Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Trabalhos de manutenção no hangar da «Mesa/HiFly» poderão começar em setembro”

Zé LG, 07.09.20

Hi-Fly-manutenção-1-768x432.jpg

Paulo Arsénio, Presidente da Câmara Municipal de Beja, informa que “em setembro poderão iniciar-se os trabalhos de manutenção de aeronaves de linha em pista” no hangar da “Mesa/HiFly”. “Numa segunda fase [devem iniciar-se] os trabalhos de manutenção de linha no hangar e finalmente numa terceira e última fase, que deverá ocorrer no início de 2021, os trabalhos de manutenção de base em hangar”, refere o autarca. “A partir da primeira fase serão incluídos desde logo os formandos que concluíram com sucesso o curso de técnicos de manutenção de aeronaves, ministrado no local. A eles deverão juntar-se mais dez outros técnicos de manutenção de aeronaves e dez pessoas de engenharia e da área administrativa para dar início às operações da empresa”, acrescenta. Paulo Arsénio revela que “a «Mesa» prevê até ao final do ano que estejam criados os primeiros 35 a 40 postos de trabalho fixos”.

Paulo Arsénio reafirma que Aeroporto de Beja só tem condições “para receber voos pontuais”

Zé LG, 19.08.20

PA-1-768x432.jpg“Neste momento, em termos de passageiros, o Aeroporto de Beja, não tem condições para substituir nenhum grande aeroporto da periferia urbana”, reafirmou Paulo Arsénio, presidente da Câmara de Beja, em entrevista à Rádio Pax, porque o espaço “é muito limitado”, [apenas] existe a possibilidade “para estacionar dois ou três aviões na placa”.

Paulo Arsénio defendeu ainda que o aeroporto “não tem grandes condições para receber mais do que voos pontuais” porque é preciso “aumentar a gare e a placa” e que “está vocacionado [apenas] para matéria de manutenção e indústria aeronáutica”, mas que isso não pode ser visto como um “elefante branco, [mas sim] como uma oportunidade para a cidade de Beja”.

“Um aeroporto terá que ser sempre uma aposta de longo prazo”

Zé LG, 06.08.20

201806112220285972.JPG“Um aeroporto terá que ser sempre uma aposta de longo prazo. Logo, o que no curto prazo parece não fazer sentido (?!) sê-lo-á, no futuro. Defendo a valorização do aeroporto de Beja. Aeroporto dentro da área da Grande Lisboa é de afastar essa ideia. Para defender as regiões periféricas, as forças partidárias devem pensar e agir em conjunto, não divididas.”

Francisco Carita Mata 01.08.2020, aqui.

PCP acusa PS de não querer Aeroporto de Beja a funcionar

Zé LG, 05.08.20

201806112220285972.JPGA Comissão Concelhia de Beja do PCP considera “inadmissível” que “o atual presidente da Câmara Municipal de Beja tenha afirmado, recentemente, que o Aeroporto de Beja não é uma alternativa exequível ao do Montijo” e “que deve servir, apenas, a manutenção e a carga, deixando de fora os voos comerciais de passageiros”. “Com estas declarações”, acusa, “o responsável da concelhia de Beja do PS quer ser mais “papista” que o próprio Governo”.

O PCP de Beja diz que Paulo Arsénio se demarcou “da posição da Ministra da Coesão Territorial, que defendeu a aposta no Aeroporto de Beja, com uma ligação ferroviária a Lisboa” e que “o PS descarta o aeroporto e nada diz sobre as obras do futuro IP8 até à fronteira de Vila Verde de Ficalho, nem mesmo sobre a ferrovia”.

O PCP diz que “mais uma vez fica claro que, quer o executivo da Câmara de Beja, quer o PS local, nada fazem para que o concelho se desenvolva, havendo uma clara falta de estratégia para o investimento”, sublinhando que “o PS, que fez contas ao investimento que os turistas podem fazer, caso optem por passar um dia no Parque dos Cinco Reis, esqueceu-se de fazer contas ao investimento que os turistas podiam fazer caso o aeroporto de Beja fosse estimulado com voos de passageiros e caso existissem bons acessos ferroviários e rodoviários”.

PSD, preocupado com afirmações do presidente da Câmara de Beja, diz que não há vontade política para se apostar no Aeroporto

Zé LG, 01.08.20

240620130131-117-DSC_1144.jpgA Comissão Política Concelhia de Beja do PSD revela que “encarou, com alguma preocupação”, as declarações do presidente da autarquia bejense que dão conta que “nas atuais condições, o Aeroporto de Beja não é uma alternativa exequível ao do Montijo”.

