Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Castrense Helena Alegre distinguida com prémio atribuído pela Associação Internacional da Água

Zé LG, 28.11.20

15134775_1184440501648094_6178976133761297969_n (1Helena Alegre, 59 anos, natural de Castro Verde, licenciada e doutorada em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico, tem dedicado a vida profissional à Engenharia Sanitária e Ambiental, no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), onde é investigadora. É atualmente diretora do Departamento de Hidráulica e Ambiente do LNEC, uma unidade de investigação aplicada que cobre desde a hidráulica marítima, costeira e estuarina até aos recursos hídricos, às obras hidráulicas e à engenharia sanitária.

Helena Alegre, “cidadã do mundo que muito se orgulha de ser castrense”, foi distinguida, no passado mês de outubro, em Brisbane, na Austrália, com o prémio Contributo Extraordinário para a Gestão da Água e para a Ciência, atribuído pela Associação Internacional da Água (IWA). Esta distinção insere-se no IWA Recognition & Awards Programme, que bienalmente reconhece três membros da associação, um por cada categoria do programa, que tenham dado importantes contributos para a gestão da água a nível mundial.

Confederações unidas na denúncia do incumprimento da Lei do OE para 2020 quanto à “Eletricidade Verde”

Zé LG, 22.11.20

CNA denuncia que Regulamentação da “Eletricidade Verde” não respeita Lei do OE2020

202010151423195833.jpg

A CNA denuncia, em comunicado, que a portaria que “supostamente regulamenta uma medida inscrita em Orçamento do Estado (OE) para 2020 (introduzida na 2ª alteração, a 24 de Julho), dedicada ao apoio com os custos energéticos no sector agrícola e pecuário” não “respeita a lei inscrita no documento”.

CAP pede correção de portaria referente à "eletricidade verde"

A CAP afirma que apesar da lei em vigor consagrar um apoio percentual face ao valor das faturas de eletricidade, o que foi publicado em Portaria (n.º 265-B/2020 de 16 de novembro) foi "um apoio percentual face à potência contratada, o que resulta em montante irrisórios, que em muito pouco ou nada apoiam o setor, desrespeitando totalmente a decisão da Assembleia da República."

Confagri diz que “associações sentem-se defraudadas com a questão da eletricidade verde”

A Confagri diz que a portaria recentemente publicada sobre as questões da “eletricidade verde” não cumpre o estipulado na lei do OE2020 e diz que as associações de agricultores sentem-se defraudadas.

CNA diz que "não está tudo bem com a agricultura" e defende medidas de apoio à agricultura familiar

Zé LG, 15.11.20

201910242220341415.jpg"O Governo tenta esconder a grave crise que milhares de pequenos e médios agricultores atravessam, e que tende a agravar-se, face à evolução da pandemia e das medidas insuficientes para a controlar", afirma a CNA, concluindo que, “de facto, não está tudo bem no sector, e por mais que a Ministra da Agricultura e o Governo torturem os números a realidade é bem diferente".

E é neste contexto que a CNA defende: "a concretização do Estatuto da Agricultura Familiar (EAF), que mais de dois anos depois continua sem medidas concretas", "uma outra PAC, mais justa, mais inclusiva, que apoie quem de facto produz e que incorpore os princípios da Soberania Alimentar", "um período de transição onde o Regime da Pequena Agricultura suba para 1250 euros por agricultor, e que novos agricultores possam aderir a este apoio já em 2021", "um Orçamento do Estado para 2021 que reconheça o papel da agricultura, concretamente da Agricultura Familiar, no desenvolvimento do País, o que a ctual proposta está muito longe de concretizar", "um sistema de seguros agrícolas que proteja de facto os Agricultores e as suas produções, e um regime fiscal e de Segurança Social adequado à Agricultura Familiar", "uma política florestal que promova uma floresta multifuncional, sustentável e ordenada, que tenha na base o rendimento dos pequenos e médios proprietários e produtores florestais, o que não é possível com uma política agro-florestal espartilhada e obedecendo apenas a uma lógica supostamente ambiental."

