Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alberto Matos, do BE, diz que eleições nas CCDR's são “mascarada do centralismo”

Zé LG, 01.09.20

202008281818593635 AM.jpgAlberto Matos, da Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda (BE), considera que o plano de recuperação económica e social de Portugal 2020-2030 “não tem força legal ou política” e que “o BE discute estes temas com o Governo, anualmente, orçamento a orçamento”.

Quanto às eleições para as CCDR's, programadas já para setembro, Alberto Matos deixou claro que o “BE votou contra”, que “esta não passa de uma reforma dourada de alguns autarcas, até porque mesmo eleitos podem ser demitidos pelo Governo, logo não passa de uma mascarada do centralismo”. Alberto Matos frisa que “é necessária sim a regionalização, novo referendo e até alterações à constituição”. Saudou, ainda, “o PCP por se colocar de fora deste processo, não apresentando candidato”.

BE questiona governo sobre problemas ambientais e de saúde pública causados pela transformação de bagaço de azeitona em Fortes

Zé LG, 23.05.20

88357361_2494039430910994_640823165106257920_o ForO BE questionou a Ministra da Saúde, Marta Temido, sobre a transformação de bagaço de azeitona em Fortes, Ferreira do Alentejo, referindo que “a unidade industrial da empresa AZPO – Azeites de Portugal, que transforma bagaço de azeitona, continua a causar problemas ambientais e de saúde pública, segundo a população da localidade de Fortes”, pelo que quer saber se “o Governo confirma a persistência dos problemas de saúde pública relacionados com a transformação de bagaço de azeitona” naquela localidade.

Fortes  83336710_2454725614842376_9093452905398140

O Bloco quer ainda saber “das medidas urgentes de saúde pública recomendadas ao Governo pela Assembleia da República na Resolução n.º 279/2018, de 23 de agosto, que medidas foram realizadas e quais estão ainda por realizar” e, ainda, “que medidas prevê o Governo adotar para evitar que a unidade industrial continue a causar problemas de saúde pública à população de Fortes”.

Marcha pelo emprego em Sines

Zé LG, 22.05.20

cgtp.jpgA secretária-geral da CGTP disse esta quinta-feira que “as opções que têm sido tomadas pelo Governo não garantem o emprego e os direitos dos trabalhadores”, alertando para o perigo dos vínculos precários em plena crise de Covid-19.

“Nesta altura em que o desemprego, a quebra de retribuições dos trabalhadores, o layoff é tão intenso e tão forte, e as opções que têm sido tomadas pelo Governo não garantem o emprego, os salários, a saúde e os direitos dos trabalhadores, é importante que haja ação e luta”, disse Isabel Camarinha, que recordou que “Trabalhadores com vínculos precários foram os primeiros a ser mandados embora pelas empresas que trabalham no Complexo [Industrial de Sines] e que asseguram um conjunto de trabalhos, tarefas que são de postos de trabalho permanente” e, ainda, que “há o vírus da Covid e há o vírus do ataque aos direitos aos trabalhadores, da exploração que está a aumentar ainda mais nesta situação”.

Catarina.jpg

jerónimo.jpgA marcha pelo emprego, convocada pelo SITE-Sul, contra a precariedade e para exigir a reintegração dos trabalhadores nos postos de trabalho e um vínculo efetivo nas empresas do Complexo Industrial de Sines, realizou-se em Sines e contou com a presenças dos líderes do BE, Catarina Martins, que se manifestou contra a "normalização" do lay-off e advertiu para efeitos nos salários e do PCP, Jerónimo de Sousa, que alertou para "a situação dramática" em que vivem muitos trabalhadores do complexo industrial de Sines que devido aos vínculos precários perderam o emprego.

BE questiona Câmara de Beja sobre questões “sanitárias, económicas e sociais”

Zé LG, 21.05.20

92669856_3184606271569914_2513412276048887808_n giA Concelhia de Beja do Bloco de Esquerda (BE) considera “essencial o aprofundamento da comunicação entre os vários órgãos autárquicos e destes com a população, em particular entre a Câmara e a Assembleia Municipal, órgão deliberativo a quem compete fiscalizar a ação do executivo.” Neste contexto, o BE, para além das questões colocadas pela deputada Gina Mateus na Assembleia Municipa, que ficaram sem resposta”, fez um conjunto de perguntas sobre questões sanitárias, económicas e sociais, designadamente:

- como pensa o Município “suprir a falta de meios tecnológicos nas famílias do concelho, sentida no âmbito da interrupção das atividades letivas presenciais”;

- que apoios aos idosos que não estão institucionalizados e aos imigrantes do concelho;

- como pensa a Câmara de Beja “resolver a questão da placa «ameaçando com covid-19» como tática para se fechar o caminho municipal 1063, usando argumentos que provocam o medo na população, uma situação que se arrasta desde 2018”.

Questões levantadas e propostas apresentadas pelo BE na AM de Beja para minimizar danos causados pela Covid 19

Zé LG, 12.04.20

92669856_3184606271569914_2513412276048887808_n giO Bloco de Esquerda, na reunião da Assembleia Municipal de Beja de 07/04/2020, solicitou informações e avançou com algumas propostas que considerou essenciais para minimizar os danos causados pela pandemia Covid 19, designadamente:

- Limpeza e desinfeção dos espaços públicos;

- Suspensão do pagamento das rendas em todos os fogos municipais;

- Isenção do pagamento de faturas de água, bem como das taxas relativas às águas residuais e resíduos sólidos até um montante de consumo considerado mínimo face às necessidades sanitárias;

- Isenção da cobrança das taxas relativas à ocupação de espaço público e publicidade;

- Condições do Bairro das Pedreiras, que facilitam a propagação do contágio;

- Condições de habitabilidade, de transporte e de trabalho da população migrante;

- Implementação do projeto Co(m)sigo, articulação com as IPSS, proteção individual de trabalhadores e utentes; papel da "Rede Social" na coordenação, desenvolvimento e majoração das diferentes respostas sociais;

- Reforço do apoio às IPSS, bem como à Corporação de Bombeiros;

- Proporcionar as condições para a efetivação do ensino à distância para todo/as o/as aluno/as;

- Fornecer informação relativamente aos Planos de Ensino à Distância (E@D) elaborados pelos agrupamentos de escola, visando os objetivos do ensino universal.

Ler aqui, aqui, aqui e aqui, na íntegra.

Mariana Aiveca diz que vai “vai pôr o Alentejo e mais esquerda no Parlamento”

Zé LG, 12.09.19

be.jpg“Defender o país é também exigir os investimentos que fazem falta”, afirmou Catarina Martins, coordenadora nacional do BE, na sessão de apresentação dos candidatos do partido pelo círculo de Beja, que reforçou a ideia de que “não vale a pena” falar de exportações “se isso for feito à conta da saúde de quem vive [no distrito] ou à conta da degradação dos solos e da água”.

Mariana Aiveca, cabeça-de-lista do BE pelo distrito, garantiu que “a campanha está a ser viva”, que a sua equipa é “uma equipa capaz de ganhar” e que “vai pôr o Alentejo e mais esquerda no Parlamento”. Apresentou ainda a emergência climática, o trabalho com direitos, serviços públicos e acessibilidades condignas como os eixos prioritários do Bloco do Esquerda para as próximas eleições de 6 de outubro. 

BE volta a candidatar Mariana Aiveca por Beja

Zé LG, 02.07.19

MarianaAiveca.jpgO Bloco de Esquerda (BE) volta a apostar em Mariana Aiveca como cabeça de lista às Legislativas de Outubro, pelo círculo eleitoral de Beja.

Mariana Aiveca é funcionária pública aposentada e tem 65 anos. Foi deputada do BE de 2005 a 2015. Em 2015 foi cabeça de lista pelo círculo de Beja.

Pedro Gonçalves, agente funerário, 46 anos, deputado municipal do BE na Assembleia Municipal de Odemira desde 2013, reeleito em 2017 é o segundo da lista.

Cristina Ferreira, professora, 50 anos, membro da Mesa Nacional do BE, cabeça de lista à Câmara Municipal de Almodôvar em 2017 ocupa o terceiro lugar na lista do Bloco.

Cláudia Figueira, assistente social, 42 anos; Joaquim Brás, encarregado-geral na Somincor e Gina Mateus, professora, são os suplentes, anuncia o Bloco de Esquerda.

BE avança com iniciativas legislativas sobre monoculturas

Zé LG, 13.05.19

O Bloco de Esquerda entregou na Assembleia da República dois projectos de lei e um projecto de resolução sobre monoculturas.

Segundo o BE o objectivo destes projectos é “promover o ordenamento numa área tão sensível para o ambiente, a saúde pública e o futuro das próximas gerações”. Consideram ainda os bloquistas que “é preciso acabar com a impunidade e a ausência total de regras que só servem a especulação e nada têm a ver com uma agricultura sustentável”.

Leia e oiça também aqui.

Moisés Ferreira (BE) visita Hospital de Beja e reúne com movimentos cívicos

Zé LG, 17.03.19

Moisés Ferreira.jpgO deputado do Bloco de Esquerda, Moisés Ferreira, na próxima segunda-feira, 18, visita o Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, onde contactará a gestão da ULSBA, profissionais de saúde e utentes, com o intuito de conhecer os principais problemas e experiências inovadoras.
Ao final da tarde o deputado, membro da Comissão Parlamentar de Saúde, reunirá com movimentos cívicos que representam utentes e intervêm em Beja na área da saúde.
Nestes contactos, o deputado apresentará o projeto do BE de nova Lei de Bases da Saúde, elaborado com os valiosos contributos de António Arnaut e João Semedo.