Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Então o que falhou?” - Foi a Câmara Municipal de Beja!

Zé LG, 05.08.21

"O poste...

225865297_1245322565899984_5241550357809442912_n.j

Por via de realinhamento da estrada - ..., um poste, naquele local, passou a ficar dentro da via; Importa referir que o poste não foi colocado na estrada. Já está, no local onde ainda permanece, há muitos anos. … o poste esteve durante toda a "sua vida". Ninguém colocou um poste no meio da estrada. O que impede a retirada do poste, ..., é o facto de ter ligações de telecomunicações agregadas de uma única empresa que está identificada. ... e que impedem por completo que o poste possa ser movido. ...

Então o que falhou? Falhou que o empreiteiro e a empresa de segurança de obra, ..., não se articularam convenientemente, para que, assim que ... a Estrada foi reaberta, esse poste tivesse sido de imediato isolado, ... Não há nenhum "erro de engenharia" ou de "obra". …" - Paulo Arsénio, presidente da CMB, aqui.

Paulo Arsénio, em vez de fazer o que devia - pedir desculpa pela falha de planeamento e acompanhamento da obra, da exclusiva responsabilidade da Câmara Municipal de Beja (mesmo que delegada noutros), esforçou-se por "sacudir a água do capote", distribuindo responsbilidades pelo "alinhamento da estrada", pelos "muitos anos em que o poste lá está", "ligações de telecomunicações agregadas de uma única empresa", "o empreiteiro e a empresa de segurança de obra", concluindo - pasme-se! (ou talvez não) - que "Não há nenhum "erro de engenharia" ou de "obra". …" Imaginem se houvesse...

“Trabalhadores rurais de Odemira continuam a ser explorados e o Governo nada fez para resolver este problema”, afirma Alberto Matos

Zé LG, 05.08.21

ODEMIRA-Porta-ZMAR_800x800.jpgAlberto Matos, coordenador da delegação da associação Solidariedade Imigrante de Beja, lamenta que, três meses depois de o Governo ter prometido soluções para responder à falta de condições em que vivem os trabalhadores rurais de Odemira, nada tenha mudado. Alberto Matos afirma que se tratou de uma “operação cosmética e de marketing”.

“Isto é uma situação estrutural, não se altera com pormenores, nem com operações de marketing. Naturalmente, as culturas continuam a necessitar de mão-de-obra, o sistema de contratação continua exatamente o mesmo, isto é, através de intermediários que exploram os trabalhadores no trabalho, na habitação e no transporte. Portanto, podem ter baralhado e dado de novo, mudar as pessoas de algumas casas mais degradadas, mas basicamente a situação mantém-se”, sustenta Alberto Matos, que sublinha que a pandemia mostrou a fragilidade a que estes trabalhadores estão expostos, mas em setembro arrancam as campanhas das vinhas e da azeitona e o cenário vai repetir-se.

Ceia da Silva reclama “discriminação positiva” para “inverter a tendência” de diminuição da população e “atrair e fixar pessoas”

Zé LG, 02.08.21

portalegre_contratos_jul21183-678x381.jpgO presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Alentejo, António Ceia da Silva, reclamou para a região uma “discriminação positiva” do Governo, com reflexo no próximo quadro comunitário, para “contrariar” a perda populacional, numa reação aos dados preliminares dos Censos 2021.
“O Alentejo deve ter essa discriminação positiva” na distribuição das verbas europeias para “ter mais recursos alocados e, obviamente, devidamente utilizados e da forma mais consentânea possível”. Ceia da Silva deu outro exemplo da discriminação positiva que defende para o Alentejo, defendendo que “as empresas que se instalarem no interior” devem poder “ter bonificações ao nível das suas contribuições e dos seus impostos”.

Porque não nomeia a Câmara de Beja o chefe da Divisão de Educação?

Zé LG, 28.07.21

202202_120299424712202_100001964355685_150987_1315«Não deixa de ser estranho (no mínimo) que a área em que a autarquia recebeu mais competências em 2021 – a Educação – seja a única que não tenha, até ao momento, dirigente intermédio nomeado, ao contrário de todas as outras em que decorreram concursos na mesma altura. Numa área tão complexa, não se compreende que tal não tenha ainda acontecido.» - José Filipe Murteira, aqui.

