Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

EMAS Beja integra consórcio internacional de promoção da transição para a economia circular no sector das águas residuais

Zé LG, 04.03.20

202003030652501.jpgDe acordo com o administrador-executivo da EMAS, trata-se do projecto "TransForCE", que junta "20 entidades de todo o mundo, formando um consórcio internacional, que pretende agregar conhecimento científico, académico e de gestão, para o desenvolvimento de estratégias e soluções inovadoras para a transição da economia circular aplicada à gestão sustentável das águas residuais".

Segundo Rui Marreiros, "um dos principais pontos fortes do 'TransForCE' é a diversidade e experiência dos parceiros envolvidos e das práticas utilizadas no saneamento de águas residuais orientados para uma economia circular", sendo que os objectivos do consórcio "estão alinhados com as estratégias da Comissão Europeia para o desenvolvimento sustentável".

Daqui, daqui e daqui.

ESDIME tem abertas candidaturas para investimentos na exploração agrícola renovação de aldeias

Zé LG, 16.01.20

ESDIME-1-768x432.jpgA ESDIME- Agência para o Desenvolvimento Local no Alentejo Sudoeste tem abertas candidaturas para quatro concursos no âmbito da “Implementação de Estratégias”: “Pequenos investimentos na exploração agrícola”, “Pequenos investimentos na transformação e comercialização de produtos agrícolas”, “Diversificação de atividades na exploração agrícola”.

Estão também abertas as candidaturas para “Renovação de aldeias”, com “vista à preservação, conservação e valorização dos elementos patrimoniais locais, paisagísticos e ambientais”.

Os concursos decorrem até às 17h30 de 06 de março de 2020 e a informação pode ser consultada no site da Agência para o Desenvolvimento Local no Alentejo Sudoeste.

"E pasmo-me de espanto ao ler aqui alguns comentários"

Zé LG, 11.01.20

"Eu não acho nada bem a forma como os sucessivos governos têm vindo a tratar o hospital de Beja, mas não tenho poder algum de mudar o que quer que seja.
Limito-me apenas a observar o panorama da saúde e não só, do distrito e da cidade em particular.
E pasmo-me de espanto ao ler aqui alguns comentários, e a forma leviana como alguns colegas/camaradas de blog analisam as diversas realidades com que nos deparamos no distrito e na cidade, e no caso particular, da saúde na região.
Oxalá que tivéssemos capacidade de alterar a decrépita situação sócioeconómica da cidade e da região, por que atrás certamente teriam que vir investimentos e competencias para o hospital.
Só que estamos nas antipodas, e é bom que tenhamos os pés bem assentes no chão. Já que é a única forma de reagirmos e lutarmos com estes fatalismos que nos querem impor.

Anónimo 06.01.2020 20:02", aqui.

CEBAL integra maior unidade de investigação ao nível da Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento

Zé LG, 06.01.20

20200103172355357.jpgA Universidade de Évora revela que, na semana passada, “o ICAAM deixou de existir, para se juntar ao CEBAL (Beja), ao MeditBio (Universidade do Algarve) e ao Cibio-Évora (Universidade de Évora) passando a constituir o MED - Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento”, com “sede na Universidade de Évora e polos em Beja e na Universidade do Algarve, contará com cerca de 320 investigadores, dos quais 170 investigadores doutorados e 64 alunos de doutoramento”.

“O MED será a maior unidade de investigação nacional a trabalhar temas que integram a agricultura, a alimentação, o ambiente e o desenvolvimento rural”, que tem como um dos objetivos “desenvolver investigação cujas questões partem de problemas que se colocam na prática e, sobretudo, às que se relacionam com a nova realidade face às alterações climáticas”.

Associação Ambiental receia que “situações como a da aldeia das Fortes se venham a multiplicar”

Zé LG, 17.12.19

42208840_2099139730400968_4388250768738615296_n.jpA Associação Ambiental dos Amigos das Fortes considera que a constatação de que “a capacidade estática de armazenamento das unidades de receção de bagaço de azeitona está “praticamente esgotada” coloca em evidência as fragilidades do modelo de desenvolvimento e exploração do EFMA, a ausência da aceitação de uma estratégia global equilibrada para o setor agrícola e para o EFMA tem provocado desequilíbrios estruturais, que já penalizam as comunidades e populações residenciais limítrofes, onde estão instalados os olivais e as unidades de receção dos bagaços e que não tem dúvidas de que se nada for feito, situações como a da aldeia das Fortes se venham a multiplicar à medida que acresce a pressão para aumentar a capacidade de laboração das unidades industriais de extracção do óleo do bagaço de azeitona, e a abertura de novas fábricas.

