Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Beja, "madrasta" e com outros "defeitos", entre desilusão e pessimismo e factos e confiança

Zé LG, 19.12.20

127039230_1087071795058396_6042060700786322194_o.j«Mas mais do que "madrasta" a cidade tem outros "defeitos" bem piores. Sendo o principal a total ausência de investimentos estruturais...

E não há nada a fazer, dada a inoperância e incapacidade manifesta dos políticos e governantes locais para conseguirem atrair investidores e investimentos sobre o que quer que seja. Com exceção evidente dos olivais e outras culturas intensivas e superintensivas. Que pouco ou nenhum emprego criam, cujas mais valias não ficam na região, que degradam a qualidade de vida e o ambiente e que dentro de duas ou três décadas só deixaram terra queimada...»

 

«O seu post é de uma ignorância atroz. Informe-se do número de pessoas que trabalham nas explorações de regadio do Alqueva, informe-se do número de jovens formados no IPB que trabalham nas empresas agrícolas da Região, informe-se do contributo que essas empresas têm no PIB, informe-se do contributo para a Segurança Social de empregados e empregadores. Senão tivesse um sector agrícola e pecuário de grande dinâmica, e criador de riqueza, quereria viver num perfeito deserto. Concerteza que existem alguns problemas de natureza ambiental e social, mas com vontade do Estado e das Empresas serão resolvidos.»

Anónimos 19.12.2020, aqui.

ADPM celebra “40 anos em prol das pessoas e dos seus territórios”

Zé LG, 16.12.20

201811292149316136.jpgA Associação de Defesa do Património de Mértola (ADPM) celebra hoje, 40 anos de existência. A ADPM comemora quatro décadas de existência em formato on-line, até ao dia 20, domingo, nas suas redes sociais, em particular no Facebook.

Mesmo em tempos de pandemia, a ADPM faz questão de assinalar este “marco importante de uma entidade que marcou, de forma inequívoca, o concelho de Mértola, e que desenvolveu (e desenvolve) trabalho meritório tanto em Portugal, como no estrangeiro”, propondo a revisitação de “alguns dos momentos mais emblemáticos da associação”. Por estes dias, será ainda publicada uma edição da revista Al-gazarra, em que se relembram muitos destes momentos e em que também será possível conhecer o testemunho de gente que colaborou com a ADPM e não só. A revista é disponibilizada no concelho de Mértola em formato físico, e também estará disponível em formato digital”.

Jerónimo de Sousa afirma que “é possível um Alentejo mais próspero e desenvolvido”

Zé LG, 11.12.20

090520150040-67-JernimodeSousa.jpgO secretário-geral do PCP esteve em Moura na conferência “Alentejo tem futuro” e deixou claro que para o seu partido "é possível para este território ser “mais próspero e desenvolvido”.

Jerónimo de Sousa deixou claro que o PCP defende “a sustentabilidade demográfica do país, a redução das desigualdades sociais, a correção das assimetrias, o desenvolvimento das políticas produtivas, que o Estado assegure serviços públicos à altura das necessidades e que seja aumentado o nível do investimento público”, ou seja “políticas opostas às que PS, PSD e CDS querem, mas que são possíveis concretizar”. Neste sentido, apelou ao apoio “à candidatura de João Ferreira à presidência da República”, dizendo que é “a mais sólida para defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição”.

Jerónimo de Sousa atacou a solução eleitoral, recente, implementada nas CCDR'S e voltou a defender que falta “um poder regional com autonomia política, administrativa e financeira capaz de construir soluções que correspondam aos interesses e necessidades da região e do país”.

Mais de 130 PME andaluzas e do Alentejo e do Algarve capacitadas e 45 novos produtos agroalimentares criados

Zé LG, 29.11.20

081020131207-372-empresas.jpgMais de 130 micro e pequenas agroalimentares da Andaluzia e de Portugal (regiões do Algarve e do Alentejo) receberam formação e assessoria na área de inovação e desenvolvimento de novos produtos agroalimentares. Foram desenvolvidos 45 novos protótipos de produtos agroalimentares e realizados 26 testes de mercado dos mesmos, em mercados e lojas da Andaluzia do Alentejo e do Algarve. No Alentejo, o projeto foi liderado pela ADRAL – Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo e envolveu, na sua totalidade, um conjunto de 37 empresas/entidades.

