Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

João Oliveira e Paulo Raimundo em Beja

Zé LG, 29.05.24

202405281612457616.jpgDepois de Sebastião Bugalho, cabeça de lista da AD ao Parlamento Europeu, ter estado na Segunda-Feira em Moura, e Tânger Corrêa, cabeça de lista do Chega, acompanhado de André Ventura, líder do seu partido, ter estado esta manhã em Beja, amanhã, às 15.00 horas, é a vez de João Oliveira, cabeça de lista da CDU, acompanhado de Paulo Raimundo, secretário-geral do PCP, participar, num comício no Jardim Público de Beja.

Adenda: Também Marta Temido, cabeça de lista,  e o secretário-geral do PS, Pedro Nuno Santos, visitam esta quinta-feira, a partir das 09.30 horas, o concelho de Aljustrel.

“foi o que se viu e ouviu na última campanha eleitoral, e que parece não ter fim”

Zé LG, 26.03.24

5-3.jpg«Excelente e atual análise política (“Foram independentes, pensavam pela sua própria cabeça, foram incómodos”), sobre a qual todos sem exceção deveríamos meditar, e que está a quilómetros de distancia do recalcitrante discurso ideológico quer de esquerda ou de direita com que somos diáriamente bombardeados. Que aliás foi tudo o que se viu e ouviu na última campanha eleitoral, e que parece não ter fim.

O país está mergulhado numa profunda crise social e económica de que os jovens são a face mais visivel, e a classe politica e a comunicação social por ela controlada, só nos sabe trazer diáriamente e até ao limite da exaustão, criando e alimentando querelas de índole ideológica para nos distrair ou para semear a discórdia entre uns e outros.» Anónimo, 24.03.2024, aqui.

Não gosto de surperlativos nem do “nós é que somos os bons, os outros são maus”

Zé LG, 08.03.24

candidatos.pngVeio-me de novo à cabeça este meu “não gosto” pelo que se tem passado na campanha eleitoral, o que, diga-se em abono da verdade, não é propriamente uma novidade. Todos são os melhores e alguns dos outros são o pior que há. Reconhecer qualidades, virtudes ou boas ideias e propostas nos outros é “contra todas as regras”. Tudo isto é mais superlativo quanto mais possibilidades acham que têm de alcançar os seus objectivos. Um pouco de humildade democrática não fazia mal a nenhum e mais respeito pelos outros também não.
Espero que, na sua sabedoria nem sempre fácil de compreender e aceitar, os eleitores votem de forma a não existir uma qualquer maioria absoluta e a gerarem uma maior aproximação de resultados eleitorais que obrigue a mais diálogo, concertação e entendimento entre os partidos. Acho que este será o melhor caminho para que se encontrem as melhores soluções para os principais problemas que persistem no nosso País. E importa não esquecer que estamos a dias de celebramos o 25 de Abril que nos abriu as portas à liberdade, à democracia e à esperança numa vida melhor, principalmente para quem vive pior.

André Ventura diz que CHEGA vai ser o mais votado no distrito de Beja

Zé LG, 07.03.24

202403061710473914.jpgVentura esteve ontem em Beja e disse que PS e PSD “podem andar com a trouxa às costas por todo o país a dizer que não vale a pena votar no Chega” que “o povo comum sabe que o único sinal de mudança no dia 10, o único que mudará alguma coisa é o voto no Chega” e  assegurou que “a terra comunista tornou-se terra do Chega”, apontando para a eleição de dois deputados por Beja, nas Legislativas de domingo, garantindo que “Nós vamos vencer o distrito de Beja, vamos ser o partido mais votado” e “que todos os distritos do Sul serão os primeiros territórios em que o Chega começará a afirmar-se como o partido mais votado de Portugal”.

CDU defende mais apoios à agricultura e condena "ditadura da distribuição"

Zé LG, 04.03.24

pr (2).png"Que se invista na agricultura e nos agricultores e não no agronegócio. Que se acabe com o escândalo do apoio da PAC, canalizado para as mãos de grandes agrários, esses 7% que ficam com 70% de todos os apoios que vêm da União Europeia, ao mesmo tempo que aos restantes agricultores sobra a diminuição do rendimento. Ao mesmo tempo que Jerónimo Martins e Sonae acumularam mil milhões de euros de lucro", afirmou Paulo Raimundo, em Santarém, frisando que "O país, a agricultura, os agricultores e cada um de nós não tem futuro enquanto não se enfrentar com coragem essa autêntica ditadura da grande distribuição, essa autêntica ditadura que esmaga os pequenos agricultores, esmaga a produção, esmaga cada um de nós cada vez que temos de ir ao supermercado. Sem enfrentar isto de frente não há alternativa no nosso país, não há alternativa para a agricultura".

