Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

O que se passa no Hospital Distrital de Beja?

Zé LG, 01.08.14

Duas enfermarias do Hospital de Beja desinfestadas devido a ácaros do ambiente

In: http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?go=noticias&id=3515

Ácaros obrigam a desinfestação no Hospital de Beja

In: http://www.radiopax.com/index.php?go=noticias&id=4636

 

Afinal o que se passa no Hospital Distrital de Beja? Com frequência vêm a público notícias sobre o mau funcionamento do Hospital e a degradação dos serviços que presta. Cada vez mais, são mais as pessoas que dizem que procuram outras alternativas ao Hospital de Beja porque não existem especialistas ou não confiam nos que existem.

Há pouco tempo realizou-se uma reunião entre a Administração da ULSBA e o presidente da ARS do Alentejo e os autarcas, da qual foi divulgada uma acta que relatava os assuntos abordados mas não referia conclusões. Ou seja, ficámos sem saber se os problemas existentes vão ser resolvidos, como e quando ou se vão manter.

Só com uma informação correcta e com o envolvimento das populações será possível evitar a aparente progressiva desqualificação do Hospital. Cabe à Administração da ULSBA e aos autarcas assegurar a informação e aos autarcas o envolvimento das populações para que tal não se verifique.

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    M. F. 05.08.2014

    Meu caro anônimo das 15:59. Opiniões de distintas personalidades há muitas, de sentidos opostos. Cada um selecciona as que lhe convém citar para suportar o seu próprio ponto de vista. Mas o argumento de autoridade vale pouco. Ao longo de décadas temos sofrido as consequências de decisões centrais que em nada se ajustam às nossas necessidades locais. A resolução das nossas carências de interioridade e periferia não pode ser tomando medidas que foram desenhadas para outros contextos. No caso da "nóvel" teoria deste iluminado investigador, mais me parece um exemplo da teoria geral dos supermercados.
  • Sem imagem de perfil

    Rita 15.08.2014

    Reforma hospitalar fica para as calendas

    … Dito de outra forma: a portaria 82/2014 que estabelece os critérios para classificar os hospitais públicos, e que tem provocado acesa polémica, porque, lida à letra, implica o fecho de vários serviços e especialidades hospitalares, não determina as valências concretas que cada unidade deverá disponibilizar, salienta. Esta classificação hospitalar será “operacionalizada através dos contratos-programa com o hospital e o respectivo plano estratégico” e nesta equação vão entrar não só localização geográfica e as acessibilidades, mas também o nível de especialização, os equipamentos pesados, os recursos humanos e a procura potencial, além da interligação de cada unidade com outros estabelecimentos, os chamados centros de referência, segundo o documento.
    A controversa portaria foi publicada em Abril passado para cumprir o calendário da troika que, no memorando de entendimento, destacava a reforma hospitalar como uma das mais importantes medidas na área da saúde.
    O eventual fecho de serviços vai, então, ter que ser concretizado pelo próximo Governo? “São medidas que queremos que sejam tecnicamente correctas, devem passar pelos governos, nós próprios fomos buscar medidas que vinham de trás”, responde Jorge Penedo. Mas há ou não há serviços que vão fechar? “Essa é uma pergunta política, não técnica”, retorque.
    JP 13.08.14 link
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.