Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

CEBAL iniciou projeto para promover o amendoal no Alentejo

Zé LG, 11.01.21

202101071530151997.jpgO Centro de Biotecnologia Agrícola e Agroalimentar do Alentejo aposta na fileira dos frutos secos, através da transferência de conhecimento e tecnologia para a promoção, diferenciação e competitividade do amendoal no Alentejo.

O CEBAL iniciou um novo projeto intitulado “Inov-Amendo-AL: Microenxertia in vitro de amendoeiras de valor acrescentado para a promoção do amendoal no Alentejo”, que procura potencializar a competitividade do setor dos frutos secos no Alentejo, nomeadamente de amêndoa, através da introdução no mercado de plantas de amendoeira sadias e de valor acrescentado, obtidas com o auxílio de ferramentas biotecnológicas inovadoras.

“o melhor é dedicar-me a outra atividade ou emigrar”?

Zé LG, 28.12.20

202006011640075390.jpg«O pequeno já nem sequer conta, mas também o médio agricultor não tem futuro algum no Alentejo.
A não ser desempenhar esta actividade a meio tempo com um outro emprego que lhe garanta o mínimo de sustentabilidade financeira à sua família.
Agora se depender apenas de uma agricultura cada vez mais tecnológica e científica, e não tiver formação e capacitação para os tempos que avizinham, o melhor é dedicar-me a outra atividade ou emigrar.»
Anónimo 26.12.2020, aqui.

“Recenseamento Agrícola 2019 confirma penalização da Agricultura Familiar”

Zé LG, 26.12.20

Numa primeira análise aos resultados preliminares do Recenseamento Agrícola 2019, divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) a 18 de Dezembro, a CNA assinala com preocupação o encerramento de 15,5 mil explorações agrícolas nos últimos dez anos, quebra registada, sobretudo, entre os pequenos e médios agricultores, a Agricultura Familiar.

202006011640075390.jpgA Agricultura Familiar é fundamental para fixar as populações nos territórios rurais, para fortalecer as economias locais, para abastecer os mercados locais com alimentos culturalmente adequados, para reduzir a dependência alimentar do exterior, para preservar a agrobiodiversidade e mitigar as alterações climáticas." Pode ler-se no documento enviado à nossa redação.

Maior plantação de cannabis medicinal da Europa está no Alentejo

Zé LG, 24.12.20

cannabis_0.pngA maior plantação de Cannabis medicinal da Europa localiza-se no Alentejo, mais concretamente em Aljustrel, e foi destaque na consagrada revista National Geographic, que enfatiza o carácter inovador do projeto de plantação de canábis medicinal de Aljustrel.
Prevê-se que a plantação – que é já a maior do género da Europa - possa atingir, em 2021, e após 45 milhões de euros de investimento, os 40 hectares, sendo que a empresa responsável, a RPK BioPharma prevê criar mais 65 postos de trabalho, ficando com um total de 200 colaboradores logo que o projeto esteja em pleno funcionamento. A sua produção anual pode vir a atingir a produção anual de 500 toneladas.

"Chão Nosso" denunciou destruição e inutilização de caminhos rurais no Alentejo devido à instalação de culturas agrícolas intensivas

Zé LG, 22.12.20

Screenshot_2020-12-22 Movimento denuncia destruiçO Movimento Chão Nosso alega que “muitos caminhos rurais que atravessam explorações agrícolas em modo intensivo encontram-se completamente inutilizáveis devido à presença constante de maquinaria pesada”, o que cria “sérios constrangimentos ou mesmo o total impedimento ao seu uso por parte das populações que habitam em meio rural, que, deste modo, ficam ainda mais prejudicadas”, pelo que “São necessárias medidas urgentes para pôr travão a estas situações, exigindo ainda a reposição e conservação destes acessos que, por vezes, são a única forma de aceder a algumas habitações ou sítios de interesse”.

Pode ler e ouvir aqui, aqui e aqui.

Beja, "madrasta" e com outros "defeitos", entre desilusão e pessimismo e factos e confiança

Zé LG, 19.12.20

127039230_1087071795058396_6042060700786322194_o.j«Mas mais do que "madrasta" a cidade tem outros "defeitos" bem piores. Sendo o principal a total ausência de investimentos estruturais...

E não há nada a fazer, dada a inoperância e incapacidade manifesta dos políticos e governantes locais para conseguirem atrair investidores e investimentos sobre o que quer que seja. Com exceção evidente dos olivais e outras culturas intensivas e superintensivas. Que pouco ou nenhum emprego criam, cujas mais valias não ficam na região, que degradam a qualidade de vida e o ambiente e que dentro de duas ou três décadas só deixaram terra queimada...»

