Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Eleições Europeias podem contar para os cenários internos de cada país

Zé LG, 15.06.24

"Se as Eleições Europeias não contassem para nada nos cenários internos de cada país da União Europeia, não teríamos um terramoto político em França, Scholz na Alemanha a ter o pior resultado de sempre desde a Segunda Guerra Mundial para o SPD, o Vox a comemorar o terceiro lugar em Espanha - o que levou a vice-presidente de Espanha Yolanda Diaz a demitir-se de presidente do Sumar (mas não do governo) - e na Bélgica o primeiro-ministro Alexander Croo a demitir-se do governo (o seu partido teve apenas, pasmem-se, 5,7%)." questiona João Gomes de Almeida, dono da agência GDA & Associados, que estudou os resultados das Europeias de dia 9 de junho fazendo uma extrapolação sobre o que sucederia caso os resultados destas europeias fossem transpostos para o cenário político nacional. A Assembleia da República ficava com a composição indicada no mapa.

thumbs.web.sapo (2).png

Resultados das eleições europeias não foram tão maus como se receava

Zé LG, 12.06.24

Banner-Lopes-Guerreiro-300x286.jpgComo apontavam todas as projecções, registou-se uma viragem à direita, com reforço da extrema direita, no novo Parlamento Europeu, embora aquela viragem não tivesse sido tão acentuada como muitos admitiam. Apesar disso, o crescimento da extrema direita atingiu valores mais preocupantes em países como a Alemanha, a Áustria, a Espanha, a Itália ou a França, onde o Presidente Emanuel Macron dissolveu o Parlamento e marcou eleições legislativas antecipadas. Na Bélgica o primeiro-ministro demitiu-se, abrindo caminho à sua substituição.
O PPE – Partido Popular Europeu ganhou as eleições, com mais 13 deputados, e o S&D - grupo dos Socialistas e Democratas, com menos dois deputados, ocuparão ainda assim 45% dos 720 lugares do Parlamento Europeu. Os Verdes, com menos 21 deputados, e os Liberais, com menos 24, foram as famílias políticas europeias que registaram quebras mais acentuadas.

 

João Oliveira e Paulo Raimundo em Beja

Zé LG, 29.05.24

202405281612457616.jpgDepois de Sebastião Bugalho, cabeça de lista da AD ao Parlamento Europeu, ter estado na Segunda-Feira em Moura, e Tânger Corrêa, cabeça de lista do Chega, acompanhado de André Ventura, líder do seu partido, ter estado esta manhã em Beja, amanhã, às 15.00 horas, é a vez de João Oliveira, cabeça de lista da CDU, acompanhado de Paulo Raimundo, secretário-geral do PCP, participar, num comício no Jardim Público de Beja.

Adenda: Também Marta Temido, cabeça de lista,  e o secretário-geral do PS, Pedro Nuno Santos, visitam esta quinta-feira, a partir das 09.30 horas, o concelho de Aljustrel.

Para onde caminhamos? O que queremos?

Zé LG, 29.05.24

Banner-Lopes-Guerreiro-300x286.jpgTemos vindo a assistir a um definhamento eleitoral do conjunto das quatro principais forças políticas fundadoras da Democracia (PS, PSD, PCP e CDS), com variações entre elas e entre eleições, mas que são bem significativas nas duas últimas décadas, embora também aqui com variações entre as duas décadas. Se entre 2005 e 2015 o principal beneficiado dessa quebra eleitoral foi o Bloco de Esquerda, já entre 2015 e 2024 foram o Chega nas eleições para a Assembleia da República e o JPP – Juntos Pelo Povo, nas eleições regionais da Madeira os principais beneficiados.

 

Paulo Arsénio candida-se à concelhia de Beja do PS, a pensar nas auttárquicas

Zé LG, 27.05.24

202109232029318968.jpgO atual presidente da concelhia de Beja do PS é Dinis Cortes, foi eleito em outubro de 2022, tendo substituído Paulo Arsénio que, nessa altura, optou por não se recandidatar. Passados dois anos, Paulo Arsénio está de volta e decide avançar novamente com uma candidatura para a Concelhia, deixando antever que poderá também vir aí a recandidatura à presidência da Câmara de Beja, nas eleições autárquicas de 2025. “Por um PS vencedor, avançar com credibilidade” é o mote da candidatura de Paulo Arsénio, que refere o “pragmatismo” e “credibilidade” dos resultados "obtidos pelo PS nas autárquica, desde 2017, em Beja". As eleições estão marcadas para o dia 5 de julho. Daqui, daqui e daqui.

Menino prodígio da AD espalhou-se no último debate a quatro

Zé LG, 25.05.24

thumbs.web.sapo (1).pngO último debate a quatro junta esta sexta-feira os cabeças de lista às eleições europeias Sebastião Bugalho (AD), Marta Temido (PS), Catarina Martins (BE) e Pedro Fidalgo Marques (PAN). O debate centrou-se em temas como a eventual candidatura de António Costa à presidência do Conselho Europeu, a gestão do PRR, a IVG, a corrupção ou as novas regras orçamentais da UE. Ler aqui e aqui.
Esteve debate teve uma vencedora clara e destacada que foi Catarina Martins, incisiva e consistente quer nas propostas quer nas críticas aos outros, e um espalhanço total de Sebastião Bugalho, inseguro, com picardias com a moderadora e os outros, e sentindo-se obrigado a dar a sua palavra de honra em defesa de causas em que se motrou em contradição com a AD e o grupo em que se insere no PE. Marta Temido teve talvez a sua melhor prestação nestes debates, mais afirmativa e crítica, designadamente de algumas posições da AD. Pedro Fidalgo Marques esteve quase sempre à margem, só aparecendo no final com a reafirmação de algumas propostas mais distintivas do PAN.