Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Anabela D'Oliveura morreu

Zé LG, 13.01.21

2021011317270112.nb.pngAnabela Dias Martins Rodrigues D'Oliveira, de 68 anos, natural de Beja, morreu hoje no Hospital de Beja.

O funeral realiza-se amanhã, 14, às 13:45, da Casa Mortuária de Beja para o Cemitério de Ferreira do Alentejo. 

Mais uma antiga colega do Liceu de Beja e boa amiga que nos deixa.

Os meus sentidos pêsames à família.

Joaquim Tadeu faleceu, vítima de COVID-19

Zé LG, 06.01.21

JOAQUIM-TADEU_800x800-321x214.jpgJoaquim Tadeu, mais conhecido como “professor Tadeu”, tendo em conta a profissão que exercia na Escola Mário Beirão, morreu nesta terça-feira, vítima de Covid-19, nos Cuidados Intensivos do Hospital de Beja, onde estava internado há cerca de três semanas.

Natural de Guimarães, Joaquim Tadeu, que completaria amanhã 51 anos, escolheu o Alentejo como a sua “Terra Mãe”, tendo primeiro residido em Beja e depois rumado a Vidigueira, onde se fixou há alguns anos. Além dos dois filhos, um rapaz e uma rapariga, o futebol, as bicicletas e o cante eram as suas paixões.

Recorde-se que no próximo dia 23 de janeiro, fará 6 anos que Ana Albuquerque, esposa de Joaquim Tadeu, também professora e impulsionadora do projeto Mocinhos em Cante, juntamente com Paulo Colaço, faleceu.

À família apresento os meus sentidos pêsames.

Será que está a ser feito tudo para evitar que tantos velhos morram?

Zé LG, 23.12.20

100564761_2802640163182185_2963252152606130176_o.j«O factor idade parece ser o mais forte a empurrar alguém para a doença grave, ser hospitalizado, ir parar à UCI e morrer. Se compararmos um jovem de 20 ou 30 anos que tem uma insuficiência cardíaca com um idoso saudável de 75 ou 80 anos, o idoso continua a estar em maior risco do que o jovem» - Manuel Carmo Gomes, professor de Epidemiologia da FC da Universidade de Lisboa, in VISÃO de 17/12.

Sabendo-se isto, porque é que continuam a morrer tantos velhos, designadamente nos lares, onde estão confinados? Porque não são tomadas medidas mais rigorosas de forma a travar a entrada do vírus nos lares? Se há (deve haver) controlo das pessoas - funcionários, técnicos de Saúde, fornecedores, familiares -, que entram nos lares e se já há testes rápidos, porque não se fazem de forma obrigatória a todas elas?

Desculpem, mas não consigo entender que se façam tantos testes e que não se façam todos os que forem necessários para poupar vidas dos mais velhos, por mais curtas que sejam as suas esperanças de vida...

Helder Palma morreu

Zé LG, 12.12.20

Helder.pngHelder Sales Brito Palma, de 71 anos, natural de Entradas e residente em Beja, morreu hoje. O corpo encontra-se em câmara ardente na casa mortuária da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios, em Entradas, de onde sairá o funeral, amanhã, às 15 horas, para o cemitério da Vila.

Helder Palma era Eng.º Técnico Agrário aposentado do Ministério da Agricultura, onde trabalhou, segundo julgo, toda a vida profissional. Era um bom homem, muito calmo e amigo do convívio com os amigos. Mais um amigo que nos deixa...

À família apresento os meus sentidos pêsames.

Gumersindo Dionísio morreu

Zé LG, 25.11.20

2020112511480895.nb.pngGumersindo Jónatas Marques Dionísio, com 72 anos, natural de Santo Amador – Moura, morreu, ontem no Hospital de Beja. O funeral realiza-se amanhã, às 09h30, das Casas Mortuárias de Beja para o Cemitério da Mina de São Domingos.

O Gurmesindo era desenhador-projectista da EMAS, de onde se aposentou há alguns anos. Fui seu vizinho e convivi com ele quando presidi aos Serviços Municipalizados de Beja (actual EMAS). Era um homem reservado, mas bem disposto e com sentido de humor quando se abria um pouco.

Apresento os meus sentidos pêsames à família.