Valverde Martins morreu

Zé LG, 15.11.20

2020111512133563.nb.pngAntónio Pedro Valverde Martins, com 85 anos, natural de Beja, morreu ontem no Hospital de Beja. O funeral realizou-se, esta manhã, das Casas Mortuárias para o Cemitério de Beja.

Valverde Martins era bancário reformado. Foi sindicalista, fundador e dirigente da Cooperativa Proletário Alentejano, dirigente do MURPI, para além de outras actividades comunitárias. Foi militante e dirigente distrital do PCP e autarca da CDU.

Valverde Martins era uma um homem bom, humilde, cordato, sempre na procura de consensos, de fortes convicções e de uma dedicação e empenhamento totais às causas em que se envolvia. Foi uma figura marcante de Beja, do simdicalisto e do movimento cooperativo.

À família apresento os meus sentidos pêsames.

Observatório do Baixo Alentejo defende a criação de um Gabinete para gestão da plataforma logística do aeroporto de Beja

Zé LG, 10.11.20

261220161606-705-AeroportoBeja9.jpgO Observatório do Baixo Alentejo (OBA) defende a criação de um Gabinete para gestão da plataforma logística do aeroporto de Beja, essencial para capacitar aquele espaço, permitindo a instalação e desenvolvimento das atividades empresariais.

Tendo como premissa, que o “aeroporto é decisivo para desenvolver toda a região, incluindo Sines e Sevilha”, a criação deste Gabinete é, segundo o OBA, a solução mais viável para a dotar o espaço envolvente do aeroporto de Beja de dinâmica, criando condições atrativas ao investimento privado. Nesse sentido, o OBA já iniciou um conjunto de reuniões para sensibilizar os diversos parceiros institucionais e empresariais para a importância desta proposta, no âmbito de uma estratégia integrada para o desenvolvimento desta infraestrutura.

Tiago Santos é o novo diretor executivo do Sines Tecnopolo

Zé LG, 04.11.20

202011031355595751.jpgNomeado pela Administração do Sines Tecnopolo, Tiago Santos regressa ao Sines Tecnopolo, onde desempenhou várias funções, tendo entre 2010 a 2012 desempenhado funções como diretor executivo. Com uma experiência superior a 15 anos na área da Gestão e Consultoria destaca-se os trabalhos realizados para a Associação Nacional de Jovens Empresários, o Município de Sines, a Universidade do Algarve, a Associação Science4All, o Centro de Investigação Sobre o Espaço e as Organizações e a Necton SA. 

O novo diretor executivo lança como objetivo o posicionamento do Sines Tecnopolo enquanto “dinamizador de referência do ecossistema regional, contribuindo desta forma para a criação de novos negócios, para a capacitação do tecido empresarial, para a promoção da inovação e para a transformação digital das empresas” e garante que “O Sines Tecnopolo não esquecerá o apoio às microempresas e aos negócios de proximidade, de forma a salvaguardar a importância socioeconómica que estes têm na região”.

Apresentação pública do Observatório do Baixo Alentejo, com a presença de António Costa Silva

Zé LG, 27.10.20

122274752_141804574314158_2837776753115758405_o.jpAmanhã, a partir das 16h acompanhe aqui a sessão de apresentação pública do Observatório do Baixo Alentejo, com a presença do professor António Costa Silva - autor e coordenador do Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020 / 2030. A simbologia do dia 28 de Outubro reverte-se de enorme significado, sendo a data de constituição há 250 anos da diocese de Beja, definindo o espaço territorial do Baixo Alentejo e que o OBA pretende enaltecer.

Nova Unidade de Cuidados Continuados de Convalescença está a ser concluída em Selmes

Zé LG, 24.10.20

Unidade-Selmes-768x576.jpgPara solucionar parte do défice de camas em cuidados continuados existente no Baixo Alentejo, em Selmes, concelho de Vidigueira, vai nascer uma Unidade de Cuidados Continuados de Convalescença com capacidade para cerca de 40 utentes.

