Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

SERVIÇOS DO HOSPITAL DE BEJA EM “RISCO DE COLAPSO”

Zé LG, 05.02.18

hospital.jpeg

Doze directores de serviço do Hospital José Joaquim Fernandes em Beja divulgam hoje um manifesto em que expressam a sua preocupação pela situação de “absoluta carência de médicos” para fazer face às necessidades assistenciais da população nesta unidade de saúde.  “Está muito complicado”, desabafou ao PÚBLICO Ana Matos Pires, directora do serviço de psiquiatria, alertando para o “risco iminente” de colapso das urgências de pediatria e obstetrícia e para as “graves dificuldades” existentes nos serviços de anestesiologia, radiologia, cirurgia geral e ortopedia. “Faltam sobretudo médicos especialistas”, refere Ana Matos Pires, criticando a “não abertura de concursos para recém-especialistas em 2017”. Esta “grave lacuna” surge associada às “dificuldades acrescidas de atrair e manter novos clínicos nesta região”. 

O caminho a percorrer para minorar as carências que existem nos serviços de Saúde do Baixo Alentejo, passam por “uma discussão alargada” que ainda não foi possível concretizar. “Sem sugestões realistas e concretas os problemas não serão ultrapassados”, diz, alertando para necessidade de os discutir e tentar resolver.

5 comentários

  • Imagem de perfil

    Ana Matos Pires 05.02.2018

    Porquê?
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    Por prejudicarem a imagem da empresa...
  • Imagem de perfil

    Ana Matos Pires 05.02.2018

    A sério, tudo isto me deixa tão triste. O que interessa é a pseudo-política de trazer por casa, o medo, a crítica gratuita, a guerrinha da tanga. O que está em causa, meus senhores, não é nada disso. O que está em causa é querer mais e melhor saúde de um modo claro, é pedir ajuda e mostrar disponibilidade para resolver problemas graves para toda uma população que merece todo o nosso respeito, é discutir políticas de saúde e estratégias de saúde locais... é a melhoria da prestação dos cuidados médicos.

    Acham mesmo que um Conselho de Administração que integra dois médicos e um enfermeiro - sem desqualificação dos outros dois elementos mais "burocratas", por acaso um deles com formação de base na área da saúde - não quer o mesmo? Tenham juízo.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 06.02.2018

    A pseudo política parece-me mesmo o termo indicado para esta eminência parda chamada “manifesto”.
  • Comentar:

    CorretorMais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.