Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Primeiro Sistema Integrado de Gestão do Montado experimentado na Herdade da Coitadinha

Zé LG, 14.08.22

JRN.JA_.17808-133841-690x450.jpgO Projecto LIFE Montado-Adapt, concluído em Junho e coordenado pela Associação de Defesa do Património de Mértola (ADPM), teve como objectivo impulsar a adaptação do Montado, em Portugal e Espanha, aos efeitos das alterações climáticas. A Herdade da Coitadinha – Parque de Natureza de Noudar, propriedade da EDIA, foi onde decorreu a experiência, tendo sido implementado o primeiro Sistema Integrado de Gestão do Montado.

O projecto de Defesa do Montado criou ainda uma rede de trabalho e de intercâmbio de conhecimentos, com os olhos postos no futuro com o ambiente sempre presente. 

Incêndio na Fábrica de Bagaço de Azeitona nas Fortes

Zé LG, 10.08.22

202208101014481428.jpgDeflagrou, hoje de manhã, um incêndio no interior da Fábrica de Bagaço de Azeitona nas Fortes Novas, no concelho de Ferreira do Alentejo, que foi combatido por corporações de Beja, Ferreira do Alentejo, Ourique, Serpa, Alvito, Aljustrel e Vila Nova de Milfontes, com 14 viaturas e 35 operacionais. Não há vitimas a lamentar apenas danos materiais nas instalações da fábrica.

RESIALENTEJO instala Eco Centro e de uma Estação de Transferência de Recicláveis

Zé LG, 09.08.22

Estaciones-de-trasnferencia-head-83f77d90-690x450.O Parque Industrial de Moura, foi o local escolhido pela RESIALENTEJO e pela autarquia, para a construção de um Eco Centro e de uma Estação de Transferência de Recicláveis, que vai receber resíduos recicláveis, incluindo biorresíduos, e é essencial para a consolidação do sistema de recolha selectiva porta-a-porta implementado no concelho, sendo Moura a cidade “piloto” a nível regional e nacional, deste projecto. A empreitada da construção do Eco Centro e da Estação de Transferência de Recicláveis, deverá estar concluída no primeiro trimestre de 2023.

Resialentejo já tem em funcionamento novo edifício social

Zé LG, 03.08.22

RESIalentejo-768x432.jpgO novo edifício social da Resialentejo, situado no Parque Ambiental do Montinho, já está em funcionamento. Dotado de um novo posto médico, lavandaria, refeitório, sala de convívio e balneários a infraestrutura visa melhorar as condições de trabalho na empresa à centena de colaboradores da empresa . Este novo edifício representa o fim da primeira fase de um investimento em equipamentos de cerca de 4,5 milhões de euros. Daqui e daqui.

Resialentejo registou, no primeiro semestre deste ano, um aumento da quantidade da recolha seletiva de resíduos

Zé LG, 27.07.22

202102031259301249.pngSegundo a Resialentejo, que é responsável pelo tratamento e pela valorização de resíduos sólidos urbanos de oito concelhos do distrito de Beja, o destaque vai para os biorresíduos, cuja recolha teve uma subida de 133%, o equivalente a 645,5 toneladas. “O material orgânico é utilizado para compostagem, realizada nas instalações da Resialentejo, sendo que, entre janeiro e junho, foram encaminhadas para a agricultura 1.000 toneladas de composto, a mesma quantidade que em todo o ano de 2021”.

A empresa intermunicipal indicou ainda que, no mesmo período, recolheu 810,1 toneladas de resíduos de vidro (+16,8%), 1.102 toneladas de papel e cartão (+3,6%) e 903,9 toneladas de plástico e metal (0,1%).

Amigos das Forte lança campanha de sensibilização para a poluição causada pela fábrica de bagaço de azeitona

Zé LG, 27.07.22

bagaco-1024x687-1-690x450.jpgA Associação Ambiental de Amigos das Fortes (AAAF), em Ferreira do Alentejo, acaba de lançar uma campanha para sensibilizar a opinião pública da comunidade, para o problema ambiental gerado pelas fábricas de bagaço de azeitona.

Para mostrar que “as fábricas de bagaço de azeitona são um desastre” e que a “Aldeia das Fortes sufoca”, Fátima Mourão da AAAF diz que é preciso agir e por isso, a finalidade do projecto é dizer que “há alternativa às fábricas de bagaço de azeitona. Andam a fustigar há 13 anos a Aldeia das Fortes. A fábrica emite cheiros nauseabundos e fumos durante um ano inteiro, em que toda a população vive com esse problema grave”.

A poluição gerada pelas fábricas de bagaço, tem vindo “a destruir o tecido social e emocional de uma população. Os centros de compostagem existem, é preciso agilizar para que se tornem uma realidade e se multipliquem”, referiu Fátima Mourão.  

União das Freguesias de Salvador e Santa Maria da Feira condena deposição ilegal de lixo

Zé LG, 23.07.22

despejo-ilegal.jpgA União das Freguesias de Salvador e Santa Maria da Feira, em Beja, detetou mais um despejo ilegal de resíduos, desta vez na Estrada da Fonte Mouro, tendo endereçado informação ao Município de Beja para que possa ser feita análise e queixa.

A União de Freguesias adianta que todo o material depositado ilegalmente poderia ter sido recolhido pelos serviços da União de Freguesias, bastando para tal uma marcação, lembrando ainda que “estas situações, além do crime que constituem acabam por degradar o espaço público e por retirar recursos da União de Freguesias que deveriam estar nas ruas, noutras tarefas, e que assim passam parte demasiado significativa do seu tempo a recolher despejos ilegais”.

O que se passa com a recolha do lixo em Beja?

Zé LG, 09.07.22

IMG_20220707_180147.jpgAo longo da estrada de Beja ao Penedo Gordo, existem meia dúzia de locais com contentores para depósito do lixo dos moradores das casas existentes. Desde o fim-de-semana passado e até ontem (hoje ainda não passei por ali) todos se mantiveram como o que a imagem mostra. Porque não é feita a recolha do lixo com a frequência necessária e recomendada? Certamente que a recolha semanal não é suficiente nem recomendável... Houve alguma razão para que isto acontecesse? Se houve, porque não foi feito um esclarecimento público? Se não houve, porque aconteceu?

Com um ano de atraso, iniciaram-se as obras de substituição da cobertura com amianto da Escola de Santiago Maior de Beja

Zé LG, 05.07.22

289252641_1463570124075226_4674667000719019376_n.jEsta obra deveria ter sido realizada há um ano atrás, porém o atraso na entrega dos novos materiais de cobertura ao empreiteiro fizeram com que só fosse possível remover o fibrocimento da Escola Básica Mário Beirão, ficando a intervenção prevista para a Escola Básica de Santiago Maior, para a pausa letiva de Verão de 2022.

Apesar do atraso, é preferível fazer a obra em período de férias, com a presença do mínimo de pessoas na Escola.

Projeto “+Solo + Vida” luta contra a desertificação da área natural do Vale do Guadiana

Zé LG, 02.07.22

202206301508291956.jpgO início do mês de julho fica marcado pelo arranque do Programa Territorial “+Solo + Vida”, um dos quatro projetos aprovados a nível nacional pelo Fundo EEAGrants, aviso “Projetos de preparação para condições meteorológicas extremas e de gestão de riscos no contexto das alterações climáticas”. O projeto é promovido pela ADPM e tem como entidades parceiras a Cooperativa Agrícola do Guadiana, a Natural Business Intelligence, a Universidade do Algarve e a International Development Norway.

