Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“temos de nos adaptar às circunstâncias em vez de uma vez mais parar literalmente o pais”

Zé LG, 30.09.20

Paixão.jpgTenho uma opinião muito pessoal sobre o que estamos a viver, pode parecer mais do mesmo mas não há, quanto a mim, volta a dar-lhe, pois entendo que temos de nos adaptar às circunstâncias em vez de uma vez mais parar literalmente o pais. Essa adaptação traduz-se na responsabilização, prevenção e cuidados que cada um deve ter, contudo sem deixarmos de fazer o mais importante da e na nossa vida, do nosso dia-a-dia e não me repugna incluir como (também) mais importante alguns momentos de lazer e até mesmo de convívio e algum divertimento.”
Vitor Paixão 28.09.2020, aqui.

“Por favor não brinquem com coisas sérias, … Ou será que passamos de bestiais a bestas???”

Zé LG, 29.09.20

Paixão.jpg“Não só não há falta de cumprimento das boas práticas como também do plano de contingência traçado. É de facto triste tentar tirar proveito, sabe-se lá para o quê, de uma situação destas quando cada um de nós, em particular dos que lidam directamente com potenciais casos, fazem os possíveis e os impossíveis senão para os evitar, pelo menos para atenuar bem como tratar dos que infelizmente foram contaminados. … tristes dos que colocam em causa o inexcedível trabalho de todos quantos, de forma esforçada, abnegada e dedicada têm dado o melhor de si em prol dos outros e nessa dedicação incluem-se todos os que cumprem as regras e principalmente os que tratam e cuidam dos nossos utentes. Não vos passa sequer pela cabeça como tem sido o dia-a-dia de muitos profissionais da ULSBA, começando nos assistentes operacionais, passando por enfermeiros, médicos, TSDT e outros e acabando no Conselho de Administração. Por favor não brinquem com coisas sérias, têm legitimidade para criticar políticas de saúde, decisões superiores bem como o estado da saúde em Portugal e especificamente no Alentejo desde que o façam com respeito e elevação, mas numa altura destas não façam o que muitos tentaram fazer em Março... outra vez não, por favor! Ou será que passamos de bestiais a bestas???”
Vitor Paixão 28.09.2020, aqui.

Hospital de Beja "com normalidade", à exceção do bloco operatório e da urgência de ginecologia e obstetrícia

Zé LG, 28.09.20

imgLoader2.ashx.jpgO hospital de Beja está sem urgência de ginecologia e obstetrícia por falta de médicos para preencher as escalas do serviço devido ao surto de COVID-19 que já infetou 30 profissionais de saúde daquela unidade.

Entre os clínicos da especialidade de ginecologia e obstetrícia que prestam serviço no hospital de Beja, há dois médicos e uma interna infetados e dois em isolamento profilático, pelo que o hospital ficou "temporariamente" com "falta de médicos da especialidade para preencher as escalas" do Serviço de Urgência de Ginecologia e Obstetrícia e teve de fechá-lo no domingo às 20:00.

Segundo Conceição Margalha, presidente da ULSBA, enquanto o Serviço de Urgência de Ginecologia e Obstetrícia estiver fechado, no hospital de Beja não há atendimento da especialidade a utentes provenientes do exterior, as quais serão encaminhadas para os hospitais públicos mais próximos. No entanto, sublinhou, o internamento na especialidade de ginecologia e obstetrícia mantém-se a funcionar para as utentes já internadas no hospital de Beja.

No hospital de Beja, à exceção do bloco operatório, onde só há atividade cirúrgica de urgência, e do Serviço de Urgência de Ginecologia e Obstetrícia, que está fechado, as consultas de especialidade e outros atos médicos e de enfermagem e exames decorrem "com normalidade".

"Mortalidade em Portugal aumentou entre 1 de março a 20 de setembro"

Zé LG, 28.09.20

Sem nome.pngDesde o início da pandemia por COVID-19, registaram-se mais 24% de mortes em investigação (cujas causas não são totalmente conhecidas), mais 18% de óbitos em casa e mais 5,6% de mortes nos hospitais.

Segundo uma análise da TSF com base no Sistema de Informação dos Certificados de Óbito da Direção-Geral de Saúde (DGS), desde o início da pandemia em Portugal, morreram mais 6.829 pessoas do que em 2019.

