Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Abertas inscrições para Banco de Voluntariado do Baixo Alentejo

Zé LG, 31.03.20

Foi criado no Baixo Alentejo um Banco de Voluntariado com o objetivo, caso seja necessário, de "prestar apoio às estruturas de apoio social aos idosos", numa parceria da Cruz Vermelha, do Centro Distrital de Beja da Segurança Social e da CIMBAL.

202003302030409543 cruz vermelha.jpgCom esta iniciativa, as entidades envolvidas pretendem “dar uma resposta eficaz à pandemia provocada pela covid-19” e apelam a todos os interessados que façam a sua inscrição. É esclarecido, igualmente, que "os inscritos ficam apenas de prevenção e que só serão chamados em caso de manifesta necessidade."

“Agricultura do sudoeste alentejano continua a alimentar o país” ou está a seguir um “caminho extremamente arriscado”?

Zé LG, 31.03.20

imgLoader2.ashx estufas.jpgO Movimento Juntos Pelo Sudoeste acusou empresas frutícolas de Odemira e Aljezur de seguirem um “caminho extremamente arriscado” ao continuarem a operar, podendo “colocar em risco a saúde de milhares de pessoas”, devido à pandemia de covid- 19. “Poderá ser uma decisão economicista, em contraciclo com muitas outras empresas no país que foram obrigadas a parar”.

O comunicado do movimento surge em reação a uma nota de imprensa da Associação dos Horticultores, Fruticultores e Floricultores dos Concelhos de Odemira e Aljezur (AHSA), com o título "Agricultura do sudoeste alentejano continua a alimentar o país”. As associadas da AHSA, que "representam mais de 200 milhões de euros de faturação anual", mantêm "atividade em pleno", apesar da pandemia de covid-19, e "Continuam a operar e a alimentar a cadeia de distribuição nacional e internacional", seguindo "todas as orientações das autoridades" e priorizarando “ao máximo a prevenção e a implementação e adaptação dos seus planos de contingência".

Conselho Sub-Regional de Beja da Ordem dos Médicos deixa apelo e indicações à população

Zé LG, 29.03.20

médicos-768x512.jpgNuma altura em que o país está em Estado de Emergência devido à pandemia Covid-19, o Conselho Sub-Regional de Beja da Ordem dos Médicos apela a todos que “sigam disciplinadamente, sem hesitação, as recomendações que as autoridades oficiais têm veiculado”.

“Devem sair só quando absolutamente necessário, fazer a lavagem repetida e demorada das mãos, não ter contacto físico, espirrar ou tossir para o cotovelo e respeitar as distâncias de segurança em locais públicos”.

De acordo com a mesma fonte, deve enviar email para ucsp.beja.covid@ulsba.min-saude.pt, caso tenha estado, nos últimos 14 dias, no estrangeiro e tenha a necessidade de expor as suas dúvidas, evitando, assim, as idas ao Centro de Saúde.

O Conselho Sub-Regional de Beja da Ordem dos Médicos apela, ainda, ao espírito de comunidade de todos, no sentido do respeito mútuo e da solidariedade, “certos de que a vitória nesta batalha é garantida, dependendo de todos e de cada um de nós que ela se concretize no mais curto prazo possível”.

“Fique em Casa, nós vamos até si”

Zé LG, 25.03.20

… é o mote lançado pela Santa Casa da Misericórdia de Beja, num programa de apoio à população mais vulnerável do concelho bejense que, nesta altura de pandemia por Covid19, necessita de auxílio.

20200323165341267 scmb.pngUma iniciativa que arrancou esta semana e presta ajuda a pessoas idosas, residentes no concelho de Beja com mais de 70 anos, com dificuldades em sair de casa, que estejam isoladas ou doentes.

Daqui e daqui.

A Agricultura Não Para

Zé LG, 25.03.20

CAP-768x433.jpgSob este lema, a CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal lançou uma linha de atendimento e apoio com o objetivo de, “no atual contexto de estado de emergência declarado, esclarecer os agricultores e a comunidade (…), assim como ao acesso às medidas que foram, entretanto, anunciadas para fazer face a este período conturbado”.

