Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

CDU exige nova eleição da Junta e da Mesa da Assembleia da União de Freguesias de Moura e Santo Amador

Zé LG, 27.10.21

logotipo_site.pngDe acordo com a CDU, “foi dada posse a um eleito do Partido Socialista no lugar de outro, que por motivos de saúde não podia estar presente, quando essa opção está vedada, uma vez que no ‘ato de instalação quem falta não é substituído, pois só pode ser substituído quem tenha tomado posse e assim seja titular de um mandato’. Desta situação, decorreu ainda o facto de a mesma pessoa ter sido eleita para a Junta, sem ter sido eleita para a Assembleia de Freguesia.

Este "jogo" terá consequências mais graves que as de um dérbi

Zé LG, 25.10.21

crise.pngOiço muitos analistas e comentadores, encartados e de sofá, a explicarem tim-tim por tim-tim a situação e os responsáveis pela mesma. De uma maneira geral é como na bola. Cada um defende o seu partido / clube e ataca os outros. O problema é que as consequências deste "jogo" serão muito mais graves que as de um dérbi. Talvez valesse a pena evitar análises e prognósticos tão precoces e definitivos, bem como acusações mútuas, e procurarmos todos, principalmente os que mais responsabilidades têm na situação a que chegámos, a melhor solução para o país e para os portugueses, deixando de lado, pelo menos durante algum tempo, os cálculos de quem vai perder ou ganhar mais. Porque, se assim não fizermos, talvez o resultado venha a ser mau para todos (a grande maioria)...

Se "deitarem fora a criança com a água do banho" serão todos responsabilizados por essa tremenda irresponsabilidade. Não é tempo de destruir mas de construir e manter pontes. Todos esticaram a corda... é preciso que todos façam todos os esforços para evitar dar o último esticão. Tentem ouvir o que se diz cá fora e não apenas o que dizem uns aos outros nas vossas reuniões. Só assim faz sentido ocuparem tanto tempo nelas.

PS, PSD e Chega uniram-se para afastar a CDU da Mesa da Assembleia Municipal de Silves

Zé LG, 21.10.21

246988794_4727253240652326_1261468908764530755_n.j«E esta eleição da Mesa da Assembleia é um bom exemplo pelo qual existe um afastamento das pessoas em relação à política, a escolha e a vontade do Povo não foi respeitada nesta Eleição!!!

A escolha do Povo no dia 26 de Setembro foi clara e inequívoca, e escolheu a CDU como a Força mais votada para a Assembleia Municipal de Silves, tendo a CDU eleito o dobro dos membros de cada um dos 2 partidos democráticos desta Assembleia: PSD e PS.

Na politica temos que saber respeitar os resultados e as escolhas da população que nos elege e em vez do PS e PSD reconhecerem que a vitória clara da CDU lhe daria a legitima presidência da Mesa da Assembleia (como até aqui tem acontecido) o PS sendo a 3.ª força mais votada (força essa que se diz de Esquerda) preferiu aliar-se à Direita, com o PSD a abdicar da própria presidência da Mesa da Assembleia mesmo tendo sido entre essas 2 forças políticas a mais votada.»

In: DECLARAÇÃO DE VOTO DA CDU lida na Assembleia Municipal de Silves, no dia 18 de Outubro de 2021.

Conflitos, alterações climáticas e COVID-19 ameaçam objetivo das Nações Unidas da Fome Zero

Zé LG, 17.10.21

Sem nome.pngO Índice Global da Fome (IGF 2021) alerta para retrocessos na luta contra a fome, com cerca de 50 países a não conseguirem atingir a Fome Zero até 2030. Segundo o relatório divulgado hoje pela ONG Ajuda em Ação, a situação da segurança alimentar no mundo tornou-se em 2020 e 2021 ainda mais grave devido ao “cocktail tóxico da crise climática, da pandemia COVID-19 e de conflitos violentos cada vez mais graves e prolongados”.