O total de óbitos (64.756) está acima de todos os anos anteriores desde 2009, anos em que não se ultrapassou a barreira dos 60.000. Só no mês de setembro, registaram-se mais 763 mortos do que em igual período de 2019.

No entanto, a COVID-19 é responsável por menos de 2 mil pessoas em Portugal desde o início da pandemia.

Já são 26 os profissionais de saúde infetados no Hospital de Beja

Zé LG, 28.09.20

imgLoader2.ashx.jpgO número de profissionais de saúde infetados no surto de covid-19 identificado no bloco operatório do hospital de Beja subiu de 23 para 26, mais três em relação aos dados avançados no sábado, nomeadamente um assistente técnico, um enfermeiro e um médico. O surto foi identificado na quinta-feira, dia em que foram detetados os primeiros seis casos de enfermeiros infetados.
Segundo a ULSBA, foram reforçadas as medidas de segurança e higiene, assim como o rastreio mais alargado aos profissionais do hospital, estando prevista a realização de cerca de mais 300 testes até hoje.
A ULSBA informa ainda que "estão a decorrer, com normalidade, as consultas de especialidade e outros atos médicos e de enfermagem e exames" e os utentes devem dirigir-se ao hospital de Beja "com toda a confiança, mas respeitando e cumprindo as indicações dadas".

“Semana difícil esta última em Beja.”

Zé LG, 27.09.20

P1100242.JPG

“Desde a passagem de um tornado de reduzida intensidade (Categoria F1 na escala de Fujita), mas absolutamente incomum por estas "bandas", causando danos em 74 viaturas, em vários telhados, portas e portões, e destruído ainda cerca de 140 árvores, na Sexta-Feira dia 18, passando por acidentes de viação graves às porta da cidade, por um incêndio habitacional que desalojou várias pessoas e que termina com o surto de COVID-19 diagnosticado no nosso Hospital.”

Paulo Arsénio, presidente da Câmara Municipal de Beja, aqui.

Presidente do CA da ULSBA diz que a preocupação é manter as extensões de saúde abertas em condições seguras

Zé LG, 23.09.20

110120181516-728-ConceioMargalha.jpgO plano da saúde para o outono-inverno 2020-21 está a ser preparado e “pretende mobilizar todos os agentes do setor e o país para o período exigente que se avizinha e que requer uma resposta conjunta e participada.”

“Preservar vidas humanas; proteger os mais vulneráveis, particularmente a população idosa a viver em estruturas residenciais para idosos e preparar a resposta ao crescimento epidémico da pandemia” são os principais objetivos deste plano, que prevê, ainda, “um reforço da resposta em saúde pública, especialmente, em situações de surtos, adapta as atuais áreas dedicadas à Covid-19 em áreas dedicadas aos doentes respiratórios e os circuitos de internamento hospitalar para diferentes fases da resposta.”

Conceição Margalha, presidente do Conselho de Administração da ULSBA, assegura que perante a perspetiva que se avizinha de se caminhar para um tempo em que a gripe sazonal se vai misturar com a Covid-19 “está tudo a ser preparado para lidar com estas possibilidades” e explica que “Com o aproximar do inverno, a preocupação é manter as extensões de saúde abertas, mas em condições seguras, no sentido de se evitarem contágios, ou seja apostando na marcação de horários para consultas e na não acumulação de doentes nos centros”.

Municípios do Alentejo Litoral juntam-se para ajudar empresas da região

Zé LG, 22.09.20

vitorproenca.pngOs municípios de Alcácer do Sal, Grândola, Odemira, Santiago do Cacém e Sines, numa parceria com a Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral – CIMAL e a consultora Deloitte, criaram uma plataforma inovadora que visa colmatar ao máximo os efeitos que os empresários do Litoral Alentejano estão a sentir pela crise provocada pela pandemia de covid-19.

As empresas vão poder contar com uma equipa multidisciplinar que irá divulgar informação sobre obrigações fiscais e incentivos disponíveis, fornecer informação sobre Direito do trabalho e empresarial, propor medidas de emergência a aplicar de imediato, identificar medidas de curto-prazo que permitam operar o negócio e recomendar medidas que visem retomar a normalidade dos negócios.

A iniciativa já arrancou com a abertura da linha telefónica gratuita (800 100 235) de atendimento para o registo dos pedidos das empresas.

Afinal que impacto teve a Festa do Avante no aumento de contágios da COVID-19?

