Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Candidatura do BE quer "INCLUIR a PARTICIPAÇÃO na CIDADANIA" em Beja

Zé LG, 23.09.21

De Todos(as) para Todos(as)!

242435928_218835856893226_1935529031362209722_n.jpNo próximo domingo, 26 de setembro de 2021, todos os cidadãos eleitores vão poder eleger os seus representantes autárquicos. A democracia representativa volta, então, a ter o papel principal. No dia seguinte, a democracia, tal como a vida, continua, e a participação democrática continua a ser necessária. Assim, o(s) votos que vão decidir, de facto, o mais importante, no próximo fim-de-semana, são os votos no Bloco de Esquerda (BE). E o que é o mais importante em cada ato eleitoral é dar voz uma VOZ maior:

1 – A todos(as) os(as) que se preocupam mais com o exercício regular da CIDADANIA e com o constante desenvolvimento da mesma;

2 – A todos(as) os(as) que se preocupam mais com a INCLUSÃO e com a ampliação da sua dimensão;

3 – A todos(as) os(as) que se preocupam mais com a PARTICIPAÇÃO e com o desenvolvimento da sua prática;ci

No próximo domingo, no concelho de Beja, o voto nas listas de candidatura do BE é o voto por e para um concelho no qual a PARTICIPAÇÃO de todos(as) tem de ser determinante para uma CIDADANIA verdadeiramente INCLUSIVA. Vota BLOCO DE ESQUERDA!

Texto da responsabilidade da candidatura do Bloco de Esquerda à Autarquia de Beja.

Candidatura da CDU à Autarquia de Beja propõe-se: “Incentivar a cidadania e a participação nos assuntos de interesse público”

Zé LG, 31.08.21

234442724_4217262615034010_5432439619969492470_n.j>  Fomentar a dinâmica do movimento associativo social, cultural e desportivo, apoiar e estimular as iniciativas das escolas e associações que promovam a cidadania, incluindo na área da saúde e bem-estar, e mobilizar a população para adoção de comportamentos de cidadania, participação ativa, respeito pelo meio ambiente e pelos outros, para construir um Concelho mais desenvolvido, verde, humanizado, saudável e inclusivo;

> Colaborar com as associações juvenis para promover a efetiva participação dos jovens na vida pública e estimular o associativismo juvenil com apoio técnico, logístico e financeiro;

> Promover um concurso de ideias para os jovens, com orçamento próprio, para estimular a iniciativa e a participação na melhoria da qualidade de vida no concelho;

>  Apoiar e incentivar a adoção de programas de prevenção, e combate ao bullying e ao cyberbullying em contexto escolar e comunitário.

Texto da responsbilidade da candidatura da CDU à Autarquia de Beja.

“há quatro anos foi prometido fazer o que ainda não foi feito” e mais uma vez “nada foi ou vai” ser concretizado

Zé LG, 26.07.21

18119143_1682492951768439_3054512709769943324_n.jp

“O Baixo Alentejo tem ouvido promessas nos últimos 10 anos de resolução de projetos estruturantes para o território” e agora com os “milhões anunciados” o que se vê é que “a bazuca rebentou nas mãos de algum ministro”, referiu Florival Baiôa, do Beja Merece+, dizendo que “há quatro anos foi prometido fazer o que ainda não foi feito” e que mais uma vez “nada foi ou vai” ser concretizado.

Comissões de Utentes mobilizam-se em defesa dos Serviços Públicos

Zé LG, 02.06.21

A Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Concelho de Serpa volta, em comunicado, a denunciar o encerramento do serviço de urgências do Hospital de São Paulo “por falta de médico”, ao “fim de semana e no período da noite”. A Voz da Planície falou com a Misericórdia que assegura ter-se tratado de situação pontual.

A Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Concelho de Sines realiza, hoje, uma ação de luta, às 18:00, no Jardim das Descobertas, com o lema "Agir em defesa dos Serviços Públicos".

