Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Empresa Poças testa semana de trabalho mais curta sem cortar salário

Zé LG, 05.06.24

1716890428160.jpgHá mais uma empresa portuguesa a praticar uma semana de trabalho mais curta do que as tradicionais 40 horas. No setor dos vinhos, e com mais de 100 anos de história, a Poças decidiu passar a “oferecer” aos seus 45 trabalhadores as tardes de sexta-feira, sem qualquer corte no salário. O modelo vai ser testado durante 12 meses e, segundo explicou o diretor administrativo, serve, nomeadamente, para estimular a retenção de mão-de-obra.
A propósito, os resultados preliminares do projeto-piloto nacional já davam sinais positivos quanto ao impacto da semana de trabalho mais curta na fidelização de profissionais: 85% dos trabalhadores que participaram no projeto-piloto já diziam que apenas aceitariam mudar para uma empresa com um funcionamento a cinco dias, mediante um aumento salarial superior a 20%.

Enfermeiros exigem à ULSBA correção das “injustiças”

Zé LG, 19.05.24

202403121551423788.jpgO Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) entregou, ontem, um abaixo-assinado ao Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA). A homologação da Avaliação do Desempenho dos biénios 2019/2020 e 2021/2022 e a correção das “injustiças” que isso está a provocar são as principais reivindicações dos enfermeiros, porque “os anos passam e os problemas não se resolvem, apesar do compromisso assumido pelo Conselho de Administração e após uma denúncia que se realizou no passado dia 12 de março de 2024.”

“nada me move contra as pessoas que defendem um determinado modelo de organização familiar”

Zé LG, 18.04.24

Sem nome (55).png«O que me parece estar em causa é uma tentativa de regresso a um conjunto de valores que garantiam a hegemonia de uns poucos que, nostálgicos desse poder, sentem agora o chão seguro para reverter o que entretanto se alcançou. Porque tudo na vida, caríssimos ouvintes, é política e, se é política, é ideologia e, sendo-o, pode e deve ser confrontada e combatida.» Assim termina a sua crónica Rui Óscar Teixeira, aqui.

Do campo para a estrada

Zé LG, 02.02.24

naom_65bb75ca89caa.jpgCom cartazes a alertar para que "o nosso fim é a vossa fome" os agricultores de Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus, deixaram as suas terras e, montados em tractores e outros veículos, ocuparam estradas, incluindo auto-estradas, condicionaram as fronteiras e invadiram cidades.

Esta acção de protesto, convocada por um auto-denominado Movimento Civil de Agricultores, para além das reivindicações comuns a todos e específicas de cada região, entre outras leituras que podemos fazer, tem uma que o governo (e a CE) e os partidos não podem ignorar: só um grande sentimento de injustiça e um enorme descontentamento transversais a todos os homens da terra (independentemente de muitas diferenças, algumas quase antagónicas) poderiam provocar tamanha revolta.

Plataforma Casa Para Viver em Beja alertou sobre o "direito à habitação"

Zé LG, 27.01.24

202401271019197542.jpgA defesa do direito à habitação regressou hoje às ruas do País. Em Beja, a concentração da Plataforma Casa Para Viver começou às 09h00, junto ao mercado de Santo Amaro, com a distribuição de informação sobre o que falta cumprir nesta matéria e com as exigências desta organização. Os protestos voltam às ruas do País porque "os problemas relacionados com a habitação continuam e nalguns casos até agravaram". A Plataforma Casa Para Viver recorda que há reivindicações que continuam por cumprir como e que se pretende marcar a agenda política, num ano em que "é preciso pedir aos partidos compromissos relativos à habitação", tendo em atenção as legislativas de 10 de março.

EMAS de Beja assina novo acordo de empresa com o STAL

Zé LG, 22.12.23

202312212140099531.jpegO novo Acordo de Empresa formalizado entre a EMAS, de Beja, e o STAL, que entra em vigor em Janeiro de 2024, “resulta de um processo negocial concordante, que visa regular as relações laborais entre a empresa e os colaboradores, de forma a assegurar os direitos, os deveres e as obrigações entre as partes, tendo como base a Lei Geral do Trabalho”, refere a EMAS, concluindo que “O ano em que a EMAS assinala os seus 20 anos de atividade enquanto empresa municipal, termina assim com mais um importante marco alcançado, que será benéfico para o presente e futuro de toda a organização”. Daqui, daqui e daqui.

Árvore dos direitos colocada pela USDB junto da Casa da Cultura de Beja

Zé LG, 21.12.23

USDB.pngA União de Sindicatos do Distrito de Beja (USDB) promoveu hoje de manhã, junto à Casa da Cultura em Beja, uma ação de uma denúncia pública das desigualdades e injustiças sociais que, nesta altura do ano, assumem ainda maior destaque, exigindo resposta às justas reivindicações dos trabalhadores, reformados, pensionistas e outras camadas da população, tais como o aumento significativo dos salários e pensões, contra o aumento do custo de vida, o investimento nos serviços públicos e funções sociais do Estado, a garantia do direito à saúde, à educação e à habitação.

Diz a USDB que “na atual situação os trabalhadores, reformados, pensionistas, idosos e outras camadas da população vivem grandes dificuldades no seu dia a dia”. E mais: “Os baixos salários e pensões levam a uma luta diária para pagar as contas, a renda ou a prestação ao banco, a comida para pôr na mesa, enquanto se assiste a lucros escandalosos por parte de alguns grupos económicos, com o aumento da exploração, do custo de vida, impondo ainda mais dificuldades a quem trabalha ou trabalhou”. Ver aqui também.

Tráfico de Seres Humanos é uma das mais graves formas de violação da dignidade humana

Zé LG, 21.10.23

COPETO-COR_800x800.jpg«O Tráfico de Seres Humanos (TSH), é um fenómeno global e uma das mais graves formas de violação da dignidade humana, constituindo, frequentemente, um crime violento, cometido por redes de criminalidade organizada, que afeta maioritariamente mulheres e crianças destinadas ao mercado sexual ou a trabalhos forçados. 

O TSH nas suas várias vertentes, não é um fenómeno recente e tampouco se confina hoje às fronteiras de alguns países e/ou regiões de mundo dito mais pobres, constituindo uma grave violação dos direitos humanos, na medida em que afeta sobretudo grupos vulneráveis como as mulheres e as crianças em qualquer ponto do mundo, não estando o nosso pais imune às redes de TSH.»

Rogério Copeto, Coronel da GNR e Mestre em Direito e Segurança e Auditor de Segurança

PCP e BE "apelam" à participação na tribuna pelo direito à habitação

Zé LG, 29.09.23

202309231938106610.pngA Direção Regional do Alentejo do PCP e a Coordenadora Concelhia de Beja do Bloco de Esquerda "apelam" à participação no protesto, agendado para sábado de manhã, pelo direito à habitação. Em Beja está prevista a realização de uma tribuna pública, às 10.00 horas, no Jardim do Bacalhau, para exigir “medidas que baixem os custos com a habitação e garantam o acesso à mesma pelo tempo condigno e com a estabilidade necessária à emancipação e vida de cada um, o fim dos despejos e a revogação da Lei dos Despejos, mais habitação publica e alojamento estudantil e a melhoria dos salários, reformas e pensões para fazer face aos custos com a habitação.”