Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

SERVIÇOS DO HOSPITAL DE BEJA EM “RISCO DE COLAPSO”

Zé LG, 05.02.18

hospital.jpeg

Doze directores de serviço do Hospital José Joaquim Fernandes em Beja divulgam hoje um manifesto em que expressam a sua preocupação pela situação de “absoluta carência de médicos” para fazer face às necessidades assistenciais da população nesta unidade de saúde.  “Está muito complicado”, desabafou ao PÚBLICO Ana Matos Pires, directora do serviço de psiquiatria, alertando para o “risco iminente” de colapso das urgências de pediatria e obstetrícia e para as “graves dificuldades” existentes nos serviços de anestesiologia, radiologia, cirurgia geral e ortopedia. “Faltam sobretudo médicos especialistas”, refere Ana Matos Pires, criticando a “não abertura de concursos para recém-especialistas em 2017”. Esta “grave lacuna” surge associada às “dificuldades acrescidas de atrair e manter novos clínicos nesta região”. 

O caminho a percorrer para minorar as carências que existem nos serviços de Saúde do Baixo Alentejo, passam por “uma discussão alargada” que ainda não foi possível concretizar. “Sem sugestões realistas e concretas os problemas não serão ultrapassados”, diz, alertando para necessidade de os discutir e tentar resolver.

20 comentários

  • Imagem de perfil

    Ana Matos Pires 05.02.2018

    Porquê?
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    Por prejudicarem a imagem da empresa...
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    O reboliço que vai hoje no sexto piso!...
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    Mas este é um abaixo assinado caloroso para o CA.Juntam-se as vozes do poder à dos oprimidos.
  • Imagem de perfil

    Ana Matos Pires 05.02.2018

    E por que diabo deveria ser um Manifesto diferente? Por que diabo as preocupações das chefias clínicas intermédias haverão de ser diferentes das do CA? Que raio de visão a preto e branco. É por estas e por outras semelhantes que esta terra só perde, a desunião e a picardia são a pedra de toque.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    Porque este Manifesto refere-se a dois problemas nacionais.Os concursos nacionais de 2017 e a colocação de médicos no interior.O Ministério sabe muito bem do primeiro assunto em Que pontos está e porquê.O segundo tema o Sr.Ministro e seus colaboradores ,bem como outros Ministerios anteriores,estão fartos de saber o que querem descriminar positivamente , como e porquê.E por demais conhecido ,debatido e que interesses serve.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    Então qual é o objetivo por trás de lançar o alarme à população?
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    Qual será então o objectivo desta lapalissada, como muito bem qualificou um anónimo que para aqui alvitra?
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    Protagonismo nos órgãos de comunicação social nacionais.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    Talvez o mesmo objectivo do exame psiquiátrico ao morto, pedido que segundo o Juiz Presidente, José Lucio,nunca existiu como refere o Notícias Lidador,na página do dia 5 de Fevereiro de 2018.
  • Imagem de perfil

    Ana Matos Pires 05.02.2018

    Bora discutir Saúde no Baixo Alentejo? Ou isso agora não interessa nada, como dizia a outra?
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    Para fórum de discussão sobre a Saúde no Baixo Alentejo, mal ou bem utilizado, o Alvitrando tem servido. Veio aqui quem quis. Veremos se agora mais algum dos doze magníficos virá, assumindo a sua identidade.
  • Imagem de perfil

    Ana Matos Pires 05.02.2018

    Ponto 1, essa dos "magníficos" deve DE ser para o(a) mandar à fava. Se se assumem posições públicas é porque se assumem posições públicas, se não se assumem posições públicas é porque não se assumem posições públicas.

    Ponto 2. Era o que mais faltava que as pessoas se sentissem obrigadas a participar em discussões blogosféricas. Nunca dei pela presença de qualquer dos meus outros 11 colegas por estas bandas - pq não lhes apetece, pq não lhes interessa, pq não querem... sei lá, estão no direito deles - pq deveriam (deverão) fazê-lo agora?
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    1. Se a Dra. está a condensar os objetivos na motivação para um fórum, de facto podia ter aberto um blogue específico.
    2. Parece que a Dra. está a tentar esvaziar o significado interno (na ULSBA) desta tomada de posição coletiva.
  • Imagem de perfil

    Ana Matos Pires 05.02.2018

    ahahahahahahahahahhahahahahhahahahahahahahahahahahahahhahahahahahahahaha lá m'engasguei outra vez.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 05.02.2018

    Disfarce, que Freud explica.
  • Imagem de perfil

    Ana Matos Pires 05.02.2018

    Já cá faltava o tio Freud, coitado quase sempre tão mal "chamado" tsc tsc tsc
    (não me apetece desconversa, pelo menos hoje, nem conversa mole)
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 06.02.2018

    Dra., confesse que foi uma iniciativa um tanto ou quanto “naïf”...
  • Imagem de perfil

    Ana Matos Pires 06.02.2018

    Se considera "naif" que médicos se preocupem com a saúde das populações que servem então... sim. Que quer que lhe diga, que quer que faça para além de ironizar?
  • Comentar:

    CorretorMais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.