Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

"Política" coloca Alvitrando no Top Ten dos Blogs do Sapo

Estes foram os 10 posts mais comentados no SAPO durante o fim-de-semana:

  1. A "Luz" que ilumina a FPF (45)
    Camarote Leonino
  2. Marcha pelo clima (40)
    Delito de Opinião
  3. Rescaldo do jogo de hoje (38)
    És a nossa Fé!
  4. Como Ofender Alguém (31)
    Nota Dissonante
  5. Parabéns, senhor da cara no cartaz... (27)
    Hetero Doméstico
  6. O sol já brilha por aqui (22)
    Existe um Olhar
  7. “A política não se deve centrar em excesso nas questões da economia” (21)
    Alvitrando
  8. Bom dia (20)
    That's It
  9. O mundo precisa de "loucos" ... (20)
    Uma Pepita de Sucesso
  10. Os dois lados da humanidade neste nosso mundo (20)
    [in]Sensato

“A política não se deve centrar em excesso nas questões da economia”

Há momentos em que questionamos se os apetrechos que adquirimos com nossos pais como preparação para a vida ainda têm utilidade. Nos últimos cinquenta anos, a rapidez das transformações sócio-económicas cavou um fosso entre gerações, quer no que respeita aos significantes comunicacionais, quer no que respeita a valores de vida. Tal dissonância sociológica também é matéria política. Não está garantido que uma economia mais próspera aumente os indicadores de felicidade das pessoas. É necessária sim, para o bem-estar social, mas não é suficiente para boas dinâmicas familiares. Por isso a política não se deve centrar em excesso nas questões da economia. Tem de incluir de forma pró-ativa a vertente cultural, civilizacional. Continuamos a necessitar de nos nortearmos pelas consignas da Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade. Sem esses objetivos, o mundo não melhorará.

Munhoz Frade 16.03.2019 15:27, aqui.

"Participação cidadã e redes sociais: uma contradição insanável?”

PM.jpg«...

Uma maior participação cidadã, em Beja ou em outra qualquer parte do país é sempre de enaltecer, o que poderia ser reforçado com a “democratização da opinião” proporcionada pela internet, nomeadamente pela blogosfera e depois pelo facebook, pelo facto de o acesso a estes novos meios de comunicação ter trazido novas possibilidades para a difusão e para o debate de ideias, em liberdade e quase sem limites.

Só que, infelizmente, não é isso que se passa, gerando-se uma improvável e insanável contradição entre o que parecia ser um importante contributo para a participação cidadã e os resultados obtidos nas redes sociais. ...»

Leia aqui todo o texto de José Filipe Murteira

“Um grande roubo é diferente de um pequeno”

É assim que começam os populismos, a querer meter tudo no mesmo cesto.
A própria lei tem molduras penais diferentes, não tem cabimento condenar com penas iguais um miserável que rouba roupa para vestir, ou comida ou uns euros, claro que terá a sua pena se for apanhado, mas não pode nem deve ser igual ás penas que devem cumprir aqueles doutores que conseguem roubar milhões prejudicando todo um país.
A diferença está que os últimos dividem o saque com advogados que conseguem a habilidade de os safar da justiça.

Anónimo 25.01.2019 18:49, aqui.

ALVITRANDO há 15 anos

Há precisamente 15 anos, comecei assim este blogue: “ALVITRANDO porquê? - porque alvitrar significa que se dão alvíssaras e eu quero dar alvíssaras, isto é, agradecer a quem quiser dar notícias, a quem quiser comunicar, a quem quiser trocar ideias sobre temas gerais e, em especial, sobre o Alentejo e o poder local.
Pela minha parte, irei dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que, pela sua pertinência ou oportunidade, achar que devem ser divulgados por esta via, que hoje decidi abrir.”

