Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

PCP diz que “agricultura tão modernizada não tem beneficiado a população, nem a região”

Zé LG Zé LG, 27.01.20

João Dias, deputado do PCP eleito por Beja, afirmou que “Sabemos que o uso da água de Alqueva, infelizmente, tem servido para valorizar este modelo de exploração predadora - monoculturas – e não trouxe aquilo que a população precisa”, lamentando que, após anos de reivindicação por Alqueva, “uma infraestrutura importantíssima para a região e para o país, no sentido de criar condições para valorizar a produção nacional”, esse não tenha sido o caminho seguido, que “Aquilo que é dito de uma agricultura tão modernizada, não tem beneficiado a população, nem a região”, e que se deveria apostar na produção agrícola diversificada.

202001251841051533.jpgCarlos Alves, vereador do município de Serpa, clarificou que a Câmara Municipal criou regras “em torno dos aglomerados urbanos” que definem que “numa faixa de 500 metros não podem existir este tipo de culturas”, mas estas normas “estão a ser violadas”. 

José Maria Pós-de-Mina, do Comité Central do PCP salientou que “hoje temos a obrigação” de lutar contra esta forma de exploração agrícola que voltou a levar aos campos alentejanos “o trabalho de sol a sol” e pessoas a viverem em condições desumanas.

Crédito Agrícola lança campanha “Juntos na produção Sustentável”

Zé LG Zé LG, 27.01.20

"O Crédito Agrícola acaba de lançar a nova campanha CA Agricultura com a prioridade de valorizar a optimização dos recursos naturais de suporte à produção, cada vez mais escassos."

20200120154654585.jpg"Sob o claim “Juntos na produção Sustentável”, esta campanha assenta no apoio à inovação tecnológica com vista à obtenção de uma agricultura cada vez mais sustentável, permitindo aos empresários agrícolas obter melhores produtos e maior rentabilidade financeira, melhorando o meio ambiente.

Tractores com lança-chamas para acabar com o uso pesticidas

Zé LG Zé LG, 25.01.20

Mais fácil e sem prejudicar o solo e o meio ambiente. No momento de plantar novas colheitas, os tratores equipado com gás e lança-chamas capazes de queimar as ervas daninhas, evitando ou até abolindo o uso de pesticidas.

tratores-adaptados-com-chamas-sao-a-nova-tecnica-pEste novo sistema tem muitas vantagens, como por exemplo, o fato de remover grande parte da erva daninha, a sua velocidade e eficácia, e ainda impedimento do crescimento de raízes danificadas, desfazendo assim a necessidade de pesticidas e semelhantes.

Petição para revogação de Resolução que permite aumentar área de estufas até 40 % e de contentores no Perímetro de Rega do Mira

Zé LG Zé LG, 24.01.20

imgLoader2.ashx.jpg“Temos cerca de 11 por cento da agricultura intensiva coberta por plástico e aquilo que a resolução [do Conselho de Ministros] diz é que pode vir a aumentar até 40 por cento, além da autorização, a título excecional, de contentores dentro das explorações agrícolas” e da "contratação de milhares de trabalhadores asiáticos em condições pouco claras”, disse Fátima Teixeira, porta-voz do movimento que lançou a petição.

O movimento alerta para as consequências “nefastas” de práticas agrícolas “que apostam na utilização intensiva de água para rega, plásticos, fertilizantes e pesticidas sintéticos”, no “Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, uma zona de excelência, com recursos ambientais que é preciso proteger. Estamos a destruir um património ambiental que é único”, pelo que é urgente “resolver os problemas que já existem ao nível de estufas, de agricultura intensiva e da capacidade para acolher tantos imigrantes” antes de se avançar para a expansão da atividade agrícola.

É urgente travar este avanço e proteger as zonas sensíveis do ponto de vista ecológico, assim como as populações dos aglomerados urbanos, das contaminações desta agroindústria, sendo por isso imperativo a demarcação de uma faixa mínima de 1.000 metros a partir da linha de costa e de 500 metros dos perímetros urbanos, livres de agricultura intensiva”.

