Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Governo vai leiloar 100 MW de energia do “maior projecto de solar flutuante do mundo” em Alqueva

Zé LG, 29.11.21

alqueva_solar_flutuadores_1-690x450.jpgO secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba, informou que o Governo pretende leiloar a exploração de 262 megawatts (MW) de energia solar em sete barragens portuguesas, entre elas, a de Alqueva com 100 MW, considerado “o maior projecto de solar flutuante do mundo”.

A destacar ainda que o projecto Fotovoltaico Flutuante do Alqueva, em parceria com a EDP, é um dos mais inovadores projectos de energia solar de sempre, composto um parque flutuante com mais de 11 mil painéis fotovoltaicos na albufeira da barragem do Alqueva.

José Manuel Grilo é o novo presidente da Associação Transfronteiriça do Lago Alqueva

Zé LG, 10.11.21

presidente_formalr.pngJosé Manuel Grilo, presidente do município de Portel, foi eleito presidente da ATLA - Associação Transfronteiriça do Lago Alqueva, cabendo a função de vogais daquele órgão, às presidências dos municípios da Vidigueira, Serpa e Ayuntamentos de Alconchel e VilaNueva Del Fesno, respectivamente. A Mesa da Assembleia Intermunicipal é agora presidida pelo alcaide de Olivença, Manuel Gonzalez Andrade, e composta também pelos presidentes dos municípios portugueses de Moura e Alandroal.

A Associação Transfronteiriça de Municípios Lago Alqueva (ATLA) é composta pelos Municípios Portugueses de Alandroal, Barrancos, Moura, Mourão, Portel, Reguengos de Monsaraz, Serpa, Viana do Alentejo e Vidigueira e pelos Ayuntamientos Espanhóis de Alconchel, Cheles, Olivenza e Villanueva del Fresno.

EDIA e NERBE/AEBAL promovem missão empresarial a “Alqueva, uma nova terra de oportunidades”

Zé LG, 13.10.21

P1100009.JPGEsta Missão é composta por cerca de 25 empresários, na sua maioria da Andaluzia espanhola, que serão recebidos, hoje à tarde, na sede da EDIA em Beja, enquadrada no projeto da EDIA e do NERBE/AEBAL para promoção e internacionalização denominado “Alqueva, uma nova terra de oportunidades”, objeto de candidatura ao Sistema de Apoio a Ações Coletivas e financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional/Alentejo 2020. Do programa desta visita fazem parte deslocações a infraestruturas do projeto de Alqueva, unidades de agro-indústria e explorações agrícolas, de amanhã a Sexta-Feira.

“Alqueva Sunset” agendado para as 18:00 horas, na Amieira Marina

Zé LG, 02.10.21

Sunset-768x576.jpgA Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) promove, neste sábado, a iniciativa “Alqueva Sunset”. O embarque está agendado para as 18:00 horas, na Amieira Marina.

O pôr-do-sol no maior lago artificial da Europa será brindado com os vinhos do Alentejo, entre eles, os da Adega Cooperativa da Vidigueira, Cuba e Alvito.

A festa que junta amantes de vinho, produtores e enólogos a bordo e ao som do Dj Bruno Silva, termina às 21:00 horas, momento do regresso da embarcação à Amieira Marina.

Secretário-geral do PCP acusou o Governo de acarinhar “modelo agrícola insustentável” na na zona beneficiada por Alqueva

Zé LG, 14.09.21

202105101000356070.jpgJerónimo de Sousa disse que Alqueva, “notável infraestrutura pública pela qual foi preciso lutar tanto”, e que tem “potencialidades imensas para contribuir para a segurança e a soberania alimentar”, transformou-se “na galinha dos ovos de ouro de grupos económicos do capitalismo agrário”, acrescentando que “uma boa parte” daqueles grupos económicos é constituída por “multinacionais” que “vêm exercer a sua atividade de garimpo” para a zona do Alqueva, “com culturas superintensivas, seja do olival, seja de amendoal. O caminho não pode ser o deste modelo agrícola insustentável, apoiado e acarinhado pelo Governo, que não contribui para fixar populações, antes pelo contrário, se estrutura em mão de obra de passagem, em regime de sobre-exploração” e, do ponto de vista ambiental, está “degradando solos e destruindo património, fazendo sobre uso da água ao serviço de interesses particulares, e pondo em causa a saúde humana”.

Presidentes dos Municípios de Cuba e Vidigueira “agradados” com a promessa da ministra da Agricultura

Zé LG, 12.08.21

202108111203528378.jpgOs Presidentes dos Municípios de Cuba e Vidigueira, na sequência de contactos anteriores com a EDIA, deputados na Assembleia da República, agricultores e entidades representativas dos mesmos ouviram ontem da ministra da Agricultura a promessa que o Estudo de Impacto Ambiental e o cronograma financeiro do Bloco de Rega de Vidigueira e Cuba serão revelados em outubro. João Português e Rui Raposo manifestaram agrado pela informação que lhes foi transmitida.

Alqueva conta com mais uma praia

Zé LG, 08.08.21

Foi inaugurada, na passada quarta feira, a segunda praia do concelho de Portel, junto da aldeia de Alqueva. A nova infraestrutura junta-se à praia da Amieira, localizada, também, na albufeira de Alqueva e no concelho de Portel.

Praia-Alqueva-Inauguração-768x576.jpg

A inauguração da nova praia fluvial, projetada e concretizada pela Câmara Municipal de Portel, contou com a presença da Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques. A cerimónia marcou a abertura oficial deste novo equipamento, localizado junto da aldeia que deu nome à barragem.

Associação ZERO critica o apoio comunitário concedido a projetos agrícolas “que destruíram habitats protegidos” na área do Alqueva

Zé LG, 03.08.21

20210602100838579.jpg“A ZERO verifica que se continua a subsidiar um modelo agrícola destrutivo do ambiente, perante a ineficácia das entidades públicas e corrompendo os próprios objetivos das medidas da PAC” e que, “sem as necessárias salvaguardas, o próximo quadro de apoios [comunitários] poderá seguir precisamente o mesmo caminho”.
As conclusões um levantamento “do estado geral de habitats, áreas protegidas e sistemas agroflorestais de alto valor natural” realizado pela ZERO no concelho de Beja, mostram que a “maior parte das intervenções destrutivas ocorreram após 2015”, causando “a destruição de 18 charcos temporários mediterrânicos” e “o desaparecimento de mais de 1.000 hectares” de montado.
De acordo com o estudo, “são cerca de 120 as parcelas”, num total de 3.900 hectares, que receberam apoios do Programa de Desenvolvimento Rural 2020 e que “causaram danos em habitats e sistemas agrícolas importantes do ponto de vista ambiental”.

WATER World Forum For Life está a decorrer em Alqueva

Zé LG, 04.06.21

World.pngO WATER World Forum For Life teve início ontem, no maior lago artificial da Europa, o Alqueva, em Reguengos de Monsaraz. Trata-se de um evento inédito no país sobre a temática da água e da sustentabilidade e decorrerá até dia 6 de junho. O Fórum Mundial da Água será composto por sessões de conferências e debates, desportos náuticos elétricos e ainda um espetáculo multimédia no Alqueva.
De acordo com o portal Greensavers, o evento surge no seguimento da criação da Década da Água (2018-2028) pela Organização das Nações Unidas, reforçando a importância deste bem precioso e alertando para a urgência de ações imediatas que garantam a sua preservação.

EDIA contra desvio de água de Alqueva para o Algarve e o Caia

Zé LG, 23.04.21

Alqueva-cheia-2013_800x800.jpgSobre o transvase para a albufeira de Odeleite, a EDIA refere que logo que surgiram as primeiras notícias sobre o assunto, “foi transmitida à Agência portuguesa do Ambiente (APA) a enorme preocupação com esta solução, por colocar em causa a viabilidade do EFMA, nos termos em que foi aprovado”, defendendo que o reforço de Odeleite poderia ser feito “pela integração de parte das afluências da ribeira da Foupana”, defendendo a construção da barragem da Foupana.
Sobre a afetação de recursos hídricos do Guadiana, a montante de Alqueva, para reforço do Caia, a EDIA defende que essa possibilidade “apresenta várias dificuldades e condicionamentos que comprometem a sua viabilidade”, desde logo por se estar “perante volumes fornecidos de água muitos importantes” a que se junta a altimetria e desnível de bombagem que implicaria “importantes encargos” de todo o circuito elevatório e torna “quase proibitivo” o custo do fornecimento, concluiu a empresa.