Esta nova unidade de cuidados continuados de convalescença “vem colmatar a falha existente” no que diz respeitos a estes tipos de cuidados, explica Manuel Narra, presidente da Associação de Beneficência do Lar de Selmes e Alcaria, a IPSS responsável pelo projeto, informando que a obra está praticamente concluída: “Se tudo correr bem e dentro da normalidade, esperamos que seja possível estar em funcionamento em janeiro do próximo ano”.

Criadas as três primeiras equipas de apoio domiciliário do Alentejo na área da saúde mental

Zé LG, 14.10.20

201901301006082121 Mental.jpg"Os contratos envolvem a ARS do Alentejo, o Instituto de Segurança Social, através dos Centros Distritais de Portalegre, Évora e Beja, e três instituições particulares de Solidariedade Social (IPSS): o Lar de S. Salvador da Aramenha (Marvão), a Associação de Amigos da Criança e da Família – «Chão dos Meninos», Évora e a Santa Casa da Misericórdia de Beja. As parcerias têm como objetivo a criação de três equipas de Apoio Domiciliário, duas dirigidas a pessoas adultas e uma dirigida a crianças e adolescentes. E as equipas vão abranger utentes adultos dos concelhos de Marvão, Castelo de Vide e Beja, assim como crianças e adolescentes do concelho de Évora."

Ana Matos Pires, assessora do Plano Nacional de Saúde Mental da DGS, avançou, ainda, que conta, até final do ano, com “a assinatura de mais três contratos, dois de apoio moderado e um sócio-ocupacional, também com a Santa Casa da Misericórdia de Beja”. Leia também aqui.

“Observatório do Baixo Alentejo” reuniu com responsável pela "Visão Estratégica para o Plano de Recuperação 2020/2030”

Zé LG, 08.10.20

202010071521506882.jpgNo encontro com António Costa e Silva foi possível apresentar as “perspetivas do Observatório, que têm como primeiro pressuposto resolver os problemas das pessoas, uma aposta clara nas pessoas porque só assim se conseguem resolver os problemas da desertificação humana e territorial da região”, segundo Jorge Barnabé.

“O Observatório do Baixo Alentejo partilha da visão proposta por António Costa Silva para que Beja seja a capital mediterrânica de luta contra a desertificação, encontrando soluções que permitam minimizar os efeitos das ameaças climáticas e da escassez de água, numa perspetiva territorial igualmente centrada na interligação entre os principais ativos da região (Alqueva, aeroporto de Beja e porto de Sines), na valorização do mar, no aprofundamento das relações transfronteiriças com a Andaluzia e na cooperação com os países do Norte de África”.

Ler e ouvir também aqui.

"O uso da água do Alqueva está muito longe de ser sustentável"

Zé LG, 02.10.20

A associação ambientalista ZERO alertou que "o uso da água do Alqueva está muito longe de ser sustentável" e, "agora que a primeira fase do EFMA está praticamente concluída e uma segunda está a ser implementada, é inegável que estamos perante opções erradas na gestão, as quais vão ter reflexo no futuro do empreendimento".

Alqueva.JPGPor outro lado, "parece não se querer assumir que a crise climática é uma urgência e que face aos cenários previsíveis temos de avaliar que água vai estar disponível". "A quantos anos de seca pode a albufeira responder em dotações para rega quando tivermos quase 200.000 hectares dependentes em época normal e mais ainda nas fases de seca?", questiona a ZERO.

E, "a jusante da produção olivícola, predominante neste modelo agrícola", surgiu o "problema" da poluição do ar gerada por fábricas de transformação e extração de óleo do bagaço de azeitona resultante da produção de azeite nos lagares. "É esta a agricultura que queremos para a região? Monoculturas para exportação com base na subsidiação da água e no maior investimento público ao nível agrícola jamais efetuado? Ou mais diversificação [que] possa responder às necessidades alimentares do país?", questiona a ZERO.