E há 15 anos que venho aqui ALVITRANDO, diariamente (com raríssimas excepções), porque a sua frequência (323 visitas e 706 visualizações de média diária, no último ano) me obrigam a mantê-lo actualizado, com temas da actualidade, que considero pertinentes e, por vezes, polémicos, que contribuem para alimentar uma cidadania, que se quer activa e participativa.

O tempo que o trabalho e a família me ocupam deixa-me pouco tempo para a gestão do blogue, o que não me permite promover e alimentar mais debates sobre assuntos mais importantes para a comunidade e a região em que vivemos e que precisa disso como “pão para a boca”.

Vou ALVITRANDO como posso e nem sempre como gostaria. Ao longo destes 15 anos já tive de ir a Tribunal e à Polícia, por alguns comentários que alguns visitantes fizeram, abusando do espaço de liberdade que o ALVITRANDO é e continuará a ser. Orgulho-me de nunca, que me lembre, ter ofendido ou insultado alguém com os meus alvitres. E assim continuarei ALVITRANDO, procurando que este blogue continue a ser um “largo”, como já há poucos.

Diário do Alentejo é “um autentico serviço público que urge manter”

49643253_2055273381231464_8796897783115153408_n.jpLi esta edição do D.A. e gostei muito.
Ao contrário dos detratores de P.B. e do próprio jornal, que dizem que os seus leitores se resumem a ver as pessoas que morrem ou os anúncios dos consultórios médicos. Existe toda uma série de artigos muito interessantes, que nos dizem respeito a todos e escritos de forma pedagógica. E que são fundamentais para a formação sobretudo das camadas da população com maior iliteracia social, económica e política.
Trata-se pois de um autentico serviço público que urge manter. Daí que seja uma pena, se o jornal perder toda esta dinâmica com a saída do seu diretor.

Anónimo 04.01.2019 12:36, aqui.

Saúde volta a colocar o Alvitrando no pódio dos Blogues do Sapo

É urgente cuidar do património da cidade de Beja

21227599_dT7cD.jpeg

A cidade de Beja assiste ao degradar de todo o seu património, seja municipal, regional (ex.: Museu Regional de Beja), privado (ex.: edifícios na Praça da República e Rua do Touro), religioso (ex.: Ermida de São Pedro) ou do governo central (ex.: antigo edifício do Governo Civil). Ao passear pela cidade, é possível verificar o estado de degradação a que chegam os equipamentos fruto da ausência de um trabalho de manutenção rigoroso e permanente. No caso do Parque da Cidade de Beja (foto), a manutenção tem sido apenas cortar a relva e apanhar o lixo que muitas pessoas insistem jogar para o chão (farão isso nas suas casas?).

...

É urgente cuidar do património da cidade, e isso não tem sido feito, pelos menos, nos últimos 10 anos. Não é um problema exclusivo da câmara, mas de todos. No caso aqui retratado, a culpa é do município, que não adotou nenhum plano para recuperar a beleza do Parque da Cidade. Basta ver o estado degradante em que se encontra o WC público, deck e mobiliário exterior do único café existente no parque, tendo inclusive afugentado muitos clientes que frequentavam o local.

Alvitrando suspende contador de visitas

Tendo surgido dúvidas quanto à eventual contaminação de vírus dos visitantes do Alvitrando, ao comentarem alguns alvitres, pela mensagem que recebiam nos seus equipamentos, ao que parece provocada pelo contador, retirei este, por sugestão da equipa do Sapo.

Espero, com esta medida, poder retomar a relação de confiança que sempre tem existido entre o Alvitrando e os seus visitantes.

Para memória futura fica o registo de 3.204.946 visitas, desde 15-01-2011.

Comentários recentes

  • João Espinho

  • Anónimo

    O desenho até é muito apropriado, e de leitura mui...

  • Mais Beja

    Promessas que se tornam ilusões.O programa governa...

  • Anónimo

    Quem se mete com os rapazes do Pedro do Carmo, lev...

  • Anónimo

    O Tema e importante e merece tratamento jornalisti...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds