Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

O QUE VAI ACONTECER Á ONCOLOGIA DO HDB?

Zé LG, 01.09.14

«… o Alvitrando não é o melhor espaço para grandes debates. Mas também sei, que na ausência de outros, também serve, como se pode comprovar pelo que aqui (http://alvitrando.blogs.sapo.pt/o-que-se-passa-no-hospital-distrital-de-2748641) está a acontecer. 
Parece-me que desta vez a maioria dos comentadores está a participar de forma séria e construtiva para um melhor esclarecimento. É pena que usem muito o "mediquez" e discutam em circuito fechado. Se escrevessem em português simples e ousassem sair do "templo" todos beneficiaríamos muito mais com este debate. 
Não será possível serem mais directos a abordarem os principais problemas que afectam a Saúde na nossa região e como acham que eles poderiam ser resolvidos e o que é preciso fazer para que isso aconteça? Acredito que sim e desafio-os a fazê-lo… 

Zé LG a 6 de Agosto de 2014 às 00:16

 

Apesar deste meu apelo, o debate tem-se mantido no mesmo registo. Por isso, insisto desafiando-os a pronunciarem-se sobre uma questão concreta que interessa a muita gente: O que vai acontecer à Oncologia do HDB, face à reorganização hospitalar? Vai passar a ter os serviços complementares que deve ter este Serviço ou vai acabar porque os não tem?

11 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Paspalho 02.09.2014

    ... quando aqui há muitos meses, entre algumas "bocas" eu vos avisava que não podíamos ficar sentados vendo o passar do tempo... houve quem se risse!
  • Sem imagem de perfil

    M 02.09.2014

    De nada adianta reclamar os louros dos alertas. Seria um exercício fastidioso e inútil procurar na poeira dos dias a quem se deve a primazia. Do que se trata agora, como sempre, é de lutar pelos direitos humanos, sagrados para todos e todas de boa vontade. Beja tem de formar um movimento de defesa do SNS.
  • Sem imagem de perfil

    Paspalho 04.09.2014

    ... louros meu caro M? louros por isto?
    É por todos andarem à procura de louros e fazerem o que fazem... por louros, que isto está como está!
  • Sem imagem de perfil

    Outro Paspalho Qualquer 04.09.2014

    Não podia estar mais de acordo com o Paspalho . Quais louros?
  • Vivemos tempos que implicam mudanças radicais no que toca aos cuidados de saúde, e que chocam de forma quase total com os conceitos, interesses e sobretudo valores instalados.
    E não são só os dos técnicos/profissionais de saúde, farmacêuticas, laboratórios, etc. Nós próprios utentes, não vemos melhor local para tratar uma gripe que recorrer a uma Urgência Hospital para ficarmos descansados e aí fazer todas as análises e radiografias de forma a excluir outras doenças mais graves.
    Daí que já aqui se tenha falado nessa palavra maldita que é o Hospitalocentrismo.
    Logo não vai ser muito fácil mudar o SNS no sentido de o ajustar aos tempos que vivemos.
  • Sem imagem de perfil

    M 05.09.2014

    Sr. Jeremias: explique o que entende por conceitos e valores instalados e porque é necessário desinstalá-los, para substituí-los pelo quê.
  • Sem imagem de perfil

    Paspalho 05.09.2014

    Caros concidadãos, não misturemos as coisas, não dá para misturar.
    Uma coisa é a reforma do SNS, outra é reformar o grupelho que dirige a ULSBA no momento, estamos entendidos?
    Não vái ser na ULSBA que se vai reformar o SNS, não será na ULSBA que será dado o tiro de partida para alguma eventual reforma no dito, poucos serão se calhar os contributos da ULSBA para a reforma do SNS, faremos parte dela, não a faremos, estamos entendidos?
    Os problemas que por aqui se vão colocando, e nos vão entretendo..., são "mais Sérios", são locais, são falta de capacidade de gestão, falta de ideias e ideais, falta de empenhamento, falta de visão, falta de estratégia, falta de objectivos, falta de credibilidade..., enfim falta de um C.A. para a ULSBA, estamos entendidos?
    E por isso sim nós todos podemos fazer qualquer coisa, se cada um de nós mexer uma palha, junto teremos mexido uma carrada de fardos, e isso sim é muita palha.., não podemos, será mau, se o fizermos, ficar À espera que o Drº Munhoz esteja continuamente a meter a cabeça no cepo, há limites!
  • Sem imagem de perfil

    Kilas, o bom da fita 05.09.2014

    Explicar como fazer isso é bem mais difícil do que despejar um balde de água gelada pelos cornos abaixo.
  • Sem imagem de perfil

    Troglodita 05.09.2014

    não posso estar mais de acordo consigo, mas temos por aqui tanta inteligência à espreita, que era capaz de se arranjar qq coisa!
  • Sem imagem de perfil

    Outro Paspalho Qualquer 06.09.2014

    Concordo com toda está análise do Paspalho, não poderia estar mais de acordo com ele. O Troglodita , que de troglodita nada tem , também está coberto de razão . Não se arranjará qualquer coisa que permita à ULSBA não morrer bem antes de ter chegado à idade jovem ? Ainda é uma criança e já padece de tantos males , como bem refere o Paspalho! Precisamos de estar à altura de acompanhar e fazer parte da reforma do SNS, um elemento importante nesse todo que é o sistema . Os políticos locais têm a obrigação de perceber isto , qualquer que seja o seu quadrante . Se não conseguirmos fazer-lhes passar esta mensagem , não cruzando os braços, e for só o Munhoz a pôr a cabeça no cepo, outra experiência idêntica às anteriores , em que os interesses individuais e o suposto poder político despido da essência da gestão do SNS dominam , estou convicta que a doença a está conduzindo à morte lenta. Não há poder político local /dominante e assim implementado que opere milagres em gestão de unidades de saúde /hospitais e resista às intempéries que as avassalam e que são maiores em tempo de crise e de necessidades de mudanças /adaptações.
  • Comentar:

    CorretorMais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.