“Amigos das Fortes” pedem na AR para serem “salvos da poluição”

Zé LG, 29.09.20

O PCP convidou a Associação Ambiental Amigos das Fortes a caracterizar o problema que estão a viver perante a Comissão Parlamentar de Ambiente. E os Amigos das Fortes pediram para serem “salvos da poluição”, com a qual convivem “há anos”, provocada pela “fábrica de bagaço de azeitona da ZPO”. O PCP chamou, também, a esta Comissão as entidades responsáveis. São ouvidas na quarta-feira, com o objetivo” de “construir um quadro legal que permita o convívio equilibrado nos territórios da produção industrial e do ambiente, assim como chamar as entidades competentes a cumprirem o seu papel”, segundo João Dias, deputado do PCP eleito por Beja e responsável por esta iniciativa.

20180924174604245 Fortes.jpgFátima Mourão referiu que “foi a terceira vez que a Associação esteve na Assembleia da República (AR)” e que “voltou a pedir ajuda porque a população precisa de ser salva”. Recordou que “a fábrica labora 11 meses no ano quando não o devia fazer” e que “a vida nesta aldeia do concelho de Ferreira não é possível nos termos em que a fábrica continua a atuar”.

Municípios do Alentejo Litoral juntam-se para ajudar empresas da região

Zé LG, 22.09.20

vitorproenca.pngOs municípios de Alcácer do Sal, Grândola, Odemira, Santiago do Cacém e Sines, numa parceria com a Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral – CIMAL e a consultora Deloitte, criaram uma plataforma inovadora que visa colmatar ao máximo os efeitos que os empresários do Litoral Alentejano estão a sentir pela crise provocada pela pandemia de covid-19.

As empresas vão poder contar com uma equipa multidisciplinar que irá divulgar informação sobre obrigações fiscais e incentivos disponíveis, fornecer informação sobre Direito do trabalho e empresarial, propor medidas de emergência a aplicar de imediato, identificar medidas de curto-prazo que permitam operar o negócio e recomendar medidas que visem retomar a normalidade dos negócios.

A iniciativa já arrancou com a abertura da linha telefónica gratuita (800 100 235) de atendimento para o registo dos pedidos das empresas.

ANAFRE exige aprovação de nova lei de freguesias a tempo de produzir efeitos nas próximas eleições autárquicas

Zé LG, 21.09.20

imgLoader2.ashx.jpg“Queremos que o Governo aprove em Conselho de Ministros ainda este mês a proposta de lei de criação, modificação e extinção de freguesias, que a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública tem, para que possa seguir para a Assembleia da República para ser apreciada, discutida e aprovada até dia 31 de março" do próximo ano, disse o presidente da ANAFRE, Jorge Veloso, no final da reunião ordinária mensal, descentralizada e estatutária do conselho diretivo da ANAFRE que decorreu em Beringel.

Na reunião, entre outros assuntos, o conselho diretivo discutiu as negociações do novo protocolo que vai ser assinado entre os CTT e a ANAFRE e que deverá conter um novo modelo de pagamento às juntas de freguesia pela prestação do serviço postal. Este "assunto não foi resolvido a 100%, falta limar umas pequenas arestas", as quais "serão resolvidas na comissão permanente", que foi mandatada para tal pelo conselho diretivo da ANAFRE, acrescentou Jorge Veloso.

E depois da Festa do Avante… o Benfica. É este o programa político da direita?

Zé LG, 15.09.20

image.jpgRui Rio, presidente do PSD, disse que "não faz sentido" que o primeiro-ministro António Costa e o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, façam parte da Comissão de Honra da candidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica.

O presidente do CDS-PP criticou hoje o apoio do primeiro-ministro ou de “qualquer outro político” à recandidatura do presidente do Benfica, defendendo que é um assunto relacionado “com a vida de todos” e não deve ser normalizado.

Declaração de interesses: Sou adepto do Benfica e acho mal que o primeiro-ministro e o presidente da Câmara de Lisboa apoiem publicamente a recandidatura de LFV  à presidência do SLB, porque nem sequer se trata do apoio ao Clube, o que excluiria os outros, mas o apoio a um dos candidatos, o que é uma intervenção directa numa disputa interna, ou seja, é o menor denomidador comum possível. Isto para além da situação em que se encontram alguns processos judiciais, o que recomendaria, no mínimo, algum recato.

