário sindicalista A Batalha, em 1925/26.

Além da defesa da paz, uma prioridade da CGT sob a sua liderança foi a luta contra o agravamento do custo de vida. ... foi peculiar a sua acção de solidariedade: “em Outubro de 1922 os mineiros de Aljustrel declaram-se em greve, reclamando melhores salários, luta que sustentaram ininterruptamente até Janeiro seguinte”. A CGT organizou então o acolhimento temporário dos filhos destes trabalhadores em famílias de Beja e Lisboa, “para subtraí-los à fome e ajudar os pais na sua luta”.

Uma outra nota da sua liderança, inovadora para os dias de hoje, foi defender a redução do horário de trabalho para 6 horas por dia. Já no jornal A Batalha sob a sua direção, uma preocupação dominante foi o perigo de uma ditadura de tipo fascista.

Nos anos 1930, Santos Arranha viveu na Bélgica, de onde terá regressado para escapar à invasão nazi. Nos anos 1940, de novo em Lisboa, integrou um grupo anarquista clandestino. E manteve os seus ideais até falecer, em 1962.» Luís Carvalho, aqui.

Beja comemora os 100 anos da Travessia Aérea do Atlântico Sul

Zé LG, 03.02.22

Travessia.jpgA Força Aérea, a Marinha e o município de Beja juntam-se para assinalar os 100 Anos da Travessia Aérea do Atlântico Sul.

A partir de hoje e até dia 13 fevereiro, está patente na Biblioteca Municipal de Beja uma exposição itinerante comemorativa do centenário da travessia. No dia 8 de fevereiro, pelas 21:00 horas, o centenário será assinalado com um concerto pela Banda de Música da Força Aérea, no Pax Julia Teatro Municipal. Ainda no âmbito das comemorações vai ser colocada uma placa no jardim Gago Coutinho e Sacadura Cabral, em Beja, que assinala o Centenário da Travessia.

“Olivença precisa, pelo menos culturalmente, que o Estado português lhe dê a mão”

Zé LG, 25.12.21

372326.jpg«... Numa região bem definida (Olivença, incluindo o novo concelho de Táliga), ... , subsiste um falar português alentejano, com algumas marcas próprias. Teimosamente. Numa resistência de duzentos anos. Ou resiliência, como está na moda dizer-se. As autoridade locais buscam atualmente promovê-lo. Há mesmo, o que é mais controverso, quem defenda ser esse português algo de razoavelmente diferenciado, e não faltou uma empresa portuguesa, de Campo Maior, que se ofereceu pata o divulgar. …

O que será preciso para órgãos de soberania portugueses, incluindo a Assembleia da República, darem alguma atenção a esta realidade?

Note-se, como curiosidade, que, a nível de Estado, Portugal considera haver ali um problema de definição de soberania. Então… porquê tanto silêncio?

Olivença precisa, pelo menos culturalmente, que o Estado português lhe dê a mão. E, já agora, que a comunicação social não silencie tudo o que por lá se passa. Que critérios se podem aferir?»

Carlos Eduardo da Cruz Luna, Prof. História e formado pela Faculdade (Clássica) de Letras de Lisboa

“As Elites Urbanas e o Exercício do Poder Local em Beja – um paralelo entre a Beja setecentista e a atualidade” em conferência em Beja

Zé LG, 14.12.21

2021121311282364.jpg

Nesta conferência é apresentado o resultado da investigação realizada pelo Professor Joaquim Filipe Mósca no âmbito da tese de doutoramento em História sobre o tema “Beja setecentista – o senado camarário, poderes e representações”.

A socióloga e Professora Adjunta do IPBeja, Maria Inês Faria, tendo por base a sua tese de doutoramento intitulada “As políticas públicas de desenvolvimento sustentável: representações sociais da sociedade civil : o estudo de caso do Baixo Alentejo” irá destacar a evolução dos conceitos e a forma como as representações sociais ocorrem no presente.

“Que o mérito seja concedido a Pax Julia!”

Zé LG, 06.12.21

imgLoader2.ashx.jpg«Cumpre dizer que, de facto, a inusitada forma do monumento não causou perplexidades, não levantou questões, até que, observando melhor, decidimos perguntar, em 2012: não será o pedestal de uma estátua equestre? A ideia foi germinando, sucederam-se acaloradas trocas de impressões e, hoje, a hipótese transformou-se em certeza: as singulares dimensões da pedra com a inscrição gravada no lado menor exigem essa classificação!

Pax julia ganha, assim, um relevo ainda maior do que as inscrições dadas a conhecer até aqui aos leitores de “Diário do Alentejo” poderiam fazer supor! É que erguer a estátua a um magistrado local constituiu raridade no mundo romano. Mérida, que foi capital da Lusitânia, não tem, até ao momento, nenhuma! Há estátuas, de facto, a magistrados: bustos, esculturas de corpo inteiro… Mas, estátuas equestres e, ainda por cima, para homenagear alguém que não foi sequer elevado à categoria de cavaleiro… não!

Mais uma vez, um documento epigráfico romano aparentemente ‘inofensivo’, que até passou despercebido aos investigadores mais atentos, acaba por trazer lustre a uma cidade, que deu honra ao mérito! Não será, pois, inoportuno reclamar que seja recompensada: que o mérito lhe seja concedido!»

Assim termina o texto de José d’Encarnação, arqueólogo, publicado no "DA".