Ambiente social na Resialentejo parece ter entrado em ebulição

Zé LG, 12.10.21

resi_13.jpgNa semana passada, o STAL convocou uma reunião com os trabalhadores da Resialentejo, para fazer o ponto da situação das negociações com a empresa, representada pelo Director-Geral, para a revisão do acordo da empresa, que contou com a presença de 60 dos 90 trabalhadores da empresa. Nunca um plenário tinha tido tantos trabalhadores. Nem mesmo quando há seis anos fizeram greve em defesa da viabilidade da empresa.

Apresentadas as propostas da Administração, os trabalhadores, ao constatarem que elas tinham o único objectivo de lhes retirar direitos alcançados há quase 15 anos atrás, não só manifestaram de imediato o seu repúdio, como apontaram o dedo ao Director-Geral acusando-o de ter alterado o organograma por três vezes em um ano e meio, de ter aberto diversos processos disciplinares, de ter colocado trabalhadores “na prateleira”, para colocar outros no seu lugar, valorizando uns em detrimento de outros, usando de prepotência que nunca viram com o objectivo de “dividir para reinar”.

Perante esta resposta dos trabalhadores, a urgência manifestada pela Administração para a assinatura do novo acordo da empresa parece ter desaparecido. Surpreendida com a reacção dos trabalhadores ou apenas suspensão estratégica para voltar à carga depois de eleitos os novos corpos sociais, na sequência das eleições autárquicas? Aguarda-se a evolução da situação, bem como das reacções dos envolvidos.

Não, não ficou tudo na mesma!... Ficou pior!

Zé LG, 10.10.21

202102011824137297.jpgLogo que surgiu a pandemia, muitas foram as vozes que se fizeram ouvir a garantir que nada iria ficar na mesma. À medida que a pandemia avançou e assustou mais, passámos a ouvir elogios, não só aos trabalhadores da Saúde, que foram catalogados de heróis, mas também a todos os que asseguravam que a vida continuasse, com referência a profissões tantas vezes ignoradas ou subestimadas como as ligadas à agricultura e à produção e distribuição de bens essenciais, que tiveram de continuar a trabalhar na mesma.

Chegados agora à fase em que parece estar a ser controlada a pandemia, os “heróis” ficaram com o título e continuaram com os problemas que os afecta(v)am. Os outros trabalhadores de áreas essenciais – para além dos já citados, os que produziram as vacinas e todos os produtos usados no combate à Covid-19) e tantos outros -, que durante um curto período inicial viram ser-lhes reconhecida a sua importância, voltaram a cair no esquecimento e a ver os meses a crescerem e os ordenados a minguarem.

Entretanto, as estatísticas mostram como grandes empresas, algumas apoiadas pelos Estados, multiplicaram os lucros e concentram a riqueza e as dificuldades dos trabalhadores, desempregados, reformados e pequenos empresários se acentuaram. Há mesmo empresas e outras entidades empregadoras que, à pala da pandemia – mesmo que esta não as tenha afectado -, estão a tentar retirar mais direitos aos trabalhadores…

Ou seja, efectivamente não está a ficar tudo na mesma à medida que caminhamos para o fim da pandemia. Está a ficar muito pior… porque, ao contrário do que se admitia, não foi por termos sido “todos metidos no mesmo barco” que a natureza humana evidenciou os seus aspectos mais positivos. Antes pelo contrário, a de alguns, designadamente dos têm mais poderes, está a evidenciar o que de pior tem...

BE acusa Governo de criar “Simplex” para licenciar mais estufas e contentores em Odemira

Zé LG, 17.09.21

CM.pngA coordenadora do BE, Catarina Martins, acusou o Governo de, com a cumplicidade da autarquia de Odemira, ter criado um “Simplex para licenciar mais plástico” das estufas e criar “cidades de contentores” para os trabalhadores viverem.