Zé LG, 20.09.20

Muito se falou sobre a irresponsabilidade do PCP realizar a Festa do Avante, este ano, em plena pandemia, pelo impacto que teria no agravamento da situação. Desde comentadores até comerciantes da Amora, passando pelo líderes do PSD e do CDS até ao envolvimento, como nunca antes se tinha visto, do PR e às maiores limitações colocadas pela DGS, tudo foi feito no sentido de travar ou impedir a realização da Festa.

20200906comiciofestaavante09.jpgEntretanto a Festa do Avante realizou-se - com repetição de alguns elogios à capacidade de organização e cumprimento de regras do PCP - e passadas duas semanas ainda não ouvi ninguém atribuir à realização da Festa a responsabilidade pelo significativo aumento de "casos" a que temos vindo a assistir.  

E, entretanto também e mais grave do que isso, não ouvi nenhum responsável, a começar pelo PR, atribuir aquelas responsabilidades ao PCP ou a autocriticar-se pelo exagero e incorrecção das posições que assumiu. 

Que o "Zé" diga o que lhe lhe dá na real gana e faça afirmações gratuitas e irresponsáveis é uma coisa. Que o PR e líderes partidários e outros responsáveis de outras entidades procedam da mesma forma já não se admite. No combate político não deve valer tudo, principalmente quando se usa a Saúde e o medo como armas de arremeço.

“Precisamos de pensar! De pensar mais além!”

Zé LG, 16.09.20

“Não sei o que me custa mais, se o problema na saúde ou se o problema moral, social, económico e político... Felizmente na saúde ainda não me afectou, directa ou indirectamente, mas nas outras vertentes afecta-me a cada instante.

Vejo tanta hipocrisia, vejo tanto falso moralismo, vejo tanta ignorância...

Minha gente, ver os telejornais e acreditar não basta para se ser gente!

É preciso acreditar e pensar. É preciso prevenir e pensar. É preciso prevenir e não parar com o que nos faz falta. E não é só o trabalho que nos faz falta, não é só o trabalho que nos alimenta... Somos seres humanos, porra! Para além de todos os defeitos inerentes do ser humano, como o de apontar o dedo porque discordamos de algo mesmo sem conhecimento, precisamos de amor, diversão, compreensão, consideração... Precisamos de nos prevenir mas não de sermos escravos de um sistema cada vez mais capitalista. Precisamos de nos amar! Precisamos de nos respeitar! Precisamos de pensar! De pensar mais além!”

Anónimo 16.09.2020, aqui.

Portugal entra hoje em Situação de Contingência

Zé LG, 15.09.20

Portugal continental entra em situação de contingência, depois do Primeiro-Ministro, António Costa, ter anunciado na semana passada, as medidas que vão ser aplicadas a partir de hoje e até dia 30 de setembro, para fazer face à pandemia COVID19.

As medidas agora apresentadas têm como objetivo "evitar um aumento exponencial de contágios com a gradual retoma da atividade".

tratados.pngDurante a conferência de imprensa, do passado dia 10, no final do Conselho de Ministros, António Costa apresentou um documento que traça o panorama atual da situação epidemiológica, em Portugal, e que esteve na origem destas decisões do Governo. Pode consultar aqui a apresentação 'Controlar a pandemia'.  

Na abertura do novo ano lectivo, em tempo de COVID-19, importa conhecer a opinião de especialistas

Zé LG, 14.09.20

AS VANTAGENS DE AS CRIANÇAS E ADOLESCENTES IREM À ESCOLA SÃO SUPERIORES AO RISCO DE FICAREM EM CASA. QUATRO ESPECIALISTAS EXPLICAM PORQUÊ

transferir.jpg

"É MENOS PROVÁVEL SEREM AS CRIANÇAS A PASSAR A DOENÇA AOS ADULTOS, É MAIS PROVÁVEL SEREM OS ADULTOS A PASSAR A DOENÇA À CRIANÇA"

Paulo Oom

"O AMBIENTE EM CASA É MUITO IMPORTANTE, MAS A ESCOLA É O VEÍCULO FUNDAMENTAL PARA AS CRIANÇAS SE RELACIONAREM E NÃO SE TRANSFORMAREM EM ZOMBIES DIGITAIS"

