Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Agricultura do sudoeste alentejano continua a alimentar o país” ou está a seguir um “caminho extremamente arriscado”?

Zé LG, 31.03.20

imgLoader2.ashx estufas.jpgO Movimento Juntos Pelo Sudoeste acusou empresas frutícolas de Odemira e Aljezur de seguirem um “caminho extremamente arriscado” ao continuarem a operar, podendo “colocar em risco a saúde de milhares de pessoas”, devido à pandemia de covid- 19. “Poderá ser uma decisão economicista, em contraciclo com muitas outras empresas no país que foram obrigadas a parar”.

O comunicado do movimento surge em reação a uma nota de imprensa da Associação dos Horticultores, Fruticultores e Floricultores dos Concelhos de Odemira e Aljezur (AHSA), com o título "Agricultura do sudoeste alentejano continua a alimentar o país”. As associadas da AHSA, que "representam mais de 200 milhões de euros de faturação anual", mantêm "atividade em pleno", apesar da pandemia de covid-19, e "Continuam a operar e a alimentar a cadeia de distribuição nacional e internacional", seguindo "todas as orientações das autoridades" e priorizarando “ao máximo a prevenção e a implementação e adaptação dos seus planos de contingência".

Associação Amigos das Fortes recusa convite da Câmara de Ferreira do Alentejo

Zé LG, 05.03.20

A Associação Ambiental dos Amigos das Fortes (AAAF), convidada para o dia do município de Ferreira do Alentejo, que se assinala hoje, para uma sessão solene a realizar frente à Câmara Municipal, com a presença das associações e os respetivos estandartes, declinou o convite como forma de protesto contra a situação que as Fortes vivem há mais de 12 anos.

202003041945101966.jpgFátima Mourão frisou, ainda, que o compromisso da Associação é “estar ao lado da população das Fortes e procurar que a Câmara de Ferreira do Alentejo execute o papel a que está confinada, defender as populações, responder a problemas concretos e fomentar a nossa participação nas políticas correspondentes.”

“Juntos pelo Sudoeste” entregou petição com 6 000 assinaturas na AR para impedir que “a área coberta de plástico triplique”

Zé LG, 04.03.20

202003021542599596.jpg“Juntos pelo Sudoeste” (JPS), o movimento de cidadãos de Odemira e Aljezur que se juntou para impedir que “a área coberta de plástico que já existe no parque” se “triplique”, como está previsto na resolução do Conselho de Ministros n.º 179/2019, aprovada pelo anterior Governo, entregou, na Assembleia da República, uma petição pública com cerca de seis mil assinaturas”, com o objectivo de “levar este tema a debate na Assembleia da República para que seja cuidadosamente analisado”, porque “numa região que é Parque Natural há compromissos que não estão a ser cumpridos”.
“Juntos pelo Sudoeste” criou a petição “O Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina não aguenta mais agricultura intensiva”, que pretende também impedir a colocação de contentores dentro das explorações agrícolas para mais trabalhadores emigrantes até 36 mil pessoas”. Daqui e daqui.

Proposta de gestão partilhada de Pisões e dos Museus de Beja

Zé LG, 08.02.20

museu1.jpg

«... Em minha opinião, essa ligação poderia/deveria passar por um modelo que, agregando as três entidades – Direção Regional, Universidade e Câmara Municipal – desse origem a uma única entidade responsável pela gestão conjunta do museu (incluído naturalmente o seu Núcleo Visigótico), de Pisões e, eventualmente, do Núcleo Museológico da Rua do Sembrano. Deixo de fora o Centro de Arqueologia e Artes e o sítio arqueológico anexo, que aguardam, por parte da autarquia, uma decisão sobre o seu futuro e modelo de funcionamento.

pisões.jpg

Essa nova entidade deveria ter uma administração tripartida, coadjuvada por um conselho consultivo alargado e, tal como prevê o citado decreto-lei, um diretor recrutado “…através de concurso público (…) a quem são delegadas competências para uma gestão responsável, que prime pela transparência e pelo cumprimento do quadro legal vigente e que se adeque às características do equipamento em causa, permitindo agilizar a operacionalização do seu plano de atividades do setor”. ...»

José Filipe Murteira, aqui.

Petição para revogação de Resolução que permite aumentar área de estufas até 40 % e de contentores no Perímetro de Rega do Mira

Zé LG, 24.01.20

imgLoader2.ashx.jpg“Temos cerca de 11 por cento da agricultura intensiva coberta por plástico e aquilo que a resolução [do Conselho de Ministros] diz é que pode vir a aumentar até 40 por cento, além da autorização, a título excecional, de contentores dentro das explorações agrícolas” e da "contratação de milhares de trabalhadores asiáticos em condições pouco claras”, disse Fátima Teixeira, porta-voz do movimento que lançou a petição.

O movimento alerta para as consequências “nefastas” de práticas agrícolas “que apostam na utilização intensiva de água para rega, plásticos, fertilizantes e pesticidas sintéticos”, no “Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, uma zona de excelência, com recursos ambientais que é preciso proteger. Estamos a destruir um património ambiental que é único”, pelo que é urgente “resolver os problemas que já existem ao nível de estufas, de agricultura intensiva e da capacidade para acolher tantos imigrantes” antes de se avançar para a expansão da atividade agrícola.

