Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

3ª edição do Prémio Literário Joaquim Mestre lançada na “Feira do Livro – Solstício das Palavras”

Zé LG, 27.06.21

Passados dois anos desde o lançamento da primeira edição do Prémio Literário Joaquim Mestre, uma iniciativa promovida pela ASSESTA, em parceria com a Câmara Municipal de Beja e a Direção Regional de Cultura do Alentejo, Luís Miguel Ricardo afirma que “o balanço é francamente positivo”.
O presidente da ASSESTA recorda que, em 2017, quando surgiu a iniciativa, “não havia nenhum prémio literário na região” e “hoje existem três”.  Acrescenta que “ter um Prémio Literário no Alentejo de dimensão nacional”, foi um dos objetivos cumpridos.
Nesta terceira edição, o período de entrega dos trabalhos vai ser estendido até ao último dia deste ano.
Tal como nas edições anteriores, o prémio irá atribuir ao vencedor um valor de 3 mil euros, além de apoio à publicação da obra, numa editora prestigiada.

“a coisa (cultura) merece um pelouro próprio, autónomo e com desafogada emancipação financeira”

Zé LG, 24.05.21

202105232248135596.jpg«Tenho uma tese sobre a administração autárquica da cultura e sobre o potencial de desenvolvimento de pequenas cidades periféricas como Beja: a coisa merece um pelouro próprio, autónomo e com desafogada emancipação financeira. Não é o caso, infelizmente. Encafurnar a cultura na já ataviada mochila de tarefas e funções do presidente executivo revela uma de duas coisas. Ou a cultura é apreciada como mera alínea, verbo de encher que leva trato de vão-de-escada (como aparenta suceder). Ou então o autarca presidente tem uma sensibilidade desmedida, uma visão mundividente, um rasgo civilizacional que a mete a ela, à cultura, na linha da frente do desenvolvimento económico e social do seu concelho (o que, de todo, não está a suceder).»

Paulo Barriga, aqui.

Deputados eleitos por Beja visitaram Museu Regional Rainha D. Leonor, a convite da DRCAlentejo

Zé LG, 03.05.21

Visita-deputados-Museu-768x576.jpgA visita contou com as presenças da Diretora Regional de Cultura, Ana Paula Amendoeira, do vice-presidente da Câmara Municipal de Beja, Luís Miranda, e do Pe. Manuel do Rosário, Presidente da Associação Portas do Território (APT), “dado que as entidades que representam, serem parceiras fundamentais da DRCAlentejo, para a prossecução dos projetos, em curso, com vista à Reabilitação e Valorização do Museu”, para além dos deputados Telma Guerreiro e Pedro do Carmo (PS) e João Dias (PCP) .

Com esta visita, pretendeu-se “dar a conhecer as condições difíceis, quer ao nível da conservação dos vários edifícios que integram o Museu, quer os problemas ao nível dos recursos humanos”, bem como, “no que respeita às condições de conservação e salvaguarda do acervo, exposição permanente e reservas e a ausência de espaço de reserva e de inventário do mesmo”.

Ministra da Cultura diz que Futurama "vai potenciar uma nova dinâmica num território que tem um enorme potencial criativo"

Zé LG, 02.05.21

202104301724074237.jpgBeja recebeu hoje, a apresentação do projeto Futurama - Ecossistema Cultural e Artístico do Baixo Alentejo, numa sessão que decorreu no Museu Regional Rainha Dona Leonor. A ministra da Cultura Graça Fonseca marcou presenta nesta iniciativa e referiu que o projeto "vai potenciar uma nova dinâmica num território que tem um enorme potencial criativo".

Este projeto foi concebido por John Romão e tem como propósitos “dinamizar a região do Baixo Alentejo através de uma sinergia entre os municípios de Serpa, Mértola, Castro Verde e Beja, promovendo a oferta cultural e a integração da comunidade com práticas artísticas contemporâneas em articulação com instituições de ensino, entre outros."

"Passados complexos. Futuros diversos."

Zé LG, 18.04.21

202104161648292675.pngAssinala-se hoje o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (DIMS), criado pelo Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios (ICOMOS) em 1982, e aprovado pela UNESCO no ano seguinte, com o objetivo de sensibilizar os cidadãos para a diversidade e vulnerabilidade do património, bem como para a necessidade da sua proteção e valorização.

