Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Ministro do Ambiente Roteiro inaugura ETA da Magra e nova ETAR de Beja

MA.jpgRealiza-se hoje um roteiro dedicado à “Água no Alentejo” com a presença do Ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, o secretário de Estado do Ambiente, João Ataíde, que inauguram a ETA da Magra e a nova ETAR de Beja e visitam a albufeira do Roxo e as obras de beneficiação da respectiva ETA, localizadas no concelho de Aljustrel, o novo reservatório de água de Alvalade, Santiago do Cacém, e a ETA de Almograve, Odemira, terminando o programa neste último concelho com a inauguração do reforço do armazenamento de água em Vila Nova de Milfontes e adução a São Luís, no âmbito do Sistema Público de Parceria Integrado de Águas do Alentejo (SPIAA), obras a cargo da AgdA – Águas Públicas do Alentejo, empresa detida pela Águas de Portugal e a Associação de Municípios para a Gestão da Água Pública do Alentejo. 

9af1129c-c476-4b60-8d84-f594a314cfdb.JPG

Ler mais aqui e aqui.

Inaugurada em Amieira a maior praia do Alqueva

amieira_praia.pngA Praia da Amieira, a terceira e maior praia do Alqueva – até ao momento – foi inaugurada num ato presidido pela Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho. Um investimento da Câmara Municipal de Portel - com o apoio do Turismo de Portugal - orçado em mais de meio milhão de euros.
Junto à aldeia da Amieira, com cerca de 4 500 metros quadrados de relva e um areal de 18 000 mil metros quadrados, a praia da Amieira dispõe ainda de equipamentos de apoio e lazer como bar, casas de banho, equipamento de apoio para os nadadores salvadores e os chamados apoios de praia, uma piscina flutuante para crianças, um ancoradouro e um parque de merendas e conta também com acesso para utentes com mobilidade reduzida.

EMAS de Beja faz intervenção em rede de distribuição de água de Vale de Rossins

201907051518531532.jpgA EMAS de Beja intervém em troço da rede de água em Vale de Rossins, na União das Freguesias de Beja de Salvada e Cabeça Gorda, por apresentar vários constrangimentos no abastecimento de água.

Para melhorar o abastecimento de água, a EMAS de Beja realiza a substituição de cerca de 190 metros de conduta e 12 ramais da rede de distribuição de água em Vale de Rossins, prevendo-se que a obra fique concluída na 1ª quinzena de Julho. 

“Empresa de água envolvendo municípios do PS poderá ser inviável”

EMAS-1-768x432.jpgÉ assim, sem parêntesis”, que o Diário do Alentejo, na sua edição da semana passada, noticia a situação em que ficou “a proposta de criação da Águas do Baixo Alentejo. Uma empresa que envolveria oito dos nove municípios socialistas” da CIMBAL “e o grupo Águas de Portugal, que ficaria com 51 por cento do capital desta entidade para gerir a distribuição da água em baixa”, segundo esclarece aquela notícia do Diário do Alentejo.

A inviabilização da criação da referida empresa resultará do chumbo da proposta registado nas Assembleias Municipais de Castro Verde e de Beja.

Pela importância do que está em causa e pela polémica que aqueles chumbos geraram, proponho-me, através dalguns alvitres a publicar aqui, colocar algumas questões que nos podem ajudar a compreender melhor este processo e as suas repercussões.

Comecemos, neste primeiro alvitre, pelas seguintes questões:

1 – Porque envolveu esta proposta apenas municípios geridos pelo PS? Se, com esta empresa, se pretendia aproveitar “a oportunidade de ter um investimento de renovação das redes de água”, porque ficaram de fora os municípios geridos pela CDU?

2 – Porque não integrou a proposta um município (de Ferreira do Alentejo) gerido pelo PS? Porque, segundo Pita Ameixa, o se presidente, “importa tomar decisões de fundo e fundamentadas… um rumo, definido e seguro, para as próximas décadas, e não apenas para os próximos anos” e avaliar “os prós e contras de cada tipo de sistema”.

Será que o processo foi conduzido procurando envolver todos os municípios e esclarecendo os autarcas, os trabalhadores e os consumidores do que pretendiam os seus promotores directos e das diversas consequências desta alteração na gestão da água em baixa?

Voltaremos ao assunto, noutros alvitres, abordando outros aspectos do processo.

EMAS não prevê problemas devido à seca

EMAS-1-768x432.jpgA EMAS- Empresa Municipal de Água e Saneamento de Beja não prevê problemas no abastecimento de água às populações devido à seca que atinge a região e o país.
Rui Marreiros, administrador da Empresa, garante que a abastecimento está assegurado a partir da barragem do Roxo. As captações subterrâneas podem, em caso de necessidade, ser utilizadas para abastecimento público.
A estas fontes, junta-se a nova estação de tratamento de água de Beja que permitirá, em breve, a ligação ao sistema de Alqueva, o que reforça a origem de água para distribuição, esclarece Rui Marreiros.

Assembleia Municipal de Beja rejeita integração da EMAS nas Águas do Baixo Alentejo

201906262124519797.jpgA formação da parceria pública Águas do Baixo Alentejo não passou, ontem, na Assembleia Municipal de Beja. A proposta teve 16 votos contra, 15 dos eleitos da CDU mais 1 do deputado do BE, 15 votos a favor dos eleitos do PS e 2 abstenções, uma do deputado do PSD e outra do deputado do Movimento Por São Matias com Todos. Uma decisão aplaudida pelos mais de 50 trabalhadores da EMAS presentes e onde um deles disse, no início da sessão, que considerava “lamentável” a forma como o processo foi conduzido, condenando, nas suas palavras, o facto, de “não terem sido ouvidos neste processo”. Também Vasco Santana, do STAL de Beja interpelou a Assembleia, questionando sobre o futuro dos trabalhadores da empresa e a forma como a mesma seria extinta.

Leia também aqui.

Pedro do Carmo contra Capoulas Santos?

pedro-do-carmo-AR2-768x432.jpgO deputado do PS eleito por Beja interveio a favor do olival, durante o debate realizado na Assembleia da República, marcado pelo Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), com o tema “travar as culturas intensivas e superintensivas”, considerando que a plantação de olival no Alentejo “cria emprego e fixa população jovem e qualificada nos territórios do interior” e que o Baixo Alentejo “é hoje uma das regiões do país que mais contribui para as nossas exportações” fruto dos investimentos realizados.

No mesmo debate, afirmou o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural: “Determinei, no atual quadro comunitário de apoio, que não haverá no perímetro de Alqueva mais apoios ao investimento para a instalação de olivais e de agro-industrias associadas ao olival, porque temos capacidade de laboração suficiente”.

Comentários recentes

  • Anónimo

    São apenas recomendações e mais nada.O que é que q...

  • Anónimo

    Há, aí no problem, eles entendem todos bem.Se for ...

  • Anónimo

    Os deputados vão de férias descansados. Quem fica ...

  • Anónimo

    É evidente que é bom negócio. A questão é quando p...

  • Anónimo

    Para os seres humanos a saúde faz parte do seu bem...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds