Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

José António Falcão condecorado com a Medalha Martim Soares Moreno

Zé LG, 09.03.20

Medalha-768x432.jpgJosé António Falcão, antigo dirigente do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, foi condecorado pelo Ministério da Defesa do Brasil com a Medalha Martim Soares Moreno.

O historiador, professor universitário e conservador de museus esteve, também, na origem da fundação do Centro UNESCO de Arquitectura e Arte, com sede na região de Beja.

José António Falcão tem vindo a estudar os laços históricos entre o território alentejano e o Brasil, o que lhe permitiu redescobrir as origens de Martim Soares Moreno, o primeiro capitão-mor do Ceará.

Barrancos pretende elevar o Barranquenho a 3ª Língua oficial em Portugal

Zé LG, 16.02.20

A Câmara Municipal de Barrancos está a desenvolver um projecto de investigação e valorização do Barranquenho como Língua e cultura locais. O Barranquenho é desde 2008 “Património Cultural Imaterial de Interesse Municipal”.
Este “dialecto local, que mistura o português e o castelhano, revela a nítida influência Andaluz nas raízes culturais do seu povo, de fortes tradições, alegre e hospitaleiro”.
Para João Serranito Nunes, presidente da Câmara Municipal, a Língua Barranquenha encontra-se “viva”, visto que “os melhores falantes são os mais novos que ainda não foram para a escola”.
Recorde-se que a par do Português, o Mirandês é a 2ª língua oficial Portuguesa desde 1999 e é falada por mais de 10 mil pessoas.

Patrimónios Imateriais: “Manter viva a língua e cultura portuguesa no Luxemburgo”

Zé LG, 10.02.20

202002091210524824.JPGO projeto, iniciado há 3 anos numa parceria da Associação de Divulgação e Intervenção Educativa, do Luxemburgo, e a Associação Juvenil Carpe Diem, de Portugal, tem contribuído para a promoção e a valorização da língua e da cultura portuguesa no Luxemburgo.
A iniciativa, de levar ao Luxemburgo uma embaixada cultural, terminou com um jantar convívio e concerto, que contou com a presença de mais de 600 pessoas, entre elas Franca Romeo, presidente da comissão municipal de integração, e o Burgermeister (presidente de câmara) Georges Engel.
A animação esteve a cargo das fadistas Joana Vales e Mafalda Vasques, acompanhadas por António Barros na guitarra portuguesa, António José Caeiro na viola de fado e Paulo Lopes viola baixo. O espectáculo foi encerrado pelo grupo “De Moda em Moda”.

202002072327277526.jpgMafalda Vasques e a Joana Vales e os De Moda em Moda fizeram ainda um espetáculo na casa do bejense António Castanho.

Ruben de Carvalho morreu

Zé LG, 11.06.19

ruben_carvalho.jpgRuben de Carvalho, membro do Comité Central do PCP e do Executivo da Comissão Nacional da Festa do «Avante!», faleceu hoje, com 74 anos, em consequência de problemas de saúde que exigiram internamento hospitalar.

Intelectual comunista, assumiu uma intervenção destacada na actividade do Partido, tendo desempenhado importantes tarefas, cargos e responsabilidades. Ruben de Carvalho teve uma vida de intervenção e de luta na resistência antifascista, no movimento associativo estudantil, abraçou com intensidade a Revolução de Abril e defendeu os seus valores e conquistas. Destacou-se no jornalismo, na imprensa e na rádio. Deixou à sociedade portuguesa um contributo de grande relevo no conhecimento da música, na sua dimensão artística, cultural e social, no plano nacional e internacional, das suas raízes populares à sua dimensão erudita.

Ao longo de toda a sua vida, Ruben de Carvalho empenhou-se na luta, com o seu Partido, pela liberdade e a democracia, por uma sociedade nova liberta da exploração e da opressão, o socialismo e o comunismo. 

Ver toda a notícia aqui.

Fórum Romano de Beja abandonado atrás das papoilas

Zé LG, 29.04.19

Os alicerces do templo que obrigou a reconfigurar a história de Beja estão abandonados. Desde a sua redescoberta em 2008 sofreu mais estragos que nos 2000 anos anteriores.

safe_image.jpg

Paulo Arsénio admite “aterrar tudo (o que foi descoberto) para que depois (no futuro) possam ser tratadas, justificando uma tal hipótese com a “ falta de projecto de musealização” para um monumento que é único a nível nacional.

Entretanto, há muros do fórum romano que já caíram. Áreas sensíveis das escavações ficaram a meio e não estão devidamente protegidos e já se verificaram perdas de informação científica.

A indefinição estende-se ao edifício vizinho que foi recuperado para instalar o Centro de Arqueologia e Artes. Está pronto há dois anos mas continua encerrado, apesar das obras de restauro terem implicado um investimento de 2,2 milhões de euros, financiado através do Fundo Jessica.