A Câmara Municipal de Serpa, faz o lançamento, em formato vídeo, de um novo projeto, intitulado “Conversas no Castelo” que consiste, neste primeiro programa, numa conversa com diversos convidados sobre as vivências na Alcáçova do Castelo, desde meados do século XX, com histórias sobre o bairro, a prisão e muitas outras curiosidades.

Em Cuba, a Câmara Municipal, assinala esta data com uma visita guiada gratuita ao Museu Literário Fialho de Almeida.

A versão final da plataforma digital “Beja Monumental” disponibilizada, hoje, permite “consultar levantamentos 3D de alguns monumentos icónicos da cidade, zonas de interesse histórico e reconstruções virtuais de ambientes e artefactos, bem como assistir a pequenos documentários sobre estes lugares e parte da história da cidade.”

Cristina Taquelim e Jorge Serafim voluntários no projeto HumanaMente @ctivos

Zé LG, 18.04.21

202104152224113612.jpgAs sessões online de leitura e contos com Cristina Taquelim e Jorge Serafim no âmbito do projeto Humnamente@activos, da Cáritas Diocesana de Beja, já começaram e pretendem promover a conversa e a memória através da palavra e ser um complemento à intervenção realizada com a terapia ocupacional no domicílio.

A Cáritas Diocesana de Beja destaca a disponibilidade dos voluntários para participarem neste projeto e desta forma contribuírem para o “combate” ao isolamento dos idosos.

Trata-se de um projeto da Cáritas Diocesana de Beja financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian e conta com a parceria da Alémemória e Câmara Municipal de Beja.

“Códice Fáctico de Cartas Régias” vai ser devolvido à Câmara de Beja

Zé LG, 15.04.21

1399934.jpgO Ministério Público (MP) da Comarca Judicial de Beja, determinou a devolução à Câmara Municipal de Beja de um conjunto de documentos régios, conhecido como “Códice Fáctico de Cartas Régias”, que integram correspondência trocada entre Reis de Portugal e autoridades locais da cidade de Beja, nomeadamente, o juiz, o procurador e vereadores.

A decisão foi tomada depois “do arquivamento do inquérito, em que não foi possível determinar, em concreto, as circunstâncias da apropriação dos documentos, nem a sua autoria”, justificando o magistrado que “havendo indícios de que a mesma tenha ocorrido, há pelo menos, três gerações”, remata.

No dia 4 de outubro de 2019, a Diretoria do Sul da Polícia Judiciária (PJ), emitiu um comunicado onde anunciava a apreensão de “um códice factício, constituído por 165 documentos, em bifólio de papel, manuscritos, entre os anos 1623 e 1806, contando cartas originais enviadas em nome do “Rei” do “Príncipe” do “Infante” e da “Duquesa de Mântua” dirigidas a figuras da cidade de Beja.

Serpa comemora quatro décadas de Cortejo Histórico e Etnográfico

Zé LG, 04.04.21

202103301841126320.jpgSerpa comemora quatro décadas de realização do Cortejo Histórico e Etnográfico. A Câmara de Serpa preparou um conjunto de iniciativas para transmissão dos canais do Município. Com o intuito de recriar a história, tradição, usos e costumes locais refletidos no Cortejo, foi produzido um filme documental, a cargo da Ronda – Associação Cultural, e dirigido pelo encenador serpense João Duarte Costa, divulgado neste domingo de Páscoa e pretende “proporcionar um meio para reflexão em torno da diversidade e identidade cultural, patente nos inúmeros quadros que constituem o Cortejo Histórico e Etnográfico.”

Câmara Municipal vai criar Centro de Interpretação do Barranquenho, para garantir a “sobrevivência desta língua minoritária”

Zé LG, 20.03.21

202103182049306839.jpgA Câmara Municipal de Barrancos quer preservar para o futuro o barranquenho e para isso está a trabalhar na criação de um Centro de Interpretação que vai ser instalado num casa “senhorial”, próxima do Museu de Etnografia local, que vai ser partilhada com a Biblioteca Municipal, para “guardar, registar e ser visitável mostrando/preservando a identidade cultural de Barrancos”

João Serranito Nunes explica que “em Barrancos se falam três línguas: o barranquenho, o português e o castelhano” e que a ideia “é deixar para o futuro este legado linguístico”, através de “um dicionário, uma língua estruturada e uma grafia, que permita ser ensinada na escola, fazendo com que o barranquenho deixe de ser só oralidade e salvaguardando assim, a permanência da língua”.

