Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Vamos Vencer a Pandemia”, uma campanha que aborda questões da saúde mental

Zé LG, 05.04.20

202004011106158385 mental.jpg... que arrancou na passada quinta-feira, numa parceria do Serviço de Psiquiatria da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) e a Rádio Voz da Planície.

Lançar algumas recomendações dirigidas, essencialmente, à população em geral, relativamente à preservação da saúde mental, tanto quanto possível, neste momento, é a ideia da campanha “Vamos vencer a pandemia”, tal como explica Ana Matos Pires, frisando que o objetivo passa por ajudar a comunidade, nesta altura, de risco acrescido, em particular, para a doença mental.

“não desenvolvam estratégias de intervenção em saúde mental desgarradas daquilo que está a ser feito a nível nacional no SNS”

Zé LG, 05.04.20

92104334_1302361193296236_5911218387756777472_o alPercebendo o gesto de boa vontade que norteou, seguramente, esta iniciativa (Município de Alvito disponibiliza linha de atendimento psicológico e bem-estar) não posso, nem devo, enquanto coordenadora regional da saúde mental da ARSAlentejo, deixar de alertar para os seus riscos .
... há uma resposta organizada da saúde mental no SNS em situações de acidente ou catástrofe (Despacho 7059/2018) que está ativado em todo o país - foi ativado por mim, no Alentejo, a 15 de março. Podem ver mais informação aqui.

Na área de abrangência da ULSBA foram feitas formações específicas no modelo de intervenção, validado pela OMS e pelo Programa Nacional para a Saúde Mental da DGS, a pontos focais das diferentes autarquias - numa colaboração muito importante e com disponibilização dos meios técnicos para video conferência pela CIMBAL - exatamente para não se fazerem intervenções desgarradas e para todos saberem as redes de resposta que estão montadas nos CSP e no Serviço de Psiquiatria da ULSBA. A alteração da atividade clínica para "não presencial" determina que a articulação e o encaminhamento das pessoas seja muito rígido e muito bem conhecido pelos profissionais e parece-me muito perigoso o desenvolvimento de estratégias isoladas.

Querem ajudar? Contactem o serviço de psiquiatria da ULSBA, articulem-se com a resposta nacional de intervenção em crise, não trabalhem sem rede, é mau para quem precisa.

Ana Matos Pires 05.04.2020, aqui.

ESCLARECIMENTO:

Pediu-me a Drª. AMP que informasse que o Serviço prestado pela CM de Alvito está de acordo com as normas definidas, bastando acrescentar no cartaz o nome dos tècnicos que fazem o atendimento.

“Trabalhadores na linha da frente deviam receber subsídio de risco”

Zé LG, 04.04.20

naom_532389eecfd0e louçã.jpg"Uma das medidas de emergência que seria aconselhável, seria pagar um subsídio de risco aos médicos, enfermeiros, técnicos de diagnóstico, polícias, enfim, às pessoas que estão na linha da frente [na luta contra a covid-19]", defende o professor universitário.

Francisco Louçã considera, assim, errada a opção do Governo de, no âmbito do estado de emergência, ter restringido o direito à greve nalguns setores da função pública.

“O estado de emergência não precisava e não devia ter recorrido ao dispositivo sobre suspender o direito de greve sobre os trabalhadores da saúde e dos serviços públicos pela muito simples razão de que não há nenhuma greve na saúde e nos serviços públicos e, pelo contrário, essas pessoas são as pessoas que aguentam a resposta do país", defende o economista, considerando mesmo a medida como "totalmente disparatada" e reveladora de "autoritarismo" e "até de preconceito ideológico anti-sindical".

“A extrema-direita é miserável”

Zé LG, 04.04.20

“Como reação a estas críticas, o chega acusa aqueles que as fazem de pertencerem à «esquerda radical». Ou de atentarem contra a democracia por quererem «calar o chega». Como diz um amigo meu, e muito bem, a extrema-direita manda as pessoas para a sua terra. A «esquerda-radical» como lhe chama o ventura, não manda ninguém para lado nenhum. A extrema-direita quer decidir quem ama quem e o que é uma família. A «esquerda-radical» acha que cada um ama quem quer e que a família só diz respeito a quem a ela pertence. A extrema-direita quer acabar com o Estado Social. A «esquerda-radical» quer mais Estado Social. Existe uma diferença entre querer nacionalizar os CTT e querer «mandar os pretos para a sua terra». A extrema-direita, que chama «monhé» ao nosso Primeiro-ministro, acha que existem pessoas melhores do que outras por causa do seu tom de pele, da religião que professam e do local onde nasceram. A «esquerda-radical» não. A extrema-direita é miserável. Tolerar a sua presença é uma fragilidade da democracia: xenofobia, homofobia e racismo não são opiniões. São crime.”