Posto isto, pergunto se os dois líderes partidários da direita criticaram da mesma forma o envolvimento de presidentes de câmaras, deputados e outros políticos do Norte no apoio à recandidatura de Pinto da Costa à presidência do FCP e, mais grave do que isso, à integração do seu Conselho Superior? E, pior do que isso, não têm mais nada com que fazer oposição do que se entreter com estes temas?!...

“o problema está igualmente nos dirigidos”?!

Zé LG, 09.09.20

281893_235492956485711_8379156_n Chalaça.jpg“Querer ver o problema do Baixo Alentejo só na qualidade, ou na falta dela, dos seus dirigentes é um erro, o problema está igualmente nos dirigidos, repare-se como sub-regiões do Alentejo, que são dirigidas pelos mesmos dirigentes inaptos (segundo os Bejenses) conseguem prosperar. É preciso não esquecer que os dirigentes indicados num post anterior são os mesmos que dirigem todo o Alentejo (Beja, Évora, Portalegre, Litoral Alentejano e a Lezíria - quando se trata de ALENTEJO2020). O que fazem as Agências de Desenvolvimento, as Associações Empresariais, as Associações Comerciais, o Politécnico, as associações de cidadãos (não as folclóricas como o + Beja), etc, a gente pensante da Região, se todos estes nada fizerem os dirigentes, autarcas e políticos nada conseguirão fazer.”
Francisco Chalaça, Anónimo 08.09.2020, aqui.

Extinção de turma do 1.º ano indigna pais em Vila Nova de Santo André

Zé LG, 09.09.20

202009081035122353 sto andre.pngAs associações de Pais e Encarregados de Educação das escolas 2 e 4 do Agrupamento de Escolas de Santo André, estão indignados com a falta de uma resposta por parte da Secretária de Estado da Educação, Susana Amador, relativamente ao pedido de reversão da decisão de extinção de uma turma do 1.º ano.

Os pais defendem a abertura de uma quarta turma para receber os alunos do primeiro ano em Santo André, "como vinha a acontecer nos anos anteriores", existindo “recursos humanos para afetar” e “espaço para acolher esta nova turma".

Outras das situações reportadas à secretária de Estado da Educação prendem-se com a existência de “turmas onde se encontram crianças com Necessidades Educativas Especiais (NES) que não viram o número de alunos reduzido, como seria expectável" e existem ainda cerca de 40 crianças cuja entrada no ensino pré-escolar público lhes vai ser vedada por via desta decisão de redução do número de turmas do primeiro ano.

“Observatório do Baixo Alentejo” quer criar a supra região “Sudoeste Ibérico”

Zé LG, 26.08.20

202008242014502729 Obs.jpgO Observatório do Baixo Alentejo é uma Associação, que está em fase de constituição, e integra nomes, entre outros, como os de Jorge Barnabé, João Paulo Ramôa, Gavino Paixão e Lynce de Faria. Vai ter sede em Beja, em finais de outubro, e já entregou o seu contributo para a “recuperação económica de Portugal”, um documento onde defende o Baixo Alentejo como “motor do Sudoeste Ibérico”.

“Esta associação tem pessoas de vários pontos da região e como principal objetivo dar resposta a três fragilidades do território: a falta de massa crítica, de planeamento e de influência”, esclareceu Jorge Barnabé. “Pensar a região como um todo” é o grande propósito, “promovendo a sua articulação com o Alto Alentejo, o Algarve e a Extremadura Espanhola, porque só assim se consegue conceber uma estratégia que dê resposta às necessidades do território, em que o Baixo Alentejo se assuma como o motor do Sudoeste Ibérico”.

A Associação quer, ainda, “potenciar as infraestruturas de transportes, criando ligações ferroviárias e rodoviárias entre o Baixo Alentejo, o Algarve e a Andaluzia”, bem como criar “um «hinterland» ibérico a partir do aeroporto de Beja, em interligação com a futura plataforma logística de Vendas Novas”.

Ler e ouvir também aqui.