Pretende-se igualmente capacitar os atores locais, nomeadamente os agricultores, para a adoção de boas práticas agrossilvopecuárias de combate à degradação do solo nos concelhos abrangidos pela área do Parque (Mértola e Serpa); realizar um diagnóstico das principais barreiras à adoção de boas práticas e desenvolver um modelo de governança para impulsionar a adaptação às alterações climáticas a nível local; e aplicar demonstrativamente 10 boas práticas, com elevado potencial de replicação, em 94 hectares nas explorações silvo agropecuárias do Parque.

EDIA promove debate sobre independência energética na agricultura

Zé LG, 27.06.22

EDIA-lança-debate--810x378.pngA independência energética no setor agrícola vai ser o tema para uma sessão de apresentação de soluções aplicadas à agricultura, seguida de debate, no próximo dia 28 de junho, pelas 10h00, no auditório da EDIA, em Beja.

A EDIA, que apresentará a sua visão para a independência energética do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva, está empenhada em partilhar soluções e conhecimentos junto dos seus clientes, abrindo caminho à sustentabilidade do Projeto de Alqueva e reforçando o objetivo associado à diminuição da pegada ecológica da atividade do setor primário.

Central fotovoltaica vai ser instalada em Sines

Zé LG, 26.06.22

202104011527223275.pngUma central fotovoltaica, com capacidade para mais de 91 mil painéis solares e uma potência de 49 megawatts, vai ser instalada no concelho de Sines, distrito de Setúbal, numa área de 100 hectares.

“Em conjunto com a Omexom vamos instalar mais de 91 mil módulos bifaciais que produzirão eletricidade verde suficiente para abastecer o equivalente a 42 mil lares portugueses”, revelou o presidente e diretor geral da RWE Renewables Iberia. A escolha de Sines para a construção deste parque solar está relacionada com as “cerca de três mil horas de sol por ano” e pela localização de “um dos dois vales do Hidrogénio Verde projetados para Portugal”.

Estação Biológica de Mértola procura estreitar relações com Universidade de Marrocos e assinou acordo com Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Zé LG, 17.06.22

Mértola-EB-768x432.jpgA Estação Biológica de Mértola convidou a Professora Soumia Fahd, Vice-Reitora da Universidade de Tetouan, em Marrocos, para conhecer o projeto, pretendendo que aquele estabelecimento de ensino seja “um parceiro ativo no território, integrado no Conselho Científico e Educativo da Estação Biológica”, segundo Mário Tomé, presidente da Câmara Municipal de Mértola.

A Associação Estação Biológica de Mértola (EBM) e a Fundação para a Ciência e a Tecnologia assinaram, esta semana, um protocolo tendo em vista o financiamento de bolsas de investigação para 20 doutoramentos nos domínios científicos estratégicos da Estação Biológica.

Ministra da Agricultura destaca projeto-piloto de energia renovável da ABRoxo

Zé LG, 13.06.22

202206111945413085.jpgEste projeto vai “acrescentar o equilíbrio entre o desenvolvimento económico” e o “desenvolvimento ambiental”, além de permitir “diminuir a pegada ecológica” e “fixar mais carbono”, frisou a ministra Maria do Céu Antunes, após a sessão de apresentação da Comunidade de Energia Renovável do Roxo, em São João de Negrilhos.

A Comunidade de Energia Renovável é um projeto-piloto da Associação de Beneficiários do Roxo (ABRoxo), gestora deste perímetro de rega que beneficia mais de 8.500 hectares nos municípios de Aljustrel e Ferreira do Alentejo (Beja) e Santiago do Cacém (Setúbal), e da Federação Nacional de Regantes de Portugal (Fenareg).

O presidente da ABRoxo, António Parreira, disse que o objetivo “é ter 8.500 hectares” do aproveitamento “regados com energia praticamente a custo zero”, realçando que: “Seremos o primeiro perímetro de rega no país a fornecer água com pressão com energia produzida por nós próprios”.