Estes são os resultados do Prototyping AAA +, um projeto transnacional desenvolvido ao longo dos 3 últimos anos, na Eurorregião AAA + (Andaluzia, Algarve e Alentejo), que pretendeu melhorar a competitividade e rentabilidade das PME agroalimentares nestes territórios. Para isso, desenvolveu um serviço de apoio às micro e pequenas empresas para a colocação de novos produtos no mercado, de forma rápida, barata e sem riscos.

“Os municípios e os atores locais são fundamentais para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”

Zé LG, 22.11.20

202011101055058479.jpegO secretário-geral da ONU referiu que “Os municípios e os atores locais são fundamentais para que seja possível alcançar muitas das metas que compõem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. A pandemia da Covid-19 enfatizou ainda mais o papel crucial dos municípios na resposta imediata e na prestação de serviços públicos essenciais. As administrações regionais e locais tomaram medidas rápidas para prevenir e mitigar a propagação do vírus e responder às perturbações causadas pela pandemia. São cada vez mais os municípios que agora se comprometem a comunicar o seu progresso na prossecução dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, inclusive através de Relatórios Locais Voluntários”.

Apresentação pública do Observatório do Baixo Alentejo, com a presença de António Costa Silva

Zé LG, 27.10.20

122274752_141804574314158_2837776753115758405_o.jpAmanhã, a partir das 16h acompanhe aqui a sessão de apresentação pública do Observatório do Baixo Alentejo, com a presença do professor António Costa Silva - autor e coordenador do Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020 / 2030. A simbologia do dia 28 de Outubro reverte-se de enorme significado, sendo a data de constituição há 250 anos da diocese de Beja, definindo o espaço territorial do Baixo Alentejo e que o OBA pretende enaltecer.

“Existem muitos interesses instalados que fazem com que Beja se mantenha exatamente como está”?

Zé LG, 25.10.20

P1100247.JPG“Existem muitos interesses instalados que fazem com que Beja se mantenha exatamente como está. Muita gentinha acomodada e medíocre vive (bem!) desse marasmo em que Beja se encontra. Sempre foi e sempre será assim, não tenham ilusões.

Não interessa a "certas" pessoas que Beja se desenvolva e seja atrativa para novas pessoas, gente "de fora" como "eles" dizem ...

Os mais jovens não se reveem nesta estranha forma de vida e, à primeira oportunidade, saem da cidade para não mais voltar!

O IPB é, infelizmente, pouco ou nada atrativo e os poucos alunos que se formam vão para outras paragens para não mais voltar!

Há medo de dizer abertamente aquilo que se pensa, de criticar os poderes instalados que sobrevivem à custa disso!

Valia a pena pensar nisto!!!!” Anónimo 23.10.2020, aqui.

Aqui está uma questão pertinente, que recorrententemente é colocada e que, a traduzir de facto a realidade, deve ser debatida, de forma a tirar-se desse debate a melhor forma de a combater, pelas graves e nefastas consequências que terá para o nosso futuro colectivo. Mas, parece-me, que, para que esse debate se possa fazer e dele se tirarem as devidas consequências, é necessário identificar que "interesses instalados" são esses, que "gentinha acomodada e medíocre vive (bem!) desse marasmo", a que "pessoas não interessa que Beja se desenvolva e seja atrativa para novas pessoas, gente "de fora" ". Ficarmos pela generalização parece-me insuficiente e injusto para a maioria das pessoas que certamente não são incluídas nesses grupos. Vamos a isso?

