Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

"o que acontecerá quando o entusiasmo para ajudar passar? Porque as coisas estão esfriando", pergunta o Papa

Zé LG, 16.06.22

Papa: a guerra não pode ser reduzida a uma distinção entre bons e maus

cq5dam.thumbnail.cropped.750.422.jpeg

Publicamos uma grande parte da conversa de Francisco com os diretores das Revistas dos Jesuítas, recebidos em audiência no Vaticano em 19 de maio. A íntegra do encontro foi divulgada na edição desta terça-feira (14) da revista "La Civiltà Cattolica". In: Vatican News

A Companhia está presente na Ucrânia. Estamos vivendo uma guerra de agressão. Nós escrevemos sobre isso em nossas revistas. Qual é o seu conselho para comunicar sobre a situação que estamos vivendo? Como podemos contribuir para um futuro de paz?

Para responder a essa pergunta, temos que nos afastar do esquema normal de "Chapeuzinho Vermelho": a Chapeuzinho Vermelho era boa e o lobo era o mau. Aqui não há bons e maus metafísicos, de uma forma abstrata. Algo global está surgindo, com elementos que estão muito interligados entre eles. Alguns meses antes do início da guerra encontrei um chefe de Estado, um homem sábio, que fala pouco, muito sábio mesmo. E depois de falar sobre as coisas de que ele queria falar, me disse que estava muito preocupado com a maneira como a OTAN estava se movendo. Eu lhe perguntei porquê, e ele me disse: "Estão latindo nas portas da Rússia. E não entendem que os russos são imperiais e não permitem que nenhuma potência estrangeira se aproxime deles". Ele concluiu: "A situação pode levar à guerra". Essa era a sua opinião. Em 24 de fevereiro, a guerra começou. Aquele chefe de Estado foi capaz de ler os sinais do que estava acontecendo.

Aquilo que estamos vendo é a brutalidade e a ferocidade com que esta guerra está sendo conduzida pelas tropas, geralmente mercenárias, utilizadas pelos russos. E os russos realmente preferem enviar chechenos, sírios, mercenários. Mas o perigo é que só vemos isso, o que é monstruoso, e não vemos todo o drama que está se desenrolando por trás desta guerra, que talvez tenha sido de alguma forma provocada ou não impedida. E registro o interesse em testar e vender armas. É muito triste, mas no final é isso que está em jogo.

 

Alguém pode me dizer neste momento: mas o senhor está a favor do Putin! Não, não estou. Seria simplista e errado afirmar uma coisa do gênero. Sou simplesmente contrário em reduzir a complexidade à distinção entre os bons e os maus, sem raciocinar sobre as raízes e os interesses, que são muito complexos. Enquanto vemos a ferocidade, a crueldade das tropas russas, não devemos esquecer os problemas a fim de tentar resolvê-los. 

Também é verdade que os russos pensavam que tudo estaria terminado em uma semana. Mas calcularam mal. Eles encontraram um povo corajoso, um povo que está lutando para sobreviver e que tem uma história de luta.

Devo acrescentar também que o que está acontecendo agora na Ucrânia, nós o vemos dessa forma porque está mais próximo de nós e toca mais a nossa sensibilidade. Mas há outros países distantes - pensemos a algumas partes da África, ao norte da Nigéria, ao norte do Congo - onde a guerra ainda está em curso e ninguém se importa. Pensem em Ruanda 25 anos atrás. Pensemos em Mianmar e nos Rohingya. O mundo está em guerra. Alguns anos atrás me ocorreu dizer que estamos vivendo a terceira guerra mundial em pedaços e em bocados. Então, para mim, hoje, a Terceira Guerra Mundial foi declarada. E isso é algo que deveria nos fazer pensar. O que está acontecendo com a humanidade que já teve três guerras mundiais em um século? Eu vivo a Primeira Guerra em memória do meu avô no Piave. E depois a Segunda e agora a Terceira. 

E isso é ruim para a humanidade, uma calamidade. É preciso pensar que em um século houve três guerras mundiais, com todo o comércio de armas que tem por trás!

Quatro anos atrás, apenas quatro anos atrás, houve a comemoração do 60º aniversário dos desembarques na Normandia. E muitos chefes de Estado e de governo comemoraram a vitória. Ninguém se lembrou das dezenas de milhares de jovens que morreram na praia naquela ocasião. Quando fui para Redipuglia em 2014 para o centenário da Guerra Mundial - faço uma revelação pessoal a vocês -, chorei quando vi a idade dos soldados caídos. Quando, alguns anos depois, em 2 de novembro - a cada 2 de novembro visito um cemitério - fui a Anzio, lá também chorei quando vi a idade daqueles soldados caídos. No ano passado fui ao cemitério francês, e os túmulos dos jovens - cristãos ou islâmicos, porque os franceses também enviavam para lutar aqueles do norte da África - eram também de jovens de 20, 22, 24 anos de idade. Quando fui para a Eslováquia, fiquei impressionado com o número de mulheres jovens e idosas. Faltava, porém,  os homens idosos. As avós estavam sozinhas. A guerra havia levado os seus maridos. 

Por que estou contando a vocês estas coisas? Porque eu gostaria que as suas revistas abordassem o lado humano da guerra. Gostaria que as revistas mostrassem o drama humano da guerra. É muito bom fazer um cálculo geopolítico, estudar as coisas em profundidade. Vocês devem fazer isso, porque é o trabalho de vocês. Mas também procurem transmitir o drama humano da guerra. O drama humano daqueles cemitérios, o drama humano das praias da Normandia ou de Anzio, o drama humano de uma mulher cuja à porta bate um carteiro e que recebe uma carta agradecendo-lhe por ter dado um filho à pátria, que é um herói da pátria... E assim ela fica sozinha. Refletir sobre isso ajudaria muito a humanidade e a Igreja. Façam as suas reflexões sócio-políticas, mas não descuidem da reflexão humana sobre a guerra.

Vamos voltar à Ucrânia. Todos abrem os seus corações para os refugiados, para os exilados ucranianos, que geralmente são mulheres e crianças. Os homens ficaram para lutar. Na audiência da semana passada, duas mulheres de soldados ucranianos que estavam na siderúrgica Azovstal vieram me pedir que intercedesse para que fossem salvos. Todos nós somos realmente sensíveis a essas situações dramáticas. São mulheres com filhos, cujos maridos estão lutando lá. Mulheres jovens e bonitas. Mas eu me pergunto: o que acontecerá quando o entusiasmo para ajudar passar? Porque as coisas estão esfriando, quem cuidará dessas mulheres? Devemos olhar além da ação concreta do momento, e ver como vamos apoiá-las para que não caiam no tráfico, não sejam usada, pois os abutres já estão circulando.  

A Ucrânia é perita em sofrer escravidão e guerras. É um país rico, que sempre foi cortado, dilacerado pela vontade daqueles que queriam tomar posse dele para explorá-lo. É como se a história tivesse predisposto a Ucrânia para ser um país heróico. Ver esse heroísmo toca nossos corações. Um heroísmo que anda de mãos dadas com a ternura! De fato, quando chegaram os primeiros jovens soldados russos - depois enviaram mercenários -, enviados para fazer uma "operação militar", como diziam, sem saber que iriam à guerra, foram as próprias mulheres ucranianas que cuidaram deles quando se renderam. Grande humanidade, grande ternura. Mulheres corajosas. Pessoas corajosas. Um povo que não tem medo de lutar. Um povo trabalhador e, ao mesmo tempo, orgulhoso da sua terra. Tenhamos em mente a identidade ucraniana neste momento. Isto é o que nos comove: ver tal heroísmo. Gostaria realmente de enfatizar este ponto: o heroísmo do povo ucraniano. Aquela que está diante de nossos olhos é uma situação de guerra mundial, de interesses globais, de venda de armas e de apropriação geopolítica, que está martirizando um povo heróico. 

Gostaria de acrescentar um outro elemento. Tive uma conversa de 40 minutos com o Patriarca Kirill. Na primeira parte, ele me leu uma declaração na qual dava os motivos para justificar a guerra. Quando terminou, eu intervim e lhe disse: 'Irmão, nós não somos coroinhas de Estado, somos pastores do povo'. Eu deveria encontrá-lo no dia 14 de junho em Jerusalém, para falar sobre as nossas coisas. Mas com a guerra, de comum acordo, decidimos adiar a reunião para uma data posterior, para que o nosso diálogo não fosse mal entendido. Espero encontrá-lo por ocasião de uma assembleia geral no Cazaquistão, em setembro. Espero poder cumprimentá-lo e falar um pouco com ele como pastor.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.