 

«O seu post é de uma ignorância atroz. Informe-se do número de pessoas que trabalham nas explorações de regadio do Alqueva, informe-se do número de jovens formados no IPB que trabalham nas empresas agrícolas da Região, informe-se do contributo que essas empresas têm no PIB, informe-se do contributo para a Segurança Social de empregados e empregadores. Senão tivesse um sector agrícola e pecuário de grande dinâmica, e criador de riqueza, quereria viver num perfeito deserto. Concerteza que existem alguns problemas de natureza ambiental e social, mas com vontade do Estado e das Empresas serão resolvidos.»

Anónimos 19.12.2020, aqui.

Câmara de Serpa participa numa audição na AR, sobre “a não proteção e destruição de vestígios arqueológicos no Alentejo”

Zé LG, 15.12.20

202012141800067126.jpgO Município de Serpa, “consciente da necessidade de salvaguardar o património arqueológico concelhio, um dos maiores conjuntos nacionais, com mais de 800 sítios arqueológicos inventariados, e atento aos impactos causados pela transformação agrícola do território, também com implicações ambientais e de saúde pública, desenvolveu e melhorou uma série de procedimentos de âmbito preventivo, de que é exemplo o protocolo assinado com a Direção Regional de Cultura do Alentejo em 2020 para a salvaguarda do património arqueológico no âmbito de processos agrícolas, e irá informar os deputados sobre o seu modelo de atuação e as preocupações sentidas nesta matéria”.

DGPC assinou protocolo com organismos estatais de gestão agrícola, visando a "salvaguarda do património arqueológico nacional"

Zé LG, 14.12.20

imgLoader2.ashx.jpgA Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) assinou "um protocolo de entendimento" com o Instituto de Financiamento de Agricultura e Pescas (IFAP) e a Autoridade de Gestão do Programa de Desenvolvimento Rural do Continente, visando a "salvaguarda do património arqueológico nacional, no âmbito de projetos agrícolas financiados", depois de a Assembleia da República ter aprovado um requerimento do Bloco de Esquerda (BE) para ouvir especialistas em arqueologia, sindicato e associações do setor, sobre "situações de abandono e destruição" de vestígios arqueológicos no Alentejo.

O protocolo prevê a conjugação de esforços e recursos de forma a estabelecer uma atuação preventiva na salvaguarda do património arqueológico, em articulação com a execução do Programa de Desenvolvimento Rural do Continente e que o IFAP se comprometa "a integrar, no Parcelário Agrícola Nacional, a informação georreferenciada relativa ao património arqueológico disponibilizada pela DGPC, permitindo assim a sua consulta durante a fase de análise técnica e aprovação de projetos agrícolas", informação que "ficará também disponível para consulta dos proprietários e investidores agrícolas, de modo a que estes tomem conhecimento das ocorrências patrimoniais existentes nas parcelas a intervir".

Ministério da Agricultura destina mais 12 milhões para minimizar impactos da Covid-19

Zé LG, 23.11.20

P1100491.JPGFoi publicada a portaria com a medida excecional no PDR2020 no valor de 12,2 milhões de euros, aprovada pela Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, para minimizar os impactos económico-financeiros causados pela pandemia da Covid-19.

“Esta medida visa apoiar os setores onde os efeitos económicos negativos decorrentes da pandemia foram acentuados, e nos quais é possível avaliar o impacto, pela redução dos preços ou perdas de mercado em resultado da diminuição da procura”. 

Maria do Céu Antunes refere que “esta medida pretende compensar parcialmente, as perdas ocorridas no período de março a junho de 2020, a sectores que ainda não tinham sido abrangidos por medidas excecionais de mercado ou de reforço de apoios diretos (…)”.

Confederações unidas na denúncia do incumprimento da Lei do OE para 2020 quanto à “Eletricidade Verde”

Zé LG, 22.11.20

CNA denuncia que Regulamentação da “Eletricidade Verde” não respeita Lei do OE2020

202010151423195833.jpg

A CNA denuncia, em comunicado, que a portaria que “supostamente regulamenta uma medida inscrita em Orçamento do Estado (OE) para 2020 (introduzida na 2ª alteração, a 24 de Julho), dedicada ao apoio com os custos energéticos no sector agrícola e pecuário” não “respeita a lei inscrita no documento”.