“nem mais um metro de estufa e a água do perímetro de regra do Mira tem gestão pública”, defende Catarina Martins

Zé LG, 27.07.21

202107240927192853.jpg“O desafio que fazemos – um desafio nacional e um desafio local porque a hipocrisia de se dizer uma coisa do ponto de vista local, enquanto se defende programas políticos que fazem o contrário, também tem de acabar — é que em setembro se encontre o compromisso claro para com Odemira: nem mais um metro de estufa e a água do perímetro de regra do Mira tem gestão pública”, defendeu Catarina Martins, Coordenadora do BE, na sessão de apresentação da candidatura autárquica do BE naquele concelho, sendo a lista à câmara encabeçada por Pedro Gonçalves, deputado municipal do partido.

Para que Odemira não seja “um mar de plástico”, segundo Catarina Martins, esta proposta que, em setembro, “mal os trabalhos parlamentares retomem”, o partido vai apresentar é fundamental.

Presidente da Distrital de Beja do Chega demitiu-se, devido a "comportamentos irregulares de alguns membros da direcção”

Zé LG, 23.07.21

chega-690x450.jpgO líder da Distrital de Beja do CHEGA demitiu-se do cargo, referindo que “o motivo, deve-se a alguns comportamentos irregulares de alguns membros da direcção”. Acrescentando que enquanto lá estiverem, não contam comigo. Mas continuo no Partido”.

“A Câmara (de Beja) poderia e devia ter realizado mais.”(?)

Zé LG, 23.07.21

Sem nome.png«O mandato foi desordenado, uma vez que não cumpriu aquilo que prometeu, mas executou aquilo que não prometeu. Confuso? Eu explico: a praia fluvial dos Cinco Reis não estava inscrita na candidatura há 4 anos e foi criada. Pelo contrário, o Orçamento Participativo estava inscrito no programa eleitoral do PS em 2017 e não foi concretizado. Num momento em que o povo se afasta cada vez mais da política e dos momentos eleitorais, teria sido uma excelente ferramenta para aumentar a participação cívica das pessoas, dando voz e poder aos cidadãos. Outra promessa não concretizada foi a construção de novas estradas, nomeadamente, a ligação direta entre a rotunda do Cemitério ao Bairro dos Moinhos ou a circular externa da cidade, ligando o Bairro da Conceição/Quinta d’El Rei à zona do Parque de Feiras e Exposições. ...

A Câmara poderia e devia ter realizado mais. Porque digo isto? Porque tem uma dívida baixa e ter dívidas, desde que as consiga, confortavelmente, pagar, não é pecado ou crime.» In MAIS BEJA.

Mudam-se os tempos, mudam-se os alvos...

Zé LG, 21.07.21

2018-11-27.jpg«Txiiii tanta obra...A maior parte a 5 meses das eleições, e no resto do ano as pessoas não existem? Algumas são aberrações outras feitas pelas juntas de freguesia e outras ainda porque interessam para o negócio de pedras e afins...
Já pensaste que tens uma casa da Cultura em situação deplorável? Uma biblioteca com goteiras? Um mercado Municipal que é a maior vergonha uma piscina sem as mínimas condições, ruas com calçada em estado deplorável, parque da cidade ao abandono já para não falar do desinvestimento nas freguesias rurais.
Para terminar porque não tenho muito tempo para perder com quem não merece, quero lembrar também a inércia, falta de pressão e ausência de posição por parte do JR em relação aos assuntos básicos do desenvolvimento do concelho (aeroporto, comboio Auto Estrada etc). Em Outubro estaremos cá para ver. Jorge a 15 de Julho de 2017 às 17:09», aqui.

“Paulo Arsénio concretizou e iniciou mais obras que os últimos 3 presidentes de Câmara”?

Zé LG, 20.07.21

Sem nome.png

«Paulo Arsénio, fez obra. Concretizou e iniciou mais obras que os últimos 3 presidentes de Câmara (João Rocha, Pulido Valente e Francisco Santos), e isso é inquestionável. Estradas, ruas, expansão do parque industrial, reparações e requalificações foram executadas, muitos delas, à vista de todos durante anos, mas nunca realizadas. Houve grandes obras que não foram concluídas: mercado municipal, piscina municipal ou o edifício na Praça da República para habitaçãoIn MAIS BEJA.

Onde andam os autarcas?