Ministra da Agricultura "pediu" mais tempo à FAABA para analisar problemas do sector

Zé LG Zé LG, 23.01.20

202001221539252467.jpgA FAABA reuniu-se, ontem, com a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, que “pediu” mais tempo para analisar alguns dos assuntos que lhe foram colocados.
Rui Garrido, presidente da FAABA, afirmou que a ministra da Agricultura vai “analisar” as questões que foram levantadas e que lá para Março virá a Beja reunir com a Federação, que levou para a reunião uma “grande” e “complicada” agenda com questões que passam, entre outros aspectos pela seca, medidas agro-ambientais e olival intensivo. Em cima da mesa estiveram também vários assuntos relacionadas com o Alqueva, como o alargamento do perímetro de rega e a gestão da rede secundária.

Os novos donos do Alentejo com mais de 65% dos olivais da região

Zé LG Zé LG, 17.01.20

img_797x448$2020_01_16_09_55_33_615825.jpg

Cerca de 70% do território agrícola da região de Alqueva mudou de mãos nos últimos dez anos - e o Alentejo passou de celeiro a olival da nação. O antigo terratenente seareiro cedeu lugar a um novo megalatifúndio assente em fundos  internacionais, com seis grandes grupos a deter ou a gerir mais de 65% dos olivais da região. São eles os grandes beneficiários do maior investimento público alguma vez realizado na agricultura portuguesa: 2,5 mil milhões de euros. Ao mesmo tempo que escasseia, a terra irrigada por Alqueva está a sofrer uma pressão sem precedentes, com o preço do hectare a crescer seis vezes em 15 anos. Neste período, graças aos novos olivais alentejanos, Portugal passou de importador crónico a quinto maior exportador mundial de azeite. E, segundo a Comissão Europeia, o olival português poderá aumentar 88% até 2030. Mas isso teve consequências sociais e ambientais. Este é o primeiro de três capítulos de uma reportagem realizada ao abrigo de uma bolsa de investigação jornalística da Fundação Calouste Gulbenkian

“Olivum mostra práticas sustentáveis do olival moderno”

Zé LG Zé LG, 16.01.20

202001131924066485.jpgA Olivum informa que iniciou contactos com vários stakeholders no sentido de lhes mostrar, através de encontros e visitas de campo, “as práticas sustentáveis e de defesa do ambiente no olival moderno, seja em copa seja em sebe”. O presidente da Quercus já visitou explorações do Alentejo e a Olivum garante que mostrou “práticas sustentáveis do olival moderno”.

A Olivum diz acreditar, ainda, que “é dialogando e acima de tudo, mostrando o que faz, que se poderá continuar neste caminho de sustentabilidade, rentabilidade e de modernização onde todos podem sair beneficiados” e revela que “para concretizar este objetivo” vai “continuar a convidar e a levar ao terreno todos os interessados neste sector e no seu futuro.”

"Agricultura intensiva, inovação tecnológica e preservação das paisagens culturais na região Euroace"

Zé LG Zé LG, 15.01.20

workshop_agric_intens_euroace.jpgé o tema do workshop que terá lugar no próximo dia 17 de janeiro, com início às 10:00h, no Centro UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, em Beja, organizado pelo Instituto de Arqueología-Mérida (CSIC-Junta de Extremadura) (IAM), pelo Centro de Investigaciones Científicas y Tecnológicas de Extremadura (CICYTEX) e pela Universidade de Évora (Uév.).
O propósito deste encontro é, em primeiro lugar, mostrar o desenvolvimento e resultados da tarefa "Métodos não invasivos em Arqueologia e Agricultura de Precisão para a revalorização do Património e desenvolvimento de uma atividade agrária produtiva e sustentável". Em segundo lugar, pretende-se confrontar a visão de como gerir os espaços agrários atuais em múltiplas perspetivas: a dos empresários agrícolas, a dos investigadores em ciências agronómicas, arqueólogos e gestores encarregues da custodia do território.

De manhã, será feita a apresentação de trabalhos realizados no quadro do projeto INNOACE e associados à temática da tarefa e, de tarde, terá lugar uma Mesa redonda com intervenção de outros agentes interessados.