Leia toda a notícia aqui.

BE diz que há “instalação abusiva e desregulada de culturas intensivas e superintensivas em Portugal.”

Zé LG, 07.04.21

P1100009.JPGPara o BE não se pode aceitar que o território esteja “a ser alvo de transformações brutais, que uniformizam as paisagens com monoculturas, que consomem recursos hídricos e que são beneficiados por investimentos públicos de regadio contra o interesse público e contrariando as evidências científicas sobre a resposta às alterações climáticas”. Neste contexto, Ricardo Vicente quis saber se “o Governo pensa promover a melhoria e a criação de pequenos regadios dispersos em toda a superfície agrícola útil e com menos impactos ambientais em vez de fazer investimentos de privilégio para uma minoria como decorre no Alqueva”; se “está prevista a redução dos incentivos a sistemas agrícolas desajustados das condições produtivas reais, nomeadamente através do ajustamento do preço da água de rega nos regadios públicos aos custos reais” e o que “pretende fazer quanto à manutenção da heterogeneidade da paisagem e diversidade biológica que suportam o equilíbrio dos ecossistemas.”

“Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva está em perigo”, alerta a APBA

Zé LG, 05.04.21

Alqueva-cheia-2013_800x800.jpgA Associação de Proprietários e Beneficiários de Alqueva (APBA) afirma que “o Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva (EFMA) está em perigo”, porque estão em marcha três possíveis desvios de água da albufeira alentejana:

1- Levar água para o Algarve através de uma captação no Pomarão, que só será viável aumentando a libertação de água das albufeiras de Alqueva e Pedrógão.

2- Permitir a Espanha, aumentar e legalizar a captação ilegal existente no Pomarão. Da forma como as negociações parecem ser conduzidas pelo Ministério do Ambiente, é o que vai acontecer num futuro próximo.

3- Aumentar o volume de água afeto ao Perímetro do Caia, através de uma captação no Guadiana a montante de Alqueva.

Para o presidente da APBA, José Cavaco Rodrigues, ao Governo “não chega atingir os cerca de duzentos mil hectares a regar por Alqueva com o volume de água previsto para os cento e vinte mil hectares inicialmente aprovados”. Já não parece ser relevante para o governo, “garantir a água necessária para o sucesso deste grande projeto nacional e para o sucesso dos investimentos feitos”, deixando no ar a dúvida de que “parece querer mais, sem acautelar os riscos para o sucesso dos investimentos públicos e particulares já realizados”, sustenta. 

“Más práticas no olival “nascido” do Alqueva são regra e não exceção”, diz associação Zero

Zé LG, 22.03.21

As más práticas no cultivo de olival são a regra e não uma exceção no Alentejo, ao contrário do que defende o estudo recentemente divulgado pela EDIA, argumentou José Paulo Martins, representante em Beja da associação ZERO, frisando que o próprio documento publicado pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) “refere que há insuficiência numa série de aspetos” e destacou as irregularidades que, garantiu várias vezes, “basta andar no terreno para ver”.

Olival-768x432.jpg

O ambientalista considerou ainda que é “um absurdo” defender o olival no Alentejo como “a grande barreira verde contra a desertificação” e sustentou que, para travar esse processo, é necessário, isso sim, “combater a erosão e a perda de solo”.

Disse concordar com a conclusão de que deveria haver uma entidade única que fizesse a “avaliação prévia” das instalações para “ver se estão a ser respeitados esses condicionalismos de ordenamento e boas práticas” e, acima de tudo, “fiscalizar”.