“não faltam exemplos de atitudes de desvalorização da participação dos cidadãos na vida das suas comunidades”

Zé LG, 31.03.21

18209059_1457306047677379_4928715705810667509_o.jp«… a nível regional e local, também não faltam exemplos de atitudes de desvalorização da participação dos cidadãos na vida das suas comunidades. Desde logo, o modo como são tratados os movimentos de cidadãos que lutam por certos direitos, ... “Alarido” e “gritaria” são apenas dois dos epítetos atribuídos por alguma partidocracia a essas lutas ...

..., embora se fale na falta de “massa crítica” na região, acontece com alguma frequência (...) que, em períodos pré-eleitorais autárquicos, se convidem alguns cidadãos ligados a determinadas áreas – ... – para debates abertos à sociedade, ... Só que, passado o período eleitoral e instalados os eleitos locais, estes assumam uma postura oposta a essa abertura manifestada alguns meses antes, ignorando contribuições e ideias desses mesmos cidadãos, como se fossem autossuficientes ou lhes bastasse ouvir os seus correligionários políticos.

E que dizer do ostracismo a que foi votado um dos primeiros (e poucos) conselhos municipais da Cultura, precisamente o que foi aprovado em Beja em 2008? ..., foi pura e simplesmente metido na gaveta pelos três executivos municipais que se seguiram. Neste momento, nem o seu regulamento consta no site da CM Beja. ...

Mais haveria para dizer sobre a questão da participação dos cidadãos na vida da sua polis, mas pelo que atrás se referiu, uma das premissas para que tal aconteça é o fim da desconfiança e até hostilização com que muitos desses cidadãos são encarados, a maior parte das vezes porque algumas das suas opiniões não coincidem, em determinados momentos e sobre determinados temas, com as dos políticos instalados. ...» José Filipe Murteira, no seu Notas à Esquerda.

Fórum Mértola para a Participação e Cidadania debateu a reactivação do turismo após a pandemia

Zé LG, 20.03.21

Sem nome.png«As palavras mais ouvidas foram cooperação, estratégia participada, medidas de política pública, cidadania, visão prospectiva e vontade colectiva de construção de um futuro melhor para este território e as pessoas.
Combater a sazonalidade, preparar a oferta para responder ao aumento significativo da procura, capacitar e formar empresários e colaboradores, promover o destino turístico Mértola como Clean and Safe, dinamizar novos produtos e actividades aproveitando os excelentes recursos naturais do concelho e, sobretudo, envolver a comunidade, foram as ideias chave que marcaram as conclusões.» Veja a gravação.

“Mais Cidadãos” sucede a “Movimento Vidigueira Independente”?

Zé LG, 16.03.21

O “Mais Cidadãos” assume “a responsabilidade de mudar o concelho” de Vidigueira com uma candidatura às Eleições Autárquicas de 2021, garantindo que o ponto de partida político “é diverso, distinto e transversal, com cidadãos provenientes da CDU, do PS, do PSD, do BE, do CDS, dos Independentes e cidadãos sem qualquer identificação partidária”.

13567370_1158909847463106_2820735310573164012_n.jpSem revelar qualquer nome, o “Mais Cidadãos” justifica a sua origem porque “somos gente que já fez no passado, e assume voltar a ser Gente que Faz um caminho que garanta a todos os cidadãos Um Concelho com Futuro”, numa clara alusão à liderança de Manuel Narra durante 12 anos à frente do município de Vidigueira.

O “Mais Cidadãos” sustenta que pretende ser “um espaço onde, independentemente da proveniência política, se assuma a responsabilidade de mudar o nosso concelho, através do uso do direito de cidadania”, rematando que pretende “apresentar listas a todos os Órgãos Autárquicos (Câmara, Assembleia Municipal e Freguesias)”.

“Mértola com enorme deficit de participação, que não é estimulada nem dinamizada pelo poder político”

Zé LG, 16.02.21

150366415_363601354683647_1156136200566512993_o.pn

No primeiro encontro/debate do Fórum Mértola Participação e Cidadania, sobre o tema: participação e cidadania para a construção de um futuro melhor para as pessoas, foi reconhecido por todos que em Mértola existe um enorme deficit de participação e a que a mesma não é estimulada nem dinamizada pelo poder político, sendo, até, muitas vezes entendida como oposição e as opiniões não alinhadas consideradas como críticas destrutivas e não construtivas.