“Não há conhecimento desligado do compromisso social”, afirma Santiago Macias

Zé LG, 10.03.21

imgLoader2.ashx.jpgHistoriador e arqueólogo, docente universitário, um dos pioneiros do Campo Arqueológico de Mértola, ex-presidente da Câmara de Moura, Santiago Macias, de 57 anos, é o novo diretor do Panteão Nacional, em Lisboa. Escolhido através de concurso internacional, entra em funções a 1 de abril. O mandato é de três anos.

“Não pode haver prática ou conhecimento científico desligado do compromisso social”, defende Santiago Macias, que acaba de ser anunciado como novo diretor do Panteão Nacional, em Lisboa. Em entrevista ao “Diário do Alentejo”, o historiador revela que a divulgação do Panteão Nacional junto da juventude é uma das áreas em que pretende desenvolver iniciativas, “porque o conhecimento da História e a preservação da memória coletiva são matérias fundamentais”.

“Câmara Municipal de Beja não está interessada na arte contemporânea.”?!...

Zé LG, 23.02.21

22491954_1866997063315865_7047551772929531891_n.jp“um galerista apresentou uma proposta à Câmara de Beja, há dois anos, para uma exposição com os meus trabalhos de investigação. O Galerista já faleceu há um ano e não obteve resposta, eu já não me sinto lá muito bem e tu agora dás-nos essa notícia (A Câmara Municipal de Beja não está interessada na arte contemporânea. Florbela Fernandes, Chefe do Departamento da Cultura de CMBeja)…

Jorge Castanho, aqui.

Barrancos assinala Dia Internacional da Língua Materna

Zé LG, 21.02.21

202102200920125249.pngO Dia Internacional da Língua Materna é assinalado pela Câmara Municipal de Barrancos com várias propostas, que pode ver aqui.

O Dia Internacional da Língua Materna, proclamado na Conferência Geral da UNESCO em 1999, é celebrado todos os anos no dia 21 de fevereiro com o objetivo de celebrar a importância da diversidade linguística e cultural, contribuindo para proteger as línguas faladas no Mundo.

DGPC assinou protocolo com organismos estatais de gestão agrícola, visando a "salvaguarda do património arqueológico nacional"

Zé LG, 14.12.20

imgLoader2.ashx.jpgA Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) assinou "um protocolo de entendimento" com o Instituto de Financiamento de Agricultura e Pescas (IFAP) e a Autoridade de Gestão do Programa de Desenvolvimento Rural do Continente, visando a "salvaguarda do património arqueológico nacional, no âmbito de projetos agrícolas financiados", depois de a Assembleia da República ter aprovado um requerimento do Bloco de Esquerda (BE) para ouvir especialistas em arqueologia, sindicato e associações do setor, sobre "situações de abandono e destruição" de vestígios arqueológicos no Alentejo.

O protocolo prevê a conjugação de esforços e recursos de forma a estabelecer uma atuação preventiva na salvaguarda do património arqueológico, em articulação com a execução do Programa de Desenvolvimento Rural do Continente e que o IFAP se comprometa "a integrar, no Parcelário Agrícola Nacional, a informação georreferenciada relativa ao património arqueológico disponibilizada pela DGPC, permitindo assim a sua consulta durante a fase de análise técnica e aprovação de projetos agrícolas", informação que "ficará também disponível para consulta dos proprietários e investidores agrícolas, de modo a que estes tomem conhecimento das ocorrências patrimoniais existentes nas parcelas a intervir".

“Já se passaram 40 anos, quatro décadas de trabalho, mas de um sublime romance com esta cidade de 2.500 anos de idade”

Zé LG, 13.12.20

imgLoader2.ashx.jpg«Temos o dever de preservar o nosso património para que os nossos filhos e netos o preservem como nós, para o poderem usufruir. É a cultura que nos diferencia e nos dá esta enorme qualidade de vida e entrelaça as nossas relações de amizade e vizinhança.

O Joaquim Mestre, o Ni Almodôvar, o Martins da Biblioteca, o Ramalho, o Baiôa, o Barahona, o Barbosa Bentes, o eng. Carrusca, o Borrela, a Lena, a Eulália e a Zézinha, o Vítor Silva, o Pereira Guerreiro, o Rochinha, o Luciano, o eng. Mira Galvão e o Rui Parreira decidiram criar, em 1979, a adpBEJA – Associação para a Defesa do Património Cultural da Região de Beja, com o objetivo de investigar, sensibilizar e preservar o património cultural desta região, podendo ainda apoiar outras gentes que tivessem as mesmas intenções na formação de associações.

