Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

EDIA quer transformar os alunos em “exploradores da natureza”

Zé LG, 05.05.22

biodiversidade-768x432.jpgA EDIA lançou um repto às escolas do 1º ciclo ao Ensino Secundário, para participarem numa atividade denominada “Biodiversidade em Alqueva”, enquadrada no programa “Alqueva vai à escola”, onde promove atividades de educação ambiental, patrimonial, visitas guiadas às suas instalações e dinamiza ações em prol do desenvolvimento socioeconómico do território.
A EDIA quer que os alunos “fotografem, identifiquem e aprendam a flora e fauna do ecossistema Alqueva, usando a aplicação iNaturalist no telemóvel ou tablet”. A atividade é livre e gratuita e decorre nos meses de maio e junho, podendo ser realizada na envolvente da escola, no campo ou numa saída programada pelo estabelecimento de ensino.

Sindicatos exigem adiamento de transferência de competências da educação para as autarquias

Zé LG, 03.04.22

202204011252046975.jpgSindicalistas do distrito de Beja entregaram um documento na CIMBAL contra a municipalização da educação. No dia em que os municípios passaram a ter, "por imposição" do governo, as competências na área da educação, os sindicatos voltaram a pedir o adiamento da transferência de competências para as autarquias locais no âmbito da educação.

Esta ação surgiu no âmbito da luta que tem sido travada pelos sindicatos no sentido de se adiar o processo de transferência de competências para as autarquias locais, promovendo dessa forma um debate mais alargado na sociedade portuguesa sobre educação e a escola pública em Portugal. Daqui e daqui.

“Quanto menos se sabe, mais se discute”

Zé LG, 30.12.21

o-objetivo.jpg«Já aqui assisti, algumas vezes, a “conversas de pessoas normais”. Foi quase sempre a propósito do Hospital de Beja. Quando o tema exige conhecimentos concretos e experiência pessoal, essas conversas podem acontecer, com educação. No caso dos temas genéricos, vêm à tona os preconceitos ideológicos e acontecem os insultos irracionais. Quanto menos se sabe, mais se discute.» Anónimo 27.12.2021, aqui.

Beja Educa + Sucesso Escolar regressa às escolas

Zé LG, 09.12.21

202112061331471247.jpgO projeto Beja Educa + Sucesso Escolar regressa às escolas do concelho de Beja, contribuindo com ofertas diversificadas e complementares ao ensino formal, dirigidas, sobretudo ao 1º ciclo. Este ano letivo com equipas reforçadas nas áreas do apoio psicossocial, educação empreendedora na escola, cante alentejano e danças tradicionais e também com as artes performativas no 1º ano.

Pretende-se desta forma a implementação de respostas inovadoras, que previnam o absentismo e o abandono escolar e promovam a igualdade no acesso à Educação e ao sucesso escolar.

Candidatura do BE à Autarquia de Beja propõe "medidas no sentido da valorização dos recursos das escolas"

Zé LG, 16.09.21

BE.pngNa educação, a situação de pandemia agudizou as condições de desigualdade, dos jovens oriundos de famílias mais desfavorecidas. Impunha-se tomar medidas que contribuíssem eficazmente para ultrapassar os danos causados. Contudo, assistimos ao início das atividades letivas sem que, apesar dos anúncios, se vislumbrem os reforços necessários nesta área. Propomos as seguintes medidas no sentido da valorização dos recursos das escolas:

Materiais: as escolas do ensino básico do nosso concelho necessitavam de ver substituído o seu mobiliário (mesas, cadeiras, armários…) que já se encontra bastante desgastado e de serem dotadas dos meios informáticos que, abrangendo um grande número das suas salas de aula permitissem a diversificação de estratégias

Humanos: Colocação de docentes mais jovens nos quadros que vão acompanhando e substituindo os colegas que se vão aproximando da idade da reforma (a precariedade não torna a profissão atrativa para quem quer entrar na carreira) e de não docentes (técnicos operacionais e outros que nunca foram em número suficiente).