Quando nós já estamos nesta situação de explosão de gente, de explosão de plástico, de explosão de pesticidas, de falta de água tão dramática, o Governo decide simplificar o processo para triplicar a área de estufas. Temos 1600 hectares e em pouco tempo pode chegar aos 4800 hectares”, criticou.

“O que está previsto neste momento é que se a autarquia em 10 dias não conseguir analisar o processo destas chamadas habitações temporárias, que são contentores, os contentores ficam imediatamente legalizados. Isto é, um Simplex para mais estufas com mais trabalho forçado numa zona em que já há tantos problemas. É verdadeiramente inaceitável”, condenou.

Cinco mil ovinos no Alentejo detetados com vírus da língua azul

Zé LG, 04.09.21

LA.jpg…, tendo perto de 40 explorações pecuárias declarado casos suspeitos, nos concelhos de Serpa, Moura, Barrancos, Mértola, Beja, Portel e Évora, revelou hoje fonte do Ministério da Agricultura.

“A vacinação obrigatória do efetivo ovino reprodutor adulto e dos jovens destinados à reprodução tem sido a medida mais eficaz para controlar a doença, aconselhando-se ainda a vacinação dos restantes animais das espécies sensíveis”, é referido também num edital recente da DGAV.

Porque é que o PSD não apresentou candidaturas em Castro Verde, Mértola e Vidigueira?

Zé LG, 18.08.21

104338758_3393923377305339_3857691544443336648_n.jO PSD não apresentou às próximas eleições autárquicas quaisquer candidaturas nos concelhos de Castro Verde, Mértola e Vidigueira.

Em Vidigueira, anunciou o apoio à candidatura do movimento independente Mais Cidadãos, liderado por Manuel Narra, o que foi contestado por alguns militantes face aos processos judiciais contra o ex-presidente da Câmara daquele concelho. Desconheço se manifestou apoio a algumas candidaturas em Castro Verde e Mértola.

Não é fácil compreender que o PSD não apresente candidaturas em todos os concelhos, quando o seu líder, Rui Rio, tem apresentado as próximas eleições autárquicas como fundamentais para o reforço do partido e a sua a afirmação como alternativa de governo. Seria pertinente que esclarecesse as razões dessas faltas de comparência.

Seca começa a fazer-se sentir no Baixo Alentejo

Zé LG, 09.08.21

Segundo o mais recente boletim climatológico do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), no final de julho mantinha-se a situação de seca meteorológica em Portugal Continental, com grande parte do Baixo Alentejo e Barlavento Algarvio em seca moderada.

IMG_7566-PANO.jpgJosé da Luz Pereira, presidente da Associação de Agricultores do Campo Branco (AACB), disse que “Não sendo uma situação dramática, está a notar-se falta de água”, admitindo que a frota de depósitos de água da associação, que são cedidos aos agricultores, está a ter “grande procura, mais do que se esperava”.

“Trabalhadores rurais de Odemira continuam a ser explorados e o Governo nada fez para resolver este problema”, afirma Alberto Matos

Zé LG, 05.08.21

ODEMIRA-Porta-ZMAR_800x800.jpgAlberto Matos, coordenador da delegação da associação Solidariedade Imigrante de Beja, lamenta que, três meses depois de o Governo ter prometido soluções para responder à falta de condições em que vivem os trabalhadores rurais de Odemira, nada tenha mudado. Alberto Matos afirma que se tratou de uma “operação cosmética e de marketing”.

“Isto é uma situação estrutural, não se altera com pormenores, nem com operações de marketing. Naturalmente, as culturas continuam a necessitar de mão-de-obra, o sistema de contratação continua exatamente o mesmo, isto é, através de intermediários que exploram os trabalhadores no trabalho, na habitação e no transporte. Portanto, podem ter baralhado e dado de novo, mudar as pessoas de algumas casas mais degradadas, mas basicamente a situação mantém-se”, sustenta Alberto Matos, que sublinha que a pandemia mostrou a fragilidade a que estes trabalhadores estão expostos, mas em setembro arrancam as campanhas das vinhas e da azeitona e o cenário vai repetir-se.

