Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Lucélia Santos, atriz, fundou Coletivo Alvito para pressionar atual governo brasileiro a tomar medidas em defesa da Amazónia

Zé LG, 15.03.20

O que é e como surgiu o Coletivo Alvito e qual a ligação de Lucélia a Alvito?

Lucélia Santos.jpegSurgiu da imensa necessidade de agirmos aqui na Europa para pressionarmos o atual governo brasileiro (neofascista) a tomar medidas em defesa da Amazónia e dos seus povos originários, índios, extractivistas, etc.. Todos estão ameaçados, os povos e o bioma [áreas biogeográficas]. Ao conhecer Alvito, a oliveira que lá existe ao lado do castelo medieval, ao abraçá-la, senti que ela era o elo entre todas as árvores e nossa ideia gerada daqui, de Portugal, na direção do outro lado do Atlântico, Brasil. As oliveiras centenárias e os nomes de Alípio de Freitas (que conheci quando esteve preso no Brasil, nos anos 80) e Camilo Mortágua, grandes combatentes, foram a inspiração que nos levou a dar esse nome ao coletivo. A sede tem sido em Lisboa, no AJA – Associação José Afonso, e temo-nos reunido às segundas-feiras, às 19:30 horas. Quem quiser participar que nos escreva para coletivoalvito@ gmail.com/

Texto Nélia Pedrosa, publicado no Diário do Alentejo, que pode ler na íntegra aqui.

"Da Inquietação na Pintura" em Alvito

Zé LG, 15.02.20

Apresentação do Catálogo a propósito da Exposição  Da Inquietação na Pintura, de Carlos Correia - 22 de Fevereiro | 16 horas |  Espaço Adães Bermudes, Alvito

imgLoader.ashx.jpg

"As obras expostas, mais de cinquenta, entre pintura, desenho, técnica mista e livros de artista, todas elas pertencentes à colecção Marin Gaspar, mostram um trabalho notável de pesquisa, experimentação, técnica e de génio artístico e são o testemunho de um percurso tão sabiamente desenvolvido, mas precocemente interrompido (1975 – 2018)".