Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Gonçalo Valente é candidato do PSD à Câmara de Ourique

Zé LG, 01.03.21

PSD-Gonçalo-Valente-768x432.jpgGonçalo Valente, presidente da Distrital de Beja do PSD deverá ser o cabeça de lista do partido laranja à Câmara Municipal de Ourique, nas eleições autárquicas deste ano.

Gonçalo Valente disse que está “disponível para liderar uma lista”, nas próximas eleições e que, neste momento, o PSD de Beja tem “praticamente tudo fechado” e “encaminhado”.

Gonçalo Valente está à frente da Distrital de Beja do PSD desde abril de 2019.

Bejense Carlos Moedas é candidato do PSD à Câmara de Lisboa

Zé LG, 25.02.21

Rui Rio recebeu hoje, na sede nacional do PSD, Carlos Moedas e anunciou o ex-comissário europeu como candidato da coligação PSD/CDS a Lisboa.

CM.png

Nascido em Beja em 1970, Carlos Moedas licenciou-se em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico, em 1993, e é atualmente administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, para o mandato 2020-2025.

Com um percurso profissional na área financeira e de investimentos, da sua carreira política destaca-se a eleição como deputado por Beja em 2011, ano em que viria a desempenhar funções como secretário de Estado ajunto do primeiro-ministro, Passos Coelho, coordenando a estrutura de ligação com a ‘troika’, a ESAME. Em 2014 foi nomeado comissário europeu, responsável pela Investigação, Inovação e Ciência.

PSD candidata Henrique Sim-Sim à Câmara de Évora

Zé LG, 24.02.21

henrique_simsim2021.jpgA Comissão Política Concelhia de Évora do PSD indicou que Henrique Sim-Sim vai “encabeçar a lista de candidato à câmara municipal” e que o seu nome foi aprovado por unanimidade em plenário de secção. “Segue-se a aprovação desta proposta pela Comissão Política Distrital de Évora e pela Comissão Política Nacional”, prevendo-se que sejam tomadas as respetivas decisões “nos primeiros dias de março”.

Henrique Sim-Sim é militante do PSD desde 01 de junho de 2009 e foi eleito presidente da Concelhia de Évora do PSD no dia 18 de setembro de 2020. Natural de Évora, tem 47 anos, é formado em Engenharia Zootécnica, com especialização em Relações Internacionais e Cooperação para o Desenvolvimento. Atualmente, Henrique Sim-Sim é funcionário da Fundação Eugénio de Almeida e presidente da Associação Alentejo de Excelência, entre outros cargos.

António Sebastião deverá ser o candidato do PSD à Câmara de Almodôvar

Zé LG, 23.02.21

AntonioSebastiao.jpgAntónio Sebastião, antigo presidente da Câmara Municipal de Almodôvar, deverá voltar a candidatar-se ao cargo nas próximas eleições autárquicas, encabeçando, a lista do PSD, embora o atual presidente da Concelhia de Almodôvar do PSD tenha adiantado apenas que “há uma ideia clara sobre o perfil do candidato, mas ainda não se chegou à decisão final”.

O antigo autarca tentou, em 2017, recuperar a Câmara de Almodôvar que o PSD perdeu para o PS, em 2013 e que, desde então, é liderada pelo socialista António Bota, depois de a ter liderado, entre 2001 e 2013, tendo sido eleito nos dois primeiros mandatos pelas listas social-democratas como independente e no terceiro mandato já como militante do PSD.

André Linhas Roxas (CDU) deverá ser o concorrente de Álvaro Azedo (PS) nas eleições para a Câmara de Moura

Zé LG, 22.02.21

11087_big.jpgO socialista Álvaro Azedo, actual presidente da Câmara Municipal de Moura, e André Linhas Roxas, vereador da CDU no município mourense, são dois possíveis candidatos a encabeçar as listas dos seus partidos à autarquia.

Álvaro Azedo poderá recandidatar-se pelo PS, com uma possível alteração no que se refere aos primeiros lugares da lista (vereadores).

Segundo a Rádio Planície, há mais dois partidos na corrida às autárquicas no concelho de Moura. O PSD, ao que tudo indica, pode concorrer em coligação com o CDS e o CHEGA irá apresentar candidatos à autarquia e a todas as freguesias do concelho.

PSD e CDS-PP coligados no concelho de Beja, nas Autárquicas 2021

Zé LG, 15.02.21

202102141332046191.jpgJá está confirmada a candidatura, em coligação, no concelho de Beja, de PSD e CDS-PP, à Câmara, Assembleia Municipal e Freguesias, nas autárquicas 2021. O acordo foi firmado no passado sábado.