A linha de atendimento telefónico, cujo o número é o 217 100 000 e funciona todos os dias úteis, de segunda a sexta-feira, entre as 9h e 17h, é assegurada pelos técnicos especialistas da CAP e serve “igualmente para a Confederação recolher, diretamente do terreno, informação sobre as principais dificuldades com que os Agricultores e Comunidades Rurais se debatem na sua atividade diária, de forma a informar o Governo e, assim, garantir o funcionamento do setor agrícola, do Mundo Rural e da cadeia de abastecimento nacional”.

Autarquias alentejanas higienizam vias e espaços públicos com colaboração de agricultores

Zé LG, 21.03.20

ta_ed_17 elvas.pngA Câmara Municipal de Elvas realizou durante a madrugada e o dia de hoje, sexta-feira, uma ação de higienização de vias e espaços públicos, como forma de combater a propagação do COVID-19.

Câmaras de Moura e Serpa prontas para começarem a pulverização dos espaços públicos

A associação de produtores de azeite alentejana Olivum está disponível para apoiar municípios com máquinas de tratamento e tratores.

ZERO e Movimento Alentejo Vivo visitaram áreas críticas associadas à intensificação agrícola no Baixo-Alentejo

Zé LG, 11.03.20

A Direcção da ZERO-Associação Sistema Terrestre Sustentável, incluindo o seu presidente Francisco Ferreira, fez, hoje, no distrito de Beja, uma visita para “dar a conhecer de perto os problemas ambientais relacionados com a implementação dos perímetros de rega da área de influência do projecto de Alqueva”.

P1010799.JPGJosé Paulo Martins, dirigente da Associação Zero e membro do Movimento Alentejo Vivo, afirmou que o “pequeno circuito” que foi feito, porque muito mais havia para mostrar, teve início em Fortes, com passagem por Alfundão, Beringel, Boavista, Trindade, Salvada, Quintos, Baleizão e Neves, terminando com um encontro com elementos do Movimento Alentejo VIVO na cidade de Beja. José Paulo Martins recordou ainda que há já muito tempo que a Associação Zero anda a alertar as autoridades competentes para a tomada de medidas, mas até agora nada tem sido feito.

Vidigueira integra a recém-criada Associação de Municípios Portugal Romano

Zé LG, 09.03.20

120720131558-993-DSC_0059 Romano.JPGSão membros fundadores, para além de Vidigueira, as autarquias de Braga, Ansião, Oliveira do Hospital, Penela, Santiago do Cacém, Seixal, Tomar e Condeixa-a-Nova. Trata-se de uma associação que pretende preservar a herança romana e promover o turismo cultural.

O interesse de Vidigueira em participar nesta associação advém do seu território ser possuidor de património romano relevante, como sejam a Vila Romana de S. Cucufate, localizada na freguesia de Vila de Frades, e as ruínas romanas do Monte da Cegonha, localizadas na freguesia de Selmes como afirma o autarca vidigueirense, Rui Raposo.

Cooperativa Agrícola do Guadiana apresenta contributo para Agenda de Inovação

Zé LG, 06.03.20

A Cooperativa Agrícola do Guadiana apresentou ao Ministério tutelado por Maria do Céu Albuquerque, um contributo para a Agenda de Inovação para a Agricultura, propondo três vetores de atuação que considera fundamentais para a manutenção da viabilidade dos sistemas agrícolas do sul do Baixo Alentejo.

130620130008-108-OvelhasCampanias.jpgSegundo explica João Madeira, a Cooperativa Agrícola do Guadiana entendeu colocar estas questões na Agenda de Inovação, “por serem abordagens inovadoras à política que tem sido seguida até agora”.

Associação Amigos das Fortes recusa convite da Câmara de Ferreira do Alentejo

Zé LG, 05.03.20

A Associação Ambiental dos Amigos das Fortes (AAAF), convidada para o dia do município de Ferreira do Alentejo, que se assinala hoje, para uma sessão solene a realizar frente à Câmara Municipal, com a presença das associações e os respetivos estandartes, declinou o convite como forma de protesto contra a situação que as Fortes vivem há mais de 12 anos.

202003041945101966.jpgFátima Mourão frisou, ainda, que o compromisso da Associação é “estar ao lado da população das Fortes e procurar que a Câmara de Ferreira do Alentejo execute o papel a que está confinada, defender as populações, responder a problemas concretos e fomentar a nossa participação nas políticas correspondentes.”