Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Daqui a um mês começa o novo ano lectivo. Como vai ser?

Zé LG, 17.08.20

alunos-escolas-1.jpgEstá previsto para daqui a um mês o início do novo ano lectivo. A instabilidade gerada pela COVID19, ainda não ultrapassada, dificulta a tomada de decisões por parte dos responsáveis. Entretanto, os pais, os alunos e todos os profissionais aguardam com ansiedade para saber como vai funcionar (pelo menos, como vai começar) o novo ano lectivo.

Logo à partida, a primeira grande questão que deve ter resposta tão depressa quanto, porque interfere de sobremaneira na vida das famílias, é se as aulas vão ser totalmente presenciais, se vão funcionar “em espelho” com metade dos alunos de cada turma na escola e a outra metade em casa rotativamente, ou se vão funcionar “à distância” como se verificou no último trimestre do ano que passou.

A minha opinião é a de que, como primeira opção, as aulas deverão começar por ser todas presenciais, devendo para o efeito serem tomadas medidas minimizadoras da possibilidade e da gravidade de contágio da COVID19, designadamente: redução do número de alunos por turma, aulas apenas de manhã ou de tarde, maior protecção aos profissionais de maior risco atribuindo-lhe tarefas de contacto mais reduzido com os alunos, por exemplo, para além das medicamente aconselhadas. A segunda opção deverá ser a da rotatividade, a aplicar só em caso de força maior, devido aos impactos complexos de gerir a nível familiar.

Porque se trata de uma matéria complexa, que a (quase) todos interessa, pelos diversos e complexos impactos a nível familiar, do trabalho e social, convido-os a darem a vossa opinião. Foto daqui, onde pode aceder a alguma informação do que está a ser preparado.

Projecto És(cola) Ciência do CEBAL obtém financiamento do Portugal Inovação Social

Zé LG, 03.06.20

cebal.jpgO projecto És(cola) Ciência, promovido pelo CEBAL foi financiado pelo “Programa de Parcerias para o Impacto” do Portugal Inovação Social, no domínio do Empreendedorismo Social.

Trata-se de um projecto que conta com o suporte da EMAS de Beja, na qualidade de investidor social, bem como com o apoio da Incubadora de Inovação Social do Baixo Alentejo, com o objectivo de auxiliar no combate ao problema social do insucesso escolar na região, demonstrando cientificamente que através da introdução de actividades lúdico-científicas de ciência na escola se promove o sucesso escolar no 2º ciclo do ensino básico.

Rita Martins, investigadora responsável do projecto És(cola)Ciência, revela que o És(cola)Ciência vai ser desenvolvido num grupo com cerca de 100 crianças do 5º ano da Escola Mário Beirão em Beja. Este é um projecto piloto e aquilo que se pretende é que no futuro possa chegar a outras zonas não só da região mas também do País.

EB de Santiago Maior “escola de referência” em Beja

Zé LG, 17.03.20

260720161652-878-escolasantiagomaior.jpgA lista de escolas de referência do Baixo Alentejo que vão concentrar as refeições e o acolhimento dos filhos dos médicos e técnicos de saúde, bem como das restantes equipas de segurança e emergência, como decorre da lei já foi divulgada. Na cidade de Beja a EB de Santiago Maior é o estabelecimento de ensino de referência que, nesta fase, vai servir os Agrupamentos nº 1 e nº 2.

Veja aqui a lista de escolas de referência divulgada pelo Comando Distrital de Operações e Socorro de Beja da Autoridade Nacional de Emergência Protecção Civil.

Carlos Moedas atribui valor do Prémio Universidade de Coimbra a alunos de Beja que desejem frequentar aquela Universidade

Zé LG, 01.03.20

CM 23975036.jpgO ex-comissário europeu Carlos Moedas, que recebeu hoje o Prémio Universidade de Coimbra, defendeu que o futuro da instituição passa pela sua capacidade de olhar para uma história com mais de sete séculos.

Filho de José Moedas, um militante histórico do PCP de Beja, o engenheiro civil e economista social-democrata nasceu nesta cidade, em 1970, por cujos estudantes vai distribuir os 25 mil euros do prémio, desde que desejem frequentar cursos da Universidade de Coimbra, fundada pelo rei D. Dinis, em 1290, afirmando que "Quero ajudar os alunos da minha terra, que tenham talento, a virem estudar para Coimbra".