Zé LG, 07.07.21

202107061143476865.PNGNa Segunda-Feira, o ministro e a secretária de Estado do Ambiente deslocaram-se ao Distrito de Beja, para visitas aos últimos investimentos da empresa Águas Públicas do Alentejo (AgdA) e para participarem na merecida Homenagem ao Dr. Joaquim Marques Ferreira, o ex-presidente daquela empresa falecido recentemente. Realizou-se ainda uma tertúlia evocativa dos 10 anos de actividade da AgdA e relativa às questões do abastecimento de água.

Os autarcas, na sua generalidade, primaram pela ausência, com excepção da participação das “inaugurações” das obras feitas pela AgdA, como se de obras da sua responsabilidade se tratassem, num claro aproveitamento eleitoral.

Mas no caso de Beja, nem a isso se dignaram, primando pela ausência na inauguração da reabilitação da ETA do Roxo, fundamental para a qualidade da água que consumimos, deixando o palco (ver foto) ao presidente da Câmara de Aljustrel e da Federação do Distrito de Beja do PS…

Ministro do Ambiente preside a Homenagem ao Engº Marques Ferreira

Zé LG, 05.07.21

image001 (1).jpgO Ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, preside hoje às cerimónias de inauguração da ETA do Roxo e de Homenagem a Marques Ferreira, pessoa e profissional de grande destaque no processo de constituição e posterior administração da AgdA – Águas Públicas do Alentejo, quer para outras intervenções substantivas da gestão de recursos hídricos no Alentejo. Decorrerá também uma tertúlia alusiva ao processo de constituição e balanço da parceria pública para a gestão do sistema público integrado de águas do Alentejo, quando se assinalam os 10 anos de atividade da empresa (2020).

A Secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa, visita todas as infraestruturas integradas no roteiro dedicado ao abastecimento de água no Alentejo e que inicia no concelho de Moura e passará pelos de Serpa, Mértola, Castro Verde, Aljustrel e terminará em Beja.

LAGAR DE VARAS DE MOURA: O que faria sentido aqui? Em vez disso o que se fez?

Zé LG, 04.07.21

1317.png«O que faria sentido aqui?

Concretizar o Centro Documental da Oliveira, ligá-lo ao Jardim e ao Lagar de Varas;

Continuar a atribuir o Prémio de Mérito Académico a dissertações de mestrado e de doutoramento sobre olivicultura;

Concretizar o projeto de iluminação do Lagar de Varas (pronto desde 2017) e melhorar o espaço do monumento.

Em vez disso o que se fez?

Fez-se um trabalho de maquilhagem no edifício do antigo grémio, que continua subaproveitado;

Suprimiu-se o Prémio de Mérito Académico, porque tinha sido lançado pela Câmara anterior;

Meteu-se o projeto de iluminação na gaveta.

Construir, financiar e concretizar projetos que valham a pena e que sejam estruturantes é difícil. Assinar protocolos e fazer promessas futuras é coisa facílima.»

“Este executivo não valoriza as competências dos seus funcionários”?

Zé LG, 02.07.21

89477044_2878484238857292_870433791787663360_n.jpg«Para mim, este é o pior executivo que jamais conheci, a maioria dos funcionários estão sim desiludidos por não serem tratados da mesma forma que outros. Este executivo não valoriza as competências dos seus funcionários, o que conta é tudo menos isso.
Existe assédio moral, os funcionários não são recebidos pelo executivo, as instituições funcionam cada vez pior e a dignidade humana é muito incipiente.»
Fernanda Silva 01.07.2021, aqui.

APS concessiona Porto de Recreio de Sines

Zé LG, 01.07.21

A Administração dos Portos de Sines e do Algarve celebrou o Contrato de Concessão do Porto de Recreio de Sines com a empresa “Mermaid Objective”, pelo prazo de 10 anos, a partir de 1 de julho, na sequência do concurso público realizado.

202106291735108293.jpgRecorde-se que em Sines está localizado o único porto de recreio da costa marítima entre Setúbal e o Algarve, sendo por isso ponto de paragem das embarcações que percorrem a costa portuguesa, contribuindo para o desenvolvimento turístico de Sines e de toda a Costa Vicentina.

Não Sr. primeiro-ministro, eu não sou responsável pelo descontrolo da pandemia!

Zé LG, 27.06.21

202010151132032077.jpgO Sr. primeiro-ministro voltou a afirmar, naquela sua estratégia desresponsabilizadora, que a responsabilidade do descontrolo da pandemia é dos portugueses e que, por isso, vamos sofrer as consequências, designadamente de mais restrições.