Quatro anos depois, continuamos na mesma...

Zé LG, 31.07.21

20531517_mg0am.jpeg"… existem ruas ou troços onde não foram plantadas as tão necessárias árvores. É o caso da Rua Cidade de S. Paulo, que, desde a Rodoviária até à Escola Mário Beirão, tem árvores frondosas de um lado e de outro e que no troço desta Escola até à Rotunda do Pastor nem uma tem para amostra. …

Fica a sugestão à Câmara Municipal de Beja, que, estou certo, não a deixará de atender, … Não foi atentida, com prejuizo para todos os que por ali circulam.

Associação de Beneficiários do Mira nomeada para prémio pelas suas más práticas

Zé LG, 24.07.21

Votacoes-Premios-Guarda-Rios-2021_05-980x735.jpgA Associação de Beneficiários do Mira está nomeada para o prémio Guarda-Rios de Luto (más práticas), uma iniciativa promovida pelo Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA) que pretende alertar para aquelas que têm sido as práticas positivas e negativas nos rios portugueses.
De acordo com o GEOTA, a Associação de Beneficiários do Mira é “responsável pela redução do caudal da água emitido pela Barragem de Santa Clara, que resultou numa descida drástica do nível das águas, causando graves problemas de fornecimento de água para a rega de pequenos agricultores em Aljezur e Odemira”.

Presidente da Distrital de Beja do Chega demitiu-se, devido a "comportamentos irregulares de alguns membros da direcção”

Zé LG, 23.07.21

chega-690x450.jpgO líder da Distrital de Beja do CHEGA demitiu-se do cargo, referindo que “o motivo, deve-se a alguns comportamentos irregulares de alguns membros da direcção”. Acrescentando que enquanto lá estiverem, não contam comigo. Mas continuo no Partido”.

Banhos interditos na praia da Zambujeira do Mar devido a bactéria E.coli na água

Zé LG, 02.07.21

202107011441323920.jpgA decisão foi tomada após a Capitania do Porto de Sines receber uma comunicação da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) de que, nas análises feitas na quarta-feira, tinha sido detetada "a bactéria E.coli na água". Nesse mesmo dia, "foi feita a recolha de novas amostras" à água.
Desconhecendo-se "a origem" da contaminação por concentração de coliformes fecais e até que as restrições sejam levantadas, os banhistas "podem permanecer no areal, mas os banhos estão totalmente desaconselhados".

PS candidata Carlos Teles à Câmara de Aljustrel, depois da desistência de Manuel Ruas

Zé LG, 29.06.21

Carlos-Teles-PS-Aljustrel-2021-1024x576.jpgManuel Ruas, o candidato do PS à Câmara de Aljustrel nas próxima Autárquicas, formalizou a sua desistência, durante uma reunião da Comissão Política da Concelhia de Aljustrel do PS convocada para o efeito, tendo o empresário evocado motivos “de ordem pessoal” para a sua decisão.

O atual vice-presidente da Câmara de Aljustrel, o socialista Carlos Teles, de 49 anos, vai ser o candidato do PS a este município nas próximas eleições Autárquicas, anunciou nesta terça-feira, 29, a Concelhia de Aljustrel do PS.

Não Sr. primeiro-ministro, eu não sou responsável pelo descontrolo da pandemia!

Zé LG, 27.06.21

202010151132032077.jpgO Sr. primeiro-ministro voltou a afirmar, naquela sua estratégia desresponsabilizadora, que a responsabilidade do descontrolo da pandemia é dos portugueses e que, por isso, vamos sofrer as consequências, designadamente de mais restrições.