Pinela Fernandes, presidente da CPC de Beja do PSD, afirma que “a estratégia de desenvolvimento não passa, certamente, pela praia fluvial dos Cinco Reis, mas sim na ação política local que contribua para a utilização regular do Aeroporto como pólo de desenvolvimento da região, de valorização do interior e de coesão territorial, no combate à desertificação e ao isolamento existentes”.

Começou a ser desmantelado o AIRBUS A310 estacionado em Beja

Zé LG, 23.07.20

9803_big.jpgAvião Airbus A310, que pertencia à SATA Air Açores e que estava estacionado há dois anos na placa do Terminal Civil Aeronáutico de Beja, começou a ser desmantelado a cargo da Unidade de Beja da AmbiGroup Resíduos, no passado dia 9 e tem um prazo de execução de 90 dias.

A aeronave foi adquirida à SATA por uma empresa que lhe retirou os dois reactores e abandonou a carcaça na placa do TCB. No final de Março, a dívida acumulada à ANA pelo “estacionamento” da aeronave rondava os 320 mil euros.

Depois do corte do aparelho, haverá aproveitamento de equipamentos para outras aeronaves, o tratamento de alguns componentes em Beja e a reciclagem de outros materiais.

Ministra da Coesão defende aeroporto de Beja com ligação ferroviária a Lisboa

Zé LG, 20.07.20

ana-abrunhosa13.jpg"Ana Abrunhosa reconhece que é a favor de uma aposta no aeroporto de Beja, com uma ligação ferroviária a Lisboa. Uma solução que vai favorecer a coesão territorial, não fosse essa a sua pasta, e potenciar os investimentos já feitos. Esta ideia surge na véspera de o Governo apresentar aos partidos mais à esquerda do Parlamento o Plano de Recuperação Económica e Social de António Costa e Silva, que também prevê uma aposta forte na ferrovia.

Tendo em conta que já existe um aeroporto em Beja, por que razão, em prol da coesão do território, não se aposta nessa infraestrutura e se usam fundos comunitários para fazer uma ligação ferroviária para Lisboa?

E quem lhe disse que isso não está no nosso horizonte? Tem de falar com o senhor ministro das Infraestruturas e Habitação. É um domínio que é deles. A sua pergunta tem todo o sentido e vai ao encontro daquela que é a nossa maneira de pensar. Em primeiro lugar, antes de estar sempre a criar novo, temos de potenciar aquilo que temos. Temos muitos investimentos feitos no país, potencialidades enormes e, por vezes, é um pequenino investimento adicional que torna os investimentos que já temos muito mais atrativos e sustentáveis: Não dizendo que vamos fazer isso — esta resposta não significa isto — o nosso ministério tem de trabalhar com os outros e aquele com o qual mais trabalho, e bem, é com o das Infraestruturas e Habitação."

Daqui.

Para aumentar a capacidade aeroportuária de Lisboa, Esquadra 101 - “Roncos” é deslocalizada para Beja

Zé LG, 16.06.20

A Base Aérea de Beja, recebe, amanhã, a Cerimónia de receção da Esquadra 101- “Roncos” que operava na Base Aérea nº 1, em Sintra, em consequência da “reorganização do espaço aéreo da Área Terminal de Lisboa (ATL), estabelecida no acordo entre a NAV- Navegação Aérea de Portugal e a Força Aérea, para aumentar a capacidade aeroportuária de Lisboa até 72 movimentos por hora”.
A cerimónia, presidida pelo Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General Joaquim Borrego, inicia-se às 11h15 com a receção das aeronaves TB-30 Epsilon e dos Pilotos Instrutores na Placa 1 e termina com a visita às instalações da Esquadra 101- “Roncos”.

95249338_1825423344264148_6065997623146315776_n roRecorde-se que o ministro da Defesa Nacional esteve, hoje, em Beja, na Base Aérea Nº 11, onde terá realizado “um voo a bordo do helicóptero Alouette III (ALIII)”, para assinalar “o final de serviço desta aeronave, após 57 anos de operação na Força Aérea Portuguesa”.

Hangar da “MESA” no Aeroporto de Beja pronto para licenciar

Zé LG, 28.05.20

A "MESA", do Grupo HiFly, já testou o pavimento do hangar, que construiu no Aeroporto de Beja, com o novíssimo Airbus 330-900 NEO, de 371 lugares. Como este – o avião mais pesado do Grupo -, não danificou a camada superficial do pavimento, a "MESA" pode agora pedir o licenciamento do hangar.

99431192_948226032276307_8767148434441371648_n cm Este tipo de atividades industriais aeronáuticas será durante os anos mais próximos o mais viável "motor" de vida do aeroporto de Beja que poderá ser completado com outras valências que a infra-estrutura comporta”, escreveu Paulo Arsénio, presidente da Câmara de Beja, na sua página do Facebook, acrescentando ainda que “a determinação e a "teimosia" conjuntas do grupo HiFly e da Câmara Municipal de Beja estão finalmente próximas de valorizar do ponto de vista económico a vertente civil do aeroporto, criando mais-valia na região.”

