Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Ministra da Agricultura "pediu" mais tempo à FAABA para analisar problemas do sector

Zé LG Zé LG, 23.01.20

202001221539252467.jpgA FAABA reuniu-se, ontem, com a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, que “pediu” mais tempo para analisar alguns dos assuntos que lhe foram colocados.
Rui Garrido, presidente da FAABA, afirmou que a ministra da Agricultura vai “analisar” as questões que foram levantadas e que lá para Março virá a Beja reunir com a Federação, que levou para a reunião uma “grande” e “complicada” agenda com questões que passam, entre outros aspectos pela seca, medidas agro-ambientais e olival intensivo. Em cima da mesa estiveram também vários assuntos relacionadas com o Alqueva, como o alargamento do perímetro de rega e a gestão da rede secundária.

Investimento de 3,500 milhões em Central de Hidrogénio em Sines

Zé LG Zé LG, 21.01.20

Este projeto visa produzir hidrogénio a partir de fontes renováveis, para ser exportado para o norte da Europa, nomeadamente os Países Baixos. Terá a capacidade de produzir 465 mil toneladas de hidrogénio por ano, eliminando a emissão de 18,6 milhões de toneladas anualmente.

202001201026411992.jpgCom o nome de Flamingo Verde (Green Flamingo), o projeto envolve 15 empresas, incluindo o Resilient Group, o banco holandês ABN Amro, a dinamarquesa produtora de turbinas eólicas Vestas, e as portuguesas EDP e Galp.

A construção do projeto deverá arrancar no final de 2021, na zona de São Torpes, e deve criar cerca de mil postos de trabalho diretos e indiretos.

Os novos donos do Alentejo com mais de 65% dos olivais da região

Zé LG Zé LG, 17.01.20

img_797x448$2020_01_16_09_55_33_615825.jpg

Cerca de 70% do território agrícola da região de Alqueva mudou de mãos nos últimos dez anos - e o Alentejo passou de celeiro a olival da nação. O antigo terratenente seareiro cedeu lugar a um novo megalatifúndio assente em fundos  internacionais, com seis grandes grupos a deter ou a gerir mais de 65% dos olivais da região. São eles os grandes beneficiários do maior investimento público alguma vez realizado na agricultura portuguesa: 2,5 mil milhões de euros. Ao mesmo tempo que escasseia, a terra irrigada por Alqueva está a sofrer uma pressão sem precedentes, com o preço do hectare a crescer seis vezes em 15 anos. Neste período, graças aos novos olivais alentejanos, Portugal passou de importador crónico a quinto maior exportador mundial de azeite. E, segundo a Comissão Europeia, o olival português poderá aumentar 88% até 2030. Mas isso teve consequências sociais e ambientais. Este é o primeiro de três capítulos de uma reportagem realizada ao abrigo de uma bolsa de investigação jornalística da Fundação Calouste Gulbenkian

“Olivum mostra práticas sustentáveis do olival moderno”

Zé LG Zé LG, 16.01.20

202001131924066485.jpgA Olivum informa que iniciou contactos com vários stakeholders no sentido de lhes mostrar, através de encontros e visitas de campo, “as práticas sustentáveis e de defesa do ambiente no olival moderno, seja em copa seja em sebe”. O presidente da Quercus já visitou explorações do Alentejo e a Olivum garante que mostrou “práticas sustentáveis do olival moderno”.

A Olivum diz acreditar, ainda, que “é dialogando e acima de tudo, mostrando o que faz, que se poderá continuar neste caminho de sustentabilidade, rentabilidade e de modernização onde todos podem sair beneficiados” e revela que “para concretizar este objetivo” vai “continuar a convidar e a levar ao terreno todos os interessados neste sector e no seu futuro.”

Câmara Municipal de Aljustrel aprovou propostas de Áreas Empresariais de Aljustrel, Ervidel e São João de Negrilhos

Zé LG Zé LG, 15.01.20

áreas-empresariais-768x432.jpgA Câmara Municipal de Aljustrel aprovou as propostas de “delimitação e fundamentação das Unidades de Execução das Áreas Empresariais de Aljustrel, Ervidel e São João de Negrilhos”.

Com a criação das áreas empresariais, “pretende-se dar um novo impulso ao desenvolvimento económico do concelho, ambicionando-se a criação de zonas potencialmente atractivas para a chegada de novas actividades económicas, fomentando-se o empreendedorismo e a criação de emprego e, consequentemente, a fixação de população no concelho”.

Investimento de 54 M€ e criação de 200 postos de trabalho na produção de mirtilo biológico em Alcácer do Sal

Zé LG Zé LG, 13.01.20

202001091658044646.pngA antiga fábrica da Torrinha, em Montalvo, no concelho de Alcácer do Sal, vai ser requalificada pela Carsol Fruit Portugal, para receber um investimento na produção biológica de mirtilos, estimado em 54 milhões de euros e que inclui os campos adquiridos e as plantações, assim como os edifícios fabris de frio e embalamento.
Este investimento permitirá criar 200 postos de trabalho na região (2500 temporários no pico da campanha), numa área de plantação será de 400 hectares, completamente biológica, que permitirá colher uma média de 9 mil toneladas de mirtilo por ano, que se destinam essencialmente a exportação, mas também ao preenchimento das necessidades nacionais.

Município de Moura e Mineraqua Portugal assinam protocolo de colaboração no Percurso Temático da Água “Do Castello até Pisões”

Zé LG Zé LG, 12.01.20

Moura-1-768x432.jpgA iniciativa está inserida “na estratégia de desenvolvimento local, em que se pretende valorizar o activo territorial “Água” nas suas diversas dimensões enquanto património natural, cultural e paisagístico”.

Álvaro Azedo, presidente da Câmara de Moura, disse que o protocolo “visa acima de tudo, marcar a relação entre o concelho e a água que nasceu naquele concelho”, bem como “preservar a memória, potenciar o passado com oferta cultural e turística e envolver a comunidade escolar do concelho”.

“Esta iniciativa representa igualmente o culminar das comemorações dos 120 anos da marca, que contemplaram várias iniciativas realizadas ao longo do ano de 2019.”

Mértola vai receber a maior central fotovoltaica do país, num investimento de 450 milhões de euros

Zé LG Zé LG, 29.12.19

O projecto da empresa Fermesolar abrange uma área de implantação aproximada de 703 ha, ocupados pelas várias infraestruturas que compõem a Central Solar, constituída por 1.267.200 painéis que correspondem a uma potência total instalada de 557.568.000 Wpe, foi pensado como demonstração, conciliando à produção solar fotovoltaica a partir de painéis de filmes finos da última geração, a associação do armazenamento de energia em baterias de iões de lítio da última geração.

mapa_central.jpgEstima-se que o número de trabalhadores, na fase de construção, seja cerca de 200, em média.