Paulo Oom

"AS CRIANÇAS TÊM NECESSIDADES QUE DIFICILMENTE TERÃO RESPOSTA SE ESTIVEREM FECHADAS DURANTE SEIS MESES OU UM ANO NUM APARTAMENTO, POR MAIS SAUDÁVEL QUE SEJA A RELAÇÃO COM OS PAIS OU COM OS IRMÃOS"

"É EVIDENTE QUE O ISOLAMENTO SE ASSOCIA A UM AUMENTO DE COMPORTAMENTOS DE TIPO DEPRESSIVO" 

Albino Oliveira-Maia

"UMA COISA É O MEDO, QUE NOS PROTEGE, OUTRA COISA É O PÂNICO, QUE NOS DESORGANIZA COMPLETAMENTE" 

Paulo Oom

"DO PONTO DE VISTA PSICOLÓGICO, O MEDO NÃO É APENAS EM RELAÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA, É TAMBÉM DA CRIANÇA ENQUANTO VEÍCULO DE TRANSMISSÃO"

Albino Oliveira-Maia

Algarve Biomedical Center colabora com oito municípios do Baixo Alentejo no apoio à Comunidade Educativa na prevenção da Covid19

Zé LG, 12.09.20

202009101905441062 Covid.jpgOs municípios de Almodôvar, Alvito, Barrancos, Beja, Castro Verde, Mértola, Moura e Ourique e o Algarve Biomedical Center (ABC) assinaram protocolos para apoio à Comunidade Educativa, no ano letivo 2020/2021. Entre outras regras vão ser obrigatórios o uso de máscara, a partir dos 10 anos de idade, a desinfeção das mãos à entrada e a leitura de temperatura sem registo.

As regras de segurança sanitária são desenhadas em conjunto com as escolas e têm impacto, entre outros aspetos, nos circuitos e gestão dos espaços, na realização de testes preventivos aos funcionários, nos planos de atuação perante casos suspeitos, nos códigos de conduta, no acompanhamento das escolas e na criação de uma linha de apoio para os pais, que ajuda a orientar e a encaminhar situações suspeitas.

Arlindo Morais, vereador da Câmara de Beja responsável pelo pelouro da Educação, garantiu que está tudo a ser feito para assegurar uma abertura de ano letivo em segurança e que durante a próxima semana serão feitos testes na comunidade educativa e aos trabalhadores da autarquia que vão estar em contacto com as escolas.

Hospital de Beja tinha 36 camas para casos de Covid-19. Presentemente tem três.

Zé LG, 10.09.20

110120181516-728-ConceioMargalha.jpg“O Hospital de Beja fechou, ainda em março passado, o 3º piso onde tinha 36 camas, para receber casos de Covid-19. Presentemente tem três camas destinadas a este fim, assim como a possibilidade de retirar de outras áreas no caso de ser necessário”, explicou Conceição Margalha convicta de que, “mesmo com o aproximar do inverno e da gripe sazonal, não será preciso voltar” a estes procedimentos.

Perante a perspetiva que se avizinha de se caminhar para um tempo em que a gripe sazonal se vai misturar com a Covid-19, a presidente do Conselho de Administração da ULSBA assegura que “está tudo a ser preparado para lidar com estas possibilidades”, que “a ULSBA já alargou, criando espaços Covid, a urgência pediátrica e geral”, ou seja já “a pensar nas respostas que tenham que vir a ser dadas”, recordando que “a aposta do Governo vai ser administrar a vacina da gripe, por permitir diminuir o número de infeções respiratórias”.

Ferro Rodrigues não entende como não se retiraram lições quanto aos lares

Zé LG, 08.09.20

26722524_770x433_acf_cropped.jpg“Como é que se compreende que continuem apenas a fazer-se testes quando há pessoas que acusam positivo. Quando há uma pessoa num lar que acusa positivo, o caminho já está prejudicado, o caminho para uma vaga nesse lar já é muito forte”, afirmou o presidente da Assembleia da República, que disse ainda: “É isso que não consigo perceber porque é que não se apreenderam lições da primeira fase e não se retiraram lições para a evolução da situação em julho e em agosto, nomeadamente”.

Outra das questões levantadas pelo presidente da AR foi a fiabilidade dos dados internacionais. Ferro Rodrigues questionou como é que é possível que a China apresente diariamente sete ou oito casos de novos infetados, enquanto Portugal apresenta às vezes 300 e 400 casos, acrescentando que, se for verdadeira a informação disponibilizada pela China, Portugal tem de estudar muito a sério o que as autoridades desses países estão a fazer para aprender com elas.

