Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Óculos simuladores de efeitos de drogas, nas escolas de Santiago do Cacém

Zé LG, 02.07.24

Sem nome (81).pngA Câmara Municipal de Santiago do Cacém entregou óculos simuladores dos efeitos do consumo de álcool e de canábis às escolas do concelho. Estes óculos devem ser utilizados em ações de sensibilização desenvolvidas pela Guarda Nacional Republicana (GNR), junto dos alunos, "com o objetivo de alertar sobre os perigos da utilização destas substâncias psicoativas", refere o Município.
A vereadora da Educação da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, Sónia Gonçalves, e o Alferes Morais, do Destacamento Territorial da GNR de Santiago do Cacém, testaram os equipamentos, que têm uma finalidade educacional e simulam os efeitos produzidos pelo consumo das substâncias referidas como: estado de alerta reduzido, tempo de reação lento, alteração da perceção de profundidade e distância, redução da visão periférica, confusão, distorção visual, entre outros.

A Escola, para além de ensinar, tem também de educar

Zé LG, 26.06.24

Banner-Lopes-Guerreiro-300x286.jpgCom demasiada frequência, lemos e ouvimos comentários, designadamente de professores, a afirmar que são os pais que devem educar os filhos, porque a eles apenas lhes compete ensinar.
Ou seja, de acordo com aqueles comentários, aos pais compete-lhes “a transmissão de princípios relacionados com comportamentos e atitudes correspondentes aos usos socialmente corretos” aos seus filhos, enquanto aos professores compete “a transmissão de conhecimentos e competências”, porque têm “apenas como função fornecer aos alunos as condições necessárias para que eles aprendam”.

 

"A Revolta dos Ecopontos" é apresentado amanhã em Alvito

Zé LG, 25.06.24

Dia 26 de junho, às 16h30, no Centro Cultural Raúl de Carvalho.

448827688_783095904014408_3711761578733724451_n (1).jpgA publicação da obra «A Revolta dos Ecopontos» surge integrada no projeto de sensibilização ambiental, desenvolvido ao longo do ano letivo de 2023-2024, intitulado «Juntos pelo Planeta», desenvolvido com as turmas do 1º Ciclo do Agrupamento de Escolas de Alvito e a Biblioteca Municipal Luís de Camões. Exploraram-se e debateram-se os vários problemas ambientais existentes, promoveu-se o Projeto «Recolha Porta a Porta», já implementado no concelho de Alvito, e realizou-se uma visita guiada ao Aterro Intermunicipal de Vila Ruiva.  A turma do 3º ano elaborou a escrita e a ilustração deste livro, com o propósito de sensibilizar toda a comunidade para a responsabilidade de cada um de nós, no que diz respeito à preservação do ambiente e dos recursos naturais.

“Porque isso iria implicar que todos estaríamos a dar dinheiro aos capitalistas”

Zé LG, 05.06.24

Ilustra-Publico_privado-696x487 (1).jpg«Claro que todas as pessoas, sejam de que partido ou de que ideologia forem, têm o direito de recorrerem a hospitais privados e inscreverem os seus filhos nas escolas privadas que quiserem, ... desde que tenham dinheiro para tal.
O problema, é que alguma malta de esquerda, não defende e nem sequer permite, que se fale ou equacione que o Estado Português possa apoiar e assim permitir que as pessoas que não têm recursos, também possam recorrer aos mesmos hospitais privados e os seus filhos se inscreverem nas mesmas ditas escolas privadas em que eles o fazem.
Porque isso iria implicar que todos nós estaríamos a dar dinheiro aos capitalistas nacionais e estranjeiros, no caso da saúde em particular ao Estado Chinês, em vez de o investirmos no SNS e na Escola Pública.» Anónimo 28.05.2024, aqui.

Até sempre Florival Baiôa!

Zé LG, 13.02.24

DSC_0746.JPG

Florival Baiôa Monteiro, de 73 anos, natural de Beja, morreu, na sua casa, vítima de doença prolongada. O funeral sai amanhã, às 10h45, da Casa Mortuária de Beja para o Cemitério da Quinta do Conde, onde será cremado.
Embora esperada, foi com profunda tristeza que recebi a notícia da sua morte. Um velho e bom amigo, com quem partilhei causas comuns, sempre irrequieto, com boa disposição e amigo do convívio com os amigos. 
Florival Baiôa marcou a vida de Beja nas últimas décadas: como professor marcou gerações de alunos que o admiravam e estimavam; como investigador e divulgador da história local, designadamente da azulejaria, da doçaria e das tradições; como dinamizador e agregador dos bejenses para causas importantes, quer através da Associação para a Defesa do Património da Região de Beja quer do movimento Beja Merece. Amava como poucos a sua / nossa Cidade e pôs a sua irreverênvia, o seu desassossego e o seu dinamismo ao seu serviço, em defesa das causas mais importantes contra a estagnação, o isolamento e o esquecimento de que tem sido vítima, nunca se acomodando a essa “fatalidade”. Foi assim até ao fim. Beja fica a dever-lhe muito. Ficámos todos, os que alguma vez com ele privámos, mais pobres.
A toda a família apresento os meus sentidos pêsames.