“Guerra dos aeroportos: Beja contra-ataca”

Zé LG, 13.03.20

whatsapp-image-2019-12-14-at-12_26_42_jp_467x467_a"… dotando o aeroporto de características fiscais especiais, atrair-se-ia investimento privado e aí seria possível modernizar e reformular os troços ferroviários e as acessibilidades rodoviárias existentes. Com tais investimentos, seria natural que mais portugueses escolhessem no Alentejo o seu local de residência, não só pelas diferenças em termos de custo imobiliário, mas também pela qualidade de vida e emprego que lá surgiria. Por outro lado, quem quisesse trabalhar em Lisboa poderia ter em Beja (ou arredores) o seu local de habitação. Demoraria tanto como alguém que todos os dias se dirige desde a linha de Sintra ou margem sul, contribuindo assim para um êxodo urbano essencial em termos de sustentabilidade e de demografia, lutando contra a desertificação e isolamento populacional. Uma política que seria sem dúvida de valorização do interior e coesão territorial."

Manuel Pedro Serralha, aqui.

"E se Beja fosse o plano B?"

Zé LG, 11.03.20

image.jfif"Construir no Montijo, numa zona de proteção de aves, significaria também impactos diretos na qualidade de vida de milhares de pessoas, sobretudo devido ao ruído. Vai o Montijo mitigar o problema de ter um aeroporto junto a uma grande cidade? Basta olhar o mapa para se perceber que não. Seria a oportunidade de o Governo mostrar genuíno interesse pelo interior. A Base Aérea de Beja, com capacidade para aviões de grandes dimensões, está à disposição e potenciaria a criação de acessibilidades rodoviárias e ferroviárias para o interior alentejano. Uma solução, sem dúvida, com múltiplos benefícios."

Paula Ferreira

“Montijo, Alcochete, Alverca? Beja!”

Zé LG, 11.02.20

Nuno-Cintra-Torres.jpgA utilização do aeroporto de Beja no resgate dos portugueses de Wuhan e para a Cimeira dos Amigos da Coesão recolocaram Beja no mapa. De pequena cidade do interior, passou a ser conhecida com a única com aeroporto capaz de receber o A380, o maior avião de passageiros do mundo.

...

Pergunta: o novo aeroporto de Lisboa já existe em Beja? Há algum estudo recente que considere Beja incluída no traçado Lisboa-Sines-Évora-Madrid? Para um leigo na matéria como eu, parece óbvio que Beja oferece uma solução imediata e integrada na alta velocidade: Lisboa-Sines-Beja-Évora-Madrid. A economia da região seria muito beneficiada com Beja como hub de transportes internacionais. Lisboa ganharia um novo aeroporto sem impactos ambiental, social e económico nefastos nas margens sul ou norte.

Nuno Cintra Torres, Professor Universitário 11 Fevereiro 2020, 00:08 , aqui.

Aviões partem do Aeroporto de Beja para a China para resgatar cidadãos europeus

Zé LG, 30.01.20

Vão sair esta quinta-feira do aeroporto de Beja três aviões da companhia portuguesa Hi Fly para o repatriamento de cidadãos europeus em território Chinês, onde apareceu o surto do coronavirus.

P1070125 - Cópia.JPGO A380, o maior avião comercial do mundo, será o primeiro a descolar, cerca das 10h. O segundo avião levantará vôo por volta das 11h e o terceiro às 15h.

Aaeroporto no Montijo empurra aviões de treino Épsilon para Beja

Zé LG, 22.01.20

Foto5.jpgA saída prevista da Força Aérea vai implicar a transferência dos helicópteros que estão no Montijo para a base de Sintra e dos aviões de treino Épsilon para a base de Beja, explicou João Gomes Cravinho. A construção do novo aeroporto complementar de Lisboa “vai afetar, direta ou indiretamente, sete das dez esquadras da Força Aérea”.

O impacto orçamental, acrescentou o ministro da Defesa, será “na ordem dos 100 milhões de euros”, valor que “precisa de ser acomodado no âmbito da relação entre o Estado e a entidade que tem a gestão do aeroporto”, a Vinci.

Porque não é o Aeroporto de Beja uma alternativa?