Já se passaram 40 anos, quatro décadas de trabalho, mas de um sublime romance com esta cidade de 2.500 anos de idade, que consegue manter algumas das suas maiores virtudes com o passado, ...

Como somos muito esquecidos talvez valha a pena passar e ver o que foi feito nestes 40 anos de vida da adpBEJA, no hospital velho - Santa Casa da Misericórdia de Beja.»

Leia aqui o texto completo do Florival Baiôa.

Candidatura de Évora a Capital Europeia da Cultura quer envolver todo o Alentejo

Zé LG, 01.11.20

10388_big évora.jpgA Câmara Municipal de Évora assumiu publicamente a decisão de avançar com a candidatura a Capital Europeia da Cultura em 2027, durante o Workshop Internacional "Culture Capital Cities", que decorreu, em fevereiro de 2019, na cidade.
Na apresentação da candidatura, na sua sede, na Torre do Salvador, no centro histórico, o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, afirmou que  "Abrangente e participada são bons temas de enquadramento da candidatura" e vincou que se pretende "uma participação efetiva" e que esta se "possa refletir na elaboração" da iniciativa.
"Façam propostas, tragam ideias e apresentem sugestões para que se possam articular esses projetos, que, obviamente, têm de ser exequíveis, mas queremos ter a porta aberta", referiu.
Por outro lado, defendeu que a candidatura deve abranger todo o Alentejo e receber contributos de outros locais da região para que as populações dessas zonas se "sintam representadas".

PCP refere que “pobreza alastrou na região Alentejo”

Zé LG, 22.10.20

imgLoader2.ashx.jpg"A situação de pandemia em que se vive tem tido impactos significativos na região Alentejo, entre eles o aumento do desemprego, a diminuição de rendimentos e o agudizar da situação dos profissionais da cultura, questões que conduziram ao alastrar da pobreza neste território, onde a campanha do medo também se acentua”, refere Dias Coelho da DRA do PCP, acrescentando que as dificuldades não se ficam por aqui, pois tem tido manifestações bastante negativas, igualmente, nas questões da saúde e da educação.

“a confirmação de que é possível retomar a atividade laboral, económica, social e cultural”

Zé LG, 12.10.20

95218787_2998800846852646_2555435481613467648_o s“Neste mês que passou, o que houve foi continuidade e repetição. Muita histeria, muita contestação contra a realização de eventos, de um em particular; depois o silêncio perante o sucesso e a confirmação de que é possível retomar a atividade laboral, económica, social e cultural. Mas para isso é preciso que todos colaboremos, respeitando e cumprindo as regras.

É triste perceber que afinal aqueles que, durante o confinamento, tanto contribuíram para o aliviar, e que deram de si, de forma altruísta, mas que precisam, como todos nós, de trabalhar, de retomar as suas atividades profissionais, para que possam, também eles, pagar as suas contas e garantir a segurança das suas famílias, sejam alvo de um desprezo que nos deve envergonhar a todos. Falo dos artistas e dos agentes culturais, em sentido muito amplo. Mais desprezível ainda porque fundado num medo que pouco tem a ver com o vírus, pois se o fosse estaríamos todos a cumprir as regras higiénico-sanitárias vigentes e aconselhadas.”

“encanto e desencanto”, de Sónia Calvário, aqui.

Câmara de Serpa e DRCA assinam protocolo para salvaguarda do património arqueológico

Zé LG, 13.08.20

serpa-arqueologia-768x432.jpgO protocolo pretende “garantir uma melhor articulação e cooperação entre as entidades com competências na matéria, através de uma ação preventiva mais eficaz para evitar danos sobre o património arqueológico que possam decorrer das práticas agrícolas em modo intensivo, e simultaneamente, potenciar uma ação pedagógica junto das populações”.

A autarquia passará, assim, a enviar à DRCA todas as informações emitidas de pedidos de enquadramento em Plano Diretor Municipal em matéria de arqueologia no âmbito de processos agrícolas, “de modo a possibilitar um acompanhamento e fiscalização de maior proximidade e rigor”.