Estratégias para ultrapassar as dificuldades de aprendizagem agravadas nestes dois últimos anos: uma efetiva diminuição dos elementos da turma e o reforço do trabalho colaborativo com colocação de pares pedagógicos nas turmas com mais dificuldade. A diminuição dos alunos em cada turma seria também uma garantia de melhores condições sanitárias.

Municipalização da educação: Continuamos a considerar que a chamada transferência de competências não responderá eficazmente aos grandes desafios colocados neste setor para que o direito constitucional ao ensino seja efetivado em condições de igualdade no nosso concelho.

Texto da responsabilidade da candidatura do Bloco de Esquerda à Autarquia de Beja.

Porque não nomeia a Câmara de Beja o chefe da Divisão de Educação?

Zé LG, 28.07.21

202202_120299424712202_100001964355685_150987_1315«Não deixa de ser estranho (no mínimo) que a área em que a autarquia recebeu mais competências em 2021 – a Educação – seja a única que não tenha, até ao momento, dirigente intermédio nomeado, ao contrário de todas as outras em que decorreram concursos na mesma altura. Numa área tão complexa, não se compreende que tal não tenha ainda acontecido.» - José Filipe Murteira, aqui.

PCP refere que “pobreza alastrou na região Alentejo”

Zé LG, 22.10.20

imgLoader2.ashx.jpg"A situação de pandemia em que se vive tem tido impactos significativos na região Alentejo, entre eles o aumento do desemprego, a diminuição de rendimentos e o agudizar da situação dos profissionais da cultura, questões que conduziram ao alastrar da pobreza neste território, onde a campanha do medo também se acentua”, refere Dias Coelho da DRA do PCP, acrescentando que as dificuldades não se ficam por aqui, pois tem tido manifestações bastante negativas, igualmente, nas questões da saúde e da educação.

Daqui a um mês começa o novo ano lectivo. Como vai ser?

Zé LG, 17.08.20

alunos-escolas-1.jpgEstá previsto para daqui a um mês o início do novo ano lectivo. A instabilidade gerada pela COVID19, ainda não ultrapassada, dificulta a tomada de decisões por parte dos responsáveis. Entretanto, os pais, os alunos e todos os profissionais aguardam com ansiedade para saber como vai funcionar (pelo menos, como vai começar) o novo ano lectivo.

Logo à partida, a primeira grande questão que deve ter resposta tão depressa quanto, porque interfere de sobremaneira na vida das famílias, é se as aulas vão ser totalmente presenciais, se vão funcionar “em espelho” com metade dos alunos de cada turma na escola e a outra metade em casa rotativamente, ou se vão funcionar “à distância” como se verificou no último trimestre do ano que passou.

A minha opinião é a de que, como primeira opção, as aulas deverão começar por ser todas presenciais, devendo para o efeito serem tomadas medidas minimizadoras da possibilidade e da gravidade de contágio da COVID19, designadamente: redução do número de alunos por turma, aulas apenas de manhã ou de tarde, maior protecção aos profissionais de maior risco atribuindo-lhe tarefas de contacto mais reduzido com os alunos, por exemplo, para além das medicamente aconselhadas. A segunda opção deverá ser a da rotatividade, a aplicar só em caso de força maior, devido aos impactos complexos de gerir a nível familiar.

Porque se trata de uma matéria complexa, que a (quase) todos interessa, pelos diversos e complexos impactos a nível familiar, do trabalho e social, convido-os a darem a vossa opinião. Foto daqui, onde pode aceder a alguma informação do que está a ser preparado.

Projecto És(cola) Ciência do CEBAL obtém financiamento do Portugal Inovação Social

Zé LG, 03.06.20

cebal.jpgO projecto És(cola) Ciência, promovido pelo CEBAL foi financiado pelo “Programa de Parcerias para o Impacto” do Portugal Inovação Social, no domínio do Empreendedorismo Social.