Ora, Senhor primeiro-ministro, eu, como a esmagadora maioria dos portugueses, sempre cumpri as normas que o seu governo impôs. Mesmo quando não concordei com algumas e até achei disparatadas algumas destas. Ora, como pode vir agora o Sr. Primeiro-ministro atribuir-me responsabilidades?

Uma pandemia, uma doença, não se combate (só) com medidas administrativas, com confinamentos e restrições das liberdades individuais e colectivas. Combate-se também – e principalmente, com medidas sanitárias. E o Senhor primeiro-ministro, há mais de seis meses, repetiu a sua divulgação – testes, rastreio e confinamento das pessoas infectadas ou com hipótese de estarem. Será que essas medidas, da responsabilidade do governo, foram aplicadas de acordo com as necessidades, face à evolução da pandemia? Se foram, porque é que se chegou novamente ao descontrolo registado nalguns concelhos, designadamente da Área Metropolitana de Lisboa, como já se tinha verificado há seis meses (a história está-se a repetir uma vez mais…)?

Não, Senhor primeiro-ministro, a responsabilidade não é das pessoas, pelo menos da grande maioria. A principal responsabilidade é sua e do seu governo, porque não tomou as medidas sanitárias que anunciou, na medida que era necessário, e porque não foi capaz de fazer aplicar, a quem não as cumpre, as medidas de contenção que tomou, que é para isso, também, que serve um governo e um primeiro-ministro...

A estratégia chegana

Zé LG, 26.06.21

Apoiantes do partido da extrema direita populista colocam-se de plantão nos espaços em que acham que vale a pena mostrarem que o partido existe e atacam, muitas vezes, de forma primária, tudo e todos que acham de são de esquerda. Poucos e poucas vezes fundamentam as acusações e insinuações e quando o debate é aprofundado fogem, para voltar mais tarde com “bocas”, sempre na tentativa de mostrar que está tudo mal, que isso se deve ao 25 de Abril e às esquerdas e que nunca esteve tão mal como agora com um governo do PS, viabilizado pelos partidos da esquerda na AR. Batem sempre nas mesmas teclas, na tentativa de fazerem acreditar que na ditadura é que era bom e que é necessária uma “Revolução” para que Portugal entre na “IV República”, onde, finalmente, “o Sol brilhará para todos nós” (não se atrevem a dizer assim, mas dizem-no de outras formas)…

Às vezes, até fazem umas críticas certeiras, mas com o único objectivo de justificarem aqueles desideratos… como se todos os problemas se resolvessem com a chegada do Chega ao Poder, tipo “lava mais branco e elimina todas as nódoas... Poderíamos usar a fórmula do “é barato, é fácil e dá milhões” para sintetizar a estratégia “chegana”, para acabar com os “ismos”...

Câmara de Barrancos e NERBE/AEBAL assinaram protocolo para gestão da incubadora de empresas

Zé LG, 25.06.21

202106231603194152.jpgFoi assinado, esta semana, um Protocolo de colaboração, entre o NERBE/AEBAL e o município barranquenho, para a Gestão da Incubadora de Empresas do Concelho de Barrancos.
O município de Barrancos, com a Incubadora de Empresas, aposta na criação de uma estrutura que possa dar apoio ao lançamento de novas ideias de negócio, assim como permitir a potenciais empresários ou a outros profissionais a instalação no concelho.
O NERBE/AEBAL será a entidade gestora da Incubadora de Empresas. A Estêva- Associação para o Desenvolvimento do Concelho de Barrancos, devido ao conhecimento que tem do mercado local, é o parceiro local com o objetivo de criar as condições ao bom funcionamento da Incubadora, sendo entidade cogestora.

CDU acusa Câmara de Mértola de esconder “Documento Oficial do Município” sobre "visita" da PJ em 2019

Zé LG, 20.06.21

201803061730278395.jpgA CDU acusa a Câmara de Mértola de estar a esconder “Documento Oficial do Município” sobre “visita” da Polícia Judiciária (PJ) à Câmara, em 2019, “tendo levado alguns processos”.

A CDU de Mértola revela que “apesar da insistência dos eleitos da Coligação na Câmara e na Assembleia Municipal, a maioria socialista nunca esclareceu a razão da vinda da polícia criminal ao Município, nem sequer quais os documentos que levou, ou ainda, que suspeitas estão relacionadas com esta situação.” Diz, ainda, que “a maioria socialista, esconde, ilegalmente, um Documento Oficial do Município sobre o assunto” e que a "população tem direito à verdade".