Zé LG, 19.01.20

"O governo não inaugura o troço que está concluído há 2 anos e não concluí o resto da auto-estrada até ao aeroporto de Beja, porque se assim fizesse, não teria desculpas para não utilizar o aeroporto. Anónimo 17.01.2020"

"A questão da distância até ao est o final é uma falsa questão. Eu vivo no Luxemburgo e sei de pessoas que vão apanhar os voos a cerca de 200 quilómetros porque os preços são mais baixos. Logo, há sempre quem não veja inconveniente em aterrar em Beja! Eu, por exemplo. Anónimo 17.01.2020"

Aeroporto-de-Beja-768x432.jpg

"Não é alternativa para coisa nenhuma, porquê? Cidade sem atividade económica relevante? O que significa? Se promoverem o seu desenvolvimento passará a ter! Sem mão de obra qualificada em que áreas? Qual a diferença entre a cidade de Beja e outras cidades do país? ... Anónimo 18.01.2020"

Daqui.

 

"Aeroporto de Beja: uma realidade incontornável"

Zé LG, 03.11.19

F santos Presidente CMB .jpg"...
Mas agora temos de colocar o aeroporto ao serviço da população de Beja e do Baixo Alentejo!
Que fazer?
É urgente a criação de uma Associação de Desenvolvimento sem fins lucrativos (como na origem do Cebal) com sócios individuais e colectivos que criem uma estrutura para levar a cabo esta ingente tarefa.
Qualquer plano estratégico para o Baixo Alentejo terá forçosamente de ter como vector principal o aproveitamento do aeroporto nas suas variadas vertentes.
Dois objectivos imediatos se colocam: colocar na discussão mediática a relevância do Aeroporto de Beja como complementar ao H.Delgado e, ao mesmo tempo, dar inicio à operação através de voos "charter" ou negociando voos regulares de e para Beja com uma companhia de aviação low cost. É utópico? Talvez, mas não é impossível!

Não basta entender o Mundo, é urgente transformá-lo (Marx)."

Francisco Cruz Santos , 3 de fevereiro de 2018

“Só falta vontade política…”

Zé LG, 02.10.19

Aeroporto-de-Beja-768x432.jpg"Por isso (para assegurar o escoamento dos passageiros do Aeroporto de Beja) se propõe a eletrificação e modernização da Linha do Alentejo cujas obras deviam estar concluídas em 2020 e que, deliberadamente têm sido adiadas. Com que objetivos? O de facilitar a ideia de que o Montijo é a única solução quando não há um só estudo comparativo com a utilização do Aeroporto de Beja. Se quiserem as obras da eletrificação e modernização da Linha do Alentejo podem arrancar rapidamente e como o troço de Beja-Funcheira está encerrado podem trabalhar 24 h por dia. Quanto ao de Casa Branca-Beja, como não tem grande intensidade de tráfego pode avançar com as obras de forma quase ininterrupta. As obras do IP8 também podem ser concluídas com rapidez, pois, grande parte dos trabalhos já estão efectuados… Só falta vontade política… há que trabalhar e votar para que a mesma se torne incontornável.
Anónimo 01.10.2019 21:44", aqui

“Aeroporto de Beja apto a receber no imediato 1 milhão e 500 mil passageiros por ano”

Zé LG, 01.10.19

Aeroporto-de-Beja-768x432.jpg

De acordo com a Plataforma Alentejo, “da troca de opiniões (com e a Administração do Aeroporto de Beja/ANA Aeroportos de Portugal) resultou claro que o Aeroporto de Beja está apto a receber no imediato 1 milhão e 500 mil passageiros por ano, que reúne condições excepcionais para o tráfego aéreo e tem todas as condições para a sua ampliação de acordo com eventuais necessidades futuras cabendo aos decisores políticos a clarificação do que se pretende realmente do Aeroporto de Beja e sobre a utilização militar da BA11”.

Claudino Matos, do secretariado da Plataforma Alentejo, afirma que a principal conclusão é que as acessibilidades rodoviárias e ferroviárias são fundamentais para o desenvolvimento do aeroporto de Beja.

Ler e ouvir aqui e aqui.

Aeroporto de Beja “é uma dor de alma” que “em breve será ultrapassada"

Zé LG, 04.08.19

aliança.jpgO aeroporto de Beja "é um projeto fabuloso", sublinhou Santana Lopes, presidente do Aliança, defendendo que todos os portugueses deviam visitá-lo e "ouvir este silêncio", o que "é uma dor de alma", mas que "em breve será ultrapassada".

Santana Lopes lembrou que "Portugal já investiu dezenas de milhões de euros" no aeroporto de Beja, que "está como está", apesar de ser "importante, não só como infraestrutura aeronáutica", mas também como "instrumento de desenvolvimento" da região. Frisou que o seu partido não defende o aeroporto de Beja como "substituto do Montijo ou de Alverca, mas como aeroporto em si mesmo, com potencialidade para servir o desenvolvimento económico" e "a funcionar como grande centro de movimento de carga" e na área da manutenção de aeronaves, na qual "em Portugal há uma excelência de capacidade instalada muito conhecida e que pode ser libertada do aeroporto de Lisboa e ter mais base aqui [em Beja]".