Esperemos que estas questões evidentes, agora levantadas pelo presidente da Assembleia da República, sejam cabalmente esclarecidas e desses esclarecimentos sejam retiradas as devidas consequências.

Festa do Avante começa daqui a pouco. Será que acaba a polémica?

Zé LG, 04.09.20

Festa-do-Avante_PCP_1.jpgFesta do Avante, “ponto de encontro com a vivência coletiva dos trabalhadores e do povo, da sua cultura, dos seus problemas e aspirações”, começa logo, este ano envolta em maior polémica do que todas as que têm gerado ao longo dos anos. Este ano tem sido a pandemia que tem estado no centro da polémica, recheada de argumentos falsos ou criativos, a par da apresentação de algumas preocupações razoáveis e legítimas.

Se qualquer coisa correr mal ou menos bem, a polémica vai prolongar-se até surgir outro tema que dê origem a outra. E a direita, designadamente o PSD de Rui Rio, vai continuar a usá-la como bandeira da luta contra não só o PCP, que a organiza, mas também contra o governo, que permitiu a sua realização.

Se tudo correr bem ou sem problemas de maior, daqui a uns dias já ninguém falará do assunto, nem mesmo para tirar as devidas lições do que se passou.

E o que ganhará ou perderá o PCP com a realização da Festa do Avante? Em termos políticos já disse que terá prejuízo. E em termos políticos? Se correr bem, sentir-se-á reforçado, embora poucos outros o venham a reconhecer e lhe agradeçam o contributo para o combate ao medo e uma melhor avaliação do que deve ser a vida em tempos de pandemia. Se correr mal, vai ser ainda mais criticado e não só pela direita.

Lembram-se dos alarmismos gerados com os casos Covid-19 em Moura?

Zé LG, 04.09.20

Ainda se lembram dos alarmismos provocados pelo surgimento de pessoas infectadas com o novo coronavírus em Moura, designadamente em comunidades ciganas? O que se disse e se escreveu sobre o que poderia vir a acontecer, não só naquele concelho como em toda a região, devido ao nomadismo dos infectados?...

moura-recuperados-768x512.jpg

Pois bem, meses depois, o Serviço Municipal de Proteção Civil informa que o concelho de Moura regista agora 130 pessoas recuperadas da Covid-19, havendo até ao momento nove casos ativos de infeção pelo novo Coronavírus, registando-se quatro em Moura, dois em Póvoa de São Miguel e três em Safara.

Recorde-se que Moura é o concelho do distrito de Beja que apresenta mais casos positivos por Covid-19 desde o início da pandemia.

Seria interessante que esta informação fosse completada com o número de mortos, de pessoas que estiveram internadas (e quantas nos cuidados intensivos) e outros dados que nos ajudassem a compreender melhor os impactos concretos que a pandemia tem provocado na população.

Nem todos precisam de usar máscaras

Zé LG, 03.09.20

portrait-young-arab-wearing-turban-19199931.jpgQueriam - e nalguns sítios decretaram -, proibi-los de usar as suas vestes tradicionais, por questões religiosas, culturais e políticas.

Agora, eles não precisam de colocar máscaras, porque andam normalmente protegidos, e nós somos obrigados a usá-las para nos protegermos da propagação do novo coronavírus.

Como fazem agora - os que os proibiram de andar de cara tapada com as suas vestes tradicionais? Proibem-nos de tapar a cara com as suas vestes e obrigam-nos a tapá-la com uma máscara?

“Novo ano letivo cheio de “incertezas por parte de toda a comunidade educativa”

Zé LG, 02.09.20

202008211743173958 prof.jpg"A pouco mais de duas semanas do início de um novo ano letivo, os professores pouco sabem, na medida em que as medidas anunciadas são para resolver casos de contágio, caso existam, e não preventivas, como seria de esperar”, diz o SPZS, afirmando, também, que se avizinha um novo ano letivo cheio de “incertezas por parte de toda a comunidade educativa.”

“O governo tem decidido, mas sem auscultar a comunidade educativa e no caso concreto dos professores há muitas perguntas sem respostas: dimensão das turmas, horários flexíveis, garantia de existência de máscaras, o que vai acontecer aos docentes que fazem parte dos grupos de risco?”, frisa Manuel Nobre, do SPZS.