Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Central de Cervejas adquiriu a Água Castello

A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas anunciou esta segunda-feira que adquiriu a um grupo de investidores privados liderado pela Capital Criativo a totalidade da Mineraqua Portugal, que detém a concessão e a marca Água Castello, com "efeitos a 1 de agosto". Na Água Castello laboram 23 pessoas.

água.jpgA Água Castello tem a sua unidade de enchimento em Pisões, Moura, no Alentejo, "ecossistema que confere características únicas e diferenciadas a esta água mineral natural gaseificada”.

Projecto (Des)construir para a economia circular reuniu na CIMBAL

amcal.jpgEstiveram presentes técnicos do LNEG – Laboratório Nacional de Energia e Geologia e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, com preciosos contributos para o desenho de um sistema integrado de gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD’s) para o Baixo Alentejo, candidatável a fundos comunitários.

(Des)construir para a economia circular tem como principais objectivos eliminar a deposição ilegal de RCD, reduzir a deposição em aterro de RCD, reduzir o consumo de recursos naturais e recuperar, reutilizar e reciclar os resíduos.

Efacec vai instalar central fotovoltaica em Moura

paineis-solares-768x432.jpgA empresa anuncia que viu adjudicada pela EDIA - Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas de Alqueva, a central fotovoltaica de Moura com 1 MW (Megawatt), que “vai permitir a distribuição de energia para 801 habitações”.

Esta central de Moura pode contribuir para solucionar o problema dos 105 trabalhadores que perderam o seu posto de emprego, com o encerramento da fábrica de painéis solares de Moura, detida pelos espanhóis da Acciona.

“Olival no Alentejo: a revolução agrária 4.0 à volta do Alqueva”

thumbs.web.sapo.io.jpgHá uma mudança na paisagem do Alentejo. A reboque do olival intensivo e superintensivo a planície dourada está a dar lugar a um manto verde. Associações ambientalistas e investigadores (Universidade de Évora) alertam para os perigos dos pesticidas e pedem boa gestão da água. Agricultores (Olivum) e Câmara Municipal de Beja defendem que promove investimento, dinamiza a economia, cria emprego e fixa populações. O Ministério da Agricultura e entidades públicas (EDIA e INIAV) reforçam que não provoca danos ao ambiente.

Veja aqui a reportagem de Miguel Morgado, para o SAPO 24.

Secretário de Estado da Internacionalização defende um “território mais amigo da captação de investimento”

Captação-768x432.jpgEurico Brilhante Dias, secretário de Estado da Internacionalização esteve esta manhã em Beja, na sessão de informação sobre Internacionalização e Captação de Investimento, defendendo que é preciso “trabalhar com os Municípios para tornar o território [português] mais amigo da internacionalização e da captação [de investimentos]”, porque que é necessário “construir um território mais propício ao investimento nacional e estrangeiro, mas acima de tudo”, para que é preciso mostrar aos investidores que Portugal “é o local indicado para desenvolver actividades económicas” e salientou a importância de criar emprego e fixar população para serem “criadas oportunidades de desenvolvimento (…) e captar investimento”.

CIMBAL recebe sessão sobre economia circular

CIMBAL-2.jpgA CCDR Alentejo promove uma sessão de trabalho sobre (Des)construção, associada à Agenda Regional de Economia Circular, nesta sexta-feira, dia 25, nas instalações da CIMBAL, em Beja, entre as 10.00 e as 12.30 horas.

A sessão destina-se aos técnicos e eleitos das autarquias, a associações empresariais e empresas de construção civil.

Xylella Fastidiosa pode arrasar olivais alentejanos

IMG_5745.JPG

Chama-se Xylella Fastidiosa, é uma bactéria identificada há cerca de um ano e meio em Alicante e que deixou em pânico os agricultores espanhóis. O impacto desta bactéria repercute-se em quebras drásticas de produção e é visível por causar necroses nas folhas das árvores, sejam amendoeiras, oliveiras e citrinos e mesmo a vinha.

No Alentejo, o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) está a fazer o controlo das oliveiras para sinalizar eventuais contágios mas os produtores reclamam por apoio governamental para controlar e prevenir a doença.

As consequências mais dramáticas da Xylella Fastidiosa em Portugal podem concentrar-se sobretudo no Alentejo, "onde estão concentradas dezenas de milhões de oliveiras, amendoeiras e outras árvores de fruto que são o habitat ideal para a propagação de uma praga que já preocupa os olivicultores alentejanos, sobretudo os que exploram grandes áreas de olival intensivo e superintensivo".

Secretário de Estado das Pescas em Mértola

1.JPGO Secretário de Estado das Pescas, José Apolinário, reuniu-se no passado sábado, em Mértola, com os presidentes das Câmaras de Mértola e Alcoutim, a Capitania do Porto de Vila Real de Santo António, o ICNF, as Juntas de Freguesia de Mértola, de Santana de Cambas, de Espírito Santo, de Alcoutim, e pescadores dos concelhos de Mértola e Alcoutim, com o objetivo de criar um regime especial para a pesca profissional no rio Guadiana, que mantenha e incentive a pesca profissional no rio, sendo este um motor de desenvolvimento económico, mas também um meio de manter as tradições do concelho, a ligação ao rio e aos seus recursos gastronómicos.

EDIA avança com primeira URSA em Serpa

URSA.jpgA EDIA -Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas de Alqueva está a implementar a primeira unidade do projecto URSA – Unidade de Recirculação de Subprodutos de Alqueva, no concelho de Serpa.

Segundo a EDIA, “este projecto apresenta uma estrutura assente no uso eficiente de recursos, nomeadamente na protecção do solo e da água, e na valorização de subprodutos, contribuindo para acelerar a transição para a economia circular, através de uma agricultura em linha com os princípios deste novo paradigma”.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Tens toda a razão. Já cá faltava a patetice da com...

  • Anónimo

    Vote no PAN.

  • Anónimo

    Já cá faltava a patetice da habitual comparação co...

  • Anónimo

    alguém pode dizer onde é este lugar?

  • Anónimo

    Concordo a 1000% com M. Frade.Pode-se, rádios, jor...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.