20180924174604245.jpg

 

«Municípios e Desenvolvimento Turístico no Alentejo»

Zé LG, 27.11.19

darksky.jpgO Curso de Turismo da  Universidade de Évora vai organizar na próxima quinta-feira, 28, no auditório nobre do Colégio do Espírito Santo, em Évora, uma conferência intitulada «Municípios e Desenvolvimento Turístico no Alentejo».

O evento contará com a presença dos seguintes oradores: António Ceia da Silva (presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo), José Calixto (presidente do município de Reguengos de Monsaraz), Eduardo Luciano (vereador do município de Évora), Rosinda Pimenta (vereadora do município de Mértola), Rui Jesuíno (vereador do município de Elvas), Célia Ramalho (vereadora do município de Coruche) e Ricardo Cardoso (vice-presidente do município de Odemira).

"A desertificação e o despovoamento constituem poblemas estruturantes para o desenvolvimento"

Zé LG, 13.11.19

IMG_0783.JPG"A desertificação e o despovoamento constituem poblemas estruturantes para o desenvolvimento social, económico e produtivo. Preocupa-nos que grande parte do nosso território esteja a ser ocupado com modos de produção intensiva e superintensiva que vi­sam o lucro e o descompromisso com as pessoas. A va­lorização dos trabalhadores agrícolas e da produção; a dinamização de um regadio que salvaguarde o patri­mónio natural; a valorização das linhas de água, das áreas da Rede Natura e dos parques naturais, cuja ges­tão se deve manter no domínio público; planos de ges­tão agrícola que compatibilizem a proteção dos valo­res ambientais com a atividade humana dos territórios - são propostas importantes a ter em conta. Assim como a exigência de medidas efetivas de monitoriza­ção e controlo dos efeitos na saúde pública e na paisagem, contra a concentração e proximidade das produ­ções agrícolas intensivas e superintensivas junto das populações eáreas urbanas."

In:  "A actualidade do Marxismo: o ambiente é humanismo", publicado por Odete Borralho, vereadora da CM de Serpa, na edição de 25-10-2019 do Diário do Alentejo

Crescimento económico a todo o custo?

Zé LG, 29.09.19

Fábrica.jpg

Todos sabemos que o crescimento económico é importante para o desenvolvimento. Mas deve acontecer a qualquer preço? Com prejuizo para o ambiente e para a saúde das populações? Do que espera o governo para monitorizar as condições em que esta fábrica (Fábrica de Fortes, Ferreirra do Alentejo) labora e obrigar os seus proprietários a cumprir as normas de funcionamento? O que dizem as candidaturas distritais à AR sobre o assunto e que compromissos assumem para os resolver.

Publicada recomendação para valorização do Aeroporto de Beja

Zé LG, 26.07.19

A Assembleia da República recomenda ao Governo que “proceda, com carácter de urgência, à revisão do Plano Estratégico do Aeroporto de Beja, reforçando as estratégias já aí definidas, designadamente as actividades ligadas aos sectores produtivos”.

Aeroporto-de-Beja-768x432.jpgPor outro lado, solicita que se “desenvolva, com brevidade, no que se refere à zona industrial integrada no âmbito do conceito de aeroporto indústria (aeronáutica, manutenção, formação, agro-indústria e actividades que, em geral, necessitem de utilizar o aeroporto), condições especiais e características de apoio discriminatórias positivas”.

A Assembleia recomenda ainda a aposta “numa estratégia de médio/longo prazo para desenvolver, no Alentejo, um cluster aeronáutico, articulando o Aeroporto de Beja com outras estruturas e empresas existentes e a criar na região, numa visão integrada de desenvolvimento industrial e de serviços, bem como de potenciação das infra-estruturas públicas na região”.