O Fórum irá continuar o seu trabalho quer fomentando a participação na discussão pública quer produzindo informação cidadã e organizando novos encontros debate, estando já previsto para o início de março, um sobre a reactivação do turismo em Mértola após a pandemia e um outro, em data a definir, sobre o processo de transição agroecológica.

“Fórum Mértola Participação Cidadania” realiza primeiro debate no próximo Sábado

Zé LG, 09.02.21

202102082216429687.jpgJorge Pulido Valente é um dos elementos do Fórum Mértola Participação Cidadania, que junta várias pessoas de diversos quadrantes políticos e independentes. Um Fórum que propõe para os próximos tempos um conjunto de debates sobre as perspetivas de desenvolvimento para o concelho, em diversas áreas. A primeira iniciativa realiza-se, no próximo sábado, trata-se de um encontro via zoom para debater “Mértola: como construir um futuro melhor para as pessoas?”.

Jorge Pulido Valente considera que, neste momento, não se coloca a questão de uma possível candidatura, entendendo o facto de estar a ser "abordado" para se candidatar à Câmara de Mértola como o reconhecimento do “bom trabalho” que desenvolveu e de ser visto como “um ativo importante para o desenvolvimento do concelho”.

"urge criar uma estrutura que ponha de pé uma infraestrutura paralela e complementar ao aeroporto" de Beja

Zé LG, 08.11.20
"... urge criar uma estrutura que ponha de pé uma infraestrutura paralela e complementar ao aeroporto, fora do perímetro da concessão, em espaço previamente definido no Plano Director Municipal do concelho de Beja. Esta empresa que seria a gestora do futuro parque, genuinamente ancorada numa parceria alargada teria como propósito a criação duma infraestrutura que possibilitasse a instalação de unidades das mais diversas naturezas, construída de forma faseada e tendo como horizonte a diversificação da base económica da região. Atrevo-me a sugerir e a desafiar as estruturas mais significativas da nossa região para a sua criação, nomeadamente: as autarquias alentejanas que a desejem incorporar, tendo naturalmente a Câmara Municipal de Beja um papel importante, a EDIA, a APS, o NERBE e a ACOS, sem excluir outros entidades com vocação para abraçar este desafio.
É um imperativo para o desenvolvimento do aeroporto, caminhar no sentido de atrevermo-nos a criar a necessária complementaridade para lhe conferir o “músculo” que ainda lhe falta, tornando-o mais competitivo, não esquecendo paralelamente os investimentos indispensáveis nas infraestruturas rodoviárias e ferroviárias em falta."
Manuel Camacho, Novembro/2020, aqui.

Screenshot_2020-11-07 Evoluo da Situao de Refernci

Planta copiada daqui.

Utentes do Litoral Alentejano queixam-se das condições do SNS na região

Zé LG, 20.10.20

202010201712205547 litoral.jpg

A "falta de profissionais de saúde", as "extensões de saúde degradadas" e os "tempos máximos de resposta garantidos" superiores ao previsto pela lei foram os principais temas abordados numa reunião mantida pela coordenação de utentes com o Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde.

Os utentes exigem, entre outras reivindicações, "médico e enfermeiro de família para todos", a redução "de 1.900 para 1.500 utentes por cada médico", a colocação de "médico e enfermeiro, no mínimo, uma vez por semana" nas diversas extensões de saúde, a contratação de todos os profissionais em falta na região e o "fim da contratação por empresas de trabalho temporário". Dos cerca de 100 mil utentes, 15.200 não tem médico de família atribuído.

A colocação urgente de uma ambulância de suporte imediato de vida no Serviço de Urgência Básica do Centro de Saúde de Alcácer do Sal foi outra das exigências dos utentes, que destacam que "não existem previsões para a sua atribuição" e que isso contraria a "lei da obrigatoriedade da colocação da respetiva ambulância".

