Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

RURALBEJA - "PATRIMÓNIOS DO SUL"

A RURALBEJA – Feira de Santa Maria foi criada pela Câmara Municipal de Beja em conjunto com a ACOS, o NERBE e a então Região de Turismo da Planície Dourada.

O que motivou a sua criação foi a conclusão de um inquérito que a CMB fez à população sobre a Feira de Agosto, que apontou para o interesse na realização de uma feira, mas noutra altura, e também o compromisso assumido pela ACOS na realização do Campeonato do Mundo de Equitação de Trabalho e do Campeonato da Europa de Horseball.

O formato adoptado foi o da coexistência de várias “feiras” e outros eventos que já se tinham realizado e que se pretendia reactivar ou dinamizar, a que se juntaram outros como os atrás referidos.

O modelo organizativo adoptado foi o de uma promoção e organização conjuntas, embora, na prática e formalmente, assentes na ACOS, de forma a aproveitar a sua experiência na organização da OVIBEJA, a facilitar a apresentação de candidaturas aos fundos comunitários e a ter uma gestão administrativa menos condicionada, contando com o apoio logístico e financeiro do Município e com entradas e cedência de espaços pagos.

Com o passar dos anos, a RURALBEJA foi-se afirmando progressivamente como uma alternativa de Outono à OVIBEJA, passando a sua organização a assentar cada vez mais na ACOS.

As dificuldades começaram a surgir quando a CMB passou a não cumprir os compromissos financeiros assumidos, sobrecarregando a ACOS e gerando mal estar na cooperação entre as duas entidades. Esta situação atingiu a ruptura num ano em que a CMB recusou comparticipar com a verba necessária para a sustentação da realização da Feira e assumiu a sua organização.

A partir daí a CMB foi introduzindo alterações, por vezes erráticas, no formato e no modelo organizativo da Feira, com redução de receitas e aumento progressivo de despesas, nunca divulgadas com clareza, devido à sua distribuição por várias rubricas do orçamento municipal..

Pelo caminho, a Feira adoptou ainda o nome de Experiências do Sul, tal como agora se vai chamar Patrimónios do Sul, o que me parece contrário ao interesse na afirmação de uma MARCA. As explicações apresentadas, antes e agora, pelos Executivos do PS para a mudança do nome pouco ou nada a justificam, a não ser para fazer parecer que estão a criar uma “coisa” nova. O actual Executivo do PS parece não só pretender afirmar a diferença em relação aos Executivos da CDU mas também ao anterior do PS...

Deixo, para concluir, uma pergunta: Porque não chamar à Feira (ou evento) RURALBEJA - Patrimónios do Sul? Dessa forma, mantinha-se a afirmação da MARCA e sugeria-se o que se pretende valorizar com a realização da Feira.

Comentários recentes

  • Anónimo

    É uma questão de tempo. André Ventura ainda irá da...

  • Anónimo

    Se depois dessas apostas o desempate depender de u...

  • Anónimo

    A propósito, temos o caso do Munhoz Frade. Apesar ...

  • Mais Beja

    Tenho 1€, e posso apostar onde ganho 3 vezes ou on...

  • Anónimo

    Pois é, mas a matemática também serve para desempa...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.