Subiu para 11 o número de mortes no Lar Mansão de São José com covid-19

Zé LG, 19.11.20

mansao-768x432.jpgMorreu, com 88 anos, a última das utentes infetadas no surto de covid-19 no Lar Mansão de São José, em Beja, que ainda estava internada no hospital de Beja.

O surto que teve início a 14 de outubro chegou a infetar um total de 110 pessoas, das quais 88 utentes e 22 funcionárias. O primeiro caso de infeção foi detetado a 12 de outubro, numa idosa de 89 anos após uma ida ao Serviço de Urgência do Hospital de Beja.

Valverde Martins morreu

Zé LG, 15.11.20

2020111512133563.nb.pngAntónio Pedro Valverde Martins, com 85 anos, natural de Beja, morreu ontem no Hospital de Beja. O funeral realizou-se, esta manhã, das Casas Mortuárias para o Cemitério de Beja.

Valverde Martins era bancário reformado. Foi sindicalista, fundador e dirigente da Cooperativa Proletário Alentejano, dirigente do MURPI, para além de outras actividades comunitárias. Foi militante e dirigente distrital do PCP e autarca da CDU.

Valverde Martins era uma um homem bom, humilde, cordato, sempre na procura de consensos, de fortes convicções e de uma dedicação e empenhamento totais às causas em que se envolvia. Foi uma figura marcante de Beja, do simdicalisto e do movimento cooperativo.

À família apresento os meus sentidos pêsames.

Morreu Diogo Lopes

Zé LG, 15.11.20

3d041a_ad217e381c8946b8b4511c7c896f36a7_mv2.jpgMorreu, no dia 14, Diogo Amador Lopes, com 91 anos, viúvo, natural de Salvador - Beja. O funeral realizou-se no dia 15, das casas mortuárias de Beja para o crematório de Setúbal.

Diogo Lopes era aposentado da EMAS, onde desempenhou as funções de leitor-cobrador.

Fui vizinho de Diogo Lopes e convivi com ele quando presidi ao Conselho de Administração dos Serviços Municipalizados da CM de Beja (hoje EMAS).

Guardo dele a recordação de um bom homem, simpático e afável, sério e bom profissional.

À família apresento os meus sentidos pêsames.

“Mortes, sequelas e morbilidades. Conhece a gravidade de uma pneumonia?”

Zé LG, 15.11.20

20201113113958464.jpgNo Dia Mundial da Pneumonia, o MOVA – Movimento Doentes Pela Vacinação lembra que a “pneumonia pode deixar sequelas irreversíveis ou mesmo levar à morte, sobretudo entre os grupos de risco.”

“Segundo o Instituto Nacional de Estatística, a Pneumonia mata uma média de 16 pessoas por dia, uma pessoa a cada 90 minutos. Em 2018, foi responsável por 43.4% das mortes por doenças do aparelho respiratório, 5.1% do total de óbitos no nosso país. A maioria poderia ter sido evitada através de imunização”, recorda o MOVA.

Morreu um dos pioneiros da defesa do ambiente em Portugal

Zé LG, 11.11.20

Gonçalo Ribeiro Telles, engenheiro agrónomo e arquiteto paisagista, morreu hoje com 98 anos.

img_920x518$2020_11_11_17_13_22_1777745.jpgFoi um dos pioneiros da defesa do ambiente em Portugal, grande defensor da proteção legal dos parques naturais, dos jardins e hortas urbanas. Figura tutelar da defesa da ecologia para fundamentar a intervenção na paisagem e no território, foi o responsável pelo lançamento da política de ambiente em Portugal, cuja legislação incentivou quando passou por vários cargos públicos, nomeadamente como ministro de Estado e da Qualidade de Vida, entre 1981 e 1983.

Foi oposicionista ao Estado, concorrendo à Assembleia Nacional em 1957 e 1969 e juntando-se à candidatura de Humberto Delgado à Presidência da República em 1958, apesar de ser monárquico, porque entendia que não se estava a discutir entre República e Monarquia mas sim entre Ditadura e Democracia.

As principais causas de morte no Alentejo

Zé LG, 07.11.20

imgLoader2.jfifUma análise efetuada pelo “DA” aos últimos dados do Instituto Nacional de Estatística dá conta da existência de 2 273 mortes anuais provocadas por doenças do aparelho circulatório. Seguem-se os tumores (neoplasmas) que mataram 1 600 pessoas e os tumores malignos com 1 561 mortes. No Alentejo, as doenças do aparelho respiratório, como a pneumonia e as doenças crónicas de pulmões, brônquios e traqueia, além da doença pulmonar obstrutiva crónica, tiraram a vida a 807 pessoas, e as cerebrovasculares a 679. Neste último grupo incluem-se os acidentes vasculares cerebrais (AVC), sendo que a hipertensão arterial (que afeta mais de um terço da população entre os 25 e os 74 anos) e as arritmias cardíacas são os principais fatores de risco.