As duas forças políticas querem que o anúncio dos candidatos seja feito pelos líderes Rui Rio e Francisco Rodrigues dos Santos, em Beja, mas mais à frente, pois “ainda falta aprovar os nomes em cima da mesa nas respetivas Comissões Políticas Concelhias em reuniões que ainda carecem de realização”.

Nuno Palma Ferro é o candidato do PSD à Câmara de Beja (?)

Zé LG, 12.02.21

148014285_4130885696938762_7778015037748869659_o.jAo que tudo indica, o PSD vai apresentar como candidato, nas autárquicas 2021, à Câmara de Beja Nuno Palma Ferro e para encabeçar a lista à Assembleia Municipal José Pinela Fernandes. Tudo aponta, também, para que José Hilário lidere a lista à União das Freguesias (UF) de Beja de Santiago Maior e São João Baptista e que o número 1 da lista à UF de Beja de Salvador e Santa Maria da Feira seja Hugo Carulo.

A Voz da Planície falou com Nuno Palma Ferro que não confirmou nem desmentiu. Referiu que "é uma possibilidade que se poderá colocar". 

À Rádio Pax, Pinela Fernandes e Gonçalo Valente não confirmaram o nome de Nuno Palma Ferro, dizendo apenas que essa informação vai ser dada dentro de quinze dias. 

Nuno Palma Ferro, natural de Beja, é professor na Escola Secundária D. Manuel I . Foi durante muito anos presidente do Clube de Patinagem de Beja.

“Fórum Mértola Participação Cidadania” realiza primeiro debate no próximo Sábado

Zé LG, 09.02.21

202102082216429687.jpgJorge Pulido Valente é um dos elementos do Fórum Mértola Participação Cidadania, que junta várias pessoas de diversos quadrantes políticos e independentes. Um Fórum que propõe para os próximos tempos um conjunto de debates sobre as perspetivas de desenvolvimento para o concelho, em diversas áreas. A primeira iniciativa realiza-se, no próximo sábado, trata-se de um encontro via zoom para debater “Mértola: como construir um futuro melhor para as pessoas?”.

Jorge Pulido Valente considera que, neste momento, não se coloca a questão de uma possível candidatura, entendendo o facto de estar a ser "abordado" para se candidatar à Câmara de Mértola como o reconhecimento do “bom trabalho” que desenvolveu e de ser visto como “um ativo importante para o desenvolvimento do concelho”.

“candidaturas locais independentes”?

Zé LG, 07.02.21

021020132246-58-CamaradeBeja.jpg«Há de facto esse risco. O de o PS se tornar no partido ainda mais hegemónico nas autarquias do Baixo Alentejo. Com todas as consequências que conhecemos, em particular o total abandono por parte do governo do seu partido a nível central.

E não parece já ser o PCP o partido que o possa impedir, com a excessão talvez de Cuba.

Daí a necessidade imperiosa de candidaturas locais independentes.

Vamos lá ver se ainda resta algum dinamismo à sociedade civil, ou se estamos irremediavelmente condenados ao subdesenvolvimento, com a perda progressiva de habitantes e a proliferação indiscriminada em curso de olivais e afins inimigos do ambiente. Como corajosamente bem salientam investigadores da Universidade de Évora."

Anónimo 06.02.2021, aqui.

PS do Baixo Alentejo aposta na “recandidatura” dos atuais presidentes de Câmara

Zé LG, 03.02.21

202102022256227342.jpgA Federação do Baixo Alentejo do Partido Socialista, nas eleições autárquicas de 2021, aposta na recandidatura dos atuais presidentes de Câmara, de acordo com a sua disponibilidade e aceitação.

Uma “regra” que pode significar a recandidatura de Paulo Arsénio, em Beja, António Bota, em Almodôvar, António José Brito, em Castro Verde, Pita Ameixa, em Ferreira do Alentejo, Álvaro Azedo, em Moura e Marcelo Guerreiro, em Ourique. Segundo "O Atual" conseguiu apurar só o independente João Serranito Nunes, eleito pelo PS, em Barrancos, poderá não se recandidatar.

No caso de Aljustrel, Mértola e Odemira, os atuais presidentes não se podem recandidatar devido à lei de limitação de mandatos. Em Odemira, não será de estranhar se a aposta recair no vice-presidente, Ricardo Cardoso, assim como, em Mértola, no vice-presidente, Mário Tomé.

Nelson Brito garante que pretende continuar com as 10 câmaras onde o PS é "poder", mas disputar também, com a apresentação de ideias e programas, as câmaras que não são lideradas pelos socialistas.