É urgente travar este avanço e proteger as zonas sensíveis do ponto de vista ecológico, assim como as populações dos aglomerados urbanos, das contaminações desta agroindústria, sendo por isso imperativo a demarcação de uma faixa mínima de 1.000 metros a partir da linha de costa e de 500 metros dos perímetros urbanos, livres de agricultura intensiva”.

"Olá cidadania, como estás?"

Zé LG, 09.12.19

rita_medinas_3.png"Já há tanto tempo que não te vejo. Pensando bem, não sei se te cheguei a conhecer. Penso que te imaginei nos meus tempos de inocência, nos mesmos tempos em que cheguei a pensar mesmo que existia uma fada mágica que trocava o nosso dente de leite, por uma prenda.

Confundo-te imenso com a solidariedade e equidade. Uma das vossas parecenças é que não estão presentes; o vosso significado aparece, apenas, no dicionário para fazer inveja."

Leia aqui o resto do texto de Rita Medinas, natural de Reguengos de Monsaraz, com dezoito anos e estudante do Curso de Português na Universidade de Coimbra.

“Quando se unem Funcionários, Alunos, Professores, Pais e Encarregados de Educação na mesma luta, tenho a certeza que a razão lhes assiste”

Zé LG, 05.12.19

"Temos assistido desde o início oficial do ano lectivo, a contestações e a várias iniciativas dos trabalhadores, encarregados de educação e professores, com o objectivo de questionar, reivindicar e exigir melhores condições de trabalho.
Não têm sido levantadas as questões que envolvem os baixos salários, e outras questões materiais que normalmente são exigidas.
Estamos perante uma nova exigência legítima, onde a falta de recursos humanos levam outros à exaustão. Verificamos também a existência da consciência dos trabalhadores, relativamente às responsabilidades que a sua função encerra, alegando e declarando...."que não podemos trabalhar assim. Assim não podemos continuar a assumir as nossas responsabilidades".
...
Estamos perante uma evidência.… as crianças não estão seguras nas escolas, os pais preocupados, os professores também.
Será que é incomportável para o Governo criar algumas centenas de postos de trabalho para responder a estas preocupações ? Será que temos assim tantas dificuldades financeiras enquanto país, que não estejamos disponíveis para este minúsculo investimento ?
… CGP - Anónimo 04.12.2019 12:24", aqui.

“É mais urgente salvaguardar o que resta do património natural do Alentejo”

Zé LG, 19.11.19

P1060215.JPG“… Falta fazer muito..., no sentido da preservação e disciplina na implementação de mais culturas deste tipo, e para isso é premente que todos os organismos da tutela falem a uma só voz e em tempo útil! … é necessário investimento agrícola sim, mas é mais urgente salvaguardar o que resta do património natural do Alentejo, porque aí também reside parte da actividade turística e social desta vasta região!”

Anónimo 18.11.2019 19:12, aqui.

“Os Baixo-Alentejanos estão verdadeiramente interessados em resolver os seus problemas?”

Zé LG, 19.11.19

Sim, isso foi feito, mas ao que parece com poucos ou nenhuns resultados!.. E só isso já seria matéria para reflexão interna. Os autarcas e os políticos que em geral foram legitimados pelo voto, é que deveriam mostrar mais respeito pelos cidadãos! No entanto parece que nem isso constitui mal maior, porque se insiste na fórmula! Os Baixo-Alentejanos estão verdadeiramente interessados em resolver os seus problemas? É a pergunta que me coloco muitas vezes, porque a dúvida persiste!… estamos demasiado fragmentados e sós e demasiado preocupados com as nossas quintinhas para a causa ganhar a expressão necessária! Mas aqui o mal é mais endémico do que circunstancial… Seja como for, nada se perde em insistir ainda que o caminho seja tortuoso!
Anónimo 16.11.2019 23:29, aqui.

Beja “tem as suas particularidades e para mim tem futuro... temos de ser mais que isto.”

Zé LG, 18.11.19

"Realmente e infelizmente Beja tem cada vez mais pequenez de espírito e menos vozes que se erguem precisamente devido à atitude intrínseca espelhada neste comentário, acabe-se com a maledicência gratuita, a inveja, a ignorância, a procrastinação, a desunião, o egoísmo nesta cidade, quando o assunto é o nosso futuro coletivo! Parem com as comparações e com a vitimização, a nossa cidade não é um campo de batalha entre vermelhos e rosas, os interesses coletivos não servem para instrumentalizacões políticas, a nossa cidade não é Évora, não é Faro, não é Castelo Branco, etc. tem as suas particularidades e para mim tem futuro... ouvir um bejense dizer mal da comitiva Beja Merece+ é inqualificável, é mesmo o retrato do que somos, que seja o ponto final dessa forma de estar, temos de ser mais que isto.
José Dores 16.11.2019 23:35", aqui.