Diga “se realmente defende a reintrodução de exames finais”

Zé LG, 28.01.24

avaliação europa.jpg«Teremos de introduzir provas de aferição no 4º ano e no 6º ano de escolaridade», disse há dias Alexandre Homem Cristo, candidato a deputado pela AD e putativo novo mininstro da Educação, caso a direita ganhe eleições. Acrescentando que, «para ser eficaz, a monitorização da aprendizagem deve ser feita no final dos ciclos do ensino básico e com resultados publicados».
... as Provas de Aferição têm um propósito claro e distintivo. Visam identificar matérias e competências em que os alunos revelam ainda dificuldades, de modo a que as mesmas possam ser trabalhadas pelos docentes e pelas escolas no ano seguinte. É por isso, e não por acaso, que as Provas de Aferição se realizam durante os ciclos do ensino básico (no 2º, 5º e 8º ano) e não no final, quando já não haveria tempo, nem o mesmo contexto, para recuperar e melhorar….
Por isso, se realmente defende a reintrodução de exames finais, que já ninguém realiza há muito tempo no 4º e 6º ano por essa Europa fora, conviria que Alexandre Homem Cristo revelasse com clareza ao que vem. Nuno Serra, aqui.

"Futuros empreendedores não têm de ser adultos viciados no telemóvel"

Zé LG, 16.09.23

Sem nome (45).png«Os futuros empreendedores não precisam de ser adultos viciados no telemóvel. Precisam de ser pessoas capazes de escutar, e de ter a atenção focada durante muito tempo. Não querem ser pessoas incapazes de inibir os estímulos externos ou encantados pela irrelevância. Precisam de ter autocontrolo, temperança, força interior e critério. Não é preciso ter um smartphone aos 12 anos para saber usar o Word e o Excel com 22 anos. Temos de formar os nossos jovens tendo em atenção o Office, claro, mas não é necessário converter o tablet num método educativo para o atingir. Se o seu filho sabe como usar um smartphone aos 2 ou 3 anos, não é porque seja inteligente, é porque o engenheiro que desenhou o smartphone é inteligente. A tecnologia está desenhada para ser 'plug&play'.» Catherine L'Ecuye, perita em educação, aqui.

A educação é mesmo uma paixão?

Zé LG, 13.09.23

Sem nome (44).pngEm 1995, por altura da campanha eleitoral, António Guterres lançou o slogan da paixão pela educação. Em 2015, novamente numa campanha eleitoral, António Costa afirmou: “É hora de voltarmos a dizer, … , que a educação tem que ser de novo uma paixão deste país e é necessário investir na nossa Educação”.

A poucos dias do início de mais um ano lectivo, importa reflectir até que ponto a paixão do PS pela Educação se tem efectivado, até porque está mais próximo de falhar um país que não aposta tudo na educação e formação da sua população, porque a escola pública deve ter como principal função servir de elevador social, corrigindo desigualdades sociais e contribuindo para criar uma sociedade mais justa.

 

 

“shiu que isto é um estado socialista”

Zé LG, 29.08.23

345628500_800198228157374_6827157474773887391_n.jpg«O FABRICO DAS NOVAS ELITES

Sempre achei desajustado o foco na luta contra as propinas. Mais graves me pareciam/parecem outras situações. As dificuldades crescentes em se pagar um alojamento e o vale-tudo no arrendamento de quartos veio, infelizmente, dar-me razão. Há um sacrifício crescente por causa das famílias e o que mais pesa não são as propinas. Mas sim o resto: o alojamento, a alimentação, as deslocações, os livros etc. As desigualdades vêm de trás e cimentam-se aí.

A ironia maior é andarmos a criar elites em domínios com grande procura (medicina, engenharia, arquitetura...) para depois serem outros países a disso tirar partido. E empresas nossas que não investem um cêntimo na Educação.

Mas, atenção!, shiu que isto é um estado socialista.»

Santiago Macias, aqui.

Câmara de Beja apresenta Projeto Cultivar – Sustentabilidade Global

Zé LG, 20.03.23

Cartaz final sustentabilidade global.jpg

A Câmara Municipal de Beja, apresenta, amanhã, dia 21 de Março, às 11 horas, o Projeto Cultivar – Sustentabilidade Global, uma ação do projeto Beja Educa + Sucesso Escolar, o qual promove práticas de conservação de recursos naturais, através da educação ambiental no cumprimento dos 17 Objectivos do desenvolvimento Sustentável (agenda sustentável da ONU). O projeto comunitário que vai funcionar como o laboratório para os pequenos agricultores decorrerá no espaço recuperado da estufa, no Jardim Municipal de Beja, a partir do Dia Mundial da Árvore, data a partir da qual estará de porta aberta entre as 9h30 e as 12h30 e as 15h00 e as 18h00.