O número de óbitos aumentou nos primeiros oito meses do ano na área da Administração Regional de Saúde do Alentejo (ARSA). Até final de agosto há registo de mais 158 mortes, face a 2019 . No ano passado, morreram na região 5 092 pessoas. Este ano o número de mortes foi 5 250. 

Nota: Até ontem, tinham morrido 60 pessoas no Alentejo com COVID-19.

Quantas mortes são necessárias para que se façam inquéritos aos lares?

Zé LG, 28.10.20

Idosos.jpgDepois da Ordem dos Médicos ter feito uma auditoria ao que se passou no lar de Reguengos de Monsaraz, da ARS e do Ministério Público terem instaurado inquéritos sobre o surto de covid-19 no mesmo lar, do presidente da Assembleia da República ter afirmado que "não entende como não se retiraram lições quanto aos lares" e de terem morrido mais oito utentes em dois lares de Beja, depois de terem morrido dois (?) noutro lar, ninguém fala na necessidade de inspecionar a situação neles existente, designadamente no lar da Mansão de São José em que praticamente todos os utentes e trabalhadores foram infectados pelo novo coronavirus. Fala-se em sobreocupação, em utilização das mesmas máscaras por diferentes utentes, em falta de acompanhamento na toma de medicamentos e em outras situações e muito mais e nada disto justifica uma auditoria ou inquérito da Segurança Social, da ARS, das Ordens dos Médicos, do Ministério Público? Quantas mortes são necessárias para que tal aconteça? Ou não se passou nada de grave ou são todos coniventes com o que lá se passou?

Os lares não podem ser encarados como antecâmaras da morte, onde as famílias depositam os seus velhos, nem como negócios chorudos de instiuições que de solidariedade pouco mais têm que o nome (felizmente que isto não se aplica a todos). Não podemos esquecer que os velhos são - ou, pelo menos, deviam assim ser considerados - o nosso mais rico património. Em mais um Dia Internacional do Idoso, que se assinala a 1 de Outubro, é importante que se faça uma reflexão sobre o tema e sejam tomadas medidas de travem descuidos, desleixos, irresponsabilidades e exploração no tratamento dos idosos, que, nestes tempos de pandemia, são as principais vítimas. 

João Transmontano morreu

Zé LG, 17.10.20

121614821_191655189119985_4612376010131934653_n TrJoão Transmontano de Oliveira Miguéns faleceu esta sexta-feira, aos 74 anos de idade, em Arronches, na Unidade de Cuidados Continuados onde estava há algum tempo.

Antigo presidente da Câmara de Portalegre, entre 8 de Janeiro de 1990 e 5 de Janeiro de 1998. Foi também diretor do Centro Regional da Segurança Social de Portalegre, e presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDR).

Conheci e convivi com João Transmontano, principalmente quando exerceu as funções autárquicas e de presidente da CCDRA. Guardo dele a imagem bonhacheirona, de um homem bom, sério, cooperante, sempre na procura das melhores soluções para os problemas das autarquias e do Alentejo. Apesar de termos opções político-partidárias distintas, sempre tivemos um bom relacionamento, respeitoso e de consideração e estima mútuas.  

À família apresento os meus sentidos pêsames.

É preciso proteger mais os mais idosos, da COVID-19!

Zé LG, 01.10.20

O maior número de óbitos concentra-se entre as pessoas com mais de 80 anos, com 1.324 (+3) mortes registadas desde o início da pandemia, seguidas das que tinham entre 70 e 79 anos (391 +2), entre 60 e 69 anos (172 =), entre 50 e 59 anos (60 +1) e 40 e 49 anos (23).

Sem nome.png

Ou seja, foram registados até agora os seguintes óbitos relacionados com a COVID-19: 90 pessoas com menos de 60 anos, das quais 67 com menos de 50 anos.

São números que nos devem obrigar a reflectir na estratégia de combate ao novo coronavírus e tirar as devidas ilacções e tomar as medidas mais adequadas de protecção dos que mais precisam dela.