“A Pecuária Extensiva Face aos Novos Desafios da PAC” em debate entre portugueses e espanhóis

Zé LG, 20.10.20

cartaz-webinar-pt-1024x523.jpg

Este webinar, que substitui o II Congresso Luso-Espanhol de Pecuária Extensiva e Desenvolvimento Rural, mantém os grandes temas da actualidade, designadamente, a reflexão em conjunto sobre os novos desafios da PAC à pecuária extensiva. Esta abordagem é feita entre pares, no interior do setor produtivo, mas também dirigida ao público em geral tendo em conta a necessidade de debater a autossuficiência e a segurança alimentar, a saúde, o bem-estar animal, a defesa da dieta mediterrânica e a preservação da biodiversidade. Para inscrição ou mais informações sobre o webinar consultar o portal: https://congresso-pecuaria-extensiva.pt/

“Observatório do Baixo Alentejo” reuniu com responsável pela "Visão Estratégica para o Plano de Recuperação 2020/2030”

Zé LG, 08.10.20

202010071521506882.jpgNo encontro com António Costa e Silva foi possível apresentar as “perspetivas do Observatório, que têm como primeiro pressuposto resolver os problemas das pessoas, uma aposta clara nas pessoas porque só assim se conseguem resolver os problemas da desertificação humana e territorial da região”, segundo Jorge Barnabé.

“O Observatório do Baixo Alentejo partilha da visão proposta por António Costa Silva para que Beja seja a capital mediterrânica de luta contra a desertificação, encontrando soluções que permitam minimizar os efeitos das ameaças climáticas e da escassez de água, numa perspetiva territorial igualmente centrada na interligação entre os principais ativos da região (Alqueva, aeroporto de Beja e porto de Sines), na valorização do mar, no aprofundamento das relações transfronteiriças com a Andaluzia e na cooperação com os países do Norte de África”.

Ler e ouvir também aqui.

Conselho Regional da CCDR Alentejo aprovou “Estratégia Regional 2030”

Zé LG, 16.09.20

2020091517484358 ccdra.jpgO Conselho Regional da CCDR Alentejo aprovou, em reunião extraordinária, o documento de orientação estratégica no horizonte 2030: “A Estratégia Regional do Alentejo 2030”, que, de acordo com Roberto Grilo, vai permitir ao Alentejo ser “mais competitivo e coeso, mas mantendo elevados padrões ambientais, assim como recuperar emprego e atrair investimento”.

O presidente da CCDR Alentejo, referiu que a Estratégia Regional Alentejo 2030 é o resultado de um trabalho de colaboração entre os diversos agentes do território, que através dos seus contributos permitiram chegar a um documento que “procura contribuir para a construção de respostas a um conjunto de desafios que persistem, com intensidades distintas”. Satisfeito com a aprovação deste documento, Roberto Grilo identificou algumas das linhas de orientação transversais às propostas que contam do mesmo, entre elas a “bioeconomia” e as “industrias culturais e criativas”.

“Estratégia Regional Alentejo 2030” em debate pelo Conselho Regional da CCDRA

Zé LG, 14.09.20

201809121137057035.pngO Conselho Regional da CCDRA realiza hoje de manhã, às 10.30 horas, nas suas instalações, em Évora, uma reunião para apreciar e aprovar a “Estratégia Regional Alentejo 2030”, na sua versão preliminar.

Além dos membros do Conselho Regional, marca presença neste encontro a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, e o secretário de Estado Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Carlos Miguel.

De “Beja nada de novo”

Zé LG, 10.09.20

281893_235492956485711_8379156_n Chalaça.jpg"O Lopes Guerreiro, decidiu fazer-me uma maldade, ou pelo menos uma maldadezinha ao dar expressão e visibilidade a dois comentários que coloquei num seu post sobre a candidatura de Ceia da Silva a Presidente da CCDR Alentejo. Os meus comentários resultavam do facto de, durante dois anos da minha vida, ter trabalhado em Beja o que me conferiu a proximidade mínima à cidade e às suas forças vivas, o que conjugado com o fato de ser de Évora me proporciona o distanciamento necessário para poder comentar como o fiz .