Guerra aberta pela água no Perímetro de Rega do Mira

Zé LG, 18.06.21

202106171131456740.jpgNuma curta carta, a Associação de Beneficiários do Mira (ABM), informa que devido a situação atual dos níveis de água na Barragem de Santa Clara, “A albufeira de Santa Clara continua num nível critico o que limita o fornecimento de água às aéreas beneficiadas em 3.500m3 por hectare inscrito e impossibilita o fornecimento de água para rega ou outras utilizações a titulo precário”, não poderá continuar a fornecer água a centenas de pequenos consumidores, na maioria pequenos empresários, estando em risco negócios, pequenas hortas e criação de animais, numa situação de profunda injustiça, para quem durante anos usufruiu deste bem essencial, pagando a respetiva fatura.
Os presidentes das Câmaras de Aljezur e de Odemira manifestaram a sua preocupação e exigiram a revisão desta posição encontrando uma solução equilibrada e justa, por forma a minimizar os efeitos da necessária poupança, mas sem privar ninguém dos atuais utilizadores no acesso à água com origem em Santa Clara.

A "guerra pela água" só agora começou... imagine-se o que poderá ser quando faltar para o abastecimento público das populações, como alguns dizem poder acontecer em breve...

“TEMOS DE CONTINUAR A APOSTAR NO ENOTURISMO” afirma Rui Raposo, presidente da Câmara de Vidigueira

Zé LG, 16.06.21

imgLoader2.ashx.jpgRui Raposo, presidente da Câmara de Vidigueira, salienta o trabalho feito em prol da valorização patrimonial do concelho, nomeadamente através da promoção territorial associada aos seus recursos vitivinícolas. Refere a necessidade, entre outras, de “uma política que inverta a desertificação da generalidade dos concelhos do interior”, da “alteração do modelo agrícola, apostando na diversidade” e da obrigatoriedade “em manter as preocupações com as questões sanitárias, associadas à pandemia”.

O que se modificou no concelho de Vidigueira, desde 2017 - Houve necessidade de alterar projetos, melhorando a funcionalidade dos espaços. Um período de alguma dificuldade que conseguimos superar, valorizando, patrimonialmente, o concelho. 

As “obras” mais emblemáticas deste seu mandato - A construção do Centro de Interpretativo do Vinho da Talha, em Vila de Frades; a reabilitação do Mercado Municipal de Vidigueira; a reabilitação da Escola Frei António das Chagas; novos e modernos espaços desportivos nas instalações da piscina municipal; início da construção de uma rede de ciclovias; a Casa do Vinho e do Cante; a reabilitação das habitações na Horta de São João. Para além destas, a reabilitação urbana em Selmes, a reabilitação do parque infantil em Vila de Frades, a reabilitação da Praça da República de Pedrógão do Alentejo, a criação de uma rede de percursos pedestres. O Vidigueira Vinho, o Vidigueira ao Fresco.

Objetivos que poderão ficar por cumprir - Parque Urbano de Vidigueira, cujo concurso público vamos lançar brevemente. “Na forja estão a requalificação das praças da república em Pedrógão e na Vidigueira, o parque de festas de Selmes, o Largo da Bica em Alcaria da Serra, a reabilitação da piscina, dos polidesportivos e dos parques infantis. E um outro projeto, o Parque Fluvial do Guadiana, em Pedrógão do Alentejo”.

A principal prioridade no final de mandato - assegurar, com qualidade, a gestão corrente, mantendo o espaço público limpo e arranjado, a limpeza urbana, os espaços verdes, os equipamentos municipais, os caminhos, o apoio ao movimento associativo, as preocupações com as questões sanitárias, associadas à pandemia.

Os principais problemas com que o concelho de Vidigueira se debate - a crescente desertificação demográfica; acessibilidades – necessidade de reabilitação da rede viária, particularmente o troço que liga Pedrógão do Alentejo a Alvito, e de concluir o IP8.

Os principais desafios que a Câmara de Vidigueira terá para o quadriénio 2021/2025 - O enoturismo é uma potencialidade em que temos de continuar apostar. A captação de investimento, de empresas que possam contribuir para a fixação da população jovem existente, criando emprego sustentável, com condições para uma melhoria da qualidade de vida de toda a população do concelho.