Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Exposição de “Obras de Arte Contemporânea do Estado” inaugurada pelo ministro da Cultura

Zé LG, 16.03.24

202403152144449726.jpg

Foi hoje inaugurada, com a presença do Ministro da Cultura, a exposição “MICROPOLÍTICAS: Obras da Coleção de Arte Contemporânea do Estado”, que estará patente no Centro de Artes e Arqueologia de Beja até 27 de julho, no âmbito das comemorações do 25 de abril. Trata,se de uma exposição com 30 obras de 28 artistas da Coleção de Arte Contemporânea do Estado, que abordam questões como identidade, género, política, trabalho e colonialismo. Daqui, daqui e daqui.

O regime está a caminho do abismo

Zé LG, 21.02.24

Sem nome (44).pngNo ano em que comemoramos o 25 de Abril, que abriu portas à restauração da democracia, esta mostra como, apesar de ser uma das principais construções da humanidade, se mantém inacabada e exige contínuas melhorias.
A democracia, sendo uma emanação da vontade popular, manifestada através de eleições livres, não pode ser reduzida apenas a esse acto, apesar dele ser muito importante. Exige, cada vez mais, um maior escrutínio dos seus órgãos, a começar nos eleitos directamente, mas também aos criados e mantidos por aqueles.
A legitimidade democrática não pode limitar-se a ser sufragada apenas nas urnas no final dos mandatos. Exige escrutínio permanente e avaliações frequentes do cumprimento de políticas, medidas e promessas apresentadas nas eleições pelos que ganharam a confiança dos eleitores para as porem em prática.

Aterrou em Beja o primeiro de seis aviões P-3C adquiridos à Alemanha

Zé LG, 10.02.24

Sem nome (15).pngAterrou, esta sexta-feira, na Base Aérea N.º11, em Beja, o primeiro de seis aviões P-3C adquiridos ao abrigo do contrato celebrado entre o Governo português e o Governo alemão. Os seis aviões vão agora ser integrados na frota da Esquadra 601 – “Lobos” que já opera a versão P-3C CUP+ Orion, responsável por assegurar a soberania e a vigilância do Espaço Estratégico de Interesse Nacional e a cobertura de toda a área das duas regiões de informação de voo e de busca e salvamento sob jurisdição do Estado Português – uma das maiores do mundo –, contribuindo decisivamente para as missões de busca e salvamento de muito longo alcance, o que garantem a salvaguarda da vida humana nos casos de acidente ou de situações de emergência ocorridos no mar.

PCP quer “abrir caminho” para controlo público de empresas estratégicas

Zé LG, 15.01.24

PR (1).pngPaulo Raimundo referiu que empresas como a ANA, a Petrogal, a EDP, a PT ou os CTT foram privatizadas segundo a premissa de que “o Estado não aguenta” e que era preciso “melhorar os serviços, a resposta aos utentes”, o que considerou não se ter verificado, pelo que quer “abrir caminho” para que o Estado recupere o controlo público de empresas em sectores estratégicos da economia, qualificando as privatizações de “crime político e económico” e de “campo fértil” para a corrupção. O secretário-geral do PCP sublinhou que, apesar de a Constituição estipular que o poder económico deve estar subordinado ao poder político, “a prática diária faz o contrário”.

Estado aumenta capital social e faz empréstimo à EDIA

Zé LG, 06.01.24

edia.pngO Estado, único acionista da empresa, vai aumentar em mais cerca de 41 milhões de euros o capital social da EDIA e contratualizou com a empresa dois empréstimos no valor global de quase 23 milhões, para fazer face a serviço da dívida. Entretanto, no final de 2023, a empresa gestora do Alqueva, com sede em Beja, contratualizou com o Estado dois suprimentos, no global quase 23 milhões de euros, para satisfazer as suas necessidades de financiamento, nomeadamente para fazer face aos pagamentos de gastos com energia.

Porque “nunca foram investigados por corrupção ou tráfico de influências”?

Zé LG, 10.12.23

Sem nome (77).png«O problema é por que é que as privatizações tiveram de ser realizadas da forma como o foram, lesando o estado português? Não deviam proteger o estado e o povo português? Interessante foi a nossa justiça nada ter investigado.

José Luís Arnaut, o antigo ministro do PSD que, até então, saltava entre o apoio jurídico às privatizações e os órgãos sociais das empresas privatizadas, é o presidente não-executivo da gestora dos aeroportos nacionais; Eduardo Catroga foi o homem do PSD que despachou a privatização da EDP, como prémio por agir em nome do Estado para vender a lucrativa empresa pública, ganhou um milionário cargo na nova EDP, já privatizada.

Perplexidade: nunca foram investigados por corrupção ou tráfico de influências, nunca tiveram a PJ ou o MP a vasculhar os seus gabinetes.» Anónimo 10.12.2023, aqui.

Estado colocou mais 12,8 milhões de euros na EDIA

Zé LG, 08.08.23

Canal-de-Rega-Rogil_m-520x260.jpgA EDIA realizou um aumento de capital, no montante de 12,8 milhões de euros, através da emissão de 2,56 milhões de ações nominativas no valor de cinco euros cada, num montante total de 12.805.605 euros, a subscrever e a realizar pelo Estado, cujo objetivo é de “fazer face a despesas relacionadas com investimentos no âmbito do Programa Nacional de Regadios”.
Este é o quarto aumento de capital social da EDIA desde 2021. Em março de 2021 tinha sido feito um reforço de 40,6 milhões de euros, em agosto do mesmo ano um aumento de 7,6 milhões e no mesmo mês do ano passado um novo aumento de quatro milhões.

“Porque é que o Estado não constrói habitação como antigamente?”

Zé LG, 17.03.23

6 48.JPG«Porque é que o Estado não constrói habitação como antigamente com os CDH? Todos os anos, os municípios podiam ir construindo alguns fogos, assim equilibravam a oferta, os privados baixavam os preços e as pessoas iam tendo onde morar. Falta de imaginação e não querer ter trabalho com os concursos, estão-se borrifando para o povo.» Anónimo, a 15 de Março 2023, 15:20, aqui.