Não tinham, nem têm, os comentários em causa, a pretensão de ensinar nada às gentes de Beja, mas nem isso me livrou de ser alvo da turba enraivecida, que reagiu como é normal nestas situações: primeiro entrando em negação; 2º pretendendo denegrir e ofender o mensageiro. já sobre a mensagem disseram nada, como eu os compreendo.
Parafraseando e adaptando Erich Maria Remarque é caso para dizermos de “Beja nada de novo”. Apesar de tudo sem mágoa, dou por encerrado este assunto endereçando saudações Alentejanas." Francisco Chalaça - Anónimo 10.09.2020, aqui.

“não foi realizada a única coisa que realmente conta, a criação de emprego, de preferência qualificado”

Zé LG, 03.09.20

“Da análise de LG no alvitre anterior destaca-se uma questão que ainda não vi respondida.
O que aconteceu a Beja que tudo fez para ter sucesso e não conseguiu vingar?
Primeiro não podemos perder a imagem global e essa diz-nos que Beja não é caso único, há excepções, mas Beja sofreu o mesmo que muitas outras cidades interiores, embora possam haver diferentes motivos.
Na minha opinião há um motivo principal, que apesar de tudo o que foi feito, tal como LG esmiúça, não foi realizada a única coisa que realmente conta, a criação de emprego, de preferência qualificado.
De tudo o que foi feito grande parte não é produtiva e os empregos criados são no estado.
Por muito que não nos agrade vivemos num mundo capitalista e essa sempre foi palavra "não grata" na nossa cidade.
Uma capital de distrito como Beja tinha de ter uma universidade forte com estreita ligação ao tecido empresarial e ter politicas muito competitivas de fixação de empresas.
Infelizmente no mundo em que vivemos é isso que atrai pessoas e com elas vem a sobrevivência das cidades e vilas.”

Zé 31.08.2020, aqui.

Alberto Matos, do BE, diz que eleições nas CCDR's são “mascarada do centralismo”

Zé LG, 01.09.20

202008281818593635 AM.jpgAlberto Matos, da Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda (BE), considera que o plano de recuperação económica e social de Portugal 2020-2030 “não tem força legal ou política” e que “o BE discute estes temas com o Governo, anualmente, orçamento a orçamento”.

Quanto às eleições para as CCDR's, programadas já para setembro, Alberto Matos deixou claro que o “BE votou contra”, que “esta não passa de uma reforma dourada de alguns autarcas, até porque mesmo eleitos podem ser demitidos pelo Governo, logo não passa de uma mascarada do centralismo”. Alberto Matos frisa que “é necessária sim a regionalização, novo referendo e até alterações à constituição”. Saudou, ainda, “o PCP por se colocar de fora deste processo, não apresentando candidato”.

“Apoiar e desenvolver o setor turístico local” em debate em Cuba

Zé LG, 28.08.20

cuba_1.pngEsta tarde, o município de Cuba, em parceria com a Make it Better – Associação para a Inovação e Economia Social (miB), um dos parceiros do projeto SuSTowns, inicia um ciclo de iniciativas que pretende envolver agentes públicos e privados com ação turística no concelho, com a realização do workshop “Apoiar e desenvolver o setor turístico local”, que vai decorrer, a partir das 17h30, na Casa Fialho de Almeida.

Cuba foi uma das localidades do Mediterrâneo escolhidas pelos promotores do projeto europeu “SuSTowns: Turismo Sustentável em pequenos e fascinantes povoados da área mediterrânica”. Para João Português, a participação de Cuba neste projeto vai permitir criar um plano de ação local para o turismo sustentável e um pacote de oferta turística do concelho, “em parceria com municípios espalhados por quase toda a Europa e com base em boas práticas e metodologias”.