"Foi esta besta que primeiro promoveu a grande desgraça negra"

Zé LG, 10.10.21

Valter.jpg«Enquanto não houver um reconhecimento da barbárie e do erro que a História comporta e nos mantivermos nessa arrogante celebração da figuras, estas vão propender para o erro. Todos sabemos quão valente e importante o Infante D. Henrique foi para a Nação; também podemos saber que ele terá sido o primeiro negreiro. Posso aceitar que uma estátua sua se mantenha erguida; o que não posso aceitar é que, no sopé onde se indicam os feitos, não se indiquem os horrores pelos quais foi responsável. Se a estátua estiver explicada na sua inteira verdade histórica, então pode também servir para fazer justiça para quem descende daqueles que padeceram do mal feito. O Infante D. Henrique estará erguido também como aquele que os povos negros poderão visitar e dizer: "Foi esta besta que primeiro promoveu a grande desgraça negra."» - Valter Hugo Mãe, in entrevista à VISÃO de 7/10/2021.

"Passados complexos. Futuros diversos."

Zé LG, 18.04.21

202104161648292675.pngAssinala-se hoje o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (DIMS), criado pelo Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios (ICOMOS) em 1982, e aprovado pela UNESCO no ano seguinte, com o objetivo de sensibilizar os cidadãos para a diversidade e vulnerabilidade do património, bem como para a necessidade da sua proteção e valorização.

A Câmara Municipal de Serpa, faz o lançamento, em formato vídeo, de um novo projeto, intitulado “Conversas no Castelo” que consiste, neste primeiro programa, numa conversa com diversos convidados sobre as vivências na Alcáçova do Castelo, desde meados do século XX, com histórias sobre o bairro, a prisão e muitas outras curiosidades.

Em Cuba, a Câmara Municipal, assinala esta data com uma visita guiada gratuita ao Museu Literário Fialho de Almeida.

A versão final da plataforma digital “Beja Monumental” disponibilizada, hoje, permite “consultar levantamentos 3D de alguns monumentos icónicos da cidade, zonas de interesse histórico e reconstruções virtuais de ambientes e artefactos, bem como assistir a pequenos documentários sobre estes lugares e parte da história da cidade.”

“Códice Fáctico de Cartas Régias” vai ser devolvido à Câmara de Beja

Zé LG, 15.04.21

1399934.jpgO Ministério Público (MP) da Comarca Judicial de Beja, determinou a devolução à Câmara Municipal de Beja de um conjunto de documentos régios, conhecido como “Códice Fáctico de Cartas Régias”, que integram correspondência trocada entre Reis de Portugal e autoridades locais da cidade de Beja, nomeadamente, o juiz, o procurador e vereadores.

A decisão foi tomada depois “do arquivamento do inquérito, em que não foi possível determinar, em concreto, as circunstâncias da apropriação dos documentos, nem a sua autoria”, justificando o magistrado que “havendo indícios de que a mesma tenha ocorrido, há pelo menos, três gerações”, remata.

No dia 4 de outubro de 2019, a Diretoria do Sul da Polícia Judiciária (PJ), emitiu um comunicado onde anunciava a apreensão de “um códice factício, constituído por 165 documentos, em bifólio de papel, manuscritos, entre os anos 1623 e 1806, contando cartas originais enviadas em nome do “Rei” do “Príncipe” do “Infante” e da “Duquesa de Mântua” dirigidas a figuras da cidade de Beja.

Serpa comemora quatro décadas de Cortejo Histórico e Etnográfico

Zé LG, 04.04.21

202103301841126320.jpgSerpa comemora quatro décadas de realização do Cortejo Histórico e Etnográfico. A Câmara de Serpa preparou um conjunto de iniciativas para transmissão dos canais do Município. Com o intuito de recriar a história, tradição, usos e costumes locais refletidos no Cortejo, foi produzido um filme documental, a cargo da Ronda – Associação Cultural, e dirigido pelo encenador serpense João Duarte Costa, divulgado neste domingo de Páscoa e pretende “proporcionar um meio para reflexão em torno da diversidade e identidade cultural, patente nos inúmeros quadros que constituem o Cortejo Histórico e Etnográfico.”

“Não há conhecimento desligado do compromisso social”, afirma Santiago Macias

Zé LG, 10.03.21

imgLoader2.ashx.jpgHistoriador e arqueólogo, docente universitário, um dos pioneiros do Campo Arqueológico de Mértola, ex-presidente da Câmara de Moura, Santiago Macias, de 57 anos, é o novo diretor do Panteão Nacional, em Lisboa. Escolhido através de concurso internacional, entra em funções a 1 de abril. O mandato é de três anos.

“Não pode haver prática ou conhecimento científico desligado do compromisso social”, defende Santiago Macias, que acaba de ser anunciado como novo diretor do Panteão Nacional, em Lisboa. Em entrevista ao “Diário do Alentejo”, o historiador revela que a divulgação do Panteão Nacional junto da juventude é uma das áreas em que pretende desenvolver iniciativas, “porque o conhecimento da História e a preservação da memória coletiva são matérias fundamentais”.

Barrancos assinala Dia Internacional da Língua Materna

Zé LG, 21.02.21

202102200920125249.pngO Dia Internacional da Língua Materna é assinalado pela Câmara Municipal de Barrancos com várias propostas, que pode ver aqui.

O Dia Internacional da Língua Materna, proclamado na Conferência Geral da UNESCO em 1999, é celebrado todos os anos no dia 21 de fevereiro com o objetivo de celebrar a importância da diversidade linguística e cultural, contribuindo para proteger as línguas faladas no Mundo.