Diz-se que os actos ficam com quem os pratica. Este gesto de Carlos Moedas merece o reconhecimento de Beja. Felicito-o por ele.

Sociedade Ponto Verde lançou o “Manifesto da Reciclagem”

Zé LG, 16.02.20

20200213105315599 ponto verde.png..., que através de mensagens simples, pretende alertar os portugueses para a importância de fazer da separação de resíduos um hábito da rotina diária.

Para ilustrar o Manifesto foram lançados, em simultâneo, 14 vídeos, através dos quais são dadas a conhecer dicas, desconstruídos mitos e quantificados resultados sobre a importância da reciclagem.

A Sociedade Ponto Verde espera que, através do Manifesto da Reciclagem e dos novos vídeos digitais, que nos próximos anos a participação dos portugueses na reciclagem permita continuar a “empilhar embalagens recicladas suficientes que equivalha a mais de seis viagens de ida e volta à Lua”. 

Barrancos pretende elevar o Barranquenho a 3ª Língua oficial em Portugal

Zé LG, 16.02.20

A Câmara Municipal de Barrancos está a desenvolver um projecto de investigação e valorização do Barranquenho como Língua e cultura locais. O Barranquenho é desde 2008 “Património Cultural Imaterial de Interesse Municipal”.
Este “dialecto local, que mistura o português e o castelhano, revela a nítida influência Andaluz nas raízes culturais do seu povo, de fortes tradições, alegre e hospitaleiro”.
Para João Serranito Nunes, presidente da Câmara Municipal, a Língua Barranquenha encontra-se “viva”, visto que “os melhores falantes são os mais novos que ainda não foram para a escola”.
Recorde-se que a par do Português, o Mirandês é a 2ª língua oficial Portuguesa desde 1999 e é falada por mais de 10 mil pessoas.

Desafio à Câmara de Beja: Concorrer ao Prémio Cidades Educadoras para Boas Práticas de Inclusão e Democratização da Cultura

Zé LG, 17.10.19

LOGO-PREMI-AICE-2016-PT.jpgEstá aberta a convocatória da 3ª edição do Prémio Cidades Educadoras, que reconhece e dá visibilidade internacional ao trabalho que é desenvolvido nas Cidades Educadoras e destaca boas práticas inspiradoras para outras cidades na construção de contextos mais educadores.

O Prémio será concedido a três experiências inovadoras de três cidades associadas diferentes, que se destaquem no tema “Inclusão e democratização da cultura”. 

 

Poderá constituir uma excelente oportunidade de mobilizar e envolver toda a gente, designadamente a comunidade escolar, as entidades e agentes culturais e sociais num projecto inovador da “inclusão e democratização da cultura”.  Fica o desafio.

EMAS promove “Palacete da Água”

Zé LG, 04.03.19

201903011553534329.jpgA EMAS de Beja vai avançar com um novo projecto junto da comunidade escolar, desta vez a proposta é o “Palacete da Água”.

O “Palacete da Água” é uma iniciativa que faz parte do programa Beja Educa- Interrail do Conhecimento, que pretende inovar e potenciar Beja e o seu património, onde a água enquanto património natural assume um papel basilar.

Ferreira do Alentejo tem plano para “a promoção da excelência educativa”

Zé LG, 10.02.19

FA-768x432.jpgA Câmara de Ferreira do Alentejo, o Agrupamento de Escolas e a Universidade Nova de Lisboa criaram um plano de desenvolvimento e qualidade da educação que será implementado no concelho, em três anos epretende “capacitar as escolas e a comunidade para a promoção da excelência educativa, dotar tecnicamente o município para adoptar planos e estratégias que contribuam para o desenvolvimento educativo local e monitorizar as boas práticas escolares”. O arranque do projecto deverá acontecer no 2º ou 3º período.

Jornadas Municipais da Educação em Serpa debatem “Flexibilização Curricular e Inclusão”

Zé LG, 10.01.19

201901041150334544.jpgAs III Jornadas Municipais da Educação que vão decorrer em Serpa, esta 6ª feira , no Cineteatro Municipal, incluem dois painéis , um sobre “Autonomia e Flexibilidade Curricular: dos Decretos às Práticas” outro intitulado “Da flexibilização à Inclusão, que caminho?” e pretendem reflectir sobre o projecto de autonomia e flexibilidade curricular dos ensinos básico e secundário, implementado pelo actual governo, bem como promover o valor social e económico da educação, e realiza-se no âmbito do Plano Municipal de Combate ao Insucesso Escolar.

“Água com… ciência e a educação ambiental”

Zé LG, 20.11.18

laboratorio-ciência-768x432.jpgOs projectos “Ciência à La Carte” e “Heróis da Água” dão as mãosno projecto “Água com… ciência e a educação ambiental”, que pretende “conciliar a Ciência e Tecnologia com a sensibilização e educação ambiental”.

As actividades desenvolvem-se, hoje, no espaço da Paragem ambiental da EMAS, no Jardim Público de Beja.

Também hoje os alunos do Curso de Ensino e Formação Profissional de Electricidade do Agrupamento nº1 de Beja – Santa Maria recebem a palestra “A biorrefinaria tem futuro?”.

As iniciativas da Semana da Ciência & Tecnologia encerram na sexta-feira, no Auditório da Biblioteca Municipal de Beja com uma conferência subordinada ao tema “O Porco Alentejano”.

"Séc. XXI: Desafios na Educação" em debate em Beja

Zé LG, 23.10.18

201810221214009843.jpgA autarquia bejense explica que este encontro “dirigido a todos os docentes do concelho” pretende “dar voz aos protagonistas da educação no concelho de Beja e refletir, também, sobre a nova realidade e os diversos desafios na educação em Portugal”.

A inscrição é obrigatória.

 

Não sei se percebi bem: A autarquia pretende "dar voz aos protagonistas da educação" e convida só os docentes para o debate? E os pais e encarregados de educação, os alunos, os restantes trabalhadores?

A iniciativa, tanto quanto percebi, é da autarquia. E se fosse do PS os oradores seriam outros?

Município de Alandroal passa a distribuir fruta gratuita ao pré-escolar e 1.º ciclo

Zé LG, 06.10.18

alandroal.jpg

O Município de Alandroal vai passar a distribuir fruta gratuita aos alunos do pré-escolar e do 1.º ciclo daquele concelho alentejano. A iniciativa decorre de uma candidatura que o município fez ao Instituto de Financiamento de Agricultura e Pescas e que foi agora aprovada. A distribuição da fruta gratuita a estes alunos arranca a 9 de outubro e vai ser feita durante 30 semanas, às terças e quintas.

Para João Grilo, presidente daquela autarquia, a medida visa introduzir hábitos alimentares saudáveis nas crianças em tenra idade e é acompanhada por outras acções pedagógica que incentivam uma alimentação equilibrada.

APOSTAR MAIS NA ESCOLA PARA TODOS

Zé LG, 18.06.18

19 - Figura Inclusao.jpg

A Escola para Todos, como se dizia, ou Escola Inclusiva, como se diz hoje, tem de ser mais do que um slogan. Tem de integrar as políticas educativas e estar sempre presente na organização e práticas das escolas.

Agora que se iniciou a preparação do novo ano lectivo, a criação de turmas só com crianças ciganas e com horários desfasados das outras, para que as crianças se misturem o menos possível tem de ser liminarmente rejeitado pelas comunidades educativas e pelo governo.

inclusão.jpg

Um governo que, pela primeira vez na nossa História, é liderado por um primeiro-ministro de ascendência indiana e que integra uma ministra negra, um secretário de estado de etnia cigana e uma secretária de estado invisual não pode, mais do que qualquer outro, admitir práticas de exclusão ou segregação, como a que referi.

Não podemos conviver com essas práticas como se fossem normais, nos tempos que vivemos, porque não são aceitáveis.

Sei bem que não é fácil lidar com a diferença, mas também sei que a inclusão representa um investimento, porque faz de nós todos melhores pessoas e, consequentemente, ajuda a tornar a sociedade melhor e evita custos maiores para o Estado. 

CÂMARA DE BEJA PROMOVE “BRINCA, JOGA E CRESCE”

Zé LG, 22.03.18

brincar.JPG

A Câmara de Beja acaba de criar o projecto “Brinca, Joga e Cresce”. Trata-se de uma iniciativa que disponibiliza “apoio técnico ao nível da expressão e educação físico-motora nas escolas do pré-escolar público”, anuncia a autarquia.

Os técnicos do serviço de Desporto da Câmara vão deslocar-se às escolas, uma vez por semana, para colaborar com as Educadoras de Infância na planificação e dinamização das aulas de Educação Física com o intuito de “contribuir para o desenvolvimento multilateral e harmonioso da criança”.