No âmbito da Comunidade de Energia Renovável do Roxo, foi assinado um acordo com a Transwater, com sede em São João de Negrilhos e que produz tubos de betão com alma de aço, utilizados sobretudo para abastecimento de água, que vai permitir à empresa adquirir à associação energia a um custo mais reduzido face ao praticado pelos operadores energéticos.

Problemas ambientais de Fortes com solução à vista (?)

Zé LG, 06.06.22

fortes-1-768x432.jpgA Câmara de Ferreira do Alentejo continua a encetar esforços no sentido de ver solucionado o problema ambiental sentido nas Fortes, onde a população se queixa da poluição provocada por uma unidade de transformação do bagaço de azeitona.

Luís Ameixa, presidente da autarquia, anuncia que reuniu com aquela unidade e vai encontrar-se com a CCDR do Alentejo, revelando que em breve poderão ser instalados, na unidade das Fortes, equipamentos tecnicamente capazes de diminuir o impacto das emissões, reduzindo o fumo e eliminado os odores, e assegura que há soluções à vista para este problema.

CDU contra amputação do projeto solar em Moura e despedimento de trabalhadores

Zé LG, 05.06.22

140620131151-375-Paineisfotovoltaicos.jpgOs vereadores da CDU frisam que perante a “omissão de informação que o PS continua a praticar na Câmara de Moura” manifestaram o seu “descontentamento” e apresentaram uma declaração onde assumem uma posição relativamente ao futuro da Lógica, em que consideram que se “deveria estar na linha da frente deste sector, utilizando os recursos de que já dispõe para voltar a inovar, crescer e contribuir para o desenvolvimento do concelho”.

Luís Rico, da CDU, assegura, ainda, que a Coligação deseja “a viabilização da Lógica” e sublinha que “não aceita soluções que passem por despedimento dos trabalhadores e tentativa de amputação do projeto solar em Moura”.

Descarga poluente na Ribeira do Roxo ainda sem culpados

Zé LG, 20.05.22

ALJUSTREL-Ribeira-A-roxo_800x800-240x240.jpgA descarga que foi feita para a Ribeira do Roxo, próximo da aldeia de Jungeiros, está a ser investigada pela APA e NPA da GNR de Aljustrel mas ainda não foi possível identificar a origem destas possíveis descargas. Almina não respondeu ao Lidador Notícias.

“Não obstante as diligências tomadas, não foi possível identificar a origem destas possíveis descargas, quer pontuais, quer difusas, eventualmente ligadas a movimentação de máquinas agrícolas ou aplicação de produtos químicos”, concluiu a APA. A GNR justificou que nos últimos tempos “esta foi a quarta situação de possíveis descargas detetadas naquele leito de água”.

Lixo fora dos contentores. Falta de civismo ou também de capacidade de recolha?

Zé LG, 17.05.22

Acabei de ler agora este post no MAIS BEJA, sobre um assunto que, infelizmente, se mantém actual e pertinente e que em nada contribui para a imagem das nossas Terras.

22292491_ojPcN.jpeg

É um tema recorrente em vésperas de eleições – e não só, como se vê -, em que as oposições criticam quem está no poder por não resolver o problema e quem está no poder tenta justificá-lo com a falta de meios e de colaboração dos munícipes.

Quer-me parecer que o MAIS BEJA tem razão ao aconselhar: “senhor presidente, aumente a frequência e dias em que os contentores e ecopontos são despejados, e vai ver que o problema se resolve. Em alternativa (em complemento, digo eu), deveria colocar mais contentores do lixo/moloks, aumentando assim a capacidade de deposição de lixo indiferenciado e reciclável.

Nesta como em tantas outras situações, é sempre mais eficiente fazer do que esperar que outros façam. E nesta situação em concreto, o que a Câmara Municipal fizer para resolver o problema terá efeitos muito mais rápidos. E vai ver que o problema não subsiste apenas porque as pessoas não querem colaborar...