 

O distrito de Beja precisa de mais força da CDU, afirmou Paulo Raimundo

Zé LG, 03.03.24

202403022334444020.jpg“O Alentejo e o distrito de Beja precisa de mais força da CDU. Precisa de eleger, e vai eleger, o João Dias. Ao contrário dos deputados do PS e do PSD, nunca faltou a nenhuma chamada das populações lá onde foi preciso estar”, garantiu Paulo Raimundo, ontem em Beja.
O secretário-geral do PCP criticou os partidos de direita pelas posições sobre imigração, denunciando “Os discursos do ódio, do racismo e da discriminação que têm vindo a aumentar, mais não fazem do que querer desviar as atenções dos reais problemas e dos responsáveis que meteram milhares de cidadãos portugueses para fora do seu país”, e apelou ao pleno reconhecimento dos direitos dos imigrantes.

Paulo Raimundo lembrou responsabilidade do PS na falta de obras no IP8

Zé LG, 02.03.24

pr (2).pngO secretário-geral do PCP, junto a um viaduto incompleto e sem avanços desde 2012, destacou hoje a “quota de responsabilidade” do líder do PS, Pedro Nuno Santos, enquanto ex-ministro das Infraestruturas, na falta de conclusão das obras do IP8 no Alentejo e assinalou o prejuízo para a região. “O que aconteceu foi que PSD e CDS pararam a obra e o PS agarrou nessa bandeira e manteve isto tal como está. É uma vergonha e uma afronta a toda a gente que vive no distrito de Beja e no Alentejo”. Daqui e daqui.

Aeroporto de Beja “pode e deve ser complementar” aos de Lisboa e Faro, defende o PAN

Zé LG, 27.02.24

202402271420585622.jpgDe passagem pelo Aeroporto de Beja, no âmbito da campanha para as eleições legislativas de março, a porta-voz do PAN, Inês Sousa Real, após se encontrar e ouvir as reivindicações de Manuel Valadas, porta-voz do movimento Melhor Alentejo, Inês Sousa Real, acompanhada pelo cabeça de lista por Beja, Luís Coentro, lamentou que exista “um aeroporto praticamente fantasma”, salientando que: “Esta infraestrutura está criada e tem, inclusivamente, arcas frigoríficas de grande dimensão que podiam potenciar a própria agricultura da região e a nossa soberania e capacidade económica de exportação de bens e produtos”. Considerando que esta infraestrutura também podia ser complementar aos aeroportos de Lisboa e Faro, defendeu uma aposta na ferrovia e a inclusão das obras nas ligações a Beja no Plano Nacional de Investimentos (PNI). Daqui e daqui.

Luís Montenegro acredita que vai "recuperar deputado por Beja" e "dar novo Governo a Portugal"

Zé LG, 27.02.24

Sem nome (24).png

Na sua deslocação a Beja, o líder do PSD e da AD, Luís Montenegro, disse que há um “esquecimento do distrito de Beja no contexto nacional” e que a falta de acessibilidades é um “travão ao desenvolvimento” da região, defendendo que sem acessibilidades é difícil atrair empresas, criar emprego e fixar pessoas.
Luís Montenegro afirmou que pretende contribuir para "a atração de investimento/empreendedores que criem oportunidades de emprego e negócios, dois pontos cruciais para travar a saída de pessoas, essencialmente os jovens, deste território em busca de oportunidades", considerando que "no distrito de Beja, as pessoas vão deixar de ir atrás do PS, dominante no território".
Com atenções "centradas na agricultura", o líder do PSD considerou "ser estratégica para o distrito por tudo o que envolve o setor e permite potenciar" e afirmou que a AD defende "uma imigração regulada que contribua para a fixação de pessoas no território e que evite às mesmas caírem nas mãos das redes de tráfico de mão de obra. Uma imigração que promova a entrada de famílias".