As condições do Hospital do Litoral Alentejano, em Santiago do Cacém, estiveram também em discussão, tendo os utentes considerado "inadmissível" a abertura do novo serviço de urgência daquela unidade "sem o número suficiente de profissionais de saúde" e exigido a "reabertura da totalidade de camas" da Unidade de Convalescença.

AMAlentejo defende “urgência da criação das regiões administrativas”

Zé LG, 06.10.20

20180611215644638.jpgO AMAlentejo recorda que “a descentralização da Administração Pública tem sido adiada com reconhecidos prejuízos para os territórios e para os cidadãos” e que “constituirá o terceiro pilar em falta no triângulo do Poder Local institucional, o pilar intermédio de ligação entre os dois níveis de administração pública já existentes”.

Para o AMAlentejo “a eleição indireta do presidente e de um dos vice-presidentes” não passa de uma “nova forma de nomeação/designação dos dirigentes das CCDRs” e defende a concretização de “um Poder Regional Democrático, Plural, Transparente e Representativo assente na proposta de criação da Comunidade Regional do Alentejo, cujos órgãos devem emergir, exclusivamente, dos eleitos municipais dos 47 concelhos do Alentejo e cuja tutela administrativa se deve conformar à verificação do cumprimento da Lei, sendo exercida nos casos e segundo as formas legalmente previstas.”

“Por um modelo de Desenvolvimento Rural Transversalmente Sustentável”

Zé LG, 29.09.20

20200925183634952 rural.jpgO GAIA Alentejo, o Movimento Alentejo Vivo e a Associação Ambiental Amigos das Fortes realizou, em Beja, uma ação pelo mundo rural no dia da Greve Global pelo Clima”. Neste evento foi aprovada uma “Carta Aberta- Por um modelo de Desenvolvimento Rural Transversalmente Sustentável”.
Esta carta aberta, em que solicitam “ações urgentes por parte de quem consideram ter responsabilidades neste processo”, refere, entre outros aspetos que “é essencial corrigir o curso no sentido de um modelo de desenvolvimento efetivamente sustentável, terminando com a poluição na aldeia das Fortes, revogando o perímetro de rega do Mira, criando corredores ecológicos e ilhas de biodiversidade em redor das povoações, habitações, espaços públicos e massas de água, assim como implementar zonas estratégicas para os próximos três anos.”

“Estar calado, não será solução para coisa nenhuma”

Zé LG, 25.09.20

“A cidadania acarreta responsabilidades que não terminam nos gestos e nas discorrências, mas começam por aí!… A consciência crítica já é um reflexo positivo de não resignação, de inconformismo e de participação social!… Dá trabalho, e obriga a esforços pessoais em nome colectivo!… Estar calado, não será solução para coisa nenhuma, assim como não o será a acção errática e irracional!”

Anónimo 24.09.2020, aqui.

“O que importa é praticar a política de uma nova forma, deixando para trás a “clubite”.”

Zé LG, 25.09.20

70365791_10205606536479761_4613475439241854976_n MO que está em causa não é quem pode atirar pedras e quem tem telhados de vidro. O que neste momento imperiosamente importa é praticar a política de uma nova forma, deixando para trás a “clubite”. O que hoje em dia está em causa é a definição de uma estratégia para Portugal, e também para a região, em todos os sectores da economia e da vida social. É uma tarefa de grande envergadura, pois claro. Precisa, para ser enfrentada, que se reúnam os recursos mais amplos que consigamos reunir. Seguramente, não será a União Europeia a determinar as prioridades de desenvolvimento do nosso País. Também na Saúde, obviamente, o teremos de fazer. Teremos de imaginar como se deverá processar a evolução e reforço do Serviço Nacional de Saúde. O empenho de todos nós cidadãos, na cooperação para descoberta de soluções para os problemas que nos constrangem é fundamental. Por isso, concordo com o sentido das palavras da Dra. Matos Pires, definindo o modo honesto e solidário de trabalhar, com o fito de beneficiar o interesse público.