Trecho do texto “Dos vírus que nos assolam…”, de Paulo Monteiro, publicado aqui.

Câmara de Beja activou Plano de Emergência “para fazer face a situações de exceção e de elevada gravidade” resultantes da Covid-19

Zé LG, 03.04.20

imgLoaderUrl.ashx.jpgA Câmara Municipal de Beja informa que foi activado o Plano Municipal de Emergência e Protecção Civil de Beja “para fazer face a situações de exceção e de elevada gravidade” em relação à atual situação de pandemia por Covid-19, atendendo “à situação de pandemia que se vive no país e à elevada probabilidade de vir a provocar, num curto espaço de tempo, um elevado número de cidadãos infectados no Município de Beja”, ao “desconhecimento do período temporal a percorrer até que se consiga repor a normalidade no Município” e à “necessidade de avaliação e monitorização permanentes da situação no âmbito territorial do Município de Beja relativa à pandemia Covid-19”. Leia a deliberação. Veja os espaços para acolher infectados ou pessoal de intervenção.

Centro de Saúde de Beja realiza testes à covid-19

Zé LG, 02.04.20

200120171647-48-CentrodeSadedeBeja.jpgA Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) revela que tem a funcionar, desde a passada terça-feira, uma Área Dedicada ao COVID-19, designada ADC-Comunidade. Desde ontem, no mesmo espaço, localizado no parque de estacionamento dos funcionários do Centro de Saúde de Beja, junto à Segurança Social, realizam-se testes ao novo coronavírus.

A realização do teste à Covid-19 destina-se aos utentes com suspeita de infeção pelo novo coronavírus, encaminhados pela Linha Saúde 24 ou enviados pelos Centros de Saúde da área da ULSBA.

As colheitas são realizadas mediante agendamento telefónico prévio, das 9.00 às 13.00 horas, sete dias por semana e “o transporte para o local é realizado, preferencialmente, em veículo próprio”.

Os utentes referenciados pela Linha SNS 24 para fazer teste devem solicitar o agendamento da colheita por telefone, através do número 284 313 420 ou por e-mail: testecovid19@ulsba.min-saude.pt. Daqui e daqui.

Edmundo Entradas morreu

Zé LG, 02.04.20

entradas.jpgEdmundo José Ferro Entradas, 65 anos, natural de Nossa Senhora das Neves, Técnico das Finanças, faleceu, no Hospital de Beja, vítima de doença prolongada, tendo sido enterrado ontem no Cemitério de Beja.

O Edmundo era meu contemporâneo e amigo. Conhecíamo-nos desde moços e mantivemos uma relação mais próxima nalguns períodos em que as circunstâncias da vida nos aproximaram. Nos últimos anos víamo-nos pouco. Vi-o pela última vez no princípio de Fevereiro, quando se realizou a Cimeira dos Amigos da Coesão em Beja. Há muito que não o via e tinha sabido há pouco tempo da doença com que se debatia. Mostrou-se animado, mas fiquei com a ideia de que a situação não estava controlada e se apresentava perigosa. Infelizmente, o tempo veio confirmá-la.

À Custódia e demais família apresento os meus sentidos pêsames.

Chineses vão produzir EPI em vez de pilhas em fábrica a instalar em Beja

Zé LG, 01.04.20

Depois de, em 2008, a Câmara Municipal de Beja e a empresa Hipo - High Power Green Batteries, Lda terem assinado um protocolo, visando a cedência de terreno para a instalação de uma fábrica de produção de baterias/pilhas e outros produtos industriais, com a criação de 580 postos de trabalho, em três fases distintas num período total de 8 anos, que levou uma Delegação da Câmara de Beja à China nesse mesmo ano, e de, mais tarde, em 2011, ter sido considerada a possibilidade de passarem a ser fabricados caças sul-coreanos em vez de pilhas chinesas, os chineses voltaram à carga e propõem-se instalar agora a referida fábrica, mas virada para a produção de EPI – equipamentos de protecção individual -, de forma a abastecer o mercado europeu e não só daqueles equipamentos destinados a fazer face à Covid – 19.

A confirmar o interesse efectivo dos chineses neste projecto é a reunião marcada para amanhã na Câmara Municipal, com a presença de uma delegação chinesa e representantes de vários ministérios, com o objectivo de fechar o acordo que viabilize o investimento, de forma a que a fábrica possa começar a laborar ainda este ano.

ESCLARECIMENTO aos mais distraídos: Esta foi a minha mentira do 1 de Abril.