Era também importante que fosse divulgada a informação - designadamente a idade -, sobre os internados e em cuidados intensivos.

"Mortalidade em Portugal aumentou entre 1 de março a 20 de setembro"

Zé LG, 28.09.20

Sem nome.pngDesde o início da pandemia por COVID-19, registaram-se mais 24% de mortes em investigação (cujas causas não são totalmente conhecidas), mais 18% de óbitos em casa e mais 5,6% de mortes nos hospitais.

Segundo uma análise da TSF com base no Sistema de Informação dos Certificados de Óbito da Direção-Geral de Saúde (DGS), desde o início da pandemia em Portugal, morreram mais 6.829 pessoas do que em 2019.

O total de óbitos (64.756) está acima de todos os anos anteriores desde 2009, anos em que não se ultrapassou a barreira dos 60.000. Só no mês de setembro, registaram-se mais 763 mortos do que em igual período de 2019.

No entanto, a COVID-19 é responsável por menos de 2 mil pessoas em Portugal desde o início da pandemia.

Alentejo regista mais 158 mortes que em 2019, 22 relacionadas com a COVID-19

Zé LG, 22.09.20

hospital-1802679_960_720-768x508.jpgAté ao final do mês de agosto há registo de mais 158 mortes no Alentejo face a 2019. No ano passado, morreram na região 5 092 pessoas. Até ao final do mês passado o número de mortes foi 5 250. Os dados são do INE.

No Baixo Alentejo, à exceção do concelho de Odemira há mais 78 vítimas mortais, o que representa um aumento de 5,8% em relação ao ano passado. Em 2019 morreram 1 335 e em 2020, até ao momento, registam-se 1 413 óbitos.

Estes números poderão estar relacionados com o novo coronavírus que, em Portugal, desde o início da pandemia já matou mais de 1 800 pessoas, 22 das quais no Alentejo.

Raul de Carvalho morreu há 40 anos

Zé LG, 03.09.20

imgLoader.ashx RC.jpgRaul de Carvalho nasceu em Alvito faz amanhã 100 anos, onde começou a redigir os primeiros versos.

O poeta conta com vinte e uma obras publicadas em vida e duas ainda a título póstumo.

A preocupação com a condição dos mais desprotegidos é uma constante na vida do poeta, tendo estado ligado a protestos contra a Lei da Segurança Interna, com Natália Correia, Ruy Cinatti e Augusto Abelaira.

A sua inclinação artística pela pintura e pela fotografia fez-se sentir durante os anos vividos em Lisboa.

Raul de Carvalho morreu a 3 de Setembro, na véspera do seu sexagésimo quarto aniversário.

Até sempre camarada Bernardino Quaresma!

Zé LG, 18.08.20

2020081717192729.nb.pngFui agora surpreendido com a notícia da morte, ontem, no Hospital de Beja, de Bernardino Machado Quaresma, de 71 anos, natural de Vila Nova de São Bento e residente em Beja há muitos anos. Da última vez que estive com ele, percebi que não estava bem, mas não me apercebi da gravidade...

O Bernardino era filho do saudoso velho militante comunista Bento Quaresma. Foi emigrante em França e, no regresso, criou uma empresa familiar de prestação de serviços.

Conheci-o quando regressou, no PCP, onde criámos uma relação de estima mútua.

O funeral realiza-se, logo às 15:30, da Casa Mortuária para o Cemitério de Beja.

À família, principalmente ao irmão Miguel, apresento os meus sentidos pêsames!

Morreu o “Ildo”

Zé LG, 17.08.20

2020081612214557.nb Ildo.pngCarlos Joaquim Fernandes Venâncio, o “Ildo” como era conhecido, morreu ontem, com 75 anos, na sua casa.

O funeral realiza-se hoje, às 09:30, da Casa Mortuária para o Cemitério de Beja.

O “Ildo” foi toda a vida um homem da bola. Jogou no Desportivo, no Despertar e noutros clubes. Depois foi treinador de diversos escalões e clubes da região.

Era uma figura pública e estimada da Cidade de Beja e da comunidade futebolística.

Privei pouco com ele. Fiquei com a impressão de ser um homem bom, simples, bem disposto, amigo do seu amigo e do convívio, totalmente dedicado ao futebol.

À família apresento os meus sentidos pêsames!