Ora, Senhor primeiro-ministro, eu, como a esmagadora maioria dos portugueses, sempre cumpri as normas que o seu governo impôs. Mesmo quando não concordei com algumas e até achei disparatadas algumas destas. Ora, como pode vir agora o Sr. Primeiro-ministro atribuir-me responsabilidades?

Uma pandemia, uma doença, não se combate (só) com medidas administrativas, com confinamentos e restrições das liberdades individuais e colectivas. Combate-se também – e principalmente, com medidas sanitárias. E o Senhor primeiro-ministro, há mais de seis meses, repetiu a sua divulgação – testes, rastreio e confinamento das pessoas infectadas ou com hipótese de estarem. Será que essas medidas, da responsabilidade do governo, foram aplicadas de acordo com as necessidades, face à evolução da pandemia? Se foram, porque é que se chegou novamente ao descontrolo registado nalguns concelhos, designadamente da Área Metropolitana de Lisboa, como já se tinha verificado há seis meses (a história está-se a repetir uma vez mais…)?

Não, Senhor primeiro-ministro, a responsabilidade não é das pessoas, pelo menos da grande maioria. A principal responsabilidade é sua e do seu governo, porque não tomou as medidas sanitárias que anunciou, na medida que era necessário, e porque não foi capaz de fazer aplicar, a quem não as cumpre, as medidas de contenção que tomou, que é para isso, também, que serve um governo e um primeiro-ministro...

Guerra aberta pela água no Perímetro de Rega do Mira

Zé LG, 18.06.21

202106171131456740.jpgNuma curta carta, a Associação de Beneficiários do Mira (ABM), informa que devido a situação atual dos níveis de água na Barragem de Santa Clara, “A albufeira de Santa Clara continua num nível critico o que limita o fornecimento de água às aéreas beneficiadas em 3.500m3 por hectare inscrito e impossibilita o fornecimento de água para rega ou outras utilizações a titulo precário”, não poderá continuar a fornecer água a centenas de pequenos consumidores, na maioria pequenos empresários, estando em risco negócios, pequenas hortas e criação de animais, numa situação de profunda injustiça, para quem durante anos usufruiu deste bem essencial, pagando a respetiva fatura.
Os presidentes das Câmaras de Aljezur e de Odemira manifestaram a sua preocupação e exigiram a revisão desta posição encontrando uma solução equilibrada e justa, por forma a minimizar os efeitos da necessária poupança, mas sem privar ninguém dos atuais utilizadores no acesso à água com origem em Santa Clara.

A "guerra pela água" só agora começou... imagine-se o que poderá ser quando faltar para o abastecimento público das populações, como alguns dizem poder acontecer em breve...

AM de Odemira desagrada pela forma como o Governo “geriu esta pandemia”

Zé LG, 16.06.21

202105041649342112.jpgA moção: “Resiliência dos setores do turismo, restauração, comércio e serviços no concelho de Odemira” foi apresentada pelos eleitos do PS, na Assembleia Municipal de Odemira, e foi aprovada por unanimidade.

Segundo o que se pode ler na moção, os eleitos do PS demonstram o seu desagrado pela forma como o Governo “geriu esta pandemia”, em particular, em Odemira, não compreendendo “como se podem continuar a adotar critérios absolutamente desadequados para esta fase e demasiado penalizadores para este setor que se esforça diariamente para cumprir todas as regras” e defendendo que o poder local deve ser ouvido de forma a “proceder a uma revisão imediata dos critérios por forma a permitir, com segurança, a retoma das atividades e criar uma linha de apoio, a fundo perdido, para os empresários (e pessoas singulares) afetados pela cerca sanitária”, que se instalou nas freguesias de São Teotónio e Longueira/Almograve, referindo que “o valor a compensar pelo Governo seja aquele que resultar da diferença entre o volume de faturação no período homólogo ao de 2019 e o volume de faturação ocorrido durante a cerca sanitária”.