PS candidata Mário Tomé à Câmara de Mértola

Zé LG, 02.02.21

Mario-Tome-1.jpgMário José Santos Tomé, actual vice-presidente da Câmara de Mértola eleito pelo PS, vai ser o candidato socialista à autarquia mertolense nas eleições Autárquicas deste ano, foi anunciado pelo ainda presidente do município, Jorge Rosa, que revelou que Mário Tomé foi o candidato “preferencial” escolhido “por unanimidade” pela Concelhia de Mértola do PS, que deverá anunciar a sua decisão em breve. Mário Tomé tem 43 anos.

Voto João Ferreira para Presidente da República

Zé LG, 22.01.21

139642290_3904424749570538_8294157583955265147_n.j

João Ferreira apresentou-se nestas eleições com um programa político assente na defesa intransigente da Constituição, que, como tantas vezes repetiu, não é neutra, que considera a iniciativa privada, mas que não desvaloriza os sectores público, cooperativo e social; que valoriza a importância dos trabalhadores e os protege na relação desequilibrada com o capital; que contempla direitos especiais aos jovens ao contrário do que está a acontecer, tal com a igualdade de direitos entre homens e mulheres; que defende a solidariedade e a coesão social, ao contrário do que está a acontecer com o acentuar das desigualdades; que defende um Serviço Nacional de Saúde tendencialmente gratuito.

João Ferreira, ao contrário de Marcelo Rebelo de Sousa, defende a estabilidade política e social assente em políticas que concretizem o que a Constituição preconiza e não na manutenção de privilégios para os mais poderosos e no acentuar de desiguldades sociais, económocas e territoriais. 

Com João Ferreira na Presidência da República teríamos alguém que efectivamente cumpriria e faria cumprir a Constituição, que transformaria o juramento formal num programa político. Com ele a Constituição sairia do armário e dixaria de "ser neutra".

João Ferreira fez uma campanha eleitoral sóbria e consistente, firme na defesa da Constituição, clara na interpretação desta, sem se deixar desviar do que verdadeiramente está em causa - a eleição para Presidente da Reública. Com a campanha de João Ferreira ouvimos preceitos da Constituição, de que raramente se fala. Só por isso valeu a sua candidatura.

Por tuto isto, VOTO JOÃO FERREIRA!

Quem vamos escolher para Presidente da República?

Zé LG, 21.01.21

Untitled-1-1600x887.jpgQuem já votou ou vai votar no próximo Domingo nas eleições presidentiais, tem sete hipóteses de escolha. Todos (ex) dirigentes partidários. Veja aqui quem são.

De forma sintética (e simplista) diria, com base nas suas principais bandeiras,  que a escolha a fazer será entre "mais do mesmo", "a luta contra a corrupção", "a destruição da Constituição e do estado democrático", "a defesa do Serviço Nacional de Saúde", "a defesa da Constituição progressista", "o populismo popular" e "todo o poder aos privados". 

Não se esqueçam que mesmo os que não votarem decidem quem vai ser o próximo Presidente da República Portuguesa.

João Ferreira acusou as entidades privadas de saúde de “desertarem” nos momentos difíceis, como é o combate à pandemia de covid-19

Zé LG, 13.01.21

imgLoader2.ashx.jpgO candidato à Presidência da República João Ferreira afirmou, em Santiago do Cacém, que: “Percebemos hoje que aquele negócio que cresceu à sombra do desinvestimento no Serviço Nacional de Saúde, porque foi quando se começou a desinvestir no SNS que começou a nascer e a proliferar o negócio privado da doença, percebermos hoje que na hora do aperto, esses, os grupos económicos que fazem esse negócio, põem-se ao fresco”.

Durante a sua intervenção, João Ferreira sublinhou que as entidades privadas de saúde “desertaram do combate no momento mais difícil”, assim “como desertam de tudo aquilo que não lhes assegure perspetivas de lucro”. Por outro lado, elogiou o Serviço Nacional de Saúde, “que mesmo com o desinvestimento de que foi sendo alvo, está a revelar-se essencial para, numa altura tão difícil e tão exigente, proteger a saúde dos portugueses”.

“Não queremos RSI, mas trabalho” gritaram ciganos à chegada do candidato à PR, André Ventura, a Serpa

Zé LG, 11.01.21

imgLoader2.jpgNo primeiro dia oficial de campanha presidencial, a chegada do candidato André Ventura - o deputado único do Chega, partido da extrema-direita, que chegou a sugerir um confinamento específico dos ciganos durante a pandemia de covid-19 -, a um comício em Serpa, foi marcada por insultos ao candidato e protestos por parte de populares, a maioria de etnia cigana.  Cerca de 50 pessoas empunharam cartazes, gritaram palavras de ordem para expressar o seu desacordo com as ideias defendidas por Ventura: “Alentejo, terra da Liberdade”, “Facho!” ou “Zeca, obrigaram-me a vir para a rua”.