CAP pede correção de portaria referente à "eletricidade verde"

A CAP afirma que apesar da lei em vigor consagrar um apoio percentual face ao valor das faturas de eletricidade, o que foi publicado em Portaria (n.º 265-B/2020 de 16 de novembro) foi "um apoio percentual face à potência contratada, o que resulta em montante irrisórios, que em muito pouco ou nada apoiam o setor, desrespeitando totalmente a decisão da Assembleia da República."

Confagri diz que “associações sentem-se defraudadas com a questão da eletricidade verde”

A Confagri diz que a portaria recentemente publicada sobre as questões da “eletricidade verde” não cumpre o estipulado na lei do OE2020 e diz que as associações de agricultores sentem-se defraudadas.

CNA diz que "não está tudo bem com a agricultura" e defende medidas de apoio à agricultura familiar

Zé LG, 15.11.20

201910242220341415.jpg"O Governo tenta esconder a grave crise que milhares de pequenos e médios agricultores atravessam, e que tende a agravar-se, face à evolução da pandemia e das medidas insuficientes para a controlar", afirma a CNA, concluindo que, “de facto, não está tudo bem no sector, e por mais que a Ministra da Agricultura e o Governo torturem os números a realidade é bem diferente".

E é neste contexto que a CNA defende: "a concretização do Estatuto da Agricultura Familiar (EAF), que mais de dois anos depois continua sem medidas concretas", "uma outra PAC, mais justa, mais inclusiva, que apoie quem de facto produz e que incorpore os princípios da Soberania Alimentar", "um período de transição onde o Regime da Pequena Agricultura suba para 1250 euros por agricultor, e que novos agricultores possam aderir a este apoio já em 2021", "um Orçamento do Estado para 2021 que reconheça o papel da agricultura, concretamente da Agricultura Familiar, no desenvolvimento do País, o que a ctual proposta está muito longe de concretizar", "um sistema de seguros agrícolas que proteja de facto os Agricultores e as suas produções, e um regime fiscal e de Segurança Social adequado à Agricultura Familiar", "uma política florestal que promova uma floresta multifuncional, sustentável e ordenada, que tenha na base o rendimento dos pequenos e médios proprietários e produtores florestais, o que não é possível com uma política agro-florestal espartilhada e obedecendo apenas a uma lógica supostamente ambiental."

“Extensivo” deve ser marca conjunta de qualidade do Alentejo e da Andaluzia

Zé LG, 09.11.20

Webinar.pngCom mais de 600 inscritos dos dois lados da fronteira, o webinar luso-espanhol sobre “A Pecuária Extensiva face aos novos desafios da PAC”, apontou para a defesa de uma marca “Extensivo” como forma de diferenciação e valorização conjunta dos produtos e serviços provenientes de um modo de produção amigo do ambiente, gerador de dinâmicas de povoamento de zonas rurais do interior, que reduz a carga combustível e de risco de incêndio, que promove o aumento de matéria orgânica e de biodiversidade, com benefícios económicos, sociais e de coesão territorial.

Visualizar o seminário na íntegra, clicando em: https://congresso-pecuaria-extensiva.pt/

Webinar sobre “A Pecuária Extensiva face aos novos desafios da PAC” junta ministros da agricultura dos dois lados da fronteira

Zé LG, 05.11.20

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes e o seu homólogo espanhol, Luis Planas Puchades participam no webinar sobre pecuária extensiva, que se realiza na sequência do cancelamento, devido à Covid-19, de um congresso luso-espanhol agendado para Beja, sobre a mesma temática e cujo programa completo pode ser consultado em: https://congresso-pecuaria-extensiva.pt/programa/. O limite de 500 inscrições foi atingido.

Webinar.pngOs organizadores do evento salientam que “a pecuária extensiva é uma atividade promotora da dinamização do espaço rural, da proteção do meio ambiente e da fixação de população nas zonas de interior. A partilha conjunta de informação, à escala ibérica, deve ser encarada como uma oportunidade única para o futuro, até porque a crescente urbanização da sociedade revela um preocupante desconhecimento sobre a importância da agricultura, da pecuária e da floresta como um todo vital para a defesa da biodiversidade, para o desenvolvimento rural e para o combate às alterações climáticas. É oportuno e urgente dar a conhecer este importante sector de produção, de forma objetiva e séria, e reclamar medidas de política no âmbito da nova PAC tendo em vista a sua sustentabilidade”.

Projeto agrícola sustentável de olival e frutos secos promete dinamizar os concelhos de Alvito e Cuba

Zé LG, 04.11.20

DSC06155-1140x694.jpgO projeto, que será desenvolvido nos concelhos de Cuba e Alvito, está previsto num acordo assinado entre o Grupo Monte do Pasto, “líder ibérico na criação de gado bovino ao ar livre”, e a Innoliva, companhia “pioneira no desenvolvimento da olivicultura moderna” e pertencente ao Fundo de Investimento Cibus.
De acordo com os promotores, o projeto, que terá uma parte desenvolvida em cultura orgânica/biológica, “deverá mobilizar investimentos superiores a 15 milhões de euros” e ser um “fator de dinamização económica e social sustentável” daqueles dois concelhos, “com forte impacto social na criação de emprego e na geração de valor acrescentado".
Os investimentos a realizar pela Innoliva deverão criar capacidades produtivas que irão contribuir para “a afirmação internacional do interior alentejano enquanto região exportadora de produtos ‘premium’”. Já a “vocação exportadora” do projeto “irá reforçar o potencial comercial de outras produções alentejanas, designadamente possibilitando a criação de uma marca com certificação de origem e a melhoria de margens para os produtores do Alentejo”.

Daqui. Ler também aqui e aqui.

Ministra da Agricultura faz visitas ao Alentejo e deixa atrasar pagamentos aos agricultores

Zé LG, 03.11.20

Ministra da Agricultura assinala no distrito de Beja início da campanha da azeitona

201911051026499350 ministra.pngA Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, assinala nesta terça-feira, o início da campanha da azeitona 2020 – 2021 com uma visita à Herdade da Figueirinha, concelho de Beja e ao Lagar do Marmelo, concelho de Ferreira do Alentejo. 

Entretanto, a CAP denuncia o atraso no pagamento de 25 milhões de euros respeitantes à medida agroambiental “Produção Integrada” devida a mais de 12 500 agricultores, cuja liquidação estava programada para dia 30 de outubro, e apela ao governo para que esta situação seja resolvida já no decurso desta semana.

Património arqueológico destruído em Salvada por ripagens para instalação de culturas intensivas

Zé LG, 22.10.20

202010211730312386 salvada.jpgO Movimento Chão Nosso denuncia “mais um caso de afetação de um sítio arqueológico, desta vez na região de Beja”. “Um sítio arqueológico, identificado como Salvada 10, localizado junto à aldeia, concelho de Beja, correspondente a um grande recinto de fossas pré-histórico, que foi alvo de ripagens para instalação de culturas intensivas, sem que tenha havido qualquer ação de salvaguarda do património aí existente.” 
“Este sítio já havia sido alvo de afetações anteriores, em 2017, assunto que mereceu denúncia na comunicação social e que levou à implementação de medidas de avaliação dos danos decretadas pela Direção Regional de Cultura do Alentejo”, refere, ainda o Movimento, acrescentando que “o povoado da Salvada 10 foi detetado durante a realização de um Estudo de Impacto Ambiental para a empresa EDIA, em 2012, levando inclusivamente a alterações de projeto para evitar causar impactos negativos nos vestígios arqueológicos” e que “é um dos maiores recintos de fossos pré-históricos conhecidos no Baixo Alentejo e encontra-se referenciado no PDM de Beja como tendo elevado valor arqueológico.”

“A Pecuária Extensiva Face aos Novos Desafios da PAC” em debate entre portugueses e espanhóis

Zé LG, 20.10.20

cartaz-webinar-pt-1024x523.jpg

Este webinar, que substitui o II Congresso Luso-Espanhol de Pecuária Extensiva e Desenvolvimento Rural, mantém os grandes temas da actualidade, designadamente, a reflexão em conjunto sobre os novos desafios da PAC à pecuária extensiva. Esta abordagem é feita entre pares, no interior do setor produtivo, mas também dirigida ao público em geral tendo em conta a necessidade de debater a autossuficiência e a segurança alimentar, a saúde, o bem-estar animal, a defesa da dieta mediterrânica e a preservação da biodiversidade. Para inscrição ou mais informações sobre o webinar consultar o portal: https://congresso-pecuaria-extensiva.pt/

“Orçamento permite responder aos desafios de uma agricultura sustentável e inovadora e na proteção, qualidade e segurança da produção agroalimentar”

Zé LG, 19.10.20

maria-do-ceu-antunes-ministra-da-agricultura-890x5… e “Permite, ainda, assegurar o planeamento e coordenação, gestão e controlo da aplicação dos fundos nacionais e comunitários em benefício da agricultura nacional e de uma política pública pensada para o desenvolvimento rural”, defende a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes.

No próximo ano será dada continuidade à execução do Programa de Desenvolvimento Rural – PDR2020 e prosseguido o Programa Nacional de Regadios.