Trata-se de um projecto que conta com o suporte da EMAS de Beja, na qualidade de investidor social, bem como com o apoio da Incubadora de Inovação Social do Baixo Alentejo, com o objectivo de auxiliar no combate ao problema social do insucesso escolar na região, demonstrando cientificamente que através da introdução de actividades lúdico-científicas de ciência na escola se promove o sucesso escolar no 2º ciclo do ensino básico.

Rita Martins, investigadora responsável do projecto És(cola)Ciência, revela que o És(cola)Ciência vai ser desenvolvido num grupo com cerca de 100 crianças do 5º ano da Escola Mário Beirão em Beja. Este é um projecto piloto e aquilo que se pretende é que no futuro possa chegar a outras zonas não só da região mas também do País.

EB de Santiago Maior “escola de referência” em Beja

Zé LG, 17.03.20

260720161652-878-escolasantiagomaior.jpgA lista de escolas de referência do Baixo Alentejo que vão concentrar as refeições e o acolhimento dos filhos dos médicos e técnicos de saúde, bem como das restantes equipas de segurança e emergência, como decorre da lei já foi divulgada. Na cidade de Beja a EB de Santiago Maior é o estabelecimento de ensino de referência que, nesta fase, vai servir os Agrupamentos nº 1 e nº 2.

Veja aqui a lista de escolas de referência divulgada pelo Comando Distrital de Operações e Socorro de Beja da Autoridade Nacional de Emergência Protecção Civil.

Carlos Moedas atribui valor do Prémio Universidade de Coimbra a alunos de Beja que desejem frequentar aquela Universidade

Zé LG, 01.03.20

CM 23975036.jpgO ex-comissário europeu Carlos Moedas, que recebeu hoje o Prémio Universidade de Coimbra, defendeu que o futuro da instituição passa pela sua capacidade de olhar para uma história com mais de sete séculos.

Filho de José Moedas, um militante histórico do PCP de Beja, o engenheiro civil e economista social-democrata nasceu nesta cidade, em 1970, por cujos estudantes vai distribuir os 25 mil euros do prémio, desde que desejem frequentar cursos da Universidade de Coimbra, fundada pelo rei D. Dinis, em 1290, afirmando que "Quero ajudar os alunos da minha terra, que tenham talento, a virem estudar para Coimbra".

Diz-se que os actos ficam com quem os pratica. Este gesto de Carlos Moedas merece o reconhecimento de Beja. Felicito-o por ele.

Sociedade Ponto Verde lançou o “Manifesto da Reciclagem”

Zé LG, 16.02.20

20200213105315599 ponto verde.png..., que através de mensagens simples, pretende alertar os portugueses para a importância de fazer da separação de resíduos um hábito da rotina diária.

Para ilustrar o Manifesto foram lançados, em simultâneo, 14 vídeos, através dos quais são dadas a conhecer dicas, desconstruídos mitos e quantificados resultados sobre a importância da reciclagem.

A Sociedade Ponto Verde espera que, através do Manifesto da Reciclagem e dos novos vídeos digitais, que nos próximos anos a participação dos portugueses na reciclagem permita continuar a “empilhar embalagens recicladas suficientes que equivalha a mais de seis viagens de ida e volta à Lua”. 

Barrancos pretende elevar o Barranquenho a 3ª Língua oficial em Portugal

Zé LG, 16.02.20

A Câmara Municipal de Barrancos está a desenvolver um projecto de investigação e valorização do Barranquenho como Língua e cultura locais. O Barranquenho é desde 2008 “Património Cultural Imaterial de Interesse Municipal”.
Este “dialecto local, que mistura o português e o castelhano, revela a nítida influência Andaluz nas raízes culturais do seu povo, de fortes tradições, alegre e hospitaleiro”.
Para João Serranito Nunes, presidente da Câmara Municipal, a Língua Barranquenha encontra-se “viva”, visto que “os melhores falantes são os mais novos que ainda não foram para a escola”.
Recorde-se que a par do Português, o Mirandês é a 2ª língua oficial Portuguesa desde 1999 e é falada por mais de 10 mil pessoas.