Lideres distritais de Beja do PS e do PSD a favor e contra, respectivamente, a eleição das CCDR

Zé LG, 28.08.20

Nelson Brito promete “uma nova atitude” em defesa do Baixo Alentejo

202001161923501399 NB.jpgO plano de recuperação económica e social do país está na ordem do dia e no que se refere à região, o, recentemente eleito, presidente da Federação do Baixo Alentejo do PS diz que esta “é uma oportunidade em que não se pode falhar”. Defensor da região Baixo Alentejo, Nelson Brito quer “um novo referendo sobre regionalização” e promete “uma nova atitude” em defesa do território, nos mais variados aspetos.

Nelson Brito demonstra satisfação “com a democratização em curso das CCDR's”, referindo-se ao ato eleitoral agendado para setembro, mas recordando que “o PS continua firme na sua posição de defesa da regionalização, da criação da região Baixo Alentejo” e de que “é preciso um novo referendo, mas precedido de sensibilização da população para os ganhos deste caminho”.

 

PSD/Beja defende “aeroporto como eixo estratégico do desenvolvimento regional”

202004081949211479 psd.jpg

“O PSD de Beja vai entregar, à Direção Nacional, os seus contributos para o plano de recuperação económica e social do país” e neles vai defender “o aeroporto como eixo estratégico do desenvolvimento regional, associado à modernização da ferrovia e à conclusão da A26, pelo menos até Beja”. “Mais investimento na saúde” também vai ser pedido, diz o presidente da Distrital.

Gonçalo Valente, presidente da Distrital do PSD, discorda das “condições de elegibilidade previstas” para as CCDR's, que “devem manter-se na esfera de organismos de confiança política”, porque “teme que estes organismos possam vir a eleger responsáveis diferentes da cor do Governo central” e que “essa situação prejudique os territórios”.

Beja Merece+ afirma que “a prioridade é antecipar candidaturas”

Zé LG, 20.08.20

beja.jpgO Beja Merece+ reuniu-se e nesse encontro - que marcou “a retoma da atividade do movimento neste período pós-quarentena, devido à pandemia - foram analisadas diversas temáticas de importância acrescida para o Baixo Alentejo.” A afirmação é de Bruno Ferreira, do Beja Merece+”, que avançou, ainda, que “antecipar candidaturas, no que se refere a infraestruturas rodoviárias e ferroviárias da região, é a prioridade”.

O movimento, segundo Bruno Ferreira, promete “novidades para breve, garante que está ativo” e que “não vai baixar os braços”.

 

ACOS apresentou contributos para a Visão Estratégica do Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030

Zé LG, 20.08.20

202008181716248026 acos.jpgA ACOS apresentou propostas estratégicas nas áreas da floresta, regadio, agropecuária, ambiente e alterações climáticas, designadamente:

- definição de estratégias específicas na área do ecossistema montado que revertam o declínio a ele associado;

- criação de um grande cluster agroalimentar do Sul, abrangendo as “culturas do regadio do Alqueva, as culturas hortofrutícolas do Litoral Alentejano e do Algarve e a grande diversidade de produtos de origem animal, de elevada qualidade”, incluindo “o aproveitamento e a viabilização de acessibilidades e infraestruturas de transporte;

- investimentos em mais estruturas de captação/retenção de água, aumento do volume de alguns reservatórios do sistema e abordar a construção de nova/novas barragens para fins ecológicos, designadamente para garantir o caudal do Rio Guadiana;

- a construção de reservatórios de água geograficamente distribuídos por toda a região Sul do País, que evitem o desperdício para o mar e funcionem não só como garante de abastecimento às populações, mas também para a agricultura e pecuária.

Francisco da Costa é o novo diretor-geral da ADRAL

Zé LG, 28.06.20

201910161727045666.jpgO Conselho de Administração da ADRAL – Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo já nomeou o seu novo diretor-geral. Francisco da Costa, tem 48 anos, é licenciado em História, empresário na área da comunicação, 2.º secretário da CIMAC – Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central, consultor nos setores público e privado e administrador empresarial e é agora o novo diretor-geral da ADRAL.

O novo Diretor-Geral inicia funções no próximo dia 1 de julho, sucedendo a Victor Dordio que, nos últimos doze meses, exerceu aquele cargo interinamente.