Presidente do PS Baixo Alentejo debateu temática da água com a ministra da Agricultura

Zé LG, 23.02.21

202102212244306635.jpgO Presidente da Federação do Partido Socialista do Baixo Alentejo, Nelson Brito, reuniu-se, este fim-de-semana, com a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, o presidente da Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar, o deputado eleito pelo PS no Baixo Alentejo, Pedro do Carmo, para debater o calendário de obras do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva (EFMA), a decorrer nos blocos de rega Póvoa/Amareleja/ Moura e Messejana, bem como da rede primária da Albufeira do Roxo/ Albufeira da Rocha" e, ainda, abordar "a viabilidade de projetos energéticos nas barragens do EFMA e solicitada a inscrição da barragem de Oeiras/Almodôvar nos próximos instrumentos financeiros comunitários.”

Central Termoelétrica de Sines encerrou ontem

Zé LG, 16.01.21

202101141621365596.jpgApós 35 anos em atividade, o encerramento, ontem, da central da EDP em Sines, com 1.256 megawatts (MW) de potência, marca o princípio do fim de uma era no sector energético nacional e mundial, com a despedida do carvão. No horizonte de Sines surge agora a possibilidade de produção de hidrogénio verde, com a EDP a estudar esta possibilidade em conjunto com outras empresas.

O fim da laboração da central significa também o fim de cerca de um décimo das emissões de óxidos de azoto, dióxido de enxofre, partículas e metais pesados em Portugal, assinala a Zero, que reconhece que o encerramento de Sines e da outra central a carvão portuguesa, no Pego, afeta direta e indiretamente cerca de 700 trabalhadores e lamenta que não tenha havido "diálogo, concertação social e criação de soluções alternativas" para essas pessoas.

O presidente da Câmara Municipal de Sines, Nuno Mascarenhas, considerou que "face à conjuntura existente" o fecho da central a carvão de Sines "não foi o mais indicado".

"Foi uma decisão tomada pela EDP, mas temos de nos concentrar naquilo que é o mais importante e encontrar alternativas para os trabalhadores que direta ou indiretamente exerceram funções durante muitos anos nesta central", sublinhou.

2-4-330x242.jpg

A EDP “tem estado sempre disponível para colaborar com o Governo no que respeita a garantir a segurança do abastecimento, e sempre que tal é necessário, estando a realizar investimentos na central do Alqueva para reforço da prestação de serviços de sistema (a nível do controlo de tensão)”.

Dark Sky Alqueva considerado o melhor destino emergente da Europa

Zé LG, 02.01.21

dark-sky-alqueva.pngO Dark Sky Alqueva ganhou a distinção de Europe’s Best Emerging Destination 2020 (melhor destino emergente europeu) nos International Travel Awards. Adicionalmente, o Observatório Oficial foi igualmente premiado, tendo recebido o troféu de Europe’s Best Emerging Attraction 2020 (melhor atração emergente). Estas duas distinções surgem depois de o empreendimento ter ganhado mais um “óscar” para projeto de desenvolvimento turístico do ano nos Wold Travel Awards.
Apolónia Rodrigues, criadora e coordenadora do Dark Sky, refere que é “fundamental apostar no posicionamento de Portugal como um destino internacional líder no Astroturismo pois, neste momento, já envolve cerca de 13.000,00 km2 certificados como Starlight Tourism Destination”.
Recorde-se que, em 2011, “os céus escuros” e as terras douradas do Alqueva tornaram-se o primeiro Starlight Tourism Destination do mundo e “em 2018 o primeiro transfronteiriço”, integrando dez concelhos portugueses e 13 municípios espanhóis em redor do Grande Lago.

Povoações de Almodôvar e Mértola vão receber água da Barragem do Monte da Rocha

Zé LG, 11.11.20

281120171816-610-MontedaRocha.jpgA AgdA, Águas Pública do Alentejo e a SADE, Compagnie Génerale e Travaux D’Hydraulique assinaram contrato de empreitada relativa aos eixos secundários da adução ao eixo Almodôvar e Mértola sudoeste, no valor de pouco mais de 2 milhões de euros e com um prazo de execução de 365 dias.

“Esta empreitada permite concluir o Sistema de Abastecimento de Água de Monte da Rocha, com origem na albufeira do mesmo nome e destinado a servir de água potável a totalidade os municípios de Almodôvar, Castro Verde e Ourique, e ainda parcialmente os municípios de Mértola e Odemira.