Munhoz Frade 23.09.2020, aqui.

“É preciso muito mais, na acção política e no exercício da cidadania individual e colectiva!”

Zé LG, 22.09.20

“Pois. Mas quem é que pretende fazer, e quem é que atrapalha quem quer fazer?
Um lugar comum, que pode encerrar uma visão clarividente de que não é possível questionar os métodos, os agentes ou as políticas levadas a cabo!...Era só o que nos faltava, que ninguém pudesse pôr em causa o modo de fazer!...
Se é verdade que "periódica e esporadicamente vamos assistindo a alguma coisa de positivo que, felizmente, vai acontecendo por cá". Ser "profeta da desgraça" não ajuda, antes favorece a tristeza espiritual dos bejenses. Não demos ouvidos a estes "velhos do Restelo"! "Os bejenses acreditam nas suas capacidades! Não atrapalhem quem quer fazer!”...O problema não está na capacidade (ou falta dela) do povo alentejano, que me parece que já deu provas históricas suficientes de resiliência em momentos delicados da sua história, mas na forma como os arautos da verdade pretendem conduzir a região em nome colectivo, sem contar com a participação de todos!...E já agora, os alentejanos não são profetas da desgraça nem têm problemas de natureza espiritual ( fosse esse o mal maior); antes conhecem, profundamente os problemas da região como ninguém! ...E tendo durante anos a fio, confiado responsabilidades nos seus representantes, se vêm pessimistas, pelos parcos resultados alcançados!...O Povo alentejano também é resistente nas suas aspirações, mas infelizmente quem nos representa não se tem mostrado à altura desse desafio!...E aqui o problema será transversal, numa relação de impotência por um lado, e de falta de assertividade no plano da representatividade dos dirigentes!...É preciso muito mais, na acção política e no exercício da cidadania individual e colectiva!...Mas também não será menos importante colocar de lado as diferenças ou conflitos de natureza partidária (com as suas proporções provincianas), em nome do superior interesse de defesa da maior região do País!”

Anónimo 21.09.2020, aqui.

PS e PSD criam mais dificuldades às candidaturas de Movimentos Independentes

Zé LG, 27.08.20

331310_295805637106613_145786679_o AMAI.jpgPS e PSD unidos para dificultar (ainda mais) as candidaturas autárquicas dos GCE (Grupos de Cidadãos Eleitores), vulgarmente intitulados Movimentos Independentes.

Não bastava, que ao contrário das candidaturas partidárias não tivessem isenção do IVA, agora propõem que os GCE sejam impedidos de, no mesmo concelho, utilizarem a mesma denominação, símbolo e sigla, nas candidaturas das Assembleias de freguesia (AF) que utilizam nas Camaras (CM) e Assembleias Municipais (AM). Ou seja, na AF os GCE têm de candidatar-se com outro GCE. Então quando um GCE se candidata à CM e à AM, não está a abranger todo o concelho ? E não são os mesmos cidadãos eleitores que legitimamente votarão nos três órgãos (CM, AM e AF) !!!!

 

 

Comissão de Utentes de Beja pede “a reabertura imediata das extensões de saúde”

Zé LG, 20.08.20

A Comissão de Utentes de Beja faz o ponto de situação, revelando que “há freguesias do concelho de Beja onde não vai um médico há mais de três meses” e, preocupada com “o agravamento das situações de saúde destas pessoas”, uma vez que “consultas por telefone não são, nem podem ser, alternativa às presenciais”, pede “a reabertura imediata das extensões de saúde”.

76615076_2369031209980176_1107038605206880256_o.jpPara a Comissão de Utentes de Beja “é preciso que seja feita a reabertura imediata das extensões de saúde, de forma a permitir a continuidade dos cuidados de saúde de proximidade, assim como fomentar os cuidados domiciliários”. “Mas sem esquecer”, que “são necessários mais investimentos no SNS - contratando mais profissionais e equipamentos para hospitais e centros de saúde - e que esta é uma responsabilidade do Governo”.