"Vão trabalhar, trabalhar!”, gritou André Ventura, em direção aos manifestantes, ladeado por seguranças. “Beja foi [o distrito] escolhido para ser o início da caminhada presidencial pela razão que temos insistido: há um país em que metade trabalha para outros não fazerem nada”, afirmou, lamentando “privilégios e regalias injustificados nos últimos 45 anos”. Classificou ainda a sua corrida ao Palácio de Belém como “a maior ameaça" ao sistema. “Não são ‘Grândolas’ cantadas lá fora por subsidiodependentes que nos vão fazer parar esta marcha.”

“Uma candidatura autárquica de nível precisa-se com urgência!”? Quem a pode protagonizar?

Zé LG, 04.01.21

"As razões estão à vista de todos: incapacidade em toda a linha dos responsáveis autárquicos, falta de comprometimento efectivo com o objectivo que deveria ser central de desenvolvimento do concelho e da região, protagonismos pessoais doentios e carreirismo político do mais baixo nível, má gestão crónica, mediocridade técnica, inoperância em larga escala, favoritismo escandaloso na escolha dos ocupantes dos cargos de chefia, invariavelmente motivado por critérios partidários ou outros amiguismos obscuros, enfim, subdesenvolvimento deprimente na gestão dos assuntos públicos, que apenas em vão se tenta disfarçar com manobras publicitárias de inaugurações de parques de lazer. Uma candidatura autárquica de nível, precisa-se com urgência!" Anónimo 31.08.2020, aqui.

P1080375.JPGPodemos concordar ou não com este comentário. Mas certamente todos estaremos de acordo que seria bom para Beja, tal como para qualquer outro concelho, ter na gestão dos seus órgãos autárquicos os melhores. Quem são eles? Estamos a nove meses das eleições autárquicas, pelo que é natural que estejam a realizar as movimentações no sentido da escolha dos candidatos, principalmente dos cabeças de listas candidatas. Por isso, lanço aqui o desafio que indiquem nomes dos que consideram mais capazes para desempenhar funções autárquicas. Talvez a vossa opinião possa ser um contributo para termos melhores candidatos e melhores autarcas, capazes de ultrapassar, pelo menos, algumas das muitas dificuldades apontadas.

João Ferreira defende mais medidas além da vacina contra a Covid19

Zé LG, 30.12.20

131070106_3819435661420598_6687761789005767158_n.jO candidato presidencial João Ferreira considerou “muito importante” o arranque da campanha de vacinação em Portugal contra a Covid-19, mas defendeu mais medidas que permitam a “retoma da vida económica, social e cultural”.

Segundo João Ferreira, “A vacina é muito importante” e “é fundamental” assegurar que a campanha de vacinação contra a covid-19 “decorre de modo a que todos possam ter acesso às vacinas” mas são necessárias “outras medidas de proteção da saúde”, uma vez que “a vacinação não vai estar concluída no curto prazo”.

É necessário que o Alqueva dê um “contributo mais efetivo” para o desenvolvimento da região, afirma João Ferreira

Zé LG, 28.12.20

Joao-Ferreira-PCP-reuniao-EDIA-Dez-2020-p0jhl75c1qO candidato presidencial apoiado pelo PCP dedicou esta segunda-feira, 28, “às questões da água e do ambiente” no distrito de Beja, onde se verificaram nos últimos anos “transformações muito significativas” no que tem sido “o uso da terra” e no “tipo de paisagem”, devido ao empreendimento do Alqueva.

“Há, de facto, transformações muito profundas e uma evolução da realidade que suscita algumas preocupações, tendo em conta até os desígnios que a Constituição da República fixa para o que deve ser a política agrícola”. Na opinião do candidato, é necessário que o Alqueva dê um “contributo mais efetivo” para o desenvolvimento da região e que “desse aumento da produção resultem benefícios para aqueles que vivem da agricultura”, “gerindo bem os recursos naturais como a água e o solo”. João Ferreira criticou ainda “o caminho” que se tem seguido na zona do Alqueva, onde se regista “um fenómeno de concentração da propriedade e uso da terra”.

Além da reunião na EDIA na parte da manhã, João Ferreira reuniu durante a tarde com representantes do movimento “